Aonde o pecado pode levar o homem ?


Certa moça, apaixonada por um homem casado, quer saber o que fazer. De fato, ela já sabe, mas vive o conflito entre o desejo e o dever. Quem quer se lançar numa aventura como essa, deve olhar para o fundo do abismo antes de pular. É um suicídio moral e espiritual. A jovem vive a ilusão de constituir um lar com aquele homem. Entretanto, ele já tem uma família constituída, com sua esposa e seu filho.

Vamos delinear um possível desenvolvimento para essa história a partir do envolvimento extraconjugal. O prazer da satisfação carnal virá acompanhado por outros elementos indesejáveis. A nova união receberá o nome de adultério, ainda que se queira chamar de outra coisa. Na seqüência, ficará estabelecida a bigamia, mesmo que provisória. Por um descuido, a amante ficará grávida. Diante da complexidade da situação, será realizado o aborto.

No dia em que o caso vier à tona, trará a decepção para a esposa que, não conseguindo perdoar, pedirá o divórcio. Este não será exatamente o fim do casamento. Ficarão as obrigações alimentares, as visitas constrangedoras e a consciência ferida. O filho, também decepcionado, crescerá sem a convivência assídua com o pai. Poderá, em função disso, ter dificuldades em seus próprios relacionamentos e na futura constituição familiar.

Existem situações ainda mais graves em que o cônjuge traído resolve matar o traidor juntamente com a terceira pessoa da história.

Embora nem todo adultério tenha desfecho tão trágico, também é verdade que nenhum deles é capaz de produzir uma linda história de amor.

O melhor a se fazer é escapar enquanto é possível. “Livra-te como a gazela da mão do caçador, e como a ave da mão do passarinheiro” (Pv.6.5).

A bíblia diz que “um abismo chama outro abismo” (Salmo 42.7). Quando a pessoa estiver no meio da tragédia, tentará compreender como chegou àquele ponto. Tudo começou com uma escolha pecaminosa. A paixão pode ser muito forte, mas vai passar. Não se deixe levar por uma emoção.

Quando Deus disse “Não adulterarás”, ele não pretendia estabelecer uma prisão para o ser humano, mas queria apenas protegê-lo de terríveis males. Os mandamentos do Senhor são como cercas à beira do abismo. Eles não têm por objetivo a restrição da nossa liberdade, mas a proteção das nossas almas e também dos nossos entes queridos.

Quando se escolhe o pecado, inicia-se a queda. É um processo que leva o homem “de mal a pior” (II Tm.3.13). Onde será o fundo desse abismo? O inferno. A pior conseqüência do pecado não é física, emocional ou financeira. O ponto máximo de sua destruição é a condenação do homem à eternidade de sofrimento, longe de Deus.

Entretanto, ainda existe esperança. Aos que se encontram caídos nos abismos do pecado, o Senhor Jesus estende a mão. Ele é o bom pastor que veio ao mundo em busca das ovelhas que se afastaram, caindo nos penhascos da vida (João 10.14). O Senhor oferece perdão e acolhimento para aqueles que pecaram. Contudo, não se deve usar o conhecimento da sua misericórdia como permissão para o pecado. Muitos caem e não se levantam mais. Muitos são mortos antes que possam pedir ajuda.

Se você pode ler esta mensagem, é porque ainda não é tarde demais. Clame ao Senhor por misericórdia e perdão. Ele pode fazer parar o processo da queda espiritual e firmar os seus passos. Resolva voltar. Suba em direção a uma vida de honra na presença de Deus.

Prof. Anísio Renato de Andrade

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s