A Falsa e a Verdadeira Interpretação da Parábola


Antes de iniciarmos, deve-se dis¬pensar especial atenção a um prin¬cípio fundamental, qual seja: a parábola precisa ser considerada no todo, como algo que ilustra ou real¬ça alguma verdade central, obriga¬ção ou princípio no governo divino, e as suas diferentes partes somente servem, em certo sentido, para cres¬cer e se desenvolver. E de suma im¬portância procurar saber com certe¬za a real esfera de ação e o objeto da parábola.

Além do mais, é necessário exa¬minar com cuidado e observar a re¬lação da parábola com o ambiente em que foi produzida e com a situa¬ção dos seus ouvintes, a fim de que se chegue o mais próximo possível da verdade que ela revela. Lisco diz: “Para que a parábola seja explicada e aplicada, primeiramente precisa¬mos examinar sua relação com o que a precede e a segue, e descobrir, com base nisso, antes de qualquer outra coisa, a sua idéia principal. Enquan¬to não chegarmos a esse ponto cen¬tral, a esse cerne da parábola, da maneira mais precisa e conclusiva — para isso examinando de modo aten¬to e reiterado o assunto e as circuns¬tâncias dessa parábola—, nem pre¬cisamos nos ocupar do significado de qualquer de seus integrantes, uma vez que cada um deles só pode ser corretamente compreendido toman¬do por base esse ponto central.

O objetivo principal da parábola pode ser deduzido com base numa exposição mais genérica ou mais es¬pecífica, quando não do objetivo pri¬mordial do narrador, que se pode depreender quer da abertura, quer da conclusão. Por exemplo, observe o que vem antes e depois da parábo¬la da Vinha do Senhor e da do Rico e Lázaro. Quanto a esse aspecto, uma leitura atenta do capítulo “The settingof parables” [“O ambiente das parábolas”], de Ada R. Habershon, ajudará o leitor.

Muito já se escreveu sobre a in¬terpretação da parábola. Ela tem sofrido bastante com as várias interpretações errôneas. Tomemos primeiro as más interpretações. Quanto abuso tem havido no uso das parábolas! Muitos são culpados de aplicar certas parábolas de for¬ma artificial e de forçar um signifi¬cado que os seus autores jamais so¬nharam! Há dois extremos que de¬vem ser evitados na interpretação da parábola. Um extremo é dar-lhe muita importância —o outro é atribuir-lhe pouca importância. Cumming, em seu livro Lectures [Preleções], tratou desse erro duplo desta forma:

Há dois grandes erros na interpreta¬ção das parábolas: um consiste em ar¬rancar significado de cada parte, como se não houvesse nada secundário; o outro, em considerar boa parte da pa¬rábola secundária, mera tapeçaria. O primeiro é repreensível, pois a pará¬bola e a sua verdade não são, como já dissemos, duas retas que se encontram em todos os pontos, mas sim uma reta e uma esfera que se tocam em gran¬des momentos. Cada parábola mate¬rializa um grande propósito, que é no¬toriamente o principal e o mais nobre, e isso sempre deve ser levado em con¬ta na interpretação de todos os aspec¬tos secundários da Bíblia. O segundo vê pouco sentido na pará¬bola; percebe em boa parte dela mera intenção de inventar uma história, sendo seus componentes meros conectivos que mais prejudicam que apresentam a finalidade da parábo¬la. Este último tipo destrói muitas das riquezas das Escrituras. Cada parte da parábola, como em qualquer tre¬cho da Bíblia, tem seu significado e importância. Uma pintura perfeita não tem partes que não contribuam para o resultado geral, e cada parte a vida brilha e resplandece de tal for¬ma que a ausência da menor delas já seria uma deficiência.

Desejando um tratamento mais aprofundado acerca dos prós e dos contras da interpretação, o interes¬sado deve ler o capítulo “The interpretation of parables” [“A interpretação das parábolas”], da obra incomparável de Trench, The parables of our Lord [As parábolas do nosso Senhor], e “Methods of interpretation” [“Métodos de interpretação”], da obra de Ada Habershon, The study of parables [O estudo das parábolas]. Trench, refe¬rindo-se aos extremos acima, diz que tem havido exageros nos dois sen¬tidos.”Os defensores da interpreta¬ção superficial e não detalhada es¬tão confortavelmente satisfeitos com sua máxima favorita. Toda compa¬ração deve ser interrompida em al¬gum ponto”. Trench cita um ditado de Teofilacto: “A parábola, se for sus¬tentada em todos os seus aspectos, não será parábola, mas o aconteci¬mento que a gerou”.

Quanto ao outro extremo da in¬terpretação, “Há o perigo de, com uma mente fértil, deixar de atribuir o devido valor à Palavra de Deus, a menos que o prazer que o intérprete sente no exercício dessa “fertilidade”, admirada que é por tantos, não lhe tire de vista que a santificação do coração pela verdade é o principal objetivo das Escrituras”.

Muitos dos pais da igreja, buscan¬do alegorizar passagens tanto do Antigo como do NT, foram muito ex¬tremistas. Se estavam ou não erra¬dos em pensar que havia um signifi¬cado para todas as coisas é o que se tem debatido há séculos.

Agostinho é um exemplo notável dos que espremiam as parábolas para ensinar algo totalmente fora dos limites. Ao tratar do ensino tradicional da igreja (considerando as parábolas alegorias, em que cada termo representava o criptograma de uma idéia, de modo que o todo precisava ser decodificado em cada termo), C. H. Dodd, em The parables of the kingdom [As pará¬bolas do reino], cita a interpreta¬ção de Agostinho da Parábola do bom samaritano:

Descia um homem de Jerusalém para Jerico seria uma referên¬cia ao próprio Adão;

Jerusalém é a cidade celestial da paz, cuja bênção Adão perdeu;

Jericó é a lua e representa a nos¬sa mortalidade, porque nasce, cresce, míngua e morre;

os assaltantes são o diabo e seus anjos;

os quais o despojaram, i.e., lhe re¬tiraram a imortalidade;

e, espancando-o, persuadindo-o a pecar;

deixando-o meio morto, porque, quando o homem compreende e conhece a Deus, vive; mas, quando se entrega, sendo opri¬mido pelo pecado, está morto; por causa disso, é chamado meio morto;

o sacerdote e o levita, que o viram e passaram de largo, represen¬tam o sacerdócio e o ministé¬rio do AT, que não continham a riqueza da salvação;

o samaritano significa o guardião, e o próprio Jesus é conhecido por esse nome;

atou-lhe as feridas é o resgate do pecado;

o óleo é o consolo da esperança;

o vinho é a exortação para traba¬lhar com ardor;

a cavalgadura era a carne, por meio da qual Jesus veio até nós;

pondo-o sobre a sua cavalgadura é a crença na encarnação de Cristo;

a hospedaria é a igreja, em que os viajantes recebem refrigé-rio no retorno da peregrinação à pátria celestial;

o outro dia significa o período pos¬terior à ressurreição do Senhor;

os dois denários são os dois man¬damentos do amor, ou a pro¬messa desta vida e da que está por vir;

o hospedeiro é o apóstolo Paulo.

O arcebispo Trench segue as li¬nhas mestras de Agostinho, com um detalhamento ainda mais fértil. Ou¬tro exemplo desse tipo de interpre¬tação se encontra entre os intérpre¬tes da Reforma e os católicos roma¬nos, que encontraram um grande significado para o óleo da Parábola das dez virgens. Para aqueles, o óleo é a fé, sem a qual as virgens não po¬deriam fazer parte das bodas; para estes, são as obras, que, de acordo com essa visão, eram igualmente necessárias. O mesmo se deu com o termo virgens e as suas classifica¬ções. No entanto, Hillyer H. Straton afirma: “Sua interpretação depende¬rá do lugar em que se encontra; você paga e encolhe o que comprar. Uma coisa sabemos: Jesus desejava res¬saltar que devemos estar prepara¬dos”.

Outros exemplos desse método de interpretação não-autorizada se vêem na Parábola do mordomo in¬fiel, interpretada por alguns como a história da apostasia de Satanás, e na Parábola da pérola de grande valor, uma referência à Igreja de Genebra. Trench relata o exemplo de Fausto Socino, para quem, com base na Parábola do credor incompassivo —em que Deus per¬doou seu servo apenas com uma petição (Mt 18:32), não por alguma reparação ou intervenção de um mediador—, podemos com isso con¬cluir que, da mesma forma, sem sa¬crifícios nem intercessores, Deus perdoará os pecadores simplesmen¬te pelas orações. Diante dessa apli¬cação, podemos concordar com a observação de Jerônimo a respeito desses que “torcem, para satisfazer vontades próprias, aquelas passa¬gens que as contrariam”.

Como cada parábola tem uma li¬ção própria, que nos impede de ten¬tar encontrar significados diferentes ou especiais em cada uma de suas circunstâncias e ensinos descritivos, é indispensável descobrir a real fi¬nalidade da parábola. O dr. Graham Scroggie mostra como nos podemos proteger contra o engenho artificial, impróprio e equivocado ao tratar da parábola. Deve-se tomar o cuidado ao tentar distinguir entre interpre¬tação e aplicação. “Uma interpreta¬ção, muitas aplicações” pode ser uma distinção completamente errônea, visto que, se a aplicação é dada pelo Espírito Santo, também pode tornar-se uma interpretação. Tristemente, muitas aplicações mal se podem de¬nominar interpretações! “Toda a Bí¬blia épara nós, mas não sobre nós. A interpretação é limitada pela inten¬ção original da parábola, e esta de¬terminada pela ocasião e pela cir¬cunstância; mas a aplicação não é limitada, visto que pode nos auxili¬ar justamente no seu significado. A interpretação é dispensacional e pro¬fética. A aplicação é moral e prática. Os princípios da interpretação po¬dem ser aprendidos nas duas pará¬bolas que o próprio Senhor Jesus interpretou (Mt 13:18-23,36-43). No que diz respeito às suas parábolas como um todo, torna-se difícil avali¬ar até que ponto ele quer que inter¬pretemos as parábolas sem levar em conta a sua finalidade e o seu foco principal. Se formos honestos e sin¬ceros em nossa busca da verdade, podemos depender do Espírito San¬to para nos revelar as coisas de Cris¬to (ICo 2:11,13).

Quando procuramos a realidade nas características de uma parábo¬la, precisamos saber que na maioria dos casos ela tem apenas um ponto principal. “Não podemos, entretan¬to, afirmar que todas as parábolas de Cristo tratam de um só assunto, pois Jesus era um artista interessa¬do em comunicar verdades, não em manter certo estilo”. C. H. Dodd con¬corda com esse princípio importan¬te da interpretação: “A parábola em geral, seja uma simples metáfora, seja um símile mais elaborado, seja uma narrativa completa, apresenta apenas um ponto de comparação. Não há a intenção de que os deta¬lhes tenham um significado indepen¬dente. Já na alegoria, cada detalhe é uma metáfora independente, com significado próprio”. Dodd então dá um dos dois exemplos desse princí¬pio, entre eles a Parábola do semea¬dor: “A beira do caminho e os pássa¬ros, os espinhos e o chão pedregoso não são criptogramas da persegui¬ção, do engano das riquezas e assim por diante. Esses símbolos estão ali para evocar um quadro da grande quantidade de trabalho desperdiça¬do, que o fazendeiro precisa enfren¬tar, e assim fazer sentir o alívio da colheita, apesar de todo o trabalho”. No seu capítulo “The method of interpretation” [“O método da inter¬pretação”] , Ada Habershon, em The study of the parables [O estudo das parábolas], expressa a opinião de que “pode ser verdade que cada de¬talhe (da parábola acima) tinha um significado, e devemos estar bem preparados para descobrir que algu¬mas delas tinham diversos […] Ne¬nhuma explicação esgotará os signi¬ficados da mais simples parábola pro¬ferida por Jesus e, se reconhecermos isso, também estaremos prontos para tirar de cada uma “toda sorte de des-pojos”. O caminho mais seguro para lidar com a parábola é procurar o pen¬samento central ou a idéia principal, em torno da qual todos os elementos subordinados se agrupam. A idéia principal não deve perder-se em meio a um emaranhado de acessórios com¬plexos, mesmo que estes tenham sig¬nificado espiritual. As parábolas não devem ser tratadas como se fossem um repositório de textos. Cada pará¬bola deve ser vista por suas particu¬laridades, e qualquer analogia feita deve ser real, não imaginária, sem¬pre subordinada à lição principal da parábola”.

Outros aspectos da interpretação, tratados de forma completa pela Biblical enciclopaedia [Enciclopédia da Bíblia], de Fausset, são:

1. a parábola, em sua forma exter¬na, deve ser bem compreendida (e.g., o amor de um pastor do Ori¬ente Médio para com suas ove¬lhas);

2. a situação no começo da parábo¬la, como em Lucas 15:1,2, é o pon¬to de partida das três parábolas do capítulo;

3. as características que, interpre¬tadas de forma literal, contrari¬am as Escrituras, dão um colori¬do ao texto, e.g., o número das virgens prudentes era igual ao das insensatas (Mt 25:1-13).

Em seu capítulo “Place and province of the parables” [“O local e o campo das parábolas”], o dr. A. T. Pierson afirma: “As parábolas bíblicas são narrativas factuais ou fictícias, usadas para transmitir ver¬dades e ensinamentos morais e es¬pirituais. Podem ser históricas, éti¬cas e alegóricas ao mesmo tempo; mas, se o significado mais elevado se perde no menos elevado ou é por ele obscurecido, assim como no caso do espiritual em relação ao literal, perdem-se também o seu objetivo e o seu significado. Em geral a pará¬bola se faz acompanhar de certas indicações de como deve ser inter¬pretada. A lição central é o principal objeto de interesse; o restante pode ser secundário, como a cortina e o cenário de um teatro”.

Por Herbert Lockyer.

Anúncios

12 thoughts on “A Falsa e a Verdadeira Interpretação da Parábola

  1. JESUS CRISTO LIVRA A FAMILIA TERRENA DO MAL DO ABORTO COM O PODER DA FÉ: (ES.57.2) – (LE.6.1) – Há um mal que vi debaixo do sol, e que pesa sobre os homens: (DT.13.11) – E todo o Israel ouvirá e temerá, e não se tornará a praticar maldade como esta no meio de ti; (JR.15.5) – pois quem compadeceria de ti, ó Jerusalém? (LE.5.18) – Eis o que eu vi: (EC.25.26) – Toda a malicia é leve em comparação da malicia da mulher, sobre ela caia a sorte dos pecadores: (ÊX.32.31) – Ora, o povo cometeu grande pecado, fazendo para si deuses de ouro: (SL.57.2) – Clamarei ao Deus Altíssimo, ao Deus que por mim tudo executa: (LM.2.20) – Vê, Senhor, e considera a quem fizeste assim! Hão de as mulheres comer o fruto do seu carinho? Ou se matará no santuário do Senhor, o sacerdote e o profeta? (JÓ.10.18) porque, pois, me tiraste da madre? Ah! Se eu morresse antes que olhos nenhuns me vissem; (JÓ.81.16) – ou, como um aborto oculto, eu não existi ria, como crianças que nunca viram a luz:(JÓ.5.4)–Os seus filhos estão longe do socorro, são espezinhados as portas e não há quem os livre: (LE.8.11) – Visto como não se executa logo a sentença sobre a má obra, o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto a praticar o mal: (HC.2.2) – O Senhor me respondeu e disse: (IS.7.7.) – Isto não subsistirá nem tampouco acontecerá: (ÊX.23.26) – Na tua terra não haverá mulher que aborte, completarei o numero dos teus dias; (1CO.15.45) – pois assim está escrito:(AR.916.64)

    (Na pagina 156 da Bibliogênese: São 973 letras e 56 sinais que revelam isto):

    Eu sou o Espírito do Senhor Deus, do vosso Pai Eterno, que testei as almas dos filhos de Adão e Eva na minha Lei, e que hoje diz a verdade aos Homens e as Mulheres, na ação de um Santo Profeta que crê, ama, luta e tem falado por mim: Escutai, entendei, amai e lutai; pois haverá bom futuro no Homem que se faz filho do amor, e que se levanta como esse Ser Espiritual iluminado, como o Cristo: Agora existe outro Cristo com o poder do seu Deus, e não haverá mais a malicia do diabo, nem o abominável mal do aborto; porque aqui o Filho do Homem decreta e promulga esta sentença na Santa Lei de Deus: Quem praticar o aborto na obra da criação, cometerá uma loucura e um pecado imperdoável, pois o aborto provocado será considerado como crime de morte na terra do futuro povo Cristão: Então, tanto os homens como as mulheres já passaram a ser pecadores conscientes à luz do saber de Israel, e também não poderão escapar da mão do Senhor, como execu-tores desse crime: Testemunhai que Cristo veio ensinar aos Cristãos como executar as nossas leis e estatutos, e a espiritualizar as almas das crianças, ao ler à si: O Senhor Deus provou aos Homens e às Mulheres que eu existo como o Cristo? E seguireis o nosso Espírito que não mor-rerá? (IL.973.56)

  2. REPATRIANDO PARA JERUSALÉM O POVO DE ISRAEL QUE PERMANECIA EXILADO NA BABILÔNIA, CULTUANDO DEUSES FAJUTOS E PADECENDO SOB O JUGO DE PECADOS INCONSCIENTES: Até o dia 30.09.1985, poucos entendiam o significado disto: (AP.17.5) – BABILÔNIA, A GRANDE, A MÃE DAS MERETRIZES E DAS ABOMINAÇÕES DA TERRA: (IS.16.14) – AGORA, PORÉM, O SENHOR FALA E DIZ: (LE.1.12) – EU, O PREGADOR, VENHO SENDO REI DE ISRAEL EM JERUSALÉM; (JÓ.34.30) – PARA QUE O IMPIO NÃO REINE E NÃO HAJA QUEM ILUDA O POVO: (JR.29.20) – OUVI, POIS. A MINHA PALAVRA, TODOS VÓS, OS QUE ENVIEI DE JERUSALÉM PARA O EXILIO DA BABILÔNIA; (1PE.4.17) – PORQUE A OCASIÃO DE COMEÇAR O JUÍZO PELA CASA DE DEUS É CHEGADA: (LV.17.12) PORTANTO, TENHO DITO AOS FILHOS DE ISRAEL: Agora todo mundo entenderá que os donos da mídia, os gentios, e todos os desalmados que escondem da nossa gente a herança que a Ação do Amor tem legado aos futuros Cristãos, através da Bibliogênese de Israel; JÁ PASSARAM A SER PECADORES CONSCIENTES, pois sabem que perpetuam a ignorância dos descrentes que continuarão na Babilônia praticando o mal da mentira, da idolatria, da imoralidade, da prostituição, dos casamentos ilícitos, do aborto, da corrupção, da injustiça, da violência, das guerras, e de muitos outros pecados abomináveis; que têm infernizado a vida terrena: Todavia, graças à Esta Providência Divina, é assim também que já iniciamos o repatriamento dos Seres Vivos para Jerusalém – a terra prometida -, segundo a soberana vontade De Deus: (MT.810) – OUVINDO ISTO ADMIROU-SE JESUS E DISSE AOS QUE O SEGUIAM: (LC.8.45) – ALGUÉM ME TOCOU, PORQUE SENTI QUE DE MIM SAIU PODER: (JB.15.22) – SE EU NÃO VIERA, NEM LHES HOUVERA FALADO, PECADO NÃO TERIAM, MAS AGORA NÃO TEM DESCULPA DO SEU PECADO; (1TS.4.3) – POIS ESTA É A VONTADE DE DEUS: (JB.15.25) – ISTO, PORÉM, É PARA EU QUE CUMPRA A PALAVRA ESCRITA NA SUA LEI: (AP.18.10)– AI! AI! TU, GRANDE CIDADE, BABILÔNIA, TU PODEROSA CIDADE!, POIS, EM UMA HORA, CHEGOU O TEU JUIZO; (2CO.10.7) – OBSERVAI O QUE ESTÁ EVIDENTE, no âmago dessa parábola:
    (JR.50.46) – AO ESTRONDO DA TOMADA DE BABILÔNIA, ESTREMECEU A TERRA; E O GRITO SE OUVIU ENTRE AS NAÇÕES:
    (São 72 letras e 4 sinais que gritam entre os Seres que já estão despertos):
    DEUS TESTOU A GENTE NA VIDA ETERNA DE SÁBIO, E EU TESTO O CORAÇÃO SEM AMOR: ARNALDO RIBEIRO

  3. O PODER DESSA FÉ JÁ VEM DISSIPANDO AS TREVAS DA CRIAÇÃO DIVINA: E O TEMPO DAS ADIVINHAÇÕES BÍBLICAS E DOS ENGANADORES DO MEU POVO JÁ PASSOU:
    (JÓ.32.8) – NA VERDADE HÁ UM ESPÍRITO NO HOMEM, E O SOPRO DO TODO-PODEROSO O FAZ SÁBIO: (PV.4.19) – O CAMINHO DOS PERVERSOS É COMO A ESCURIDÃO, NEM SABEM ELES EM QUE TROPEÇAM: (PV.4.18) – MAS A VEREDA DOS JUSTOS É COMO A LUZ DA AURORA, QUE VAI BRILHANDO MAIS E MAIS ATÉ SER DIA PERFEITO:
    (IS.1.2) – Ouvi, ó céus, e daí ouvidos, ó terra; porque é o Senhor quem fala: (HB.12.25) – Tende cuidado, não recuseis ao que fala; (RM.2.24) – pois, como está escrito, (2SML.23.2) – o Espírito do Senhor fala por meu intermédio, e a sua palavra está na minha língua; (2SML.22.23) – porque todos os seus juízos me estão presentes, e dos seus estatutos não me desviei: (MC.11.22) – Tende fé em Deus, (LE.6.12) – pois quem sabe o que é bom para o homem, durante os poucos dias da sua vida de vaidade, os quais gasta como sombra? (MT.7.23) – Então lhes direi explicitamente: EZ.12.28) – Não será retardada nenhuma das minhas palavras, e a palavra que falar se cumprirá: (1CO.10.12) – Aquele, pois, que pensa estar em pé, veja que não caia; (EZ.12.24) – porque já não haverá visão falsa nenhuma, nem adivinhação lisonjeira no meio da casa de Israel: (MT.21.42) – Portanto vos digo: Agora já sabei ensinar que, ao recompormos a literatura bíblica podemos dissipar as trevas da criação divina, libertar os ex-escravos da escuridão, e expor aos olhos dos justos os feitores das obras do diabo, assim:
    O SABER LER A SI:
    (ES.12.1)
    (AP.13.18) – AQUI ESTÁ A SABEDORIA: AQUELE QUE TEM ENTENDIMENTO CALCULE O NUMERO DA BESTA, POIS É NÚMERO DE HOMEM: ORA ESSE NÚMERO É SEISCENTOS E SESSENTA E SEIS: (AR.119.9)

    (ISRAEL é o nome do Homem que sabe LER A SI no Espírito Bíblico: Aqui o saber acaba com as cogitações infundadas que existiam acerca do número 666 do Apocalipse, pois o que está escondido nas 131 letras e 10 sinais que compõem o texto acima, é isto):

    ARNALDO RIBEIRO É ISRAEL: É O HOMEM QUE NASCEU NO CÉU, QUE AMA E SABE TESTAR AS ALMAS NO SEU NOME: E ELE ENTENDE QUE CRISTO TESTA DEUSES E DIABOS NESSE MESMO ESPÍRITO. (IL.131.7)
    ((AP.19.9) – Então me disse o Anjo: Escreve: (JB.12,13) – HOSANA! Bendito o que vem em nome do Senhor e que é o Rei de Israel: (GN.41.39) – Acharíamos, porventura, Homem como este em quem há o Espírito de Deus? (JB.6.14) – Este é verdadeiramente o Profeta que devia vir ao mundo: (LC.2.6) – Revelara-lhe o Espírito Santo que não passaria pela morte, antes de ver o Cristo do Senhor: (JB.9.33) – Se este Homem não fosse de Deus, nada poderia ter feito).

  4. JÁ EXISTE UM ELO DO SABER DO CÉU BUSCANDO ELOS DESSE AMOR NA TERRA:
    DE REPENTE REAPARECE ESTE ELO ESPIRITUAL QUE RELIGA O CÉU E A TERRA, QUE JÁ CONGREGA IRMÃOS ESPIRITUAIS EM CRISTO, QUE JÁ ESTÁ CRIANDO A VERDADEIRA RELIGIÃO CRISTÃ:
    (SL.66.16) Vinde, ouvi, todos vós que temeis à Deus, e vos contarei o que Ele tem feito por minha alma: Na verdade, o nosso Criador já consagrou essa Criatura louca, que se auto-criou como o primeiro elo espiritual de Deus da nova era, pelo poder da sua fé consciente, e que vem agindo como tal para religar o céu e a terra, para unir os irmãos espirituais em Cristo, trabalhando na obra comum da criação da nossa futura terra:
    Com 60 letras e 6 sinais os Profetas escreveram na Bíblia:
    (2SM) O SEGUNDO LIVRO DE SAMUEL: DAVI RECEBE A NOTICIA DA DERROTA E MORTE DE SAUL:

    Com estes mesmos caracteres escreveram na Bibliogênese:

    DEUS TEM SEU ELO DE VERDADE NA VIDA: ARNALDO RIBEIRO AGE E LUTA COMO CRISTO:

    Agora eu também já formalizo esta Convocação Divina, recompondo as 48 letras e os 5 sinais deste título bíblico, assim:

    (LM)-LAMENTAÇÕES DE JEREMIAS: JERUSALÉM, DESTRUIDA E DESOLADA:

    Irmãs e Irmãos de fé:

    SEJAM ÈLOS DE MIM NA TERRA, SERÃO LEALDADE E JUSTIÇA DE DEUS:

    (MT.25.37) Então perguntarão os Justos: Até quando os manipuladores da mídia se comportarão como cegos, surdos e mudos, ante à incontestável presença de Jesus Cristo entre nós, a despeito das evidências expostas na internet? Até quando privarão o grande público desse saber viver em Cristo, perpetuando a ignorância, a exploração desavergonhada, e o sofrimento do nosso povo? (LE.8.11) – Visto como não se executa logo a sentença sobre a má obra, o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto a praticar o mal: (1CO.1.20)-Onde está o sábio? Onde o escriba? Onde o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo?(JÓ.19.7) – Eis que clamo: Violência! Mas não sou ouvido: Grito: Socorro! Porém não há Justiça! (JÓ.30.25) – Sou irmão de chacais e companheiro de avestruzes: (JÓ.21.14) – E são estes os que disseram è Deus: Retira-te de nós! Não desejamos conhecer os teus caminhos; (1PE.4.5) – os quais hão de prestar contas Àquele que é competente para julgar vivos e mortos! (LC.11.17) E sabendo ele o que se lhes passava pelo espírito, disse-lhes: (MT.17.17) – Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei convosco? Até quando vós sofrerei? (LC.5.3) – Ai de vós, os que estais agora fartos! Porque vireis a ter fome: Ai de vós os que agora rides! Porque haveis de lamentar e chorar: (JR.2.29) – Por que contendeis comigo? (LC.825) – Onde está a vossa fé?

  5. O ALTISSIMO JÁ FAZ JUSTIÇA NA TERRA COM A DESTRA DO CRISTO:

    (JR.33.2) – Assim diz o Senhor que faz estas cousas, o Senhor que as forma para as estabelecer (Senhor é o seu nome): (EX.3.14) – Eu sou o sábio que me enviou a vós outros, (SL.33.19) – para livrar-lhes a alma da morte, e no tempo da fome com conservar-lhes a vida: (MT.15.10)–Ouvi e entendei, (2PE.1.20) – sabendo primeiramente isto: Há meio século eu me tornei escravo da liberdade do meu próprio Ser em Cristo, empenhado em esquadrinhar o Tratado Bíblico, no afã de me preparar como Guia dos Guias espirituais, para poder conduzir o povo de Deus à terra prometida. Tenho testado as almas nessa fé, e muitas terão dificuldades em alcançar a relevância dessa obra, dado a sua complexidade aliada à descrença reinante nessa terra pagã e sem futuro. Mas Deus é testemunho de que é com a mais pura das intenções que exorto o estudo acurado da nossa bibliogênese; porque sei que essa humanidade infiel e pervertida, já não poderá subsistir sem o conhecimento que Jesus nos passa através dela.
    (LV.17.12) – Portanto, tenho dito aos filhos de Israel: (SL.58.11) – Na verdade, há recompensa para o justo, há um Deus, com efeito, que julga na terra; pois é o Espírito Santo que revela ao mundo o ex-segredo guardado nas 98 letras e 7 sinais dessa parábola:

    (NM.16.28) – ENTÃO, DISSE MOISÉS: NISTO CONHECEREIS QUE O SENHOR ME ENVIOU A REALIZAR TODAS ESTAS OBRAS, QUE NÃO PROCEDEM DE MIM MESMO:

    (MC.14.27) – Todos vós vos escandalizareis porque está escrito:

    E CRISTO DIZ AOS HOMENS CONSCIENTES: ESTÃO VENDO QUE ESSE SER É MEU ESPÍRITO EM ARNALDO RIBEIRO, NAS MÃOS DO HOMEM QUE AMA.

    (GL.4.16) – Tornei-me, porventura, vosso inimigo, por vos dizer a verdade? (JÓ.19.4) – Embora haja eu, na verdade, errado, comigo ficará o meu erro. (1CO.4.3) – Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós ou por tribunal humano, nem eu julgo a mim mesmo; (1CO.4.3) – porque se julgássemos a nós mesmos, não seriamos julgados. (2CO.5.10) – Importa que compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo; (LS.1.15) – porque a justiça é perpetua e imortal: (MT.10.18) – Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes Aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo: (HB.10.30) – Óra, nós conhecemos Aquele que disse: A mim pertence a vingança, Eu retribuirei: (IS.46.13) – Faço chegar a minha Justiça e não está longe: (MT.5.6) – Bem-aventurados os que tem fome e sede de justiça; porque serão fartos.

  6. DOANDO FÉ CONSCIENTE E VIDA ESPIRITUAL EM CRISTO:

    (GN.49.1) – AJUNTAI-VOS E EU VOS FAREI SABER O QUE VOS HÁ DE ACONTECER NOS TEMPOS VINDOUROS:(TB.12.6) – BENDIZEI AO DEUS DO CÉU, E DAÍ-LHE GLÓRIA DIANTE DE TODOS OS VIVENTES, POR TER USADO CONVOSCO DA SUA MISERICÓRDIA: O seu poder há de espiritualizar as almas de todos os Homens de bom senso, e de todas as Mulheres de boa fé; que alcançaram a verdade cientifica revelada na “EXORTAÇÃO DO SABER”; e que também já passaram a interagir com o Cristo Vivo, ao publicarem o chamamento que o nosso Pai Comum tem feito aos Filhos e Filhas do amor eterno, e que já começaram a renascer espiritualmente para a vida eterna.

    Aqueles que buscaram as boas novas na “Bibliogenese de Israel”, já vislumbraram a herança espiritual que a Providência Divina nos legou, e também já saberão se auto-reciclar na Lei do Senhor que nos impõe a recomposição da literatura bíblica, para formar os Cristãos Conscientes que hão de consumar a Profecia Sagrada, conforme já tem sido demonstrado, assim:

    (EX.) – O SEGUNDO LIVRO DE MOISÉS CHAMADO ÊXODO: OS DESCENDENTES DE JACÓ NO EGITO. Estas 60 letras e 5 sinais recompostos, revelam que: É O CONJUNTO DE EX-SEGRÊDOS: O LEGADO DE VIDA CÓSMICA E O DESTINO DOS HOMENS.

    Outro exemplo:

    (JR) – JEREMIAS: A VOCAÇÃO DE JEREMIAS. São 26 letras e 3 sinais que dizem: CRIEI A AÇÃO DO SER: VEJAM E SEJAM.

    (JB.29.22) – RECEBEI O ESPÍRITO SANTO! (1CO.11.1) – SEDE MEUS IMITADORES COMO TAMBÉM EU SOU DE CRISTO, (2JB.1.2) – POR CAUSA DA VERDADE QUE PERMANECE EM NÓS, E CONVOSCO ESTARÁ PARA SEMPRE.

    (Na verdade, Deus nos concedeu o livre arbítrio, a fim de que pudéssemos agir tanto divinamente como diabolicamente; segundo a nossa formação cristã, na proporção da nossa graça em Cristo Jesus).

  7. REVELAÇÃO/EXORTAÇÃO
    Urge difundirmos na terra, a certeza de que Jesus Cristo já vive agindo entre nós, espargindo a luz do saber em sí, criando Irmãos Espirituais, e a nova era Cristã. Eu não minto, e a Espiritualidade que esperava pela sua volta, pode comprovar que digo a verdade. Por princípio, basta recompormos as 77 letras e os 5 sinais que compõe o título do 1º. livro bíblico, assim: O PRIMEIRO LIVRO DE MOISÉS CHAMADO GÊNESIS: A CRIAÇÃO DOS CÉUS E DA TERRA E DE TUDO O QUE NÊLES HÁ: Agora, pois, todos já podem ver que: HÁ UM HOMEM LENDO AS VERDADES DO SEU ESPÍRITO: ÊLE É O GÊNIO CRIADOR QUE ESSA AÇÃO DE CRISTO: (LC.4.21) – Então passou Jesus a dizer-lhes: Hoje se cumpriu a escritura que acabais de ouvir: (JB.14.17) – O Espírito da verdade que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem conhece, vós o conheceis; porque Ele habita convosco e estará em vós.(MT.14.27) – Tende ânimo! Sou Eu: Não temais: (JB.2.5) – Fazei tudo o que Ele vos disser, (JB.5.27) – porque é o Filho do Homem: (JÓ.9.19) – Se se trata da força do poderoso Ele dirá: Eis-me aqui: Regozijai-vos e fazei jus ao poder que o Nosso Espírito traz às Almas Justas, para a formação da verdadeira Cristandade.

    (MT.26.24) – O FILHO DO HOMEM VAI, COMO ESTÁ ESCRITO A SEU RESPEITO, MAS AI DAQUELE POR INTERMÉDIO DE QUEM O FILHO DO HOMEM ESTÁ SENDO TRAIDO! MELHOR LHE FÔRA NÃO HAVER NASCIDO:

    E, ao recompormos as 130 letras e os 7 sinais que compõem esse texto, todos já podem ler, saber, e entender quem é o Filho do Homem:

    E O FILHO DO HOMEM É O ESPÍRITO QUE TESTA AS ALMAS DO HOMEM E DA MULHER, NA VERDADE DO SENHOR, COMO CRISTO: E EIS A PROVA QUE O FILHO DO HOMEM FOI TREINADO NA LEI CRISTÃ:

    (MC.14.41) – Chegou a hora, o Filho do Homem está sendo entregue nas mãos dos pecadores: E hoje, quem desejar interagir conosco na obra comum da nossa criação, deve fundamentar-se n`A Bibliogênese de Israel; que já está disponível na internet (Editora Biblioteca 24×7). E quem não quiser, pode continuar vivendo de esperança vã, assistindo passivamente a agonia da vida terrena, à par da auto-destruição do nosso planeta…

  8. FORJANDO OS VERDADEIROS DISCIPULOS DE CRISTO POR AMOR À CAUSA DOS JUSTOS:
    O ESPÍRITO DOS SANTOS PROFETAS DESPERTA OS DISCIPULOS DO CRISTO VIVO, REVELANDO O QUE ESTÁ ESCONDIDO NAS PARÁBOLAS BÍBLICAS: (RM.9.1) – Digo a verdade em Cristo, não minto, testemunhando comigo, no Espírito Santo, a minha própria consciência; (RM.10.11) – porquanto a Escritura diz:
    (MT.15.18) – E chamando Jesus os seus discípulos, disse: (MC.14.41) Ainda dormis e repousais? Basta! (LC.8.10) – A vós outros é dado conhecer os mistérios do reino de Deus; aos demais, fala-se por parábolas, para que, vendo, não vejam, e, ouvindo, não entendam: (HB.12.25) – – Tende cuidado, não recuseis ao que fala; (LC.10.24) – pois eu vos digo que muitos profetas e reis quiseram ver o que vedes e não viram, e ouvir o que ouvis e não ouviram; (SL.78.22) – porque não creram em Deus nem confiaram na sua salvação: Vede o que o Espírito Santo nos revela ao recompormos as 116 letras e os 4 sinais, que compõem esta parábola:
    (AP.2.7) – QUEM TEM OUVIDOS OUÇA O QUE O ESPÍRITO DIZ ÀS IGREJAS:AO VENCEDOR DAR-LHE-EI QUE SE ALIMENTE DA ÀRVORE DA VIDA, QUE SE ENCONTRA NO PARAÍSO DE DEUS:
    (LC,20.17) – Que quer dizer, pois, o que está escrito? Quer dizer que hoje podemos ler, entender e saber ensinar que:
    AGORA O CRISTO VIVO ESCREVE ENSINANDO O HOMEM A SER DE DEUS: QUER QUE O ESPÍRITO QUE É DONO DA VERDADE, ESPIRITUALIZE A ALMA QUE É DONA DA JUSTIÇA:
    (JB.14.1) – Não se turbe o vosso coração, credes em Deus, crede também em mim; (EC.12.14) – porque Deus há de trazer a juízo todas as obras, até mesmo as que estão escondidas, quer sejam boas quer sejam más. (JÓ.33.3) – As minhas razões provam a sinceridade do meu coração, e os meus lábios proferem o puro saber: (LC.14.27) – E qualquer que não tomar a sua cruz e vir após mim, não pode ser meu discípulo: (JB.21.14) – Este é o discípulo que dá testemunho destas cousas e que as escreveu, e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro; (IS.28.26) pois o seu Deus assim o instrui devidamente e o ensina. ((1TS.5.18) – Em tudo daí graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus, para convosco.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s