Doutrinas Heréticas no G12 – Estudo

Amados colegas pastores(as) e líderes Metodistas Livres do Concílio Brasileiro

Solicito que estejam estudando com cuidado este material que preparei sobre as questões relacionadas ao G12. Gostaria de conversar pessoalmente com todos aqueles que tivessem dúvidas a respeito do assunto. Se quiser, também, pode me telefonar ou fazer perguntas por e-mail.

No amor do Senhor,
Bispo José Ildo Swartele de Mello

Doutrinas e práticas do G12 que nos preocupam:

• Forma centralizadora de poder. Não podemos nos esquecer dos princípios bíblicos sustentados pela Reforma a respeito do sacerdócio universal dos crentes, de livre exame da Bíblia e, portanto, de livre acesso a Deus, por meio de Jesus Cristo. Por esta razão, questionamos a forma piramidal e não democrática de poder, o que favorece o autoritarismo, o que vai contra o espírito democrático de nossa denominação e contra o Livro de Disciplina que estabelece a participação da Assembléia para eleição periódica da diretoria da igreja. Não cabe ao pastor escolher os seus doze, que lideraram com ele, mas sim à Assembléia da Igreja com a participação democrática de cada membro. Também não reconhecemos aqueles que se denominam apóstolos, querendo com isto dizer que estão mais próximos de Deus do que os “meros” crentes, sejam eles pastores ou leigos, alegando possuírem também a mesma autoridade dos apóstolos do Novo Testamento. Lutero e os reformadores lutaram tanto contra os conceitos relativos a figura e ministério do Papa, e, para nossa surpresa, vemos a mesma idéia ressurgindo no seio Evangélico. O mundo dá voltas e a história se repete. Também questionamos a necessidade de estar debaixo da cobertura espiritual de alguém que pertence à outra denominação. Se o movimento é bíblico, por que parece que alguns estão se assenhoreando dele? Por que se denominam apóstolos? E por que estabeleceram um modelo piramidal, quase papal, com centralização de poder? Não existe aí o estabelecimento das bases para o surgimento de uma nova denominação? Para reforçar ainda mais este argumento contra este modelo autoritário do G12, vemos também o registro no Livro de Atos, que os 7 (e não 12) Diáconos não foram escolhidos pelo pastor ou pelos apóstolos, mas foram eleitos por toda a comunidade (At 6.5)!

• Não concordamos que nenhuma espécie de método seja adotado pela igreja por imposição do pastor e nem seja implementado e forçado um modelo que venha a produzir divisão, amargura e prejuízo à paz no Corpo de Cristo. Se é de Deus, a visão não só será do Pastor, mas há de ser comunicada à igreja como comunidade do povo de Deus.

• Ênfase na experiência pessoal e mística, em detrimento da Bíblia.

• A pretensão de terem a última palavra da revelação de Deus para a igreja do século 21.

• Sacralização do número 12, como se fora paradigma para o novo modelo de grupos. Quanto ao número 12, por exemplo, não há registro bíblico de que cada apóstolo tenha preparado doze discípulos, e estimulado estes a discipular mais doze. Nem há registro de as igrejas dos primeiros séculos da história cristã haverem criado grupos de 12 pessoas. O Livro de Atos registra que o número de Diáconos eleitos eram 7 e não 12 (At 6.5). Os diáconos foram escolhidos pelo pastor ou pelos apóstolos, mas foram eleitos por toda a comunidade!

• Crescimento numérico, como único critério de legitimidade bíblica e evangelicidade, em detrimento da clareza e de formulação de sólidas bases teológicas.

• Participação (no Encontro) como fonte única de autoridade crítica.

• Emoção humana, como evidência incontestável da presença do Espírito Santo.

• Evidências de manipulação psicológica e espiritual, especialmente, no Encontro, que é parte essencial do Movimento G12, não restando aos dele participantes as condições e o tempo necessários à reflexão crítica, à atitude bereana.

• O G12, as “koinonias”, os “grupos de ECO”, entre outros constituem todos modelos humanos. Mas nenhum deles pode arrogar-se o “status” de revelação final ou método perfeito; todos esses modelos são marcados pela falibilidade humana. Concordamos com a importância das células ou grupos pequenos para edificação e crescimento da igreja. Mas o livro de Atos não dá testemunho de que a igreja primitiva funcionava de modo pendular, no templo e nas casas?

• Teologia da Prosperidade;

• Quebra de Maldição hereditária para crentes

• Práticas de regressão psicológica;

• Ensino e prática da chamada “nova unção”;

• Misticismo: “Baseando-se em visões” (Cl 2) – Assim como os gnósticos, não estão jogando o cristianismo fora, mas estão acrescentando uma “nova espiritualidade”: “Nova unção”. Uma espiritualidade que vai além de Cristo. Superespiritualidade, elitismo espiritual em busca de status.

• Prática do sopro espiritual;

• Ensino do batismo do Espírito Santo tendo línguas como evidência;

• Prática do segredo;

• Urros e palavras de ordem nos cultos.

• Ensinos sobre Batalha Espiritual e Espíritos Territoriais que fogem ao padrão bíblico.

• Ênfase demasiada nos métodos, na estrutura pragmática que há de ser seguida à risca, quando sabemos que Deus não unge métodos, mas pessoas.

• Por que sacramentar, dando tanto valor a um método em particular, quando a Bíblia não enfatiza a questão de métodos?

• Por que adotar o modelo como um pacote fechado tanto no método tanto quanto no que diz respeito ao material, o que inclui revistas de estudos com doutrinárias bastante questionáveis? Por que não fazer como exorta o Apóstolo “Examinai tudo; retende o que é bom?”

Veremos abaixo alguns estudos sobre algumas doutrinas e práticas estranhas encontradas no G12:

Teologia da Prosperidade:

São muitas as distorções doutrinárias da teologia da prosperidade: Negam a soberania de Deus, dizendo que usar a expressão “se for (ou, “conforme”) a Tua vontade” destrói a oração; há um espírito de orgulho do “que eu posso fazer em nome de Jesus”; dizem que sofrimento, pobreza e doença não devem fazer parte da vida de um cristão. Se, porventura, um cristão estiver em tais circunstâncias é porque não tem fé. A teologia da Prosperidade tem suas raízes na Ciência Cristã, que é derivada do gnosticismo. Daí, vemos o dualismo da teologia da prosperidade, quando diz que a morte física de Cristo não tem relevância em relação a redenção do nosso espírito, tendo Jesus que morrer também espiritualmente no “inferno”. Chegam a ponto de negar o sangue de Jesus. Alguns afirmam a deidade humana. Hagin, maior precursor desta teologia, em seu livro “Zoe: a própria vida de Deus”, página 79, diz que nem Jesus Cristo tem um posição mais elevada do que nós diante de Deus.

Eles dão uma ênfase exagerada no elemento “fé”, em detrimento da verdade e do amor. Exemplo clássico do menino diabético Wesley Parker, falecido em 23 de agosto de 1973, cujos pais foram presos por negligência, devido à teologia da prosperidade, pois, após oração, seus pais não mais permitiram que ele tomasse insulina; mais tarde, arrependidos, escreveram o livro: “We let our son die” (“Deixamos nosso filho morrer”). Apenas mais tarde, foi que seus pais reconheceram terem colocado a fé, mais propriamente falando: o orgulho da fé, acima do seu amor ao filho.

Eles revelam estar mais preocupados com a questão do sofrimento do que com a questão do pecado. Mais preocupados com prosperidade e saúde do que com santidade.

Questão da Prosperidade Material

A espiritualidade cristã não pode ser confundida com prosperidade financeira, nem com sucesso e nem com saúde. Pois, fosse este o caso, não poderíamos considerar nem a Jesus e nem os apóstolos como homens espirituais, visto que eram pobres, ficavam doentes, passaram muitas necessidades, sofreram perseguições, foram presos, desprezados pelo mundo e foram martirizados. Jesus mesmo disse que não tinha onde reclinar a cabeça (Mt 8.20) e não tinha dinheiro sequer para pagar o imposto, tendo que solicitar a Pedro que pescasse um peixe que teria uma moeda dentro de si que serviria para pagar esta divida (Mt 17.24-27), pois sabemos que Jesus, sendo rico se fez pobre (2 Co 8.9). Pedro e João disseram claramente que não possuíam ouro nem prata (At 3.6). Paulo experimentou período de pobreza (Fl 4.11, 2 Co 6.10, Tg 2.5). Comunidades inteiras de cristãos do Novo Testamento eram muito pobres (2 Co 8.2, Rm 15.26, Ap 2.9). A própria Maria, entre todas as mulheres a mais agraciada, não teve um lugar descente para dar a luz ao seu Filho bendito. Todas as portas se fecharam e apenas a porta do curral foi a que se abriu para ela e para José seu esposo. Ela não ficou murmurando e nem ficou rejeitando aquele lugar fétido e incipiente. Ela não ficou ali inconformada reivindicando um lugar condizente a sua condição de bendita entre todas as mulheres. Ela, pelo contrário, aceitou a sua própria cruz, acolheu a bendita graça de padecer por Cristo e não de somente crer nEle (Fl 1.13). Foi naquele curral e naquela manjedoura improvisada de berço que se fez Natal. A noite mais feliz da história humana! Eis aí mais um exemplo do privilégio de participar dos sofrimentos de Cristo e completar o que falta de suas aflições (Colossenses 1:24). Perguntaram a William Booth, fundador do Exército de Salvação, qual era o segredo do seu sucesso, ele respondeu: “Deus teve de mim tudo o que Ele quis”. Infelizmente os evangélicos seduzidos pelo consumismo têm feito o contrário: exigem de Deus tudo o que eles querem.

Teologia da prosperidade se dedica a satisfazer as necessidades artificiais criadas pela sociedade de consumo. Perigo do condicionamento que o mundo exerce num sentido negativo. Não devemos nos conformar com este mundo (Rm 12.1-2). A igreja, em vez de ser um termostato, acaba sendo um termômetro que reflete e se ajusta ao clima, só mostra o clima, mas não influencia o clima. Usam Deus e a Bíblia como justificativa e meio para satisfação da ganância humana. Pregadores da teologia de prosperidade dizem que tudo está bem e que o sistema é magnífico e que os outros podem também vir a serem ricos como eles. Nada de novo nisto, pois Miquéias 7.2-4 mostra que a injustiça estava institucionalizada e permeava toda a sociedade incluindo os falsos sacerdotes e profetas que já em sua época visavam buscar riqueza para si mesmo.

Portanto, o que vemos é que, hoje, vivemos numa sociedade de consumo, antes dela o que tínhamos era uma sociedade de produção, onde se exigia muita abnegação e renúncia em prol da produção e também da construção da própria felicidade, realização e prazer que eram adiados para um tempo futuro ou de aposentadoria. Foi à aquela sociedade que Freud se reportou. Mas na tentativa de combater um extremo de repressão, acabamos mergulhando num extremo oposto, num mundo do “não se reprima!”, “experimenta!”, “No limit!” Etc… Portanto, na sociedade atual de consumo, o que predomina é o individualismo e o hedonismo. Não existe disposição para se adiar nada. Os próprios pais procuram satisfazer todos os desejos dos filhos, que acabam não aprendendo a lidar com frustrações e “nãos”. As propagandas, que são o pulmão deste sistema, criam novas “necessidades” e nos falam de uma vida plena de satisfação imediata, tipo êxtase proporcionado pelas drogas. Só que isto é utópico para a maioria das pessoas que estão excluídas dos bens de consumo. Tal frustração, incrementada pelo grande contraste entre a realidade e o sonho, só faz é escancarar ainda mais a porta para o alcoolismo e para o mundo das drogas. As drogas parecem, em algum sentido, ainda que por pouco tempo, proporcionar a sensação de prazer tão valorizada por esta sociedade de consumo. O incremento da violência também é uma outra decorrência! Esta visão tão colorida da vida, que pouco tem a ver com a realidade da grande maioria das pessoas, acaba fomentando ainda mais inveja, cobiça e frustração, não apenas pela ausência do básico, mas, agora, também pela ausência do supérfluo que nos é apresentado como sendo indispensável para a sensação de bem-estar. Temos também que, em nome da felicidade individual e também fascinado pela “grama do vizinho que parece mais verde que a nossa”, impaciente e frustrado com as naturais crises do casamento, o indivíduo, está cada dia menos disposto a pagar um preço de renúncia em prol da sobrevivência da relação, e, não tendo disposição de suportar frustração em curto prazo para conquistar realização a médio e longo prazo, acaba optando pelo caminho aparentemente mais fácil e de recompensa mais imediata ainda que isto possa lhe custar sua felicidade futura.

A teologia da prosperidade é produto desta sociedade de consumo, prometendo conceder através da fé tudo aquilo que as propagandas dizem que uma pessoa precisa ter para ser feliz. Fazendo da fé uma varinha de condão e, do nome de Jesus, uma espécie de abracadabra ou lâmpada de Aladim para a realização de todos os sonhos despertados pela sociedade de consumo. Alguns pastores sucumbem aos encantos do sucesso e, buscando se tornarem celebridades, acabam entrando no espírito deste mundo consumista. Passam a pregar uma mensagem triunfalista e adocicada que esconde o preço do discipulado, nada falando sobre a necessidade da negação de si mesmo e de se carregar cada um a sua própria cruz, nada dizendo também sobre a graça de padecermos por Cristo. Com a promessa de prosperidade e saúde sempre em nome da fé, entram numa competição desenfreada em busca de adeptos ou “consumidores”, chegando a apelar para novidades e “promoções” a fim de atrair o “freguês”. Por falar no “freguês”, é ele a grande vítima de todo este complexo sistema de nossa sociedade consumista, que acabou até seduzindo parte da igreja evangélica. Diante da grande mentira de que o prazer, o sucesso e o bem-estar físico, econômico e social são o grande alvo da vida e que tudo isto está acessível a todos. Iludido, o freguês busca no consumo a realização imediata deste ideal, mas tem que lidar com a realidade de uma vida de privações, injustiça, lutas e muitos sofrimentos. Frustrado, desamparado e só está o freguês, sente-se fracassado e oprimido pela ditadura do ter. Agora, nem na igreja encontra respostas para a sua dor, mas apenas ainda mais culpa por não ter tido fé suficiente para ter sido bem sucedido na vida profissional ou para ter sido curado de algum mal.

A teologia da prosperidade incentiva ganância por bens materiais e promove Comodismo e conformismo ao mundo e ao seu sistema consumista, individualista e de desigualdade e injustiça social. Os adeptos da teologia da prosperidade acham que nós temos direito de reivindicarmos o que quisermos de Deus, esquecendo-se da soberania divina.

Jesus disse: “Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam” (Mt.6.19). E, no mesmo espírito de Cristo, o Apóstolo Paulo ensina: “Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes. Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores. Tu, porém, ó homem de Deus, foge destas coisas; antes, segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão” (1Tm.6.4-11). As riquezas costumam afastar os homens de Deus. Jesus disse que é difícil um rico entrar no céu (Mt 19.23), eles são exortados a repartir suas riquezas com os pobres.

Por que é que os pregadores da teologia da prosperidade, que gostam tanto de falar em “fé”, evitam falar do capítulo da Bíblia que mais fala sobre o tema da fé, principalmente o texto que diz: “outros, por sua vez, passaram pela prova de escárnios e açoites, sim, até de algemas, e prisões, foram apedrejados, provados, serrados pelo meio, mortos a fio de espada, necessitados, afligidos, maltratados” (Hb 11.36-37)?

A cruz é a exigência de um novo estilo de vida caracterizado pelo amor, totalmente oposto a uma vida individualista, centralizada em ambições pessoais, indiferente frente às necessidades do próximo. Assim como a Palavra se fez homem, também o amor precisa tornar-se boa obra para ser inteligível aos homens (1 Jo 3.10). A evidência da vida eterna não é só a confissão de Jesus como Senhor, mas é “a fé que atua pelo amor” (Gl 5.6). Renúncia e sofrimento fazem parte do chamado dos discípulos que devem carregar a cruz à semelhança do mestre. Fomos chamados para servir e não para ser servidos.

Questão da Saúde Plena nesta vida

A teologia da prosperidade não ensina apenas que Deus pode curar, com o que concordamos plenamente, mas o problema é que ensina que Deus cura sempre em resposta a oração. E se alguém não for curado após a oração? Bem, neste caso, a resposta que os adeptos desta teologia dão é que está faltando fé, pois a cura está sempre à disposição do crente. Ensinam que não é para orar pedindo para que seja feita a vontade de Deus, pois dizem que isto seria uma negação da fé. Ensinam que você não deve pedir a Deus, mas que precisa reivindicar e exigir o que é seu por direito, a saber, saúde e prosperidade sempre. Sendo assim, saúde e prosperidade se tornam os sinais de que uma pessoa possui fé, enquanto que doença e pobreza seriam para eles sinais de fraqueza espiritual. Aqueles, dentre os tantos que aderem a este pensamento, e que, porventura, não conquistam cura e prosperidade, acabam desenvolvendo sentimentos de inferioridade e culpa por não terem tido a fé suficiente para obterem a tão desejada vida saudável e prospera. O próprio Apóstolo Paulo seria considerado pelos adeptos da teologia da prosperidade como um homem sem fé, pois viveu doente, sofrendo em prisões, açoites e apedrejamento, além de ter padecido fome, frio e nudez. Interessante notar, que o Apóstolo Paulo não era adepto da teologia da prosperidade, pois em vez de se sentir inconformado e diminuído na sua fé e em sua espiritualidade devido a todas estas adversidades, ele sentia muito fortalecido e contente em sua situação de fraqueza e debilidade, o que para ele era sinal da bênção de Deus sobre sua vida e sinal da sua vocação e confirmação do seu chamado ministerial e apostólico. Veja os relatos de 2 Co 11.23-30: “São ministros de Cristo? (Falo como fora de mim.) Eu ainda mais: em trabalhos, muito mais; muito mais em prisões; em açoites, sem medida; em perigos de morte, muitas vezes. Cinco vezes recebi dos judeus uma quarentena de açoites menos um; fui três vezes fustigado com varas; uma vez, apedrejado; em naufrágio, três vezes; uma noite e um dia passei na voragem do mar; em jornadas, muitas vezes; em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos entre patrícios, em perigos entre gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos; em trabalhos e fadigas, em vigílias, muitas vezes; em fome e sede, em jejuns, muitas vezes; em frio e nudez. Além das coisas exteriores, há o que pesa sobre mim diariamente, a preocupação com todas as igrejas. Quem enfraquece, que também eu não enfraqueça? Quem se escandaliza, que eu não me inflame? Se tenho de gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza.” Paulo continuou dizendo: “E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo. Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte” (2 Co 12.7-10).

Um argumento muito utilizado pelos pregadores da teologia da prosperidade em defesa da saúde plena é Isaías 53.4-5. Mas, para um melhor entendimento do significado do texto, é importante notar que este mesmo texto falar sobre nossas dores e não somente nossas enfermidades. Para ser coerente, baseado neste texto, um defensor de que um cristão deve experimentar livramento total de todas as enfermidades nesta vida, deveria também concluir que o mesmo deveria ficar imune à dor. Mas é óbvio que nenhum cristão está livre da dor neste mundo. Ou será que existe algum defensor da teologia da prosperidade disposto a defender sua tese passado pelo teste da marretada no dedo? Vemos aqui que a teologia da prosperidade erra em não reconhecer que nós estamos vivendo um período de tensão entre a primeira e a segunda vinda de Jesus. O cristão já usufrui parte daquilo que Cristo conquistou para ele, algo assim como os primeiros frutos, mas ainda não desfruta da plenitude, vive pela fé e não por vista, vive em esperança, aguardando a segunda vinda de Jesus e a ressurreição dos mortos, quando o último inimigo, que é a morte, será destruído (1Co 15.26). Enquanto isto não acontece, o cristão continua a experimentar a fraqueza e as limitações do seu corpo corruptível, que está sujeito às dores, enfermidades e a morte. Paulo diz que nesta vida, nós, os cristãos, que temos as primícias do Espírito, ainda gememos aspirando à redenção definitiva e plena que só se dará por ocasião da segunda vinda (Rm 8.23). Cremos no poder de Jesus para curar e cremos que Ele continua a curar a muitos em nossos dias. Oramos por cura, mas sabemos que, a cura não é algo 100% garantido. Não é apenas uma questão de orar certo e ter fé suficiente, é preciso também estar de acordo com a vontade de Deus. E, Deus, em sua soberania, pode escolher não curar como foi no caso do Apóstolo Paulo que viveu doente (1 Co 4.11; Gl 4.13) e de outros no Novo Testamento, como os companheiros de Paulo (Fp 2.30), Timoteo, que tinha uma doença crônica (1 Tm 5.23), Trófimo (2 Tm 4.20), pois, Deus, no casos destes, tinha outros propósitos que tem a ver com a sabedoria e plano maior de Deus, que muitas vezes estão longe do alcance do entendimento humano. “As aflições do tempo presente não se podem comparar com a glória do porvir” (Rm 8.18). Veja que Deus não livrou Paulo de seu espinho na carne, mesmo depois dele ter orado por 3 vezes. Deus respondeu dizendo: “a minha graça te basta, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Paulo concluiu dizendo se alegrar nas necessidades e privações, pois sabia que quando era fraco, aí, sim, é que ele era forte. (2 Co 12). Podem os adeptos da teologia da prosperidade dizer o mesmo que Paulo? Podem ele se satisfazer apenas com a graça de Deus?

O texto de Daniel 3.15 a 18 mostra que Sadraque, Mesaque e Abede-Nego não eram adeptos da teologia da prosperidade, mas, sim, da teologia da “possibilidade”. Pois eles confessavam crer no poder de Deus para libertá-los das mãos do Rei, mas entendiam que Deus poderia ter outro plano e estavam dispostos a entregarem-se totalmente à vontade de Deus seja ela qual fosse, veja o que diz o texto: “Agora, pois, estai dispostos e, quando ouvirdes o som da trombeta, do pífaro, da cítara, da harpa, do saltério, da gaita de foles, prostrai-vos e adorai a imagem que fiz; porém, se não a adorardes, sereis, no mesmo instante, lançados na fornalha de fogo ardente. E quem é o deus que vos poderá livrar das minhas mãos? Responderam Sadraque, Mesaque e Abede-Nego ao rei: Ó Nabucodonosor, quanto a isto não necessitamos de te responder. Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrar-nos, ele nos livrará da fornalha de fogo ardente e das tuas mãos, ó rei. Se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses, nem adoraremos a imagem de ouro que levantaste”.

Batalha Espiritual

Percebemos hoje, em várias igrejas evangélicas, que batalha espiritual deixou de ser a luta cotidiana do cristão por resistir às tentações, mantendo a fidelidade em busca de santidade e maturidade cristã, vivendo para a glória de Deus, buscando o Seu Reino em primeiro lugar (Ef 6.10-20), e tornou-se um espetáculo de confronto pessoal e direto contra os demônios, em que, reuniões de orações deixam de ser os momentos de buscar a Deus e suplicar a Ele (Ef.6.18,19), para transformam-se nos momentos de falar mais com os demônios do que com Deus. Onde Satanás torna-se o centro das atenções. Nada vemos, em Ef 6.10-20, que justifique tais práticas. O modo bíblico de vencermos a Satanás é nos revestirmos de Cristo e sua armadura que é composta de justiça, evangelho da paz, fé, salvação, Palavra de Deus e oração; nada ouvimos sobre a necessidade de se conhecer os nomes dos demônios que dominam determinada região geográfica para podermos travar batalha direta com eles e os expulsar. Não encontramos tal fascínio pelo adversário ou pelo oculto e místico, nem aqui e nem em outras partes da Bíblia. Vencemos o adversário de nossas almas nos ocupando com as coisas excelentes e boas que o Senhor nos proporciona para enfrentarmos o dia a dia. Nada de paranóia e esquizofrenia. Muitos cristãos ficam tão fissurados com tais conceitos de batalha espiritual que acabam ficando perturbados. Se é certo que não devemos subestimar o inimigo, é certo também que não devemos superestimá-lo, fazendo dele o centro de nossas atenções. Pelo contrário, Cristo deve ocupar o centro de nossa vida, o que já é nossa garantia de vitória. Nossos pensamentos devem estar ocupados com tudo o que puro, amável… (Fp 4.8) nossos olhos postos no autor e consumador de nossa fé (Hb 12.2) e devemos buscar as coisas que são do alto (Cl 3.1-3). Não dar lugar ao diabo (Ef 4.27) é não dar ocasião ao pecado, como por exemplo: deixar a mentira; não guardar rancor e ira; não falar palavras torpes; nada de gritaria, blasfêmias e malícia, etc… (Ef 4.25-31), mas pelo contrário, ser imitador e Cristo andando em amor e santidade (Ef 4.32-5.2).

MALDIÇÃO HEREDITÁRIA

• A maldição sem causa não se cumpre (Pv. 26:2).

• Um ditado popular censurado por Deus (Ez. 18.2-3).

• Cristo nos resgatou da maldição (Gl. 3:10 14).

• Em Cristo, as coisas velhas já passaram. (2 Cor. 5:17).

• Fostes abençoados com toda sorte de bênçãos e graças espirituais em Cristo (Ef 1.3)

• Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo… Se Deus é por nós, quem será contra nós?(Rm. 8:1 39).

• Contra o povo de Deus não valem encantamentos. (Nm. 23:8, 20 23).

EZEQUIEL 18:1 32

TEXTO BÁSICO: “Que tendes vós, vós que dizeis esta parábola acerca da terra de Israel, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, a os dentes dos filhos se embotaram? Vivo eu, diz o Senhor Jeová, que nunca mais direis este provérbio em Israel”. (Ez. 18:2 a 3).

INTRODUÇÃO

Alguns acreditam a ensinam que os cristãos podem estar sujeitos à maldição de seus ancestrais. Existem livros a seminários que se prestam ao ensino de como quebrar as cadeias da maldição hereditária. Eles se baseiam principalmente em Êxodo 20:5 e Deuteronômio 5:9. Aliás, por causa de uma má interpretação destes textos, surgiu um ditado que se tornou muito popular em Israel “Os pais comeram uvas verdes, a os dentes dos filhos é que se embotaram”.Vemos esta idéia em Lamentações 5:7: “Nossos pais pecaram, e já não existem; nós é que levamos o castigo das suas iniqüidades”.Bem, Jeremias já havia previsto um dia em que este provérbio não mais seria proferido:” Naqueles dias já não dirão: Os pais comeram uvas verdes, a os dentes dos filhos é que se embotaram “. (Jr. 31:29). Mas Ezequiel afirma que este dia já chegou: “Que tendes vós, vós que, acerca de Israel, proferis este provérbio, dizendo: os pais comeram uvas verdes, a os dentes dos filhos é que embotaram. Tão certo como Eu vivo, diz o Senhor Deus, jamais direis este provérbio em Israel” (Ez. 18:2 e 3). Para uma compreensão melhor desta passagem é aconselhável a leitura e o estudo de todo capítulo 18 de Ezequiel. Ambos os profetas eram contra esta perniciosa doutrina, que descambava em irresponsabilidade a fatalismo, pois é muito conveniente para alguns desviar a culpa de si mesmos a transferi-la para gerações anteriores, ou então, culpar o destino a as forças ocultas por nossos fracassos, pecados, vícios a misérias; chegando a acusar a Deus de injustiça, como em Ez. 18:25: “No entanto dizeis: o caminho do Senhor não é direito…” Em outras palavras, Ezequiel nos ensina que, em vez de voltarmos nossos olhos para trás em busca de resposta para os infortúnios do presente, em vez de culparmos nossos antepassados, ou os demônios, ou o destino, deveríamos olhar para nós mesmos a pedira Deus que venha sondar os nossos corações, vendo se há em nós caminho mal, a fim de nos guiar pelos Seus caminhos. (Sl. 139). O pecado sim é que trás maldição: “… pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará”.(Gl 6:7). “A maldição sem causa não se cumpre” (Pv. 26:2); “Amou a maldição: ela o apanhe; não quis a benção: aparte se dele”.(Sl. 109:17); “Eis que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição” (Deut. 11:26), repare que bênção a maldição estão diante a não atrás das pessoas, dependendo da nossa atitude para com Deus.

INFLUÊNCIA PAGÃ

Religiões pagãs como feitiçaria e macumba sempre atribuíram poderes extraordinários aos pronunciamentos de benção a maldição. É como, uma vez proferida uma maldição, ela tivesse vida própria e não sossegasse até se concretizar. E para se ver livre de tal encanto, um homem precisaria recorrer a um feitiço ainda maior. Perceba que tudo fica no campo da magia.

A infiltração do misticismo a da superstição nas igrejas evangélicas do Brasil é algo assustador. Muitos evangélicos substituíram as “três batidinhas na madeira” por uma nova forma de esconjuro, usando em todo o tempo a expressão “TÁ AMARRADO!”, procurando assim se proteger, “quebrando” o poder de uma palavra negativa, exorcizando um mal. E, por causa de tal influência pagã, muitos crentes sinceros estão ficando obcecados por “Batalha Espiritual”, chegando a desenvolver uma grande sensibilidade a uma percepção muito forte da presença do maligno. Por mais que tentem, não conseguem disfarçar seu nervosismo a inquietude que é fruto de desconfiança a temor. Ficam arrepiados a atribuem isto a um discernimento espiritual.

Biblicamente falando, o pecado é que trás maldição, pois o pecado separa o homem de Deus. Deus é a única fonte de bênçãos. Bênção é o oposto de maldição. Maldição seria, então, estar distante de Deus.

CONTRA JACÓ NÃO VALEM ENCANTAMENTOS

A Bíblia ensina exaustivamente que os servos do Senhor não estão sujeitos à maldição, a não ser que se desviem do caminho do Senhor.

Balaão não pode amaldiçoar o povo de Israel. Deus não permitiu! Disse Balaão a Balaque: “Como posso amaldiçoar a quem o Senhor não amaldiçoou?” (Nm 23:8) a “Ele abençoou, não o posso revogar… O Senhor seu Deus está com ele… pois contra Jacó não vale encantamento”.(Nm 23:20, 21 a 23). Sabendo, pois, Balaão que não se amaldiçoa o povo de Deus com feitiços ou rogando pragas, ensinou Balaão a Balaque como atingir o povo de Israel, seduzindo o povo ao pecado, afastando os de Deus, que é a única fonte de bênção, levando o povo ao juízo a condenação: (Apocalipse 2:14; Nm 25:1 18 a Nm 31:8 a 16).

As palavras não possuem tanto poder como querem alguns, conforme concluímos das seguintes passagens: Tg. 2:15 16 e I Jo 3:18.

Salmo 109:17 “Amaldiçoem eles, mas Tu, abençoa; sejam confundidos os que contra mim se levantam; alegre se, porém, o teu servo”.E em Neemias 13:2 lemos: “Deus converte a maldição em bênção”; e, além disso, o ímpio não sai impune do seu intento de nos prejudicar: “amaldiçoarei os que to amaldiçoarem” (Gn 12:3). Ver também: Cl 2:14 15 a Pv. 3:26, 33.

O Salmo 91 nos ensina: “O Senhor te livrará do laço do passarinheiro a da peste perniciosa. Sob suas asas estarás seguro… praga nenhuma chegará a tua tenda…” E o Salmo 31:4 diz: “Tirar me ás do laço que, às ocultas, me armaram, pois Tu és a minha fortaleza”. Ver também: Sl 118:13; Sl 84; Sl 146:5, 7; Sl 147:13; Sl 139:1 16; Sl 133:3; Sl 121:3 8; Sl 46:1, 5, 7; Sl 33:18 22; Sl 32:7; Sl 28; 7 9; Sl 29:11; Sl 27:1 6; Sl 23:6; Sl 21:11; Sl 18:1 3, 27 50; Sl 16:5 8, 11.

CRISTO NOS RESGATOU DA MALDIÇÃO

Cristo se fez maldição em nosso lugar. Foi crucificado como se fosse um maldito para nos resgatar da maldição da lei, para que a benção chegasse até nós. (Gl. 3:13, 14). “Os da fé” não estão debaixo de nenhuma maldição, mas “são abençoados com o crente Abraão”. (Gl. 3:9).

“Quem está em Cristo, nova criatura é, as coisas velhas já passaram, tudo novo se tornou”.(2 Cor. 5:17). Não precisamos nos preocupar em desenhar nossa árvore genealógica, regredindo até a terceira a quarta geração quebrando as cadeias. Em primeiro lugar, porque pactos a alianças feitos pelos ancestrais não se transmitem automaticamente aos filhos. Favor não confundir conseqüências dos pecados dos pais com maldição. Pois é óbvio que os pais exercem forte influência sobre os filhos, ou para o bem ou para o mal. Mas isto não é o mesmo que dizer que eles estejam debaixo de uma maldição, de um feitiço, sob algum encantamento, que necessariamente precisa ser quebrado para livrá los de tal destino.Não devemos nos esquivar de nossas responsabilidades pessoais. E também, quando nos convertemos, o sangue precioso de Jesus nos purificou de todo o pecado (I Jo 1:7).

Não é necessário regredir pare nascer de novo, (Jo. 3). Um crente que volts atrás pare quebrar cadeias de maldições hereditárias está pondo em dúvida a sue fé e a sue salvação. Não está crendo que é nova criatura a que as coisas velhas já passaram. Não está descansando no poder de Deus a nem confiando no poder purificador a libertador do sangue de Jesus. (Cl. 2:14-15; Apoc. 1:5; Rm. 5:9; Ef. 1:7, Hb 9:12, 14; I Pe 1:18-19).

Em vez de retrocedermos devemos fazer como o apóstolo Paulo: “… mas, uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam a avançando pare as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. (Fp 3:13b)”.

Não há mais maldição a nem condenação para os que estão em Cristo. (Rm. 8:1) Se Deus é por nós, quem será contra nós? (Rm. 8:31). Tendo em mente a definição bíblica de maldição: separado de Deus, ouçamos o que a apóstolo Paulo ainda tem a dizer em Romanos 8:33 39: “quem intentará acusação contra os eleitos de Deus?… quem os condenará?… quem nos separará do amor de Cristo?… Pois eu estou bem certo de que nem a morte, nem. Vida, nem anjos, nem principados, nem coisas do presente, nem do porvir, nem poderes, nem altura, nem profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor”.

“Ele nos libertou do império das trevas a nos transportou pare o reino do Filho do Seu amor, no qual temos a remissão dos pecados, a redenção” (Col 1:13, 14). Ver também Col 2:12 15; 3:1 3 10; Ef 1:3 14, 18 20.

Só como curiosidade: a última palavra do Antigo Testamento é “maldição”; já o primeiro e mais importante sermão do Senhor Jesus Cristo registrado no Novo Testamento inicia se com o termo: “BEM AVENTURADO”!

A ignorância e a superstição escravizam, mas a verdade liberta. (Jo. 8:32).

Outros textos: I Jo 3:14; Gl 1:6; Jo 5:24; Is 43:2; Ecl. 3:15; I Pe 1:3 9, 1821, 23,24; 2:1 5 9-10; 4:7, 12 16; II Pe 1:3, 12,13; 2:1, 1618; I Jo 1:10, 13,14; 2:18 20, 26, 27; 3:1, 2, 8b, 24; 4:1, 4, 7, 12, 13, 15 17; I Jo 5:4, 5, 13, 18; Apoc. 2:25.

Discordamos daqueles que ensinam que o dom de línguas seja o sinal do batismo com o Espírito Santo.

Cremos nos dons espirituais conforme o ensino das Escrituras. Paulo afirma que todos os cristãos da igreja de Corinto haviam sido batizados com o Espírito Santo (conforme 1 Co 12.13), mas o Apóstolo deixa claro que nem todos possuíam o dom de falar em outras línguas (1 Coríntios 12:30). Jesus advertiu que é pelos frutos que um cristão é conhecido e não pelos dons (Mt 7). Veja o que diz o parágrafo 3240 de nosso Livro de Disciplina a respeito do assunto.

Segue abaixo uma série de lições a respeito do assunto que preparei no passado para uma de nossas revistas de Escola Dominical. Creio que podem ser úteis para um melhor entendimento desta questão tão relevante.

Dons espirituais Lição 1
Bispo José Ildo Swartele de Mello

PNEUMATIKA
Baixe a apresentação em PowerPoint desta lição em Downloads.

MEDITAÇÃO DIÁRIA
Segunda-feira – UNIDADE NO CORPO DE CRISTO – Ef. 4
Terça-feira – 0 DEVIDO USO DE DONS ESPIRITUAIS – RM 12.3-8
Quarta-feira – 0 DOM  PARA SERVIR – 1 Pe. 4:7-11
Quinta-feira – DIAKONIA – Lc. 10:40; 17:8; 22:26s; At.6:2 e Ef. 4:12
Sexta-feira – COMUNHÃO E HUMILDADE – Fil 2:1-11
Sábado – VIDA PLENA DO ESPÍRITO – CI 3:12-17

Para Estudar: 1 Cor. 12, 13 e 14.

TEXTO BÁSICO: “A respeito das coisas pertencentes ao Espírito, não quero, irmãos, que sejais ignorantes”.(I CORÍNTIOS 12: 1)

QUESTÕES INTRODUTÓRIAS PARA DISCUSSÃO E ESTUDO:

1. Quem é verdadeiramente espiritual?
2. Como é possível testar coisas e pessoas espirituais?
3. Pode a Igreja de Corinto servir de modelo de espiritualidade para nós? Por que?
4. Em 1 Coríntios de 12 a 14 Paulo apresenta as respostas às questões referentes às coisas espirituais. Temos, portanto, as soluções, quais seriam, então, os problemas?

1 – A CIDADE DE CORINTO

Das cidades gregas, a menos grega era por esse tempo a menos romana das colônias romanas. Era uma cidade em que gregos, latinos, s¡rios, asiáticos, egípcios e Judeus, compravam e vendiam, trabalhavam e folgavam, brigavam e se divertiam juntos, na cidade e nos seus portos, como em nenhuma outra parte da Grécia. Era um ponto de parada natural na rota de Roma para o Oriente. Corinto era populosa e próspera. Era um lugar muito cosmopolita e importante. Era moralmente corrupta e os seus habitantes eram profundamente propensos a satisfazer os seus desejos, fossem de que espécies fossem. Nas palavras de von Dobschutz: “0 ideal dos Coríntios era o atrevido desenvolvimento do indivíduo. 0 negociante que conseguia lucro por todos e quaisquer meio, o amante de prazeres que se entregava a toda luxúria, o atleta acerado para todos os exercícios corporais e orgulhoso de sua força física, são os verdadeiros tipos coríntios, num mundo em que o homem não reconhecia nenhum superior e nenhuma lei, senão os seus desejos”.

II – A IGREJA DE CORINTO

A Igreja de Corinto atravessava in£meras dificuldades: divisões, contendas, imoralidades (A igreja a estava no mundo, como tinha de estar, mas o mundo estava na igreja, como não devia estar), carnalidades de toda espécie, heresias (alguns negavam a fé na ressurreição), ignorância e abuso dos dons espirituais, individualismo, presunção espiritual, orgulho, inveja, confusão e desordem nos cultos.

Os crentes de Corinto, de acordo com suas pretensões e seu espírito altivo, usavam os dons ou imitavam-nos em determinadas ocasiões, a fim de se exaltarem pessoalmente, e não a fim de glorificarem a Cristo. Não esperavam um pelo outro e nem respeitavam os próprios irmãos. Todos falavam ao mesmo tempo e faziam esforço para ocupar o centro do palco, onde se focalizava a atenção de todos. Em resumo, foi uma igreja que deu muita dor de cabeça ao Apóstolo Paulo.

III – PNEUMATIKA

A) Paulo roga aos leitores no in¡cio da passagem (12:1), “A respeito de pneumatika, não quero que sejais ignorantes”.O termo grego sublinhado define o tópico em consideração.

Em 1 Coríntios ele trata de uma série de assuntos, introduzidos pela observação feita em 7: 1, “Quanto ao que me escrevestes…” O assunto do casamento ‚ discutido em 7:1-24. Um tratamento corolário começa em 7:25: “Com respeito as virgens…” Um novo tópico introduzido em 8:1, usando uma fórmula similar: “No que se refere às coisas sacrificadas aos ¡dolos…”.

Uma outra consideração apresentada em 12.1, usando-se a mesma fórmula introdutória: “A respeito de pneumatika…” E o final (tratado brevemente)‚ introduzido em 16:1, usando-se novamente a fórmula: “Quanto à coleta para os santos…” Nesta carta, Paulo está tratando de uma série de variados assuntos que foram levantados pela correspondência mencionada em (7: 1) e pela comunicação recebida da igreja de Corinto (1:11). Cada tratamento ‚ coerente dentro de si, e discreto; o contexto circundante serve como pano de fundo. 0 tratamento de pneumatika abrange os capítulos 12 a 14, estes trˆs capítulos funcionam como uma unidade, desenvolvendo um tópico comum.

B) 0 termo grego usado para identificar o tópico‚ usualmente traduzido: “dons espirituais”. Pneumatika ‚, contudo, mais inclusivo que charismata, que ‚ o termo escolhido quando se refere especificamente aos “dons” (ver 12.4, 3 1). A raiz do termo pneuma, que significa vento ou espírito. 0 resto do termo grego (tika)‚ desinência, como, por exemplo, em português “-tico” acrescentado ao radical “pneuma” tornar-se pneumático. 0 sentido da desinência ‚ semelhante ao português. 0 termo grego pneumatika é neutro plural, referindo-se às coisas ou matérias que são características do Espírito ou pertencentes ao mesmo.

C) “A respeito das coisas pertencentes ao Espírito…”. A discussão inclui dons, mas como parte de uma agenda mais ampla. 0 amor é central, como matéria de significação vital em qualquer consideração das “coisas pertencentes ao Espírito”. É vital também a edificação da igreja, a ordem no culto e ministério. Esses não são dons espirituais em si, mas cruciais à obra do Espírito na igreja.

D) “Não quero que sejais ignorantes a respeito dessas coisas”, declara Paulo. A ignorância espiritual, qualquer que seja (desinteresse, falta de estudo, confusão ou medo) deve ser eliminada da igreja. As conseqüências, inclusive anemia espiritual e ineficiência ministerial, são debilitantes. Pior ainda, ignorância gera ignorância (espiritual), da qual nascem diversas doutrinas erradas. Temos que estudar diligentemente as “coisas pertencentes ao Espírito”. 0 nosso próprio bem-estar espiritual e o estabelecimento da nossa igreja dependem desse estudo.

CONCLUSÃO

Esta lição é uma introdução a PNEUMÁTIKA, tema desenvolvido, de maneira brilhante, pelo apóstolo Paulo, nos capítulos 12 a 14. Em nenhum outro lugar da Bíblia se dá uma atenção Cio especial a este assunto de vital importância para vida da igreja, como aqui, nestes três capítulos, que por esta razão se revestem de inigualável importância para a compreensão das “coisas pertencentes ao Espírito”.

É indispensável o conhecimento do contexto histórico, geográfico e social da cidade de Corinto, bem como das características e do perfil daquela igreja. E, a partir daí, tendo em mãos os escritos de Paulo, procurar reconstruir as circunstâncias que motivaram as “respostas” de Paulo nestes 3 capítulos, que estão perfeitamente conectados e formam uma unidade sobre o mesmo tema: – PNEUMATIKA. E por isto não podem ser estudados como se fossem independentes um do outro.

0 que Paulo escreve a seguir visa instruir e trazer luz a um assunto de vital importância para a igreja, onde a ignorância pode levar a uma série de erros.

Dons Espirituais lição 2
Bispo José Ildo Swartele de Mello

CHARISMATA
baixe apresentação em PowerPoint em downloads.

MEDITAÇÃO DIÁRIA:

Segunda-feira – A Sabedoria do Espírito Santo – 1 Coríntios 2:6-16
Terça-feira – A unidade entre Cristo e o Espírito – 2 Cor. 3:17, 18
Quarta-feira – A missão do Espírito – Jo. 14:16-23, 26
Quinta-feira – 0 Espírito veio para dar testemunho de Cristo – Jo. 15:26
Sexta-feira – Veio para glorificar e anunciar a Cristo – Jo. 16:7-15
Sábado – Deus é soberano – 1 Tm. 6:15 e Ap. 1:5-8

PARA ESTUDAR: 1 Coríntios 12: 1 -11

TEXTO BÁSICO: “Ora, os dons são diversos, mas o Espírito é o mesmo.” (I Cor. 12:4).

INTRODUÇÃO

QUESTÕES INTRODUTÓRIAS PARA DISCUSSÃO EM CLASSE

1. Os dons do Espírito são recompensas por um esforço feito? 2. Quais os propósitos dos dons espirituais? 3. Os coríntios davam proeminência a dons mais extraordinários, como o dom de línguas, em detrimento dos outros dons. Por que? Quais eram as suas motivações? Quais foram as conseqüências desta atitude? 4. É correto pensar que o Espírito Santo leva a pessoa além daquilo que ela tem “meramente” em Jesus Cristo, ao invés de levar precisamente a Ele (v.3)? Ou, seria exato concluir que o Espírito leva os cristãos para cima e além da “maioria dos cristãos” e doutras pessoas, ao invés depara eles no serviço e no ministério? 5. Devemos nos sentir superiores, ou considerar outros superiores simplesmente baseados na posse deste ou daquele dom? 6. Na sua opinião, por que há diversidade de dons e serviços no ministério cristão?

1 – CHARISMATA

A concepção paulina de “dons” é mais dinâmica do que o nosso uso moderno.

Nós temos essencialmente um só meio disponível de nos referir aos “dons” os quais qualificamos como “dons espirituais” ou “dons do Espírito”. Paulo usa diversas descrições, as quais não só esclarecem o conceito bíblico, mas também nos ajudam a definir “dons”.

0 termo chave, usado com referência específica aos dons espirituais, é charismata (12.4, 31; Rm. 12.6). 0 termo está na forma plural; o singular é “charisma”. A raiz do termo, “charis”, é a palavra que no Novo Testamento significa “graça”. A conexão com graça é vital ao entendimento correto de dons espirituais, como se vê em Efésios 4:7: ‘E a graça foi concedida a cada um…”E em Romanos 12.6, que semelhantemente apresenta uma “lista” de dons relacionando-os com graça: “tendo, porém, diferentes charismata segundo a charis que nos foi dada…” A desinência tem a nuança de algo dado. Assim, dons são descritos como diversas dádivas da graça, dádivas dadas a cada crente por Deus.

11 – OUTROS TERMOS

Paulo também usa outros termos para descrever os dons, os quais são chamados “ministérios” ou “serviços” na igreja (12:5, 10, 11). Várias vezes (1 2:6, 11; Efésios 4:16), é usada a raiz grega da qual se deriva a palavra “energia”. Esta é uma palavra composta (en-ergia), que significa “em-trabalhando”. Ela descreve os dons espirituais como as operações de Deus nas pessoas individuais e através delas, Deus trabalhando dentro da sua igreja.

Finalmente, notamos a frase descritiva usada em 12:7, onde Paulo declara: “A cada um, porém, é dada a manifestação do Espírito para o proveito comum (isto é, para edificação da igreja).”O verbo “sendo dado” está no presente, descrevendo ação contínua, não um evento singular; semelhantemente, “manifestação” tem substantivo como desinência que indica processo. Assim, os dons são definidos como os meios contínuos através dos quais Deus revela sua Pessoa e obra na igreja (ver 14: 24-25).

Um carisma ou graça é definido por Paulo, em primeiro lugar, como um “serviço” (diakonia, v.5). Não é, portanto, primariamente um privilégio espiritual para o indivíduo, para sua própria edificação, prazer, ou distinção. Como um serviço, a graça é dada em prol dos outros; está presente para o bem da igreja. Os variados serviços das graças-dons visam, todos eles “um fim proveitoso” segundo vimos acima.

111 – SENHORIO DE CRISTO

No v.3, Paulo vê a obra característica do Espírito Santo na confissão inteligível e simples de que Jesus é Senhor. 0 Espírito leva os homens a atribuírem senhorio a Cristo. 0 que não significa que é impossível a um descrente dizer as palavras: “Jesus é o Senhor”. Obviamente ele pode dizer isso com zombaria. Mas somente sob a influência do Espírito Santo aquelas palavras podem ser ditas de forma sincera e cheia de significado. É só através do Espírito que uma pessoa pode conhecer a Jesus como seu Senhor e Salvador.

Entre os textos para meditação diária estão: 2 Cor. 3:17,18; Jo 14:16-23, 26; Jo 15:26; Jo 16:7-15, que falam do ministério do Espírito Santo em relação a pessoa de Jesus Cristo. No primeiro capítulo de I Coríntios, Paulo fala sobre tudo aquilo que os coríntios já têm. Observe que tudo o que os coríntios já têm, o têm “em Cristo”. Foi a preocupação de Paulo em todo o decurso das epístolas aos coríntios ver o Espírito na mais íntima conexão com o Senhor e, portanto, com Deus (2 Cor 13:15). Note que os vs. 4,5 e 6 nos ensinam a trindade: “0 Espírito é o mesmo…”; “… mas o Senhor (JESUS) é o mesmo.”; “… mas o mesmo Deus é quem opera tudo em todos. “Resumindo, o Espírito não veio para concorrer com Cristo, ou para ir além de Cristo, mas para conduzir a Cristo, exaltando a Cristo como Senhor.

IV – DIVERSIDADE

Pauto nos ensina que: “os dons são diversos% “Há diversidade nos serviços” e há “diversidade nas realizações”. Vimos que a obra central do Espírito é honrar a Jesus, e esta obra não é, em sentido algum, monótona ou de uma só forma. 0 Espírito é rico na variedade de suas manifestações, daí o tríplice emprego da palavra “diversidade”.

Há diferentes modos de servir sob a unção do Espírito, mas as diferenças não são importantes, pois o Senhor é o mesmo. Os dons são diferentes, mas isto não deve nos dividir, porque é um e o mesmo Deus que outorga os Charismata em toda a sua diversidade. Paulo está muito preocupado com a unidade da Igreja. Trataremos de um modo especial deste assunto na próxima lição.Em seguida, Paulo descreve uma lista de dons espirituais. Além desta lista existem outras em Romanos 12:6-8; 1 Cor. 12:28-30; Efésios 4:7, 8, 11-13 e 1 Pe 4:9-11. 0 professor ou o aluno pode estudar sobre cada um deles consultando bons comentários e dicionários bíblicos e comparando cada definição, “examinando tudo e retendo o que é bom”.

Terminamos esta lição comentando brevemente o v.11: “Mas um e o mesmo Espírito realiza todas estas coisas, distribuindo-as como lhe apraz, a cada um individualmente”. Ensinando, mais uma vez, que dons divergentes não visam a propósitos divinos divergentes, pois é o mesmo Espírito que dá todos estes dons. “A cada um individualmente” lembra-nos que Deus nos trata como indivíduos. Ele leva em consideração a nossa personalidade, nossas características e habilidades pessoais que “os são natas, como também nossa capacidade. (ver parábola dos talentos em Mt. 25). E, para finalizar, nos ensina que os dons não são outorgados segundo queremos. Não é segundo a à do homem, mas segundo a vontade do Espírito: Como lhe apraz. Os dons têm nítida relação com nossa posição no corpo de Cristo, isto é, com a nossa função ou ministério. Estão em conexão com as” boas obras as quais Deus preparou de antemão para que andássemos nelas (Ef. 2: 10).

CONCLUSÃO

A concepção bíblica de “dons” é mais rica e amplamente definida do que a nossa: a nossa parece muito limitada e estéril pela comparação (como ela se reflete dentro do vocabulário usado). Além do mais, a concepção bíblica é mais dinâmica. Nós falamos de 9, 12 ou 21 dons (o número varia), e os designamos às categorias específicas (estas também variam), de acordo com classe ou função ou um outro esquema (que também varia). Biblicamente, os dons são simplesmente um meio de descrever a obra de Deus dentro e através do seu povo.

Paulo ensina que a obra do Espírito é exaltar a Cristo como Senhor. E que o Espírito é rico e criativo em suas manifestações visando a edificação do corpo de Cristo, onde não há lugar para divisões e interesses mesquinhos.

Dons Espirituais lição 3

“EKKLESIA”
MEDITAÇÃO DIÁRIA
Segunda-feira – Somos um só corpo – 1 Cor. 10:16, 17.
Terça-feira – A Igreja – Corpo de Cristo – Ef. 1:22, 23.
Quarta-feira – Unidos pela cruz de Cristo – Ef. 2:11-22
Quinta-feira – Unidade do Espírito – Ef. 4:3-16
Sexta-feira – A fim de que todos sejam um – Jo 17:11-26
Sábado – Nada façais por partidarismo – Fil. 2:1-11

Para Estudar: 1 Coríntios 12:12-31

TEXTO BÁSICO: “Para que não haja – ia divisão no corpo; pelo contrário, cooperem os membros, com igual cuidado, em favor uns dos outros. – (I Co 12:25)”.

INTRODUÇÃO:

Quando esteve no Brasil, Dr. Bush, numa de suas mensagens, contou a seguinte ilustração: “Dois homens trabalhavam quebrando pedras na construção de um grande edifício. Foi feita a mesma pergunta a cada um deles: ‘0 que você está fazendo?’ 0 primeiro respondeu: ‘Ora, estou quebrando pedras’; mas o segundo respondeu: ‘Estou ajudando a construir um grande edifício!’”.

PARA DISCUSSÃO E ESTUDO

1. Quais as lições práticas que podemos tirar da ilustração acima para a vida da igreja? 2. Qual a relação existente entre esta ilustração e o tema da aula de hoje?

3. Por que Paulo dedica um quarto do seu estudo sobre PNEUMATIKA à questão da unidade da igreja? (Os 20 versículos deste parágrafo correspondem à aproximadamente 1/4 dos 84 versículos dedicados a PNEUMATIKA).

4. Ciúmes, rivalidades, arrogância, pretensões, estrelismos, individualismo, menosprezo pelos dons considerados não tão interessantes, busca de satisfação pessoal, exaltação do “eu”, e negligência para com os frutos do Espírito eram Características da igreja de Corinto. 0 que fazer para não incorrermos nos mesmos erros?

1 – EKKLESTA

0 vocábulo grego “ekklesia” significa, basicamente, “os chamados para fora”, dando a entender um grupo distinto, selecionado e tirado para fora de algo, era empregado para indicar “assembléia”, “reunião convocada pelo arauto”, “assembléia legislativa”. Portanto, a “assembléia” pode ser política, social ou religiosa. É usada para indicar a igreja cristã, um culto cristão, mas nunca o mero edifício das reuniões ou templo. E pode ser muito bem traduzida por: “CONGREGAÇÃO REUNIDA”.

Grande parte da natureza espiritual da igreja pode ser percebida através dos seus títulos que são encontrados nos seguintes textos: Ef. 1:4, 22e 23; Ef. 3; Ef. 2:15, 19, 21 e 22; Ef. 5:26, 27; 2 Cor. 3:18; Rm 8:17, 29 e 30; Rm 7:1-6; Mc 2:19, 20; 2 Cor. 11:2; Mt 5:48.

0 ministério da igreja é, essencialmente, a continuação do ministério do próprio Senhor Jesus Cristo. A vontade de Deus é unir todas as coisas em redor de Cristo, harmoniosamente (ver Ef. 1:10). No seio da igreja, Deus demonstra como isso pode ser feito, através da unidade do Espírito (Ef. 4:3). E o trecho de Ef. 1:23, ensina-nos que Deus utilizar-se-á da igreja como um instrumento para realizar tal plano.

II – A EKKLESIA ESTÁ EM FOCO

0 termo grego EKKLESIA aparece por nove vezes em 1 Coríntios 14 (vs. 4, 5, 12, 19, 23, 28, 33, 34 e 35) e uma vez em 1 Coríntios 12:28. No parágrafo 12:12-31, Ekklesia é definido como “0 CORPO DECRISTO” (o vocábulo “corpo” aparece dezessete vezes neste trecho). Paulo defende que os dons espirituais só podem ser entendidos dentro do contexto da IGREJA. Os dons foram dados a cada um individualmente visando o bem comum, isto é, a edificação do CORPO DE CRISTO. A “IGREJA” está em foco.

III – A ANALOGIA DO CORPO

Intimamente entrelaçada com a consideração paulina de “dons” está a realidade da igreja. Em 1 Cor. 12, Paulo toma o corpo humano como metáfora e elabora a sua aplicabilidade à igreja. Ele mostra que os dons espirituais, como os diferentes membros do corpo, são diversos em qualidade e função – mas cada um tem importante e necessária contribuição a fazer ao corpo inteiro. Todos são indispensáveis. Assim, os dons são individualizados, mas sempre ligados à igreja.

Os dons são divinamente dados, não primariamente para abençoar a vida do recipiente individual, mas para o benefício da igreja. 0 dom não é dado para nosso deleite pessoal ou para obtermos vantagens sobre os outros, mas para servimos aos demais crentes.

IV – UNIDADE E HARMONIA

Os dons não são dados para divisão, mas para a unidade do corpo. A igreja de Corinto estava a ponto de dividir-se e rachar-se entre o “ESPIRITUAL” e o “CRISTAO”, como se os dois fossem distintos entre si. Paulo inicia esta carta ao coríntios fazendo uma forte exortação à unidade (1 Cor. 1: 10- 13) e, no capítulo 3. Paulo repreende a carnalidade, as divisões, ciúmes e contendas que havia entre eles. E, em 11:17-34, Paulo afirma estar informado de que há divisões e partidos entre os coríntios.

Observe que a palavra chave deste texto é “UM”. Releia o texto mais uma vez e responda: Quantas vezes ela aparece?

Num corpo existem órgãos com mais ou menos destaque; mas estas diferenças no Corpo de Cristo são meramente funcionais, não são qualitativas nem espirituais. Nenhuma parte deve sentir-se inferior ou superior com base nos seus dons ou na sua posição dentro do corpo, porque Deus mesmo foi quem dispôs os membros, colocando cada um deles no corpo, como lhe aprove. (v. 18).

As diversas partes do corpo não estão em feroz concorrência entre si, mas sim, se completam harmoniosamente, por amor da totalidade, segundo a orientação da Cabeça.

Compare esta passagem com a de Ef. 4, onde também Paulo está tratando de Mons” espirituais: “Suportando-vos uns outros em amor, esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz: Há um só corpo e um só Espírito… Um só Senhor… A graça foi concedida a cada um de nós segundo a proporção do dom de Cristo… E concedeu dons aos homens… Para encher todas as coisas… E Ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para… Com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé. Em 1 Cor. 12:25, o apóstolo fala do propósito de Deus ao dar dons aos membros da igreja. Confira.

Qual o resultado da ação do Espírito Santo na vida dos primeiros cristãos? (At. 2:44ss).

Em João 17:11, 21-23, Jesus orou para que fôssemos um, para que fôssemos aperfeiçoados em unidade. Só assim a igreja será bem sucedida em sua missão aqui no mundo.

V. 11 – “Um só e o mesmo Espírito” – sublinha a verdade de que os dons divergentes não visam a propósitos divinos divergentes. Os membros diferem, mas as suas diferenças não afetam o fato de que há uma unidade fundamental.

V – CONFORME SEU SOBERANO PROPÓSITO

V. 28 – Paulo ensina que no corpo natural Deus dispõe, estabelece as partes (vs. 18 e 24). O mesmo se dá com o corpo de Cristo. Não são as pessoas que escolhem se vão ser apóstolos, profetas… Ou… Etc, mas é Deus quem os estabelece na igreja. Paulo classifica estes vários dons para igreja em ordem de honra (comparar com a lista de Ef. 4: 11). É significativo que o dom de línguas, que os coríntios tinham em tão alta estima, seja mencionado por último.

Cada um de nós tem uma função, um ministério no Corpo de Cristo, aquelas “boas obras as quais Deus preparou de antemão para que andássemos nelas” (Ef. 2:10).

Deus dará, a cada um individualmente, os dons necessários para que cada um possa estar capacitado par executar bem os seus serviços e ministérios já designados por Deus.

Vs. 15 e 16 – 0 pé pode muito bem ter ficado desalentado por sua incapacidade para exercer as complicadas funções da mão, mas “nem por isso deixa de ser do corpo”. Os corpos precisam de pé como de mãos, de ouvidos como de olhos. Por melhor que sejam os olhos, o que seria do corpo se todos os seus; membros fossem olhos? Observe que Paulo coloca “0 TODO” no mais alto nível. Os membros não estão dispostos no corpo por acaso (vs. 6, 7, 11, 18, e 28).

Vs. 29 e 30 – Todas as perguntas destes dois versículos esperam um “NÃO” como resposta. 0 que nos ensina que nenhum dom em particular é destinado a todos os cristãos. Nem todos são apóstolos, nem todos profetizam, nem todos falam em línguas. Estes versículos são suficientes para provar que o dom de línguas não é o único sinal de que alguém foi batizado como Espírito Santo. Mesmo naquela época, nem todos os que eram batizados no Espírito Santo falavam em línguas. Os dons são dados como Deus quer, como lhe apraz e não como nós queremos.

CONCLUSÃO

Paulo tratou dos membros mais humildes da igreja, que achavam que, por lhes faltarem dons espetaculares, poderiam ser postos fora do corpo. Tratou também da questão dos membros que, por possuírem dons de maior destaque, menosprezavam os seus irmãos menos dotados, chegando à soberba ao pensar que podiam funcionar bem, sem as “insignificantes” contribuições dos outros não tão “espirituais” e bem dotados quanto eles. Barcley afirmou: “Sempre que começamos a pensar em nossa importância pessoal na igreja, esvai-se a possibilidade de uma obra realmente cristã”.

Os dons não são dados por acaso, a revelia ou conforme a nossa própria vontade, e nem visam à interesses mesquinhos e pessoais. Deus concedeu dons com o propósito de nos capacitar para os serviços, funções ou ministérios que Ele mesmo estabeleceu e designou para nós, visando a edificação e a unidade da Igreja.

Entendendo melhor a IGREJA será mais fácil compreender os dons espirituais, bem como o seu uso e propósito na igreja.

Dons Espirituais lição 4

AGÁPE

MEDITAÇÃO DIÁRIA:
Segunda-feira – Uma dívida eterna – Rm 13.8-14
Terça-feira – 0 fruto do Espírito é amor – Gal. 5:23-26
Quarta-feira – 0 amor é derramado nos corações pelo Espírito – Rm. 5:5-8
Quinta-feira – A essência do Evangelho – I Jo 3:11-24
Sexta-feira – Deus é amor – I Jo 4:7-21
Sábado-feira – Amor fraterno – Rm. 12.9-21

PARA ESTUDAR: 1 Coríntios 13.1-13

TEXTO BÁSICO: “Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine”.(I Cor. 13:1).

INTRODUÇÃO

As aparências enganam. 0 ser-humano é facilmente seduzido pela forma. A embalagem atrai e leva o homem a perder de vista o mais importante: “0 CONTEÚDO”. Mas Deus não se deixa enganar. Ele vê o coração, o íntimo, os motivos. Os grandes feitos e o bom desempenho podem impressionar a muitos, mas o que conta diante de Deus é a pureza de intenção. Não é tanto o que fazemos, mas como fazemos, com que coração realizamos até mesmo as mais simples tarefas.

“Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, porque o rejeitei, porque o Senhor não vê como vê o homem. 0 homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração”.(1 Sm 16:7)

“E eu passo a mostrar-vos ainda um caminho sobremodo excelente:”

PARA ESTUDO E DEBATE

1. Por que, destes três capítulos destinados ao estudo das coisas pertencentes ao Espírito Santo, Paulo reserva um capítulo inteiro para a questão do amor?

2. E porque este capítulo se encontra localizado exatamente nomeio dos outros dois? Haveria algum motivo especial? 3. Com relação as coisas espirituais, qual foi a ênfase de Cristo e das epístolas apostólicas? E qual tem sido a ênfase nos nossos dias?

4. É possível a manifestação de dons espirituais sem o elemento básico da vida cristã, o amor?

5. Como distinguir entre o falso e o verdadeiro? É pelos seus dons que se conhece um homem genuinamente espiritual?

6. Como é o amor de Deus? Como atua ele? Como se evidencia ele entre nós?

1 – AGÁPE

AMOR – No grego, “AGÁPE”, derivação da forma verbal “AGAPAO “. Não se usava comumente antes do Novo Testamento, mas os cristãos se apossaram do termo e fizeram dele a sua palavra característica para amor. Enquanto que o melhor conceito de amor antes do Novo Testamento era o de amor pelo melhor ser que se conhece, os cristãos pensavam no amor como aquela qualidade demonstrada na cruz. É amor pelos totalmente indignos, amor que procede de um Deus que é amor. Amor prodigalizado a outros sem que se pense se eles são dignos para recebê-lo ou não. Provém antes da natureza daquele que ama, que de qualquer mérito do ser amado. 0 cristão que experimentou o amor de Deus por ele, embora ainda pecador, foi transformado pela experiência. Agora, em certa medida, vê os homens como Deus os vê. Ele os vê como objetos do amor de Deus, como aqueles por quem Cristo morreu. Conseqüentemente, a sua atitude para com eles é de amor, do “AGÁPE” que o leva a dar-se. Vem a praticar o amor que nada busca para si, mas somente o bem da pessoa amada. 0 amor é aquele elemento que dá sabor a todas as demais atividades e lhes empresta significação, sendo assim, o amor é o grande princípio Cristão de toda a ação e a base de toda demonstração de espiritual idade, pelo que o amor deve governar os dons espirituais, servindo de solo onde os dons sejam cultivados.

A SUPREMACIA DO AMOR

Amor é “o caminho sobremodo excelente”. 0 centro do tratamento Paulino de coisas pertencentes ao Espírito é amor. Sem amor, “dons espirituais” oferecem pouco benefício à igreja e “línguas” se tomam disfuncionais. Ágape é chave para harmonia, ordem e crescimento na igreja.

0 amor é mais importante do que qualquer dos dons, inclusive I Ínguas; na verdade, ele é mais importante do que qualquer combinação de dons, ou todos os dons juntos.

No capítulo doze, Paulo vinculou o pensamento da igreja acerca de coisas espirituais à graça; no capítulo treze, Paulo vincula as coisas espirituais ao amor. Nesse capítulo, Paulo ensina o modo segundo o qual as graças divinas discutidas no capítulo doze devem ser expressas humanamente. Nem o falar em línguas (13.1), nem a profundidade do saber (v.2), nem o sacrifício (v.3) são, por si só, nem substitutos para o amor cristão, nem sequer componentes necessários deste amor. 0 amor é uma graça mais básica e menos espetacular do que todas as demais. Sem ele, as graças cristãs são desgraçadas.

V.1 – Paulo ensina que falar em línguas (de qualquer espécie) sem o acompanhamento do amor, isto é, sem ter por finalidade a edificação da igreja, sem ter por propósito ajudar a outro, não passa de um ruído, que pode ter motivo a autoglorificação. Aquele que não tem o amor de Deus a encher o seu coração é como um vagão vazio, que desce violentamente por uma colina; faz muito barulho porque nada tem dentro.

V.2 – São aqui frisados os dons da profecia, da sabedoria, do conhecimento e da fé. São dons pedagógicos, importantíssimos e maravilhosos, mas “se não tiver amor”… Observe que o dom importa menos do que a maneira de seu uso. Se o indivíduo que o possui, faz uso dele sem amor, nada será! Tenhamos por exemplos as experiências de Balaão e de Sansão, ambos possuíam dons sobrenaturais; porém, moralmente falando, eram homens degradados. E a derrota recaiu sobre ambos. Existem muitos que tem apenas o CHARISMA, mas não tem o caráter.

V.3 – Aqui são aludidos os dons de “socorros”. Até mesmo o indivíduo que se tome conhecido como muito humanitário, cujas obras sociais e de socorro sejam abundantes, se lhe falta a motivação apropriada do amor cristão, a preocupação sincera pelo alívio da miséria alheia, nada será ele. Pois é possível realizar todas estas obras visando a auto-exaltação e a vanglória. Sem amor, nem mesmo um sacrifício supremo obtém coisa alguma para aquele que o realiza. A dedicação suprema nada significa sem a motivação do amor.

III – A NATUREZA DO AMOR

Para entendermos corretamente 1 Coríntios 13, devemos conservar em mente o contexto dentro do qual a descrição do amor foi dada por Paulo: o contexto do problema referente às coisas espirituais na igreja de Corinto.

V.4 – “É paciente” – “Espera pelo tempo divino para a realização de seus propósitos graciosos e providenciais sem murmurar ou impacientar-se, suportando suas próprias fraquezas, bem como as fraquezas alheias, com santa e humilde submissão à vontade de Deus.”(Adam Clark); – “É Benigno”- útil, gentil, prestativo, busca oportunidades para fazer o bem, cheio de bons frutos que vem do alto (ex. o bom samaritano). – “Não arde em ciúmes”- 0 amor não tem inveja. A inveja é um dos pecados mais mortais e destrutivos. Esta foi a causa do primeiro crime na história da humanidade. O amor não se deixa entristecer porque outra pessoa possui maior porção de bênçãos terrenas, intelectuais ou espirituais. Pois ama o próximo como a si mesmo. – “Não se ufana e nem se ensoberbece”. Vanglória, auto-exaltação, fanfarronice, orgulho, pretensão, espírito altivo e desejo de ser estrela “, aparecer e estar no centro do palco” eram características de muitos em Corinto. 0 amor impede a pessoa de inflar-se com o senso de sua própria importância. (Pv. 16:18).

V.5 – “Não é inconveniente” – não é arrogante ou rude. 0 amor tem boas maneiras, é cheio de tato. 0 amor não deixa ninguém em situação embaraçosa, não faz ninguém passar vergonha. 0 amor é moderado, observa o verdadeiro decoro. 0 amor é reverente e ordeiro. – “Não procura os seus interesses” – 0 amor não procura as suas próprias coisas. Esta definição torna-se importante para a compreensão do capítulo 14, especialmente o quarto versículo. 0 amor não busca a sua própria vantagem. Notemos no capítulo 12, o caráter tipo “DIAKONIA”(SERVIR AOS OUTROS) e “proveito para todos”das graças. Em suma, o amor não insiste nos seus próprios direitos. – “não se exaspera” – “não se ressente do mal” – Não se deixa provocar, não se irrita, não perde a compostura, não se amargura, não se lembra do mal. 0 amor perdoa, esquece e paga o mal com o bem.

V.6 – “Não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade”.

V.7 – “Tudo sofre” – 0 amor sustenta todo o sofrimento. Quando olhamos para a cruz, vemos o maior de todos os exemplos de como o amor pode suportar todo o sofrimento. – “Tudo crê”- Essas palavras não significam que OS Crentes devam ser crédulos, a ponto de serem enganados por charlatões e falsos profetas. No entanto, o amor acredita no lado melhor das pessoas e não procura expandir os seus defeitos, conforme procuram fazer os bisbilhoteiros. 0 amor encoraja o que há de melhor na outra pessoa. 0 amor permanece como amigo, e ama a despeito do que sabe a seu respeito; vê o seu potencial, encoraja-o a cumprir os seu ideal. – “Tudo espera”0 amor não se desespera. Está pronto para tudo. E se recusa a tomar o fracasso como final. É otimista. É como um soldado que, mesmo no grosso da batalha, não fraqueja, não se deixa vencer, sejam quais forem as dificuldades. – “0 amor tudo suporta”.

IV – 0 FRUTO DO ESPÍRITO

Em Gálatas 5:22, aprendemos que o fruto do Espírito Santo é: AMOR. Quando o Espírito Santo vem a nós o AMOR de Deus é derramado nos nossos corações (Rm 5:5).

Em 1 Cor. 12:28-30 Paulo ensina que nenhum dom em especial é inerente aos cristãos, isto é, nem todos os cristãos profetizam, nem todos são mestres… E assim por diante. Mas o mesmo não se dá no caso do AMOR, pois o amor é fruto, e o fruto é inerente à árvore. Todo cristão autêntico precisa e naturalmente produzirá os frutos do Espírito. “Todo ramo que, estando em mim, não der fruto, Ele o corta; e todo o que dá fruto, limpa, para que produza mais fruto ainda”.(Jo 15:2)

0 amor é o sinal do cristão. “Pelo amor conhecido é o cristão”. Jesus não ensinou: “Pelos seus dons os conhecereis”, mas sim: “Pelos seus frutos os conhecereis” (Mt. 7:15-23). E segue: “Nem todo o que me diz: ‘Senhor, Senhor!’ entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! porventura, não ternos nós profetizado em Teu nome, e em Teu nome não expelimos demônios, e em Teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi explicitamente: Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade.”

Mc 11:12-14, a questão da figueira sem fruto. Quando Jesus examina uma árvore, Ele busca nela os seus frutos. Parece que não há desculpas para não frutificarmos.

A igreja dos coríntios é exemplo de que “dons” não é, necessariamente, sinônimo de “espiritual idade” (vida cheia do Santo Espírito de Deus). Vejamos: Em 1:7 – somos informados que aos coríntios não faltava dom algum. Dons eles Possuíam, mas em 1: 11; 11-4,16-18; 4:18; 5-1 a 13; 6:1, 5 a 11, 15 a 19; 10: 14, 21, 22; 11: 17 a 22 e 30; 15:33, 34, observamos o quanto eles eram carnais. E hoje em dia corremos o mesmo perigo de nos concentrarmos nos dons e nos esquecermos do fruto, que é o elementar.

É comum ouvirmos dizer: “Olha, vamos lá e assistir. Veja como aquela pessoa é espiritual’ Ela possui este ou aquele dom!… E incorre-se no mesmo erro de julgar ou de se Conhecer o grau de espiritualidade baseado em tal falsa premissa. Deixa-se enganar pela aparência”.

Dons podem até impressionar multidões, mas se não tiver amor… No dia do juízo final o que realmente importa é o amor. Tudo mais passará, mas o amor permanece para sempre. : “Nisto é em nós aperfeiçoado o amor, para que no dia do juízo tenhamos confiança…” (I Jo 4:17 e 18). Ainda sobre este tema, meditar em Jo 15, Mt 25:31-46.

CONCLUSÃO

As virtudes do amor, com sua humildade, paciência, altruísmo e consideração devem ser o veículo das manifestações especiais do Espírito Santo no seio da igreja. Sem esta base, tudo é nada.

Nestes dois primeiros capítulos, Paulo também está preparando os coríntios para receberem de maneira positiva as firmes exortações, correções e orientações do capítulo 14. Que é o tema da nossa última lição.

Dons Espirituais lição 5

GLOSSAI

MEDITAÇÃO DIÁRIA:
Segunda-feira – No dia de Pentecostes – Atos 2.1-47
Terça-feira – Culto racional – Rm. 12.1-2
Quarta-feira – Como usar os dons espirituais – Rm. 12.3-8
Quinta-feira – Julgar e provar as profecias – 1 Ts. 5: 19-21; I Jo 4:1 e Jr. 23.
Sexta-feira – Perigos Deut. 13.1-5 e Deut. 18:20-22
Sábado – Não buscar o que é seu, mas o que é dos outros – Ef. 2.4, 21.

PARA ESTUDAR: 1 Coríntios 14:1-40

TEXTO BÁSICO: “0 que fala em outra língua a si mesmo se edifica, mas o que profetisa edifica a igreja”.(1 Cor. 14:4).

PARA ESTUDO E DEBATE

1. Como os dons espirituais devem ser expressos nas reuniões congregacionais? 2. Como conciliar: “Onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade” com as diretrizes estabelecidas por Paulo quanto à ordem de culto? (ver especialmente os versículos 19, 23, 26 a 33) Em outras palavras, liberdade de culto e necessidade de ordem no culto são conflitantes?

2. Por que o apóstolo diz que temos que julgar as profecias? Você acha isto importante para os nossos dias?

3. A Questão: “0 que dirão os de fora?” deve nos preocupar? (v.23)

(Ler com atenção 2 Cor. 6:3, que é um versículo muito importante para a compreensão deste tópico).

4. A preocupação do apóstolo Paulo é com o uso dos dons na igreja. Você lembra qual é a concepção neotestamentária do termo grego ekklesia? Então, como isto afeta nossa interpretação de 1 Cor. 14?

5. Quando Paulo menciona “línguas” entre os dons espirituais, está ele se referindo às línguas humanas estrangeiras ou às elocuções estáticas que são ininteligíveis?

6. Por que o dom de profecia é superior ao dom de línguas? Por que o que fala em línguas deve se calar se não houver quem interprete?

INTRODUÇÃO

Línguas (GLOSSAI) têm sido um meio entre muitos que Deus tem escolhido para se revelar. Não é o meio mais importante e, apesar de ser classificado por Paulo como o último dos dons (12:28), Paulo falou mais tempo sobre ele que sobre qualquer outro, pois, desde aqueles dias, este assunto tem sido mal entendido, com distorções na ênfase e na pratica deste dom nas igrejas, chegando a ser motivo de divisão. É para esclarecer dúvidas, corrigir erros e orientar à igreja de Corinto quanto ao uso dos dons espirituais, em particular o dom de línguas, que Paulo dedica um capítulo inteiro, com 40 versículos.

Existem diferentes interpretações com respeito à definição de línguas bíblicas. É difícil decidir entre elas. Uns resolveriam o problema insistindo que as línguas dos coríntios eram línguas estrangeiras, visto que as de Atos 2 o eram. Para outros, inclusive nossos estudiosos da Bíblia, parece patente que as línguas de 1 Coríntios 12-14 não eram línguas humanas inteligíveis.

Os argumentos baseados no texto gregos não resolvem o problema. 0 termo glossai (I ínguas; singular é glossa) é usado nos textos de Atos e Coríntios, mas não necessariamente no mesmo sentido. 0 contexto é essencial para a própria interpretação e tradução de cada uso de uma palavra, mesmo quando o termo grego fundamental é o mesmo.

É simplesmente incorreto assumir ou afirmar que, porque glossa descreve linguagem humana em Atos 2, onde quer que o termo seja usado ele significa o mesmo. Em Marcos 7:33, 35, o texto grego diz que Jesus tocou a “glossa” do mudo: a palavra aqui obviamente se refere a língua física; seria sem sentido traduzida: “língua (idioma)”. Semelhantemente, em Lucas 1:54, Deus tocou a “glossa” de Zacarias: o sentido intentado é provavelmente “boca” e não idioma. Finalmente, em I Jo 3:18, nós somos exortados: “não amemos de palavra, nem de GLOSSA” aqui a tradução “língua” pode ser usada, mas o sentido é comunicado melhor pela tradução usual, “discurso”.

Da mesma maneira, devemos estudar contextualmente cada instância de “glossa” em Atos e Coríntios. Em alguns textos, o sentido exato não é claro: não podemos estar certos se as “línguas” em Atos 10 e 19 consistem em fala inteligível ou ininteligível. Em tais casos, dogmatismo (de qualquer lado, com a exclusão de outros pontos de vista) parece não só infundado, mas injustificado.

QUAL 0 SENTIDO DE GLOSSAI EM 1 COR. 12-14?

Como é de se esperar, os estudiosos diferem nas suas respostas, refletindo usualmente suas afiliações teológicas e eclesiásticas. Para um número crescente de variadas tradições, contudo, a seguinte conclusão parece assegurada: enquanto que as línguas de Atos 2 foram línguas estrangeiras inteligíveis, as “glossai” em I Cor. 12-14 consistem em elocuções humanamente ininteligíveis. Esta conclusão está baseada nos dados específicos.

Pentecostes, como se acha relatado em Atos 2, foi um evento miraculoso. Naquele dia, quando o Espírito de Deus foi derramado, os discípulos falaram línguas (glossai) que eles não entenderam. De outro lado, os ouvintes, um auditório misto de visitantes de muitos países diferentes, entenderam o que foi dito. Eles se maravilharam, todavia, que os discípulos – todos “galileus” – estavam falando para eles, “que os ouvimos falar cada um na própria língua em que nasceu” (2.8). A palavra grega traduzida língua ali e em 2:6 é “dialect”, descrevendo língua particular nativa dos ouvintes. A lista dos nomes de lugares identifica algumas das regiões geográficas específicas representadas. Todas as línguas dessas vastas regiões não eram evidentemente conhecidas aos discípulos galileus iletrados (At. 4:13). Não obstante, as “glossai” faladas foram inteligíveis aos ouvintes; nenhuma interpretação foi necessária.

A situação que Paulo descreve em 1 Coríntios 12-14 é completamente diferente. A mensagem falada em línguas era não só ininteligível àquele que falava que (ver 14:14), mas também aos ouvintes: Porque o que fala em língua não fala aos homens, mas a Deus… Ninguém (isto é, nenhum ser humano) o entende; porque em espírito fala mistérios. Porque tais elocuções são ininteligíveis, Paulo argumenta, sem interpretação, elas são sem sentido e não edificam a igreja durante suas reuniões.

0 fato de a “interpretação” ser considerada um dom espiritual faz crer que o dom espiritual de línguas mencionado em 1 Coríntios não era de idiomas conhecidos, que pudesse ser entendido por alguém em algum lugar do mundo.

Uma outra espécie de “glossai” pode estar sendo sugerida em 1 Coríntios 13:1: “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos…” Aqui Paulo muda para além das fronteiras da língua humana, para abranger outra esfera de comunicação. No contexto, a sua idéia é que, ainda que uma pessoa possa comunicar em muitas línguas humanas e também com o espírito de anjo… Sem amor, a fala resultaria somente em muito ruído.

Na lista dos “dons”, deve-se notar que “glossai” está sempre no plural e acompanhado de “espécies de…” 0 grego que salienta este qualificador fornece o termo científico gênero. Usado em biologia, um gênero, é a subdivisão principal da família e incluiu uma ou mais espécies. Este é o sentido que este qualificador acrescenta a “línguas”. Em essência, Paulo parece reconhecer diversas espécies de glossai, inclusive línguas humanas, mas também “celestes”. Todas são de Deus, e dadas segundo a sua escolha.

COMPARAÇÃO ENTRE PROFECIA E LÍNGUAS

Paul o estima os dons por sua capacidade de ajudar aos homens (V. 1 a 5).

À medida que Paulo usa para fazer esses juízos de valor está, claramente identificada: 0 QUE EDIFICA A “EKKLESIA”?

0 que profetiza, fala aos homens, edificando, exortando e consolando “(v.3). 55”.

Está frase importante define a profecia. A “edificação” (oikodome) passa, então, a ser a chave para o entendimento desde capítulo(vv. 3, 4, 5, 12, 17, 26). Assim como Deus é a fonte das “graças” (cap.12), e assim como o amor é o modo delas (cap. 13), assim também a “edificação” é o alvo delas (cap. 14).

Paulo não negava que falar em línguas fosse um dom, mas nunca ensinou as igrejas a buscarem tal dom, mas recomendou com insistência a busca dos “melhores dons” no capítulo 12; do amor, no capítulo 13, e comparou o dom de profecia ao dom de línguas, no capítulo 14, provando a superioridade do primeiro, chegando a afirmar: “Contudo, prefiro falar na igreja cinco palavras com o meu entendimento, para instruir outros, a falar dez mil palavras em outra língua.” (v. 19). Pois quem fala em línguas não edifica a igreja, mas somente a si mesmo (v.4). E em 1 Cor. 13.5, aprendemos que o amor “não procura suas próprias coisas”. Sendo assim, Paulo declara definitivamente: “visto que desejais dons espirituais, procurai progredir, para edificação da igreja” (v.12). Paulo deseja ver os dons espirituais tomarem-se em serviço (cap. 12), o amor tomar o centro de nossas atenções (cap. 13), e a igreja ser edificada (cap. 14).

Enquanto o que fala em línguas edifica apenas a si mesmo, o que profetiza edifica a igreja. A profecia também serve para exortar (encorajar, fortalecer) e consolar os homens (v.3); também é um meio de transmitir revelações e doutrinas (v.6); a profecia faz “soar” aquele toque da mensagem cristã que leva o crente a preparar-se para a batalha espiritual (v. 8); a profecia é uma voz clara, em um mundo de vozes confusas (v. 10) e a profecia é uma maneira de ensinar (v. 31).

A inferioridade de “línguas” é manifesta, pois este dom não “dá proveito” aos ouvintes. Paulo diz que a fala ou é inteligível, ou não é nada mais do que falar ao ar (v. 9), pois tudo que se visa com um idioma, com uma linguagem é comunicar sentido a quem deve. A fala é um efetivo instrumento de comunicação, mas a fala que não for compreendida, não terá poder nenhum (v.11). Agora, se as “línguas” forem interpretadas, os ouvintes serão edificados, caso em que não há grande diferença da profecia.

“Se eu orar em línguas, o meu espírito ora de fato, mas a minha mente fica infrutífera.” (v. 14 b). Não faz uso da mente, não acrescenta ao intelecto, ao conhecimento. Paulo não está argumentando em prol de um intelectualismo estéril, pois é certo que a vida cristã é bem mais do que exercício mental, há lugar para fervor e emoção, mas, como vemos no v. 15, a oração e o canto devem ser tais, que os adoradores possam envolver-se nelas integralmente, com a mente e com o espírito. (Obs.: Muitíssimas vezes as orações são elevadas numa espécie de jargão emocional, e os hinos são escolhidos com base em melodias atraentes, em vez de em sólida doutrina.)

“Não sejais meninos” (v.20) – Parai de ser meninos no entendimento. Na verdade, é característico da criança preferir o divertido ao útil, o brilhante ao sólido. E é isso que faziam os coríntios com o seu assinalado gosto pela “glossolalia” (glossolalia – falar em línguas). Portanto, “sêde homens amadurecidos.”

UMA CONSIDERAÇÃO EVANGELÍSTICA

Numa reunião da igreja o efeito do falar em línguas sobre os de fora ou incrédulos é adverso. Diz o apóstolo Paulo que eles pensarão que os crentes estão loucos (v.23). Pois os coríntios tinham o costume de falarem línguas todos ao mesmo tempo. (Sobre este tópico, ler também 11 Cor 6:3) Paulo sempre se preocupou com a imagem da igreja diante dos de fora. Em Atos 2:47, vemos que a igreja primitiva contava com a simpatia de todo o povo em derredor, “enquanto isto, acrescentava-lhes o Senhor, dia-dia, os que iam sendo salvos.” Não podemos perder de vista a nossa maior missão.

Obs: Parece haver uma contradição entre o v. 22 e os vs. 24e25. Mas é preciso levar em consideração o contexto do v. 22, que está baseado num texto do Antigo Testamento (Is 28:11, 12), onde os incrédulos são os que ouviram a palavra e a rejeitaram. Para eles, as “línguas” valem por um sinal do juízo de Deus sobrevindo a eles. Já em 24 e 25 se está pensando naqueles que nunca ouviram a palavra. Para estes, “línguas” não são mais que um sinal de loucura, mas a profecia os conduz a Deus.

QUESTÕES DE ORDEM E DECÊNCIA NA IGREJA

A preocupação corolária é a ordem na igreja. Paulo não só considera a ordem como princípio dirigente – é a palavra com que ele conclui o tratamento extensivo deste assunto (ver 14:40) – mas sublinha-a pesadamente no parágrafo final. Já no capítulo 12, ele tem caracterizado a igreja como uma entidade unida, composta por Deus “para que não haja divisão”(12:25). Em 14:26-39, ele fala de modo particular sobre a aplicação deste princípio às reuniões da igreja. Quando vos reunis” (v.26)

Há vários ingredientes no culto, mas a regra orientadora é “Seja tudo feito para edificação” (v.26). Limites são estabelecidos tanto para línguas (com interpretação) quanto para profecias (vs. 27 a 29) – “não mais que três” – “e isto sucessivamente” (v.27), nunca todos falando em línguas ao mesmo tempo (v.23), mas, sim, um após o outro e haja quem interprete. Mas e se não houver intérprete? Resposta: “fique calado na igreja, falando consigo mesmo e com Deus” (v.28). E com relação à profecia, é necessário que haja julgamento.”“.

“SE, porém, vier revelação a outrem que esteja assentado, cale-se o primeiro ” (v.30). E para os que dizem que não podem se controlar diante da ação do Espírito, Paulo rebate dizendo: “Os espíritos dos profetas estão sujeitos aos próprios profetas; porque Deus não é Deus de confusão… ” (vs. 32,33). Note-se, antes de tudo, que Paulo crê no domínio próprio e o defende (ver também vv. 28, 30 e 34). Isto é de se esperar, porque o fruto do Espírito é “… domínio próprio” (Gálatas 5:22). Para que o culto seja edificante e executado em ordem, é necessário que se possa ouvir enquanto alguém está falando (vv. 29, 31, 34, 35).

Uma congregação individual não é simplesmente livre para fazer o que bem entende. Paulo mostra sua exasperação com a congregação de Corinto quando ele pergunta: Porventura foi de vós que partiu a palavra de Deus? Ou veio ela somente para vós?”(1 4:36). Estas perguntas servem como um forte lembrete da interconexão da igreja. Finalmente, Paulo Naca a rolha”, e exerce a plena autoridade do seu ofício apostólico: “as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor” (14:37). Esta palavra é dirigida ao que se pensa “espiritual” o qual é trazido fortemente sob a autoridade da liderança eclesiástica, ordenada por Deus.

JULGAR, PROVAR E DISCERNIR

V.29 – “Tratando-se de profetas, falem apenas dois ou três e os outros julguem” (ver questões introdutórias a esta lição). A Bíblia é a Palavra de Deus e nenhuma mensagem profética pode ir contra os seus ensinos (Hb 1: 1-2; 2Trn 3:16, 11 Pe 1: 19-21 e Deut 29:29).

Devemos fazer como os cristãos de Beréia, que eram nobres no modo de receberem a Palavra: “examinando as Escrituras todos os dias para ver se as coisas eram de fato assim.” (At. 17:11).

E devemos atentar para os seguintes perigos: a) Deut 13: 1 -5 b) 1 Rs 13:1-30 0 Jr 23:13-40

A Bíblia diz que é nosso dever julgar, provar e discernir, portanto não sejamos acanhados ou negligentes neste ponto: 1 Tm 4: 1; 1 Jo. 4: 1; 1 Cor 14:29; Hb 5:13, 14: Hb 4:12-13; 1 Cor 2:15; 11 Cor 11: 13-15; At 5:1-11; Mt 7:15-20, Gálatas 1: 6-9 e 2Ts 2.1-3

CONCLUSÃO

A Bíblia ensina sobre os dons espirituais e nenhum versículo, inclusive 1 Cor. 13: 10 pode ser usado para justificar ou prever o fim destes dons. Nesta passagem, a Segunda Vinda de Cristo está sob consideração como aquele acontecimento que terminaria os dons (o que se vê claramente em 1 Cor. 13:12). Mas a mesma Bíblia que nos fala sobre os dons espirituais também nos ensina “como” e “com que propósito” devem ser usados nas nossas reuniões congregacionais. Muitos, hoje em dia, têm desacreditado nos dons, devido às distorções e abusos com que eles estão sendo praticados. Se quisermos ser bíblicos, devemos obedecer às orientações, aos princípios e as diretrizes que o apóstolo Paulo claramente determinou para o uso dos dons na EKKLESIA. Sabendo que não se trata de mandamento de um homem, mas de Deus (1 Cor. 14:37).

E nunca devemos nos esquecer que os dons são divinamente dados, não primariamente para abençoar a vida do recipiente individual, mas para o benefício da ekklesia. Se a igreja deve ser edificada através do exercício dos diversos ministérios de todos os membros, tudo deve ser feito descentemente e com ordem” (14:40). “Porque Deus não é Deus de confusão, mas sim de paz” (14:33)’ Neste capítulo, como nos anteriores, a preocupação de Paulo não é com o chamado uso privado dos dons. A inteira discussão focaliza o que acontece “na igreja” (na reunião dos crentes), como vemos em 14:19, 28 e 35. 0 valor de “glossai” na congregação é menosprezado, não ultimamente proibido (14:39), desde que haja intérprete: “E SE alguém falar em línguas, ou no caso de alguém falar em outra língua, que não sejam mais do que dois ou quando muito três, e isto sucessivamente, e haja quem interprete, mas não havendo intérprete, fique calado na igreja”. (14:27 e 28a.), mas repetidamente desencorajado (ver todo o capítulo). 0 discurso inteligível é exaltado como muito mais útil e apropriado (v.19), porque a manifestação do Espírito é muito mais imediatamente evidente, não só à congregação dos crentes mas também aos descrentes (14:24, 25).

CONCLUSÃO GERAL

NOSSOS VALORES PRIMORDIAIS COMO METODISTAS LIVRES

1. A CENTRALIDADE DE SANTIDADE. Nós estamos convencidos que santidade (definida como amor perfeito) é a visão integrante do Novo Testamento. Este amor se expressa em nosso relacionamento para com Deus e para com os próximos.

2. A UNIDADE DA IGREJA. Enquanto que a nossa igreja começou como um movimento reformista, nós não somos sismáticos. Nós valorizamos a unidade do corpo de Cristo, o bem comum. Nós ficamos magoados com desunião e contenda. Unidade é essencial para testemunho e missão.

3. BÍBLIOCENTRISMO. Somos cristãos bíblicos. Ficamos apreensivos com qualquer doutrina ou prática carente de apoio claro da Bíblia.

4. NOSSAS RAÍZES. Nós apreciamos a nossa tradição. Nós temos a versão em alterar o que é essencial à nossa identidade.

5. NOSSA MISSÃO. Nós cremos que estamos aqui para um propósito e esse propósito reflete fielmente o impulso central do Novo Testamento. Existimos para proclamar o perdão e a santidade para trazer os outros à comunhão do corpo de Cristo, e para equipar e enviá-los para fora como cristãos produtivos que dão testemunho. Esta convicção está no centro do nosso sistema e atividades institucionais.

A OBRA DO ESPÍRITO

Com referência à obra do Espírito, o consenso entre os metodistas livres contém os seguintes elementos:

1. A santidade cristã tem ascendência sobre qualquer dom específico.

2. 0 testemunho do Espírito é interno e não é acompanhado necessariamente de qualquer manifestação particular. (Rm. 8:16)

3. Os dons espirituais são soberanamente distribuídos pelo Espírito Santo e dados com o propósito de edificar a igreja.

4. 0 fruto do Espírito, cuja essência é o amor santo, aparecerá em cada vida entregue a Deus.

5. 0 Espírito dá poder para vida vitoriosa.

6. 0 poder da obra do Espírito é evidenciada em vidas transformadas e serviço efetivo. 7. 0 propósito do Espírito é edificar a igreja em unidade.

LÍNGUAS E SANTIDADE

Nós rejeitamos a sugestão de que qualquer um dos dons seja o sinal ou a evidência de que uma pessoa foi batizada com o Espírito Santo. Não concordamos com a posição que afirma que o dom de línguas é o sinal necessário da plenitude do Espírito Santo. Além do mais, questionamos, baseados em nosso entendimento, da Escritura, a proeminência geralmente dada, pelos pentecostais, à prática de falar em línguas.

Em nossa estimativa, a posição acima delineada coloca-nos no centro do que significa ser uma Igreja do Novo Testamento. Nós não descristianizamos os que não compartilham as mesmas convicções nossas em cada ponto. Pelo contrário, nós refletimos o grande coração de Wesley que disse, “Não destruamos a obra de Deus por opiniões ou palavras” (O caráter de um Metodista).

Os metodistas livres consideram que a doutrina do amor perfeito reflete o coração da vida cristã. 0 nosso fundador, 13. T. Roberts, considerou esta doutrina da santidade cristã como “claramente ordenada na Palavra de Deus, e como constitutiva do real reforço e poder para o bem da Igreja de Cristo ” (Cristão Fervoroso, 1, pp. 1, 5). Concordamos.

Portanto, recomendamos que:

1. Afirmemos os Parágrafos 122 e 3240 do Livro de Disciplina;

2. Continuemos a insistir,como o fez o apóstolo Paulo, que oculto seja realizado em língua inteligível pelo povo e de desencorajar a prática ou a promoção de falar em línguas no culto público; e

3. Reafirmemos a prioridade de nossa missão de proclamar o perdão e santidade em Jesus Cristo. Unamo-nos para introduzir o Novo Dia debaixo de Deus.

BIBLIOGRAFIA
Lições a respeito dos Dons Espirituais

Canon Leon – M.SC., M. TH., PH.D.. I Coríntios, Introdução e Sociedade Religiosa Edições Vida Nova e Associação Religiosa Editora Mundo Cristão – Terceira Edição, 1986. (São Paulo, SP, Brasil)

Champlin, Russel Norman -PH.D. – O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo, I Coríntios 12-14 – Milenium Distribuidora Cultural Ltda.

Foulkes, Francis – Efésios, Introdução e Comentário – Associação Religiosa Edições Vida Nova e Associação Religiosa Editora Mundo Cristão. São Paulo, SP, Brasil – 1986

Bruce, F.F. – MA., D.D. – Romanos, Introdução e Comentário – Série Cultura Bíblica – Edições Vida Nova e Editora Mundo Cristão – São Paulo, SP, Brasil,

Frederick Dale – Teologia do Espírito Santo – Sociedade Religiosa Edições Vida Nova – São Paulo, SP, Brasil, 1989.

Graham Billy – 0 Espírito Santo (ativando o poder de Deus em sua vida) Edições Vida Nova – São Paulo, SP, Brasil, 1980.

Knight, John A, – 0 que a Bíblia Diz Acerca de Falar em Línguas – Casa Nazarena de Publicações – São Paulo, SP, Brasil, 1989

RELATóRIO DA COMISSÃO DE ESTUDO DE DOUTRINA APRESENTADO AO CONCILIO GERAL DE 1989″.

Anúncios

Estratégias Missionárias

ASSOCIAÇÃO MINISTERIAL INTERNACIONAL RHEMA

ÍNDICE

Apresentação 4
“Sendo Missionário No Campo Primitivo” 6
“Desbravando Missões Em Uma Terra Estrangeira” 22
“Respondendo ao chamado para as nações” 53
“Reconhecendo e dedicando-se à chamada missionária” 66
“Mudando Para o Campo Missionário – Nossa Maior Aventura!” 84
“Reconhecendo, Desenvolvendo e Utilizando sua Chamada Para Missões” 100
“Chamada Para a Preparação” 113
“Equipe ministerial estrangeira: Compartilhando a Palavra viva através do Centro de Treinamento Palavra Viva” 126
“Mulher e solteira no campo missionário” 147
“Permanecendo fiel à sua visão” 163

“SENDO MISSIONÁRIO NO CAMPO PRIMITIVO”
Por: Dennis Cook

Dennis e Jeanne Cook são graduados desde 1980 no Centro de Treinamento Bíblico RHEMA em Broken Arrow, Oklahoma e fundadores do Ministério Vida em Panamá, sul da América Central.
Próximo da formatura do RHEMA, Dennis serviu como pastor auxiliar por 18 meses em uma pequena igreja em Kokomo, Indiana. Em novembro de 1981, Dennis, Jeanne e seus quatro filhos deixaram os Estados Unidos para trabalhar em uma colônia de leprosos no Panamá. Após dois anos na colônia, Deus os chamou para trabalhar entre os índios Choco na selva Darien do Panamá. Depois de dez anos de ministério na selva Darien, os Cooks agora inspeciona oito igrejas no sul da América Central.
O filho mais jovem dos Cooks, Chad com 21 anos, está trabalhando com eles no Panamá. Seus outros filhos, Chris, 26, Jennifer, 25 e Jason 23, juntamente com seus dois netos Brittany, 4 e Kristen 1 ano, residem nos Estados Unidos.

* * *

Pouco depois que eu fui salvo, ouvi um missionário pregar em uma igreja Carismática em um encontro. Logo após ouvi-lo, me lembro de ter falado que gostaria de fazer algo para o Senhor parecido com aquilo que ele estava fazendo. Depois que eu recebi o batismo no Espírito Santo, trabalhei como um líder-leigo em dois grupos de estudos Bíblicos. Eu estava contente em fazer qualquer coisa que pudesse fazer pelas minhas mãos para o Senhor.Mais tarde, meu irmão, uma outra pessoa e eu iniciamos uma pequena igreja.
Então em 1977 os Estados Unidos estava negociando o Tratado Carter-Torrijos, que tratava com o território do Canal Panamá. Foi durante este período que eu li um artigo no jornal sobre a colônia de leprosos no Panamá, então o Senhor me falou para orar pelo povo daquele país.
Minha esposa e eu fizemos disso uma prática diária. Uma vez ficamos toda uma noite adorando ao Senhor (não perguntei por nada, apenas demos graças a Ele). Durante aqueles períodos de oração, três dias depois o Senhor me instruiu a orar pelo povo daquela colônia de leprosos, então eu tive uma visão. Na visão, eu vi um homem desembarcando do avião no Panamá e indo para aquela colônia e pregando o evangelho.
Embora minha esposa não tenha visto a visão, recebemos com alegria em nosso espírito simultaneamente enquanto eu compartilhava a visão. Ambos assumimos que o Senhor tinha enviado alguém para ajudar essas pessoas queridas, então continuamos a adorá-lo e dar graças por Seu amor e fidelidade.
Logo depois, o Rev. Kenneth Hagin realizou um seminário em Indianápolis, Indiana, e nós assistimos todo o encontro. Foi durante aquele encontro que o Senhor colocou em nossos corações para estudarmos no RHEMA. Fomos fazer a matrícula pensando em fazer a Escola Bíblica RHEMA por correspondência, mas o Senhor nos guiou a assistir as aulas no Centro de Treinamento Bíblico RHEMA por dois anos.
Aquela não foi uma decisão fácil para nós. Estávamos vivendo em nossa primeira casa, tínhamos quatro filhos, três que estavam na escola, e eu estava há 13 anos em um emprego ganhando um bom salário. Mas fizemos a decisão certa em assistir as aulas no RHEMA. Deus sempre paga quando o obedecemos.
Durante o nosso primeiro ano no RHEMA, recebemos tantos ensinamentos ricos que nos perguntamos se seríamos capazes de nos lembrar de tudo isso! O Senhor também começou a nos revelar mais e mais de Seu plano para nossas vidas. Por exemplo, durante um tempo de adoração em casa, o Espírito Santo revelou que aquele homem daquela visão desembarcando no Panamá era eu!
Jeanne e eu sabíamos que eventualmente estaríamos trabalhando no Panamá. Depois que estávamos lá, quando víamos um missionário pregando, nossos espíritos soluçavam pelo mundo perdido.
Depois da formatura do Rhema e dez dias de visita à Guatemala, voltamos à Indiana para trabalhar na igreja que tínhamos ajudado a começar dois anos e meio antes. Durante os próximos 18 meses que servimos ao Senhor lá, aprendemos muito acerca do ministério.

“Preparando-se Para O Campo Missionário”
Depois de seis meses em Indiana, o Senhor nos falou para ficarmos preparados porque estaríamos partindo dentro de um ano. Pagamos todas as nossas contas existentes e ficamos sem nenhum débito. Nos correspondemos com todos os ministros que conhecíamos tentando achar um contato em Panamá, mas não obtivemos nenhum sucesso.
Havia muitos obstáculos e impedimentos. Trabalhamos contra a resistência de parentes que não podiam entender porque os seus netos estavam sendo levados para um “Deus miserável” de um país estranho para sofrer, passar fome e serem torturados! Também escrevemos para duas organizações de leprosos do mundo para descobrir mais sobre a colônia em Panamá. Ambas as organizações responderam que não sabiam da existência de uma colônia de leprosos no Panamá, e se nós encontrássemos uma deveríamos informá-los.
Levantar sustento pode ser também muito desencorajador para um novo missionário. Na verdade essa parte do ministério tem derrotado muitos missionários chamados por Deus, até mesmo antes deles derem um passo em solo estrangeiro.
Eu visitei muitas igrejas tentando levantar sustento para a visão do Senhor dentro do meu coração. Umas poucas igrejas, amigos e pessoas no RHEMA prometeram nos manter. Isto chegou aproximadamente a 350 dólares por mês.
Quando o ano terminou e chegou o tempo de irmos ao Panamá como o Senhor havia dito, estávamos completamente sem débitos e tínhamos comprado nossas passagens de avião. Nossa igreja prometeu orar por nós e lidar com as nossas finanças (você precisa de uma igreja onde você pode ser coberto por orações). Assim em 30 de Novembro de 1981, deixamos o Panamá com 1.000,00 dólares no bolso, 29 malas na bagagem e Paz nos nossos corações.

“EXPERIMENTANDO O SOBRENATURAL: A GRAÇA DE DEUS PARA PAGAR O PREÇO”
Antes de darmos o primeiro passo em direção ao avião, o Senhor me mostrou que poderíamos trabalhar na colônia de leprosos com o exército americano e com o povo Panamenho. Precisávamos daquele encorajamento para ir adiante.
Quando chegamos ao Panamá, estávamos mal preparados. Não falávamos a língua deles, tínhamos pouco dinheiro, não conhecíamos ninguém e naturalmente não sabíamos nem se a colônia de leprosos realmente existia. Tudo o que tínhamos era o “RHEMA” da Palavra de Deus e sua Paz em nossos corações.
Mas Deus respondeu nossa fé. Em três dias localizamos uma igreja inglesa localizada em uma área do alojamento militar e que ficava apenas a cinco milhas da colônia de leprosos!
Nosso aluguel era de 350 dólares por mês. Como trouxemos apenas 1.000,00 dólares, não demorou muito para que precisássemos de um milagre. Praticamente não tínhamos dinheiro suficiente para viver, mas não podíamos deixar de ministrar.
Entretanto nosso Deus Pai providenciou todos os negócios e pudemos testemunhar o trabalho miraculoso de Deus durante todo aquele tempo! Por exemplo, uma vez quando não havia alimento em casa, o Senhor sobrenaturalmente providenciou alimento para nós três vezes por dia durante três dias.
Depois que comíamos uma refeição, Jeanne guardava os potes quase vazios dentro da geladeira e sobrenaturalmente Deus os enchia totalmente! Comemos o mesmo tipo de comida por nove refeições contínuas, mas pelo menos tínhamos comida! Depois de três dias, recebemos um cheque pelo correio. Então quando fomos comer a comida que estava no pote ela já não estava mais lá!
Embora não tivéssemos nenhum meio de transporte para o primeiro ano e seis meses que estávamos no Panamá, o Senhor nos providenciou a força e a graça para andarmos através do calor extremo (acima de 120 graus) e da chuva ( a média da chuva é de 150 polegadas por ano no Panamá ) para ministrarmos ao povo da colônia de leprosos.
Quando chegamos primeiramente ao Panamá, fizemos tudo que estava em nosso alcance. Conduzíamos estudos bíblicos entre o exército americano, evangelizando nossa comunidade e trabalhando com uma igreja Panamenha. Isso ajudou-nos a conhecer o povo e estarmos sensível ao Espírito Santo para permanecer ligados ao coração das pessoas que nos ajudam financeiramente, materialmente, emocionalmente e assim por diante.
Como ministro do evangelho especialmente como missionário estrangeiro, tentar achar pessoas que crêem como você e fazer amizades com elas é muito bom. Mas não desconsidere aqueles ministérios que estão “fora” de seu campo no sentido que eles não entendem da Palavra como você. Nós descobrimos que o que o Rev. Kenneth Hagin Jr. nos ensinou no RHEMA foi verdade: você pode aprender algo apenas a respeito de alguém. Também aprendemos em sua aula aquele sucesso no ministério soletrado: T-R-A-B-A-L-H-O!
No primeiro dia que chegamos em Palo Seco, a colônia dos leprosos eu fiquei espantado porque era exatamente como eu vi na visão, e eram exatamente as mesmas pessoas que eu tinha visto naquela visão.
O povo religioso no Panamá tinha contado a estas pessoas que seus sofrimentos era sua cruz e que tinham que suportar para a glória de Deus. Quando fomos contar-lhes que Deus os amava eles mostravam as partes feridas em seus corpos e diziam sarcasticamente, “Sim, Ele realmente nos ama”.
Passei muitos meses amando e compartilhando a Palavra de Deus a essas pessoas antes que nos permitisse orar por eles. Até então eles apenas permitiam que orássemos por doenças menores. Depois de muitas manifestações de cura foi que eles finalmente nos deixaram orar pela cura da lepra.
Enquanto trabalhávamos na colônia de leprosos e numa igreja Panamenha, ouvimos a respeito dos índios Choco na selva Darien. Fizemos duas visitas à selva e soubemos em nossos corações que Deus estava nos movendo àquela direção. Em circunstâncias normais, Deus não instruirá um líder de uma igreja ou grupo para deixar aquela posição sem primeiro ter um substituto. Um rebanho sem pastor ou líder é um perigo. Então o Senhor começou a trazer pessoas do exército americano da comunidade para trabalhar com o povo da colônia dos leprosos.Vimos que seus corações estavam cheios do amor de Deus e começamos a treinarmos os americanos. Todos na colônia de leprosos foram salvos e muitos foram curados!
Existe muita diferença entre o que chamamos de missões na cidade grande e missões no cenário primitivo. Missões num cenário primitivo você sente falta de comodidade tais como eletricidade, água, estradas, comunicações, escolas para as crianças, hospitais, transporte e principalmente a companhia de pessoas do seu próprio ministério.
Quando o Senhor nos dirigiu para ir à selva (a National Geografic diz que lá contém algumas das mais densas selvas no mundo) sabíamos que seria muito duro e dependíamos da habilidade de Deus em ação do que nossas próprias habilidades. Nossa primeira atitude foi visitar diferentes lugares na selva e desenvolver relacionamento entre os índios.

“O INÍCIO DO MINISTÉRIO: CONSTRUINDO CONFIANÇA”
Passamos um ano buscando conhecer essas pessoas e às ajudando em muitas coisas (materialmente,praticamente) antes que pudéssemos fazer uma campanha de evangelismo. Comíamos com os índios, dormíamos em suas cabanas, trabalhávamos no barro com eles e o escutávamos. Ministramos individualmente porque queríamos manter um relacionamento e conhecer seus corações.
Quando decidimos ter nossa primeira campanha ao ar livre fomos recebidos de braços abertos porque o povo sabia que queríamos o melhor para eles. Tínhamos estabelecido motivos para essa proeza e Deus foi fiel para nos estabelecer e confirmar sua Palavra com manifestações de Sinais e Maravilhas. Muitos conversões e curas naquele lugar. Em um caso, três bruxas que tentaram interromper a campanha ficaram cegas! Depois elas se arrependeram, o Senhor restaurou suas visões e elas O receberam como Seu Salvador!
Decidimos não competir com qualquer outro trabalho ou igreja em qualquer área ou local determinado. Se uma certa área já tem um trabalho em andamento, oferecemos nossa ajuda e procuramos outro lugar para começar evangelizando e desenvolvendo um corpo local de crentes.
Embora haja muitas igrejas na selva, para os Panamenhos e Colombianos, não havia para os índios Choco. Desde que não havia trabalho com os índios, então começamos dividindo o evangelho com eles. Fui questionado por vários pastores na área porque perdíamos tempo com os índios. Esses pastores diziam que os índios eram duros demais para ouvirem o evangelho e era muito difícil alcançar suas vilas. “Porque não usam seu tempo com os Panamenhos?” me perguntavam.
Mas Deus não disse para ir a todo o mundo e pregar o Evangelho quando as coisas estão fáceis. Ele disse para ir a todo mundo e pregar o Evangelho a toda criatura!
As coisas não eram fáceis para nós porque não estávamos representando uma denominação.Uma vez os índios nos contaram que o fato de não haver Bíblias em seus dialetos, eles iam nos assistir e nos consideravam sua Bíblia! Que pressão!
O ministério de um missionário é seu chamado. Uma pessoa que Deus usa nesse tipo de ministério operará em alguns dos quíntuplos dons. Seguindo o exemplo de Jesus, começamos ensinando uns poucos índios e nos esforçamos para colocar dentro deles a visão para alcançar seu próprio povo.
Isso fez com que fossemos viver entre eles. Assim alugamos um pedaço de terra e armamos nossas barracas! Depois que nosso sustento financeiro começou a crescer, compramos essa terra e começamos a construir nossa própria casa.
Vivemos em barracas por um ano e meio antes que colocássemos o alicerce para nossa casa. Depois de oito anos vivendo sem eletricidade e sem água, finalmente terminamos e nos mudamos para nossa casa!
Em breve tornou-se aparente que precisávamos de um lugar para ensinar aqueles que Deus estava chamando para o ministério. Assim, começamos uma escola Bíblica em nossa terra e iniciamos com sete alunos. Dois anos depois graduamos seis dessas pessoas.
Descobrimos que a localização da escola impedia muitos de ir assistir as aulas. Então prosseguimos com a escola nas vilas. Isso fez com que fizéssemos muitas viagens de várias maneiras: carro, motocicleta, barco, cavalo, e à pé! Em um caso, andei 15 milhas duas vezes por semana para uma das vilas. Quando se está compelido pelo amor de Deus pelas pessoas, você experimentará Sua graça para superar muitos tipos de inconveniência.

“PRIMEIRO A FAMÍLIA: ESTABELECENDO PRIORIDADES NO CAMPO MISSIONÁRIO”
Durante este tempo ministerial na selva, outras considerações tinham que ser feitas. Uma delas foi a educação de nossas crianças. Depois que chegamos do Panamá, sabíamos que era necessária uma escola em casa para nossos filhos. Esta decisão tomaria muito do tempo de ambas as partes, tanto dos pais como dos filhos, mas não tínhamos outra alternativa pois as escolas na selva eram apenas para crianças acima da sexta série e a qualidade da educação era muito pobre.
Um pastor em Indiana tinha ouvido minha esposa e meus filhos contarem nosso testemunho na televisão e ficou comovido pela honestidade da resposta das crianças sobre a vida missionária. Esse pastor ofereceu-se para nos ajudar com um programa educativo para crianças. Isso fez com que minha esposa solicitasse um professor em tempo integral. Ela e as crianças gastavam praticamente 24 horas por dia juntas, e havia muitos desafios para se vencer.
Embora nosso sustento continuasse a crescer conforme trabalhávamos no ministério, as conveniências para minha família não melhoraram. Houve um tempo durante o qual eu negligenciei as necessidades da minha família a fim de satisfazer as necessidades do ministério. Fiquei preocupado a respeito do que meus defensores pudessem pensar se eu gastasse qualquer dinheiro com minha família. Esse tipo de pensamento é errado!
Não negligencie sua família por causa do ministério. Sua família é sua primeira responsabilidade. Providencie o melhor que você pode para seu conforto e necessidades. Durante nossos primeiros oito anos no campo missionário, tínhamos um salário e eu gastei apenas o necessário para mal suprir minha família. Eu usava o resto no ministério.
Quando meus filhos retornaram para os Estados Unidos a fim de entrar em um colégio, fui forçado a pagar um salário para que eles tivessem ajuda educacional. (Por falar nisso, um de meus filhos obteve nota máxima em seu exame S.A.T. entre 10 por cento na nação).

“COMPARTILHANDO SUA VISÃO E LEVANTANDO SUSTENTO”
A fim de aumentar sua base de sustento, você deve expor sua visão do ministério de Jesus Cristo para prováveis mantenedores. Assim, a fim de deixar as pessoas conhecerem mais completamente o que Deus nos chamou para fazer, decidimos voltar para os Estados Unidos a cada dois anos para levantar sustento.
A primeira vez que eu voltei foi um pesadelo! A maioria das cartas que eu tinha enviado para as igrejas a fim de planejar encontros, não foram enviadas pelo sistema de correios panamenho. Eu conhecia pouquíssimos pastores para fazer contatos. Depois descobri que os pastores recebiam muitos visitantes vindo para suas igrejas e não podiam atender a todos os pedidos. E também a forma mais ineficiente para planejar encontros é por correspondência.
O resultado de minha primeira tentativa foi triste. Eu gastei muito mais dinheiro viajando pelo Estados Unidos do que eu consegui com essas viagens. Entretanto, Deus é fiel e um pastor se ofereceu para levantar meu itinerário na próxima vez que eu fosse aos Estados Unidos.
É muito importante que você tenha alguém em seu país de origem que o ame e que consiga encontros para você! Por causa da ajuda desse pastor em montar nosso itinerário, nosso tempo gasto nos Estados Unidos se tornou mais frutífero e proveitoso.
Um erro comum que muitos missionários cometem é desenvolverem um pensamento de que as igrejas são obrigadas a sustentá-los. Mas Deus é o único que chamou você. Ele o enviou, e Ele falará com as igrejas que devem participar de seu trabalho.
Nós confiamos que o Espírito Santo falará aos corações das pessoas que serão parte do nosso trabalho no Panamá. Sua parte é expor seu ministério a quantas pessoas possíveis. A parte de Deus é falar aos corações daqueles que Ele quer envolvido.
Um outro erro comum que os missionários fazem é usar todo o tempo tentando levantar sustento. Isso não o ajudará muito porque enquanto tenta levantar sustento, não está recebendo ajuda para seu homem espiritual. E também sua família começará a ressentir-se do ministério porque não há tempo para eles ou para relaxar e se reanimarem.
Eu encorajo todos os missionários que são formados no RHEMA a tentar assistir um ou mais encontros do RHEMA. Sendo um encontro regional ou um encontro em Tulsa. Também fazer algo especial com sua família que não envolva o ministério. Faça algumas extravagâncias de vez em quando. Seus mantenedores vão entender.
Para manter seu sustento você deve comunicar-se regularmente com seus mantenedores. Nós começamos escrevendo cartas de uma página escrita à mão para nossos mantenedores mensalmente. Também incluíamos uma fotografia em preto e branco do trabalho que começamos no Panamá. Quando pudemos aumentar a correspondência, incluíamos um boletim mensal que enviávamos para alguém que desejasse recebê-lo. Fizemos tudo como aprendemos no RHEMA sobre as publicações. Quando podíamos, melhorávamos o nível de qualidade. Sempre fizemos boletim pessoal e incluíamos apenas notícias verdadeiras
Há uma tentação em dirigir o foco do seu ministério de tal modo que produza mais notícias excitantes para o seu boletim. Não faça isso! Embora você tenha a oportunidade de aumentar alguns dólares para o seu sustento, seja guiado pelo Espírito Santo e mantenha sempre sua fé em Deus para o seu sustento.
Você é responsável por cumprir o que Deus tem lhe chamado para fazer. O povo do qual Deus tem tratado para manter seu ministério será fiel para você o tanto quanto você seja fiel a Deus. Assim coloque sua fé nEle e faça apenas como Ele direcionar.
Quando você continua seu trabalho para o Senhor, seu ministério desenvolverá em muitas áreas diferentes, uma delas é seu relacionamento com a comunidade local. Por exemplo, quando chegamos na selva Darien, não tínhamos nenhum relacionamento com essa comunidade, especialmente com os oficiais públicos. Estávamos constantemente sendo importunados pela polícia.
Fomos baleados duas vezes, detidos pela polícia umas poucas vezes. Fui processado certa vez por um chefe da vila não-crente em uma tentativa de livrar a área de nossa influência cristã. Naquela situação o povo da vila, crentes e não crentes, reuniram-se e ficaram do meu lado! O resultado foi que a corte expulsou o chefe não-crente e fez o pastor de nossa igreja o novo chefe da vila!
Agora, alcançamos a simpatia da polícia local. Ajudamos a clínica médica local, participamos e ajudamos com as diferentes funções da vila,e nos misturamos com o povo. O Senhor tem falado desde o começo quando começamos o trabalho na selva como desenvolvermos boas relações com ambos cristãos e não cristãos. A polícia trabalhou em nosso favor várias vezes, quando as pessoas onde nós vivíamos nos avisaram de planos para roubar nossa casa e causar outros danos.

“SEJA EDUCADO QUANDO DEUS LHE CONVIDA A EXPANDIR SUA VISÃO”
Como o ministério cresceu, tivemos que expandir nossas operações. Debatemos com líderes, lemos livros sobre liderança e até fizemos decisões para mudar nossas personalidades em áreas que nos impediam de crescer no ministério e torna-nos os líderes que Deus nos chamou para sermos. Nós simplesmente ampliamos a visão!
Eventualmente incorporamos nosso ministério e escritório nos Estados Unidos para tirar um pouco o fardo fora da igreja. Nós agora temos um advogado para nos instruir sobre mudanças da lei e taxas pessoais, assim não nos sobrecarregamos muito. Adquirimos fitas e livros para nos instruir em diversas áreas que eram novas para nós no ministério.
Quando nossos filhos foram conosco, o papel de Jeanne no ministério foi muito importante e muito facetado. Ela era esposa, mãe, hóspede, professora e oradora guerreira. Ela escutava, encorajava e orava. Trabalhava do nascer ao pôr-do-sol. Ela fazia toda a correspondência, algumas vezes acima de 90 cartas por mês à mão, planejava viagens em grupo e conferências de pastores. Ela usou muitos chapéus.
Agora nossos filhos estão crescidos, ela viaja comigo e continua fazendo muitas das mesmas funções como antes. Homens, suas esposas são seu “braço direito”. Apreciem suas qualidades no ministério. Sem sua participação, você não poderá ser bem sucedido.
A seguir seguem importantes sugestões para aqueles que crêem que são chamados para o campo missionário:

1. Tenha certeza que você é chamado para ser um missionário.
Como cristãos nós somos chamados para viver pela fé. E sem fé não podemos agradar a Deus. Se você não tem certeza que é chamado, você não andará em fé. Muitas vezes é o saber que colocará você por cima.

2. Depois de se formar na Escola Bíblica RHEMA, ache um ministério onde você possa trabalhar e mostrar fidelidade.
Faça algum trabalho na igreja ou ministério que nenhuma outra pessoa queira fazer e então faça-o fielmente. Se você não quiser trabalhar em serviços que são menos desejáveis, então você provavelmente não o fará no campo missionário. Há um claro roteiro nas escrituras sagradas para quem quer entrar no ministério.
Também me lembro de que Deus não está com pressa. Se ele precisar de você para estar em um lugar mais cedo, então Ele teria chamado você mais cedo. Não seja direcionado para fazer algo ao invés de ser guiado pelo Espírito Santo. Pressão usualmente é um passo para erros. Entretanto não perca esse tempo que você tem para se preparar.

3. Investigue o país.
Se você sabe qual país está sendo chamado, visite aquele país para aprender sobre as leis, costumes, custo de vida e assim por diante. Algumas vezes isto requererá mais do que uma visita. Se você não está certo sobre qual país é chamado faça viagens para vários países a fim de permitir que Deus fale ao seu coração. Se você não tem amor pelo povo de um determinado país então você não é chamado para esse país. O RHEMA e outras organizações oferecem oportunidades para visitar o campo missionário.

4. Comece a aprender a língua, e aprenda também sobre coisas como construção, mecânica, sistemas de água, medicamentos, etc.
Todas as áreas em que você desenvolver salvará seu tempo, dinheiro e frustração em um campo primitivo. Há algumas organizações que preparará você para viver em uma área primitiva.

5. Saia das dívidas.

6. Encontre alguém para lidar com suas finanças, correspondência e requisitos gerais de escritório.
Seja quem for que você escolher, tenha certeza que eles realmente amam você e estão totalmente apoiando você. Ao lidar com seus assuntos de negócios, eles estarão se comprometendo com uma grande quantidade de trabalho importante a seu favor.

7. Se você tem filhos e estará indo para missões em um campo primitivo, prepare-se para a educação e aprendizagem no lar.
Ache alguém que deixará você trabalhar na escola da igreja deles para comprar materiais e conceder certificados de formatura.

8. Levante um “mais do que suficiente” nível de sustento antes que você vá para o campo.
Esta é talvez uma das áreas mais difíceis, mas também uma em que a graça de Deus é suficiente. Converse com amigos e ministros, visite outras igrejas ou escolas bíblicas, vá a lugares compartilhar sua visão e levantar sustento.
Suas viagens antecipadas ao país ajudarão a confirmar seu compromisso em viver lá. Quando o Senhor der a você uma data anuncie e trabalhe nesta direção a partir daquela data. Lembre-se: Você terá gastos imediatos ao entrar no país, assim vá preparado com abundância de dinheiro para ficar estabelecido fisicamente e legalmente.

9. Se você puder, ache uma organização naquele país com o qual você pode trabalhar. Se não, ache uma área sem um trabalho e comece por lá.
Em qualquer que seja a situação, coopere com outras igrejas e ministérios. Não vá competir com eles; há fartura de não-salvos ao redor! Você pode poupar muito tempo, dinheiro e frustração aprendendo com um outro ministério que já está estabelecido naquele país.
As seguintes sugestões são para você que já está estabelecido em um país:

1. Desenvolva e mantenha uma correspondência pessoal regular com seus mantenedores.
Ponha a melhor qualidade possível em sua correspondência. As pessoas julgam você na qualidade de seu boletim. Tente incluir um retrato ou retratos de seu trabalho.

2. Obedeça às leis do país.
Violar as leis apenas para salvar a conveniência é contra as Escrituras e nunca faça isso (Rm 13:1-5). Isto inclui pagar subornos. Você é um representante de Deus e suas ações sempre representariam as ações Dele.
Eu não estou dizendo que você não receberia isto como de Deus se um oficial que tem a autoridade para fazer exceções concede a você proteção. Eu estou dizendo que você nunca deve iniciar a ação oferecendo alguma forma de compensação imprópria.
Também um governo mudaria politicamente se você é legal e ético em todas as suas atividades, ambas passado e presente, você terá uma chance bem melhor de permanecer no país.

3. Não pregue contra ninguém, pregue o Evangelho.
Nós temos sido protegidos pelos chefes e cabeças de reservas indígenas porque não pregamos o evangelho contra suas tradições. Outros que tem vindo aqui antes de nós contou às pessoas que era um pecado usar tangas, comer porco, e as mulheres estarem de peito nú. Estas pessoas disseram que os homens tinham que usar camisas de manga longa e assim por diante. Mas se você simplesmente pregar a palavra de Deus, o Espírito Santo convencerá as pessoas em seu coração para mudar os costumes que não estão agradando a Ele.

4. Conheça seu povo e nunca tenha uma atitude de superioridade.
Temos aprendido muitas lições valiosas dos índios de como sobreviver e viajar dentro da selva, que de outro modo não aprenderíamos, se não tivéssemos conservado as linhas de comunicação aberta.

5. Sempre mantenha e preserve sua família muito bem.
Na maioria dos casos, mulheres e crianças pagarão um preço mais alto do que os homens quando entram em um campo primitivo no ministério. Lembre-se, você será o pastor de sua família em assuntos espirituais. Ensine-lhes, encoraje-os e orem juntos. Nunca esteja ocupado demais para eles. Não sacrifique sua família pelo ministério.

6. Sempre conserve sua visão diante de você, e lembre-se que é a Deus que você deve agradar.
Você receberá críticas injusta sobre como você usa o dinheiro no ministério e sobre que tipos de objetivos você tem. Eu acredito que há usualmente uma pequena quantidade de verdade em cada crítica, assim eu olho para isso, mudo o que precisa ser mudado e esqueço o resto.

7. Compreenda e esteja preparado para o fato que em muitos casos as pessoas de quem você estará ajudando no ministério é analfabeta e ignorante.
Você precisará de muita paciência e fé antes que você comece a ver o crescimento espiritual. Por exemplo, você pode precisar ensinar o povo como ler antes que você os ensine sobre a Bíblia.
Seja simples, repetitivo e básico em seu ensino da Palavra de Deus!

8. Lembre-se que Deus tem fé em você!
Deus sabe onde Ele está lhe enviando, ele sabe quais as suas habilidades. Mantenha uma constante comunicação com Deus através da oração e da Palavra e você verá sua graça agir em sua vida completamente!

CAPÍTULO 2
“DESBRAVANDO MISSÕES EM UMA TERRA ESTRANGEIRA”
Por: Ed e Laurie Elliott

Ed Elliott é o fundador e diretor do Word of Life World Outreach. Ele tem estado trabalhando e vivendo na África com sua esposa Laurie e seus filhos (Eddie com seis anos e Chase com dois) por mais de dez anos desde a sua formatura no RHEMA Bible Training Center em 1984. Laurie é formada pela Universidade Oral Roberts em Tulsa. A base da missão dos Elliotts é localizada apenas na extremidade de Johannesburg, África do Sul.
O ministério de Ed leva-o e toda sua equipe por todo o Sul e África Central, evangelizando e ensinando. Em 1992, o presidente de Zâmbia convidou Ed a pregar em uma celebração da independência que foi transmitida ao vivo de um canto ao outro de toda a nação. Ed também tem viajado aos países de Zimbábue, Moçambique, Namíbia, Botswana, Suazilândia, Malawi e África do Sul, realizando cruzadas e estabelecendo igrejas.

* * *
Quando você aceita o desafio de ir para o campo missionário desbravar um novo trabalho, você estará em uma das mais excitantes aventuras de toda sua vida! Você e o povo da qual você ministra nunca será o mesmo. Diariamente, você encontrará oportunidades para a vitória, mas não sem uns poucos desafios.
Durante o passar de dez anos, minha esposa e eu temos tido o privilégio de ver mais do que 2.000.000 de pessoas virem receber Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador e de prestar assistência na abertura de mais do que 40 igrejas. Temos visto mais de 50.000 pessoas batizadas no Espírito Santo de uma só vez. Também vimos curas espantosas e numerosos milagres tomando todo o lugar.
Eu estou dividindo isto com você não para me gabar sobre o que temos feito, mas para mostrar como Deus usará você para fazer trabalhos grandes e poderosos que você pode pensar serem impossíveis.
Eu acredito que missões estão resumidas na história dos 12 espias relatados em Números capítulo 13. Quando você responde o chamado de Deus para ser um missionário e ir para uma terra estrangeira, seu sucesso será baseado não em quanto dinheiro você tem levantado ou quantas pessoas estão orando pó você, ou ainda se você tem uma palavra profética de Deus. Não! Seu sucesso será baseado em quanto você conhece de Deus e o quanto você conhece sobre quem você é como seu filho ou filha.

“Desenvolva Um Espírito Pioneiro”
Números 13:30
Então Calebe fez calar o povo perante Moisés e disse: Eia! Subamos e possuamos a terra, porque certamente prevaleceremos contra ela.

Para ser bem sucedido em seu ministério você precisará ter o mesmo espírito que Josué e Calebe tiveram. Haverá muitos que falarão a você, “Isto não pode ser feito!”
“Os corações das pessoas estão duros demais!” ou “Ninguém jamais teve algum sucesso nesse lugar!”
Até os membros de sua família cheios de boas intenções tentarão convencer você que estará cometendo um grave erro indo para o campo missionário. Estas vozes estarão contando-lhe sobre os gigantes da terra e que seria bem melhor ficar onde você está.
Desde que me tornei um cristão, tenho tido um ardente desejo de ver pessoas salvas e terem o conhecimento de como Deus é bom. Eu também senti desde o começo que eu trabalharia em terras estrangeiras pregando o Evangelho. Durante minhas aulas no RHEMA, aquela fome e desejo continuaram a crescer. E quando a formatura chegou ao fim, comecei a buscar a Deus em oração sobre o próximo passo para a minha vida.
Uma tarde, enquanto orava e discutia com Deus, Ele falou para mim muito claramente e disse: “Eu vou enviar você para Zimbábue e Moçambique.” Ele também me falou que ia me enviar lá em outubro e novembro. Eu sabia que estes países estavam na África mas eu tinha que achá-los no mapa!

“Fugindo Daqui Para Lá!”
Eu estava excitado pelo que Deus estava fazendo, mas eu me perguntava como Deus ia me colocar nos dois lugares ao mesmo tempo. Na ocasião, tudo o que podia fazer era orar e confiar no Senhor. Cerca de duas semanas depois, um amigo me apresentou dois homens de Zimbábue que estavam fazendo um trabalho missionário em Moçambique.
Depois de uma noite de conversa amigável, eles perguntaram se eu gostaria de vir para a África e ajudá-los com seu trabalho. Eu disse que amaria ir com eles e perguntei quando eles gostariam que eu fosse. Eles disseram: Que tal outubro e novembro? Eu lhes disse que podiam me esperar.
Quando eu deixei aqueles homens naquela noite, estava tão emocionado de ver o trabalhar da mão de Deus, mas também compreendi que tinha muito trabalho a fazer. Tinha que conseguir passaporte, vistos, imunizações, reservas de vôo e fazer uma boa pesquisa a respeito das nações que eu estava prestes a visitar.
Depois de algumas pesquisas, descobri que eu precisava levar medicamentos a fim de prevenir a malária. Todas essas coisas são importantes para descobrir quando vamos ao campo missionário.
O maior obstáculo para a maioria das pessoas que vão para o campo são as finanças, e eu não era nenhuma exceção. Minha esposa e eu estávamos trabalhando servindo mesas em um restaurante na escola. Como a maioria dos estudantes, nós não tínhamos abundância de dinheiro flutuando ao redor a fim de voar para a África por dois meses. Este seria o primeiro grande milagre que veríamos Deus fazer para levar-nos para a África.
Antes que eu compartilhe este testemunho com você, deixe-me primeiro enfatizar um ponto de vista espiritual muito importante. Salmo 127:1 diz, “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam…”
O que quer que seja que o Senhor chame você para fazer por Ele, Ele trabalhará com você. Ele abrirá portas que precisam ser abertas e porá você em contato com pessoas que assistirão você na realização da sua visão. Proteção, benção e inspiração divina são apenas uma pequena parte de como Deus trabalhará por você. As escrituras dizem: “…não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito diz o Senhor.” Zc 4:6
No decorrer dos anos, minha esposa e eu temos observado outros missionários trabalhando em vão. Até parece que eles não tinham nenhuma visão de Deus. O favor de Deus parece estar ausente e eles estão sempre lutando por provisão, sofrendo constantes ataques e tem pouquíssimos sucesso e vitória em seus trabalhos de missões.
Anos atrás eu ouvi um missionário muito bem sucedido dizer, “Quando Deus me diz para fazer algo, Deus pagará, mas quando eu digo a Ele que vou fazer algo então Ele me deixa pagar!”
Se certifique que você está seguindo os planos de Deus para sua vida! Quando você trabalha em vão, ficará cansado e insatisfeito e terá que combater a mágoa e o ciúme quando outras pessoas ao redor têm sucesso e você não. Você é muito valioso para o Reino de Deus e não pode perder anos de trabalho duro produzindo pouquíssimos frutos para nosso Pai Celestial.
As grandes vitórias que minha esposa e eu temos obtido no campo missionário não poderiam ter vindo sem a intervenção divina. A força de Deus, proteção, sabedoria e provisão foram todos necessários para realizar nosso trabalho para Ele.
Como eu mencionei anteriormente, um dos nossos maiores obstáculos no campo missionário foram as finanças. Tínhamos visto Deus suprir nossas necessidades sobrenaturalmente nos levando para Tulsa a fim de estudarmos no RHEMA. Agora precisávamos de uma tremenda quantidade de dinheiro para minha empreendedora viagem para a África e mais alguns fundos adicionais para cobrir minhas despesas enquanto estivesse por lá.
Uma tarde enquanto orava e discutia com o Senhor, Ele me falou que eu deveria guardar todas as moedas acima de 50 centavos que ganhássemos de gorjeta cada noite no nosso trabalho. Eu contei a minha esposa e estávamos perplexos porque raramente fazíamos mais de 50 centavos em gorjeta por noite com exceção dos finais de semanas! Até nos finais de semanas não passava de 60 centavos.
Durante a semana fizemos entre 25 a 30 centavos por noite em gorjetas. Mas nos perguntávamos como guardar 20 centavos por dia pagaria minha viagem pra África principalmente que seria daqui a 6 meses! Não há muito que você possa fazer nessas situações, mas apenas confiar em Deus e manter-se numa atitude de fé!
Naquela noite depois que o Senhor falou para mim, Laurie e eu fomos ao trabalho. Era segunda-feira, usualmente a noite mais lenta da semana. Os negócios estavam bons àquela noite e as gorjetas também, aparentemente não muitas fora do comum. Quando chegamos em casa e começamos a contar, fomos surpreendidos em ver que eu fiz 74 centavos e Laurie 84! Ficamos tão emocionados e agradecemos a Deus pelo o que ele estava fazendo em nossas vidas!
Daquele ponto em diante nunca fizemos menos de 50 centavos por noite. Quando alguns de nossos fregueses descobriram que eu estava planejando uma viagem missionária para a África, eles me davam 20 centavos. Começamos a ver o trabalhar de Deus de um modo maravilhoso, proporcionando as finanças necessárias para a viagem e para as despesas da minha estadia por lá.
Muitas vezes a vontade de Deus é progressiva e quanto mais você começa a andar na visão, mais você visualiza o foco. Por exemplo, estamos fazendo coisas hoje no ministério que eu apenas tive um vislumbre anos atrás. Quando você é obediente em seguir a vontade de Deus, sua visão para o ministério será pouco a pouco grandemente definida. Atos 9:6 diz,”…Senhor, que queres que eu faça? E disse-lhe o Senhor: Levanta-te e entra na cidade, e lá te será dito o que convém fazer.”

“Mantenha-se Focalizado e Comprometido Na Sua Visão”
Enquanto eu estava em Moçambique, o Senhor outra vez falou comigo sobre a minha chamada. Ele me falou que tinha me chamado para o Sul e para a África Central e que Ele me levaria para cidades grandes, pequenas, vilas e campos de refugiados onde eu pregaria Sua Palavra. Ele me contou que multidões O receberiam e que logo depois que eu fosse embora muitas dessas pessoas morreriam por causa de doenças, seca, fome e guerra, mas que eu não chorasse porque o Senhor era com eles.
Todos os anos eu tenho visto o cumprimento desta Palavra muitas vezes. Meu coração está cheio de alegria porque eu sei que muitas das pessoas que eu tenho orado estão na Presença de Deus.
O destino eterno das pessoas que você está alcançando será sempre o seu foco. Eu tenho assistido missionários ficarem na mesma situação das necessidades física e social das pessoas. Porque eles perderam seu alvo e muitas vezes seu amor pelas coisas de Deus. Eles não mais desejam compartilhar essas verdades com as pessoas.
Alguns missionários estão tão envolvidos em programas sociais que eles eventualmente não tem tempo de fazer o que Deus lhes chamou para fazer em primeiro lugar. O inimigo pode ser muito sutil ao seduzir você e guiar você para longe de sua visão.
Por favor não entenda mal o que estou dizendo. Eu acredito que é importante ministrar em cada área da vida das pessoas, nosso ministério tem feito isso por anos. Mas em primeiro lugar somos chamados para ministrar a Palavra. Tudo o que fazemos é visado a fim de trazer as pessoas ao pleno conhecimento de Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador.
Sempre fique focalizado e totalmente comprometido na sua visão e não permita a si mesmo se desviar dela.

“INICIANDO UM NOVO TRABALHO PIONEIRO”
Quando você sabe onde Deus está guiando você para iniciar um novo trabalho, há muitas coisas a serem consideradas.

1. Aprender sobre as leis e os requisitos básicos para viver e trabalhar naquele país.
1A. Vstos e Permissão de Trabalho. Pesquise os muitos diferentes tipos de vistos e permissão de trabalho que estão disponíveis para você. Pergunte quanto tempo o governo do país permitirá que você fique e se os vistos e a permissão de trabalho são renováveis.
As condições são diferentes para um visto de turista do que para um visto de residência ou trabalho. Você pode precisar de uma combinação de vistos e permissões para fazer o que Deus está chamando você para fazer. Você pode achar facilmente essas informações contactando a embaixada do país.

1B. Finanças. Alguns países exigem uma declaração financeira mostrando quanto dinheiro você estará trazendo para dentro do país deles. Descubra o que eles exigem. Quando você visita o país no qual pretende trabalhar, tudo isso pode ser mais bem pesquisado. Falaremos sobre finanças detalhadamente mais adiante.
Todos os anos, minha esposa e eu transferimos dinheiro de um modo concebível dos Estados Unidos para a África. Deixe-me dividir com você algo prático que salvará você de muitos agravamentos. Se você não tem crédito no seu país de origem, então vá trabalhar longe a fim de corrigir isso e mantenha com você algum cartão como Visa, Mastercard e American Express.
Um dos melhores modos de transferir dinheiro é através de depósito bancário porque é relativamente seguro e rápido e um meio de enviar seu sustento mensalmente. Ache um bom banco em sua área que tem conecções internacionais, experiência em transferir fundos e que aceita a maioria dos cartões de créditos. Alguns bancos oferecem uma taxa de câmbio mais baixa do que outras. Assim faça sua pesquisa porque isso pode salvar seu dinheiro.

2. Escolha uma localização para sua base de missão.
2A. Pessoas. Comunicar-se com as pessoas da qual você foi chamado para alcançar é uma das principais considerações.

2B. Equipamento. Você pode conseguir o que precisa para trabalhar tais como suprimentos, alimentos, Bíblias, etc? Tente adquirir no país estrangeiro tudo o que você puder conseguir, isso abençoará suas economias.
Esperar por objetos vindos de outro país pode custar a você semanas e muito dinheiro. Pode ser mais vantajoso comprar os produtos no país, mas em último caso, analise bem e você se salvará.
Eu conheço missionários que tinham caminhões e Jipes especiais que levaram para fora da América e o país onde eles estavam ministrando também vendiam transportes muito bons e adequados. Então esses missionários ficaram desamparados e sem recursos por semanas não fazendo nada por causa desse prejuízo. Tinham que mandar comprar as peças necessárias do seu país de origem. Isso não aconteceria se tivessem comprado seus veículos no local.

2C. Acomodações. A habitação está disponível, proporcionável e habitável? Quando nos mudamos para a África a fim de levantar nossa base de operações, nosso quadro financeiro estava muito baixo. Algumas pessoas que tinham se comprometido a nos apoiar não especificaram a quantia. Nós alugamos a casa mais barata e fizemos de tudo para manter nossas despesas abaixo do mínimo possível.
Eventualmente, fomos capazes de determinar nosso sustento mensalmente, e depois desenvolvemos um orçamento.

2D. Comunicações. Indispensável quando decidimos a localização para uma base. É importante para o nosso ministério termos um fax ou um telefone, não apenas para nos comunicarmos com o escritório ou a casa, mas também por todo o país planejando nosso trabalho e alcances.
Muitas vezes uma máquina de fax tem no salvo de dirigir para longe, ou esperando dias por um documento valioso que precisávamos para viajar. Um fax é um item de alta prioridade para seu escritório no campo.

2E. Necessidades Funcionais. Escolaridade, transporte e hospitais precisam ser levados em consideração quando escolhemos um local para nossa base de missão. Estas necessidades variarão com os diferentes tipos de ministérios. Nosso ministério requer muita viagem pela estrada e pelo ar.
Também usamos muito equipamento técnico em nosso trabalho, assim é importante para nós que sejamos capazes de fazer a manutenção. Eu viajei de avião poucas vezes para comprar peças de equipamento de som nos Estados Unidos, assim podíamos manter nosso programa de cruzadas.
Assim, como você pode ver, a localização de sua base de missões é uma decisão importante que precisa ser pesquisada minuciosamente para aumentar ao máximo seu potencial e eficácia para o Reino de Deus.

3. Vigie a Terra.
3A. Reconhecimento. Antes da batalha, no exército ser iniciada, uma equipe de reconhecimento é enviada para investigar as forças do inimigo e fazer uma figura clara do país que vai ser invadido. O reconhecimento é um estudo tático desenhado para adquirir tanta informação quanto possível antes que um ataque seja iniciado.

Números 13:1,2; 17-20
Disse o Senhor a Moisés:
Envia homens que espiem a terra de Canaã, que eu hei de dar aos filhos de Israel, de cada tribo de seus pais enviarei um homem, sendo cada qual príncipe entre eles…
Enviou-os, pois, Moisés, espiar a terra de Canaã, e disse-lhes: Subi ao Neguebe e penetrai nas montanhas.
Vede a terra, que tal é, e o povo que nela habita, se é forte ou fraco, se pouco ou muito.
E qual é a terra em que habita, se boa ou má, e que tais são as cidades em que habita, se em arraiais, se em fortalezas.
Também qual é a terra, se fértil ou estéril, se nela há matas ou não. Tende ânimo e trazei do fruto da terra. Eram aqueles dias os dias das primícias das uvas.

Se você quer ter um bom começo e apreciar o sucesso mais cedo no seu novo trabalho pioneiro eu recomendo que você visite e “vigie” o país no qual você está desejando trabalhar.
Veja como são as pessoas lá e durma na casa deles. Você precisa andar pelas vilas e cidades atentos para identificar-se e entendê-los em cada área de suas vidas. Ouça os sonhos, desejos, esperanças e medo deles.

I Coríntios 9:20-23
Procedi, para com os judeus como judeu a fim de ganhá-los, para os que vivem sob o regime da lei como se eu mesmo assim vivesse, para ganhá-los embora eu não esteja debaixo da lei.
Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime da lei.
Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de por todos os modos salvar algum.
Tudo fiz por causa do evangelho, com o fim de me tornar cooperador com ele.

Quando você visita o país em que você acredita que Deus o está enviando, você rapidamente descobrirá se é ou não chamado para aquela terra. Muitas pessoas têm uma idéia muito romântica sobre o que significa ser um missionário. Eles estão apaixonados com a imagem, mas a realidade é bem diferente. Haverá muito trabalho duro e você não estará mais na América. Tudo leva para mais longe e a corrupção e o roubo são freqüentemente desenfreados.
Você terá que ser tão sábio quanto espiritualmente sensível ou você será roubado da visão. Temos aprendido o duro caminho e o caminho de Deus. Nós vemos muitos missionários perderem milhões de dólares em equipamentos valiosos por não andar em sabedoria ou escutar a voz do Espírito Santo.
Há gigantes na terra que não querem você por lá. Pobreza, religião, cultura, tradições, inflação desenfreada e preconceito racial são algumas das realidades que você encontrará em abundância no campo missionário. Sua atitude em direção a estes desafios e obstáculos determinará seu sucesso.
Uma visita ao país trará maior entendimento, mas também fará com que você esteja mais preparado e equipado para ter sucesso e produzir frutos para o Reino de Deus. Quando você puder dizer com audácia e a confiança que Calebe disse, “…Eia! Subamos e possuamos a terra, porque certamente prevaleceremos contra ela.” (Nm 13:30), então você é provavelmente chamado e pronto para sacudir o reino da escuridão tornando-se um gigante matador!

4. Visão e Estratégia.
4A. Visão. É importante que você entenda seu propósito e chamado para o campo missionário. Uma visão bem definida é necessária para conservá-lo no caminho, porque sem isto seu trabalho parecerá sem objetivo, e você terá um tempo difícil julgando se você está ou não alcançando suas metas e realizando sua visão.

4B. Estratégia. Apenas dizer que você vai pregar o evangelho é simplificar demais um procedimento muito complexo e revelará uma falta de planejamento. E planejamento é necessário a fim de ter um longo tempo de eficácia e sucesso. Por exemplo, como você vai pregar o evangelho? Através de cruzadas? Seminários? Rádio? Televisão? Escolas Bíblicas? Se você quer acertar o alvo sua pontaria deve ser certa, assim, não faça desperdícios de recursos valiosos apenas “tentando algo até finalmente trabalhar”.
Nós escrevemos nossa visão, quando realizamos o que fomos chamados pra fazer.

Habacuque 2:2-3
O Senhor me respondeu e disse: Escreve a visão, grava-a sobre tábuas, para que a possa ler até quem passar correndo.
Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-o, porque certamente, virá, não tardará.

Anote por escrito que o Senhor diz para fazer três coisas: escrever, correr e ler.
Escrevendo a visão ajuda a estabelecer em seu coração.
Correndo com a visão é a direção e estratégia que você seguirá para a realização daquela visão.
Lendo a visão ajuda você, tão bem quanto aqueles que trabalharão com você, para ficar no curso desta visão. Isto ajudará aqueles que trabalham com você apoderar e entender o que Deus está chamando para fazer.

4C. Metas. Em minha opinião, a armação do cenário é essencial para calcular o progresso e o sucesso tão bem quanto ajuda a determinar seu plano para a expansão.
Certifique-se que você colocará metas a longo e curto prazo que estão em foco e em linha com o que Deus tem chamado você para realizar por Ele. Quando você alcança suas metas curto prazo, eles trarão você mais perto de suas metas a longo alcance!
Colocando metas também ajudará você a planejar adiante e dará ao Espírito Santo uma oportunidade para revelar para você o que precisa para confiar em Deus para a área de provisão e necessidades espirituais.

João 16:13
Mas, quando vier aquele Espírito da verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir.

É melhor começar a confiar em Deus pelas coisas que você precisará no futuro do que desejar que você tivesse aquelas coisas ontem! Lembre-se, conserve suas metas consistentes com sua visão e com o foco de seu ministério.

5. Desenvolver um orçamento.
5A. Gastos. Como eu disse antes, tente conservar todas as suas despesas para um mínimo, até você ser capaz de averiguar o que vai ser sua manutenção mensalmente. Em nossa situação, nós não estávamos certos qual seria nossa manutenção mensal. Nós tínhamos uma idéia geral, mas algumas das igrejas que nos mantinham não nos contavam exatamente quando eles estariam nos mantendo.
Entretanto, depois de quatro para seis meses no campo, nós tivemos uma média da quantidade por mês que nós podíamos contar. Isto não significa que nós não fazíamos nada por seis meses. Nós fizemos bastante! Nós sacrificamos algumas de nossas necessidades pessoais para executar o que Deus nos trouxe para fazer na África. Mais tarde, nós tivemos um pouco mais de deriva financeira, e os “extras” que nós precisava pessoalmente tornou-se proporcionável.

5B. Considerações de orçamento. Algumas das coisas que você terá que conservar em mente quando desenvolver um orçamento no campo de missão é os custos de condução e manutenção de um veículo, seguro, o preço de alimentação para alimentar sua família, aluguel e despesas de viagem.
Também que tipos de suprimentos (literatura, folhetos, Bíblias e etc.). O que você precisa para te dar assistência em seu trabalho? Não esqueça as contas de água e energia elétrica. Verifique o preço da gasolina. Na média, e dependendo de qual país você está indo trabalhar, nós pagamos U$3 – U$5 um galão. Ter cuidado na pesquisa é necessário para planejar um orçamento para o campo de missão. Os velhos dizem “ser prevenido é ser adiantado” é um bom pedaço de conselho para lembrar.
Você também terá despesas tais como boletim, uma conta de telefone ou fax para os Estados Unidos, e possivelmente um salário ou taxa para alguém lidar com suas finanças e negócios nos Estados Unidos.
Durante nosso primeiro ano no campo de missão, nós calculamos entre U$700 e U$1000 por mês em manutenção. A casa que nós estávamos alugando custava-nos U$140 por mês, que incluía o pagamento de água e energia elétrica. Nós gastamos cerca de U$100 por mês em alimento, e nossa maior despesas no ministério foi comprar combustível para viajar de país a país, pregando e ensinando a Palavra de Deus.
Como o ministério cresceu, nós fizemos um novo orçamento e tivemos habilidade para realizar mais com pouco. Não esqueça o que a Palavra de Deus tem para dizer: “… Pois quem despreza os primeiros começos?…” e “… Bem está, servo bom e fiel, sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei, entra no gozo do teu senhor.” (Mt 25:21).

6. Faça a coisa certa!
6A. Integridade. Quando Jesus contou a parábola do Semeador em Marcos 4, Ele descreveu um tipo de solo nos versos 18 e 19: “E outros são os que recebem a semente entre espinhos, os quais ouvem a palavra; mas os cuidados deste mundo, e os enganos das riquezas e as ambições de outras coisas, entrando, sufocam a palavra, e fica infrutífera.”
Guarde seu coração para todas as ocasiões, e não permita as pressões do ministério para afetar a você e comprometer sua integridade. Eu tenho assistido outros missionários expulsos de países por quebrar todos os tipos de leis tentando ficar no campo de missão. Nós conhecemos um casal que trabalhou em uma nação usando um visto de turista por dois anos, e o governo finalmente alcançou-os. Eles disseram, “ninguém é um turista por dois anos”, e expulsou-os do país.
Você tem permissão para entrar num país com um visto de turista, mas começa trabalhando imediatamente num serviço com permissão a visto de residente. Obedeça a leis da terra. Você é uma visita naquele país, e você representa o Senhor Jesus Cristo.
Como o ditado diz, o que quer que seja que você se comprometa a guardar, você certamente acabará perdendo.
Enquanto naquela nação, certifique-se de conservar o seu ministério legal. Se necessitar ser registrado, faça isto e contrate os serviços de um bom advogado para aconselhar você (ele será tão importante para você quanto sua máquina de fax!).
Lembre-se de perguntar muitas das questões e descobrir de outros ministérios no país o que será exigido de você. Fique legal e ande em integridade e amor. Sua fé trará você através de todos os obstáculos difícies. Sempre se lembre que Deus é por você e Ele tem te dada proteção.

Atos 2:47
Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentavam o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.

Atos 7:10
E livrou-o de todas as suas tribulações, e lhe deu graça e sabedoria ante Faraó, rei do Egito, que o constitui governador sobre o Egito e toda a sua casa.

Se Deus é por você, quem poderá ser contra você, então faça a coisa certa!

7. Idéias e sugestões.
7A. Recursos. Deixe-me compartilhar com você um par de idéias úteis para ajuda-lo a ficar estabelecido: adquira um bom mapa da nação em que você está planejando trabalhar. Estude-o e torne-se familiar com país. Conheça as cidades grandes, as cidades pequenas, e pontos de referência.
Eu também recomendaria conseguir todos os livros de viagem que você puder encontrar. Eles te fornecerão muita informação valiosa. Nós encontramos um que tem nos salvo tempo e dinheiro que conseguimos agora. O livro é chamado África on the cheap, publicado por Lonely Planet. É um guia do empacotador para os países da África e ele lista lugares para ficar, comer e ver.
Eu sei que esta companhia tem pesquisado muitos países, assim verifique isto: você podia achar esta companhia muito útil. Vá para sua biblioteca local e verifique todos os livros que você pode sobre seu país de destino. Certifique-se que você estuda e lê a história. Também, procure vídeos de viagem e documentários sobre o seu futuro lar.

7B. Camaradagem e relacionamento. Você terá a oportunidade de encontrar algumas pessoas muito interessantes no campo de missão – missionários, trabalhadores, ajudantes e Americanos em contratos de trabalho e em férias, apenas para nomear uns poucos. O povo local também enriquecerá grandemente suas vidas. O campo de missão pode ser um lugar muito solitário se você deixá-lo.
Eu estou encorajando você a não permitir que aconteça. Faça amigos até se você não concorda com eles teologicamente. Você será abençoado, e fora daqueles relacionamentos Deus derramará bençãos maravilhosas na forma de conselhos, e em outras áreas numerosas.
Nós temos visto missionários que tem mantido sofrendo em solidão, depressão, e problemas em seus casamentos por que eles não alcançariam as pessoas que não podiam acreditar exatamente como eles. Isto é estupidez total e vai contra o que a Palavra De Deus ensina.

Efésios 4:16
Do qual todo corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor.

Trabalhe na construção de relacionamentos com as igrejas estabelecidas no país. Existem missionários que sofrerão uma grande quantidade de perseguição desnecessária por não desenvolver um relacionamento com as igrejas existentes no país. Lembre-se, você está lá para construir o Reino de Deus, não seu próprio reino.

7C. Estabelecendo a si mesmo. Eu conto às pessoas todo o tempo que onde o querer de Deus está para você, esse é o seu lar. Desde que Deus tem nos chamado para viver e trabalhar na África, a África é o nosso lar. Você precisa sentir o mesmo modo a respeito de seu país de destino. Você pode ter nascido na América, mas agora você tem um novo lar. Veja a vontade de Deus como seu lar, e isto ajudará a apropriar-se da graça de Deus em sua vida.
A maioria das pessoas na África nasceu lá, e elas não tinham uma escolha. Mas minha esposa e eu escolhemos obedecer a Deus e vir para a África, assim nós somos africanos por escolha. Você pode dizer que nós somos africanos – americanos!

7D. Prosperidade. Eu espero que você preste cuidadosa atenção para o que eu vou dividir com você, assim ajudará a você grandemente. Muitos missionários sofrem de uma pobreza de mentalidade que é freqüentemente empurrada sobre eles pela religião e o mundo. Quando as pessoas descobriram que nós estávamos indo para o campo de missão, eles inconscientemente pensaram que minha esposa e eu tomamos um voto de pobreza. Eles nos conta que nós seríamos pobres e nunca teríamos nada bom.
Isto é uma fortaleza que o inimigo envia para tentar e bloquear a verdade da Palavra de Deus. Levante-se firme contra esta mentira.
Deus é sua fonte. Não esqueça jamais que Ele quer nada mais que o melhor para você em cada área de sua vida. Se você começa a aceitar a mentira que um missionário é sempre pobre, você roubará a si mesmo e sua família, e você também desencorajará outros de tornar-se missionários.
As pessoas têm tentado me convencer de não me vestir tão bem porque ninguém me dará nenhum dinheiro se eu me vestisse bem. Eles diziam que se eu parecesse pobre e necessitado, eu poderia levantar mais dinheiro. Mas parecendo pobre e necessitado apenas produz uma oferta de culpa porque você manipulou as pessoas. Isto produz sustento que não dura, e quando você é abençoado, você tem que esconde-lo, assim as pessoas não descobrirão. Então você torna-se um impostor e um mentiroso.
Eu conheço missionário que Deus tem abençoado com carros novos, e quando um pastor visitante da América vem ver seu trabalho missionário, eles escondem o carro, assim ele não o verá. Eles têm medo que se ele o vê, ele pode parar seu sustento ou pensar que o missionário tem usado mal os fundos da missão. Eu não sei você, mas para mim, isso é desonesto!
Uns poucos anos atrás quando sua primeira criança nasceu, um outro missionário contou a minha esposa que ela iria a uma certa loja e lhes contariam que ela era uma missionária pobre, eles dariam a ela fraldas quase de graça.
Se nós podemos proporcionar fraldas, então não vamos mentir ou obter algo de graça que nós mesmos podemos proporcionar. Além disso, eu não vou confessar sobre mim mesmo e meu ministério que nós somos pobres. Nós todos sabemos como nossas palavras são poderosas.
Nos últimos poucos anos, lá têm estado alguns livros sobre missão que tem aconselhado pessoas a sustentar apenas missionários que vivem no nível das pessoas que eles estão ministeriando naquele país. Eu acredito que isto é muito errado por umas poucas razões.
Primeiro, é injusto penalizar alguém por ter fé e acreditar em Deus, ou por ser abençoado por Deus. Outra vez, isto é pobreza de pensamento com o acompanhamento da mentalidade que o Deus que é mais do que o bastante tem se tornado o Deus que é mal o bastante
Não há retrocesso no céu, e Deus não está repavimentando as ruas do céu com cobre porque nós gastamos todo o ouro. Algumas pessoas acreditam que os missionários devem ser pobres para se tornarem pessoas de respeito, coisa que Deus não é.
Missionários que aceitam uma pobreza mental “pensará pobre” em cada área de suas vidas. Eles serão espiritualmente pobre, fisicamente pobre (faltando saúde), e materialmente pobre. E eles produzirão resultados pobres para o Reino de Deus.
Eu tenho assistido isto de primeira mão. Por muitos anos, missionárias crianças cresceram pensando que Deus podia apenas abençoar você se você vivesse na América. Mas olhe para o que a Palavra de Deus diz: “Se quiserdes e me ouvir, comereis o melhor desta terra”.(Is 1:19) o Salmo 112 também tem algo para dizer sobre as bençãos de Deus:

Salmos 112:1-3
Aleluia! Bem aventurado o homem que teme ao Senhor e se compraz nos seus mandamentos.
A sua descendência será poderosa na terra; será abençoada a geração dos justos.
Na sua casa há prosperidade e riqueza, e a sua justiça permanece para sempre.

Eu espero que você repare que não há cláusulas legais ligadas a estes versos na Escritura que exclui missionário. Graças a Deus! Nós podemos andar em todas as bençãos de Deus e não ser envergonhado, porque as promessas são todas sim e amém em Cristo. (2Co 1:20)
Eu acredito em dar, e eu ensino isto em todo o lugar que nós vamos. Nós temos visto igrejas que “pobres sujos” começaram a experimentar a prosperidade de Deus em suas vidas quando eles começaram a confiar em Deus nesta área.
Não esqueça o valor de semeadura e ceifa. Este artigo não é longo o bastante para mim para compartilhar com você todas as coisas maravilhosas que Deus tem fornecido para nós através desta avenida de benção.
Como um missionário, não se veja como alguns outros que sempre tem para dar. Comece a sustentar outros missionários e outros missionários. Alguns dos melhores solos que nós já temos semeado é o RHEMA, e nosso sustento cresce constantemente por causa deste fato.
Uma última coisa neste assunto que você precisa lembrar é o fato que quando Jesus ensinou no assunto de prosperidade, Ele disse também que a perseguição sempre seguirá.

Marcos 10:29,30
E Jesus, respondendo, disse: Em verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do evangelho,
Que não receba cem vezes tanto, já neste tempo, em casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, com perseguições; e no século futuro a vida eterna.

Se você não tem já reparado por agora, algumas daquelas perseguições virão de sua própria família espiritual, e que pode ferir o maior. Mas não esqueça o que Jesus disse para fazer por aqueles que perseguem você.

Mateus 5:11,12,44,45
Bem aventurados sois vós, quando vos injuriaram e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.
Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos cèus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.
Eu, porém vos digo: Amai os vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem;
Para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus; por que faz que o seu sol se levanta sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.

Quando você orar por aqueles que perseguem você, você os ajudará fora da cegueira espiritual deles e guarda seu próprio coração de sentimentos de rancor e raiva que obstruirá você.
Não permita que a opinião pública determine o seu prestígio econômico. As bençãos de Deus pegam você de surpresa de um modo maravilhoso porque Deus é sua fonte. As pessoas nunca se elevam acima do nível daquele que estão trazendo-lhes a verdade. O exemplo que você coloca inspirará e motivará as pessoas à não limitar Deus em suas vidas (Sl 78:40-42).

8. A Família do Missionário
8A. Prioridades. Uma das maiores histórias que eu ouvi no campo missionário foi do filho de um missionário. Seu filho estava com quarenta anos e tinha assumido a direção do trabalho do seu pai. Ele dividiu comigo algumas coisas quando eles foram morar na África. Ele era apenas uma criança e eles estavam em um lugar que era muito quente e úmido durante quase todo o ano. A primeira coisa que seu pai fez para sua família foi construir uma piscina.
Ele ficou com o pai um mês inteiro vendo-o trabalhar sem interrupção até o projeto chegar ao fim. Mas quando estava pronto seu pai e eles foram nadar e se refrescar juntos.
Esta segunda geração de missionários me contou que o seu pai ao construir aquela piscina ele deixou sua família saber como eles eram importantes e que eles vinham em primeiro lugar na sua vida.
Não faça sua família sofrer pelo trabalho no ministério. Eles não escolheram ser missionários; você escolheu. Faça o seu melhor sem negligenciá-los. Gaste tempo de qualidade com eles. Deixe-os saber que depois de Jesus, eles são mais importantes do que tudo, incluindo seu trabalho.
Se você faz isto, você não perderá seus filhos e eles não crescerão pensando que Deus roubou o pai deles para longe. A escritura diz, “Ora, se alguém não tem cuidado dos seus e especialmente dos da própria casa, negou a fé e é pior que o incrédulo.” (1 TM 5:8)
Nós temos visto algumas situações muito tristes aumentar porque o pai negligenciou suas responsabilidades em cuidar e suprir sua família. Divórcio, infidelidade conjugal e crianças rebeldes são todas conseqüências de alguma forma de negligência. Houve vezes quando eu senti necessário arrumar minha agenda para que eu pudesse ter mais tempo com a minha família.
Nós tínhamos férias regulares juntos e fazíamos coisas divertidas todo o tempo. Minha esposa e meus filhos sabem como eles são importantes para mim. Uma família feliz e satisfeita será a fonte de sucesso e confiança quando o missionário tem que estar longe de sua família. Enquanto você está ministrando a vida para outros, não esqueça a sua própria família.

9. Levantando Sustento Financeiro (A Vaca Sagrada).
9A. Permaneça em Fé. Quando eu voltei da minha primeira viagem de missões, eu sabia o que Deus havia me chamado pra fazer, mas não tinha a menor idéia de como financiar este trabalho. Quando eu falei com outros missionários e perguntei a eles como ia levantar meu sustento a maioria deles estava com os lábios muito apertados e não eram muitos prestativos. Quando falei com eles tive a impressão de que eles estavam guardando a sagrada receita do coronel para frango frito.
Assim, eu tive que confiar no Espírito Santo para me mostrar o que fazer. Deixe-me dividir algo com você que eu tenho aprendido nestes anos: não deixe o sustento mensal tornar-se sua vaca sagrada! Muitos missionários vêem seu sustento mensal como sua fonte. Mas Deus é sua fonte e sempre será. Lembre-se disso e você estará no caminho
Nós passamos meses com nosso sustento mensal quando parecia que iam durar semanas. Certa vez, estava em Moçambique fazendo cruzadas quando o nosso sustento cessou de vir. Mas o Senhor providenciou para nós sobrenaturalmente em Moçambique e nós apenas fizemos nosso trabalho e vimos 250.000 pessoas serem salvas!
O sustento mensal é uma necessidade para você realizar seu trabalho no campo estrangeiro. Assim, comece agora a crer em Deus por mantenedores e parceiros para ficar por detrás do que Deus tem chamado você para fazer.

9B. Apresentação. É importante que você apresente e comunique o que você vai fazer no campo de missões de um modo claro e no mais curto espaço de tempo possível. Coloque juntos uma brochura e um boletim dividindo a visão e as realizações de seu ministério.
Fotos são importantes, assim arranje um grande álbum de recortes e encha-o com fotos que mostrem seu trabalho em sua nação e a cultura e cenário do país. Vídeo também é uma ferramenta muito útil para compartilhar sua visão. Traga de volta artefatos e curiosidades que ajudam como estimuladores da conversação.
Lembre-se, uma apresentação mal feita refletirá pobremente em você e causará uma perda de confiança naqueles que procuram investir em seu trabalho de missões. Ponha junto de sua apresentação excelência e as pessoas saberão e verão que você está comprometido a dar a Deus o seu melhor no campo de missões.
Quando você está dando a oportunidade de dividir sua visão em uma igreja, não implore por dinheiro ou chore, e não faça a igreja se sentir culpada por não poder abençoá-lo. A manipulação é errada. Há várias razões porque a América é tão abençoada, assim não tente fazer as pessoas se sentirem culpadas a respeito disso.
Excitamento e entusiasmo revelarão o fogo que Deus tem colocado em seu coração pela nação. Ele tem chamado você para alcançar. Se aquela igreja não tem uma visão de missão, e muitas igrejas não têm, esta é sua oportunidade de voltar para aquela redondeza para lhes mostrar a grande necessidade do mundo! Mostre-lhes quão madura a colheita é em sua nação. As pessoas geralmente querem investir em algo que progredirá o Reino de Deus.
Durante o seu tempo de ministério naquela igreja, não apenas vendeu sua visão, mas colocou um depósito de verdade dentro daquela congregação. Se você estiver interessado em ser uma benção para aquela igreja e assistir seu crescimento, eles irão querer voltar para assistir você no seu.
Quando eu visito uma igreja pela primeira vez, eu tomarei algum tempo no começo do meu ministério para dar a congregação uma vista por baixo do que nós estamos prestes a fazer e quais grandes vitórias nós temos vistos no campo de missão.
Durante minha pregação, eu incluirei histórias do campo que relata minha mensagem. Lembre-se, você está ungido para pregar a Palavra, não levantar dinheiro. Fé e obediência supriram suas necessidades financeiras. Lembre-se, “Se quiserdes e me ouvir, comereis o melhor desta terra” (Is 1:19).
Deixe o pastor saber que sua meta é levantar sustento mensal. Você será surpreendido como muitos pastores não sabem que um missionário precisa de sustento mensal. Uma de suas responsabilidades é educar pessoas. Ignorância e “fábulas” envolvem a mística de um missionário. Traga-os para dentro da luz da vontade e da realidade.

9C. Apoiadores e parceiros. Estas são as pessoas que Deus está levantando em seu favor para financiar o trabalho que ele tem chamado você para fazer por Ele. Eles podem ser individuais tão bem quanto igrejas. Juntos, você verá grandes vitórias. Eles não darão apenas para você financeiramente, mas sustentarão em oração.
Você está provavelmente querendo saber onde achar estas pessoas! Você os encontrará em todo lugar. Alguns serão membros da família e outros serão amigos e conhecidos. Até homens de negócios que descobrem o que você está fazendo, desejarão você para apóia-lo.
Pegue cada oportunidade que vem em seu caminho para dividir seu chamado e visão com as pessoas, se o povo está no Clube Rotary, Clube Lions, Clube de jardinagem, estudos da Bíblia, ou encontros da igreja. Em nossos poucos anos, 50% de nosso sustento veio de indivíduos. Como nós temos crescido, isto temos descido cerca de 20%, mas nossa igreja em sustento tem crescido grandemente. Eu estou te contando isto, assim você não concentrará exclusivamente em igrejas. Amplie seu entendimento e não limite a Deus.
Quando você está partindo, muitas pessoas não conhecem você ou tem ouvido sobre você. Eles dirão algumas coisas muito cruéis para você parar, algumas vezes tentar desencorajar você ou fazer você sentir-se que está sentindo falta de Deus. A maioria desses comentários está fora da ignorância pura e falta de entendimento das pessoas.
Quando minha esposa e eu estávamos viajando e dividindo nosso trabalho e visão, pessoas diriam coisas como, “Nós apoiamos missões no lar. Há muitas pessoas aqui nos Estados Unidos que não tem ouvido”. Ou eles diriam, “Nós apoiamos fulano de tal, e ele está conseguindo que todos se salvem na África, assim você está apenas desperdiçando seu tempo!” ou “Nós apenas acreditamos em apoiar nacionais porque eles podem fazer mais por menos”.
Isto pode ser muito desencorajante de ouvir, mas não perca o coração apenas porque muitas pessoas têm opiniões muito confusas sobre as realidades de missão. Não deixe que opiniões ignorantes e desinformadas detenham você de sua meta.
Use seu tempo sabiamente e visite tantos pastores e igrejas quanto possíveis. Isto pode soar fácil, mas tomará um bocado de trabalho em sua parte. Lembre-se, Jesus disse, “Procure, e você achará!” seus parceiros estão lá fora. Você terá que acha-los.
Contate tantos pastores quanto você possa em sua área e visite a eles. Se você puder é melhor falar para a congregação da igreja deles, mas isso não é necessário no primeiro contato e provavelmente não acontecerá desde que eles não saibam quem você é.
Muitas vezes, sentar no escritório dos pastores ou almoçar com eles abre uma oportunidade de retornar e dividir com sua igreja o que você está fazendo. Divida suas fotos e histórias os ajudarão a ver a necessidade deles para nos tornarmos envolvidos.
Algumas vezes eles dirão que no presente momento, eles já estão comprometidos em seu orçamento, mas que eles estarão orando por você. Você pode ouvir deles mais tarde que seu orçamento tem aumentado e que eles estão levantando você pelo sustento! Muitas vezes os pastores não podiam nos ajudar com sustento mensal, mas antes que eu partisse, eles me entregaram um cheque para abençoar nosso trabalho.
Não faça o erro de tentar entrar em contato apenas com pastores do RHEMA para apoio. Eu tenho contactado igrejas que não acreditam exatamente no modo que nós fazemos, mas eles têm um coração para alcançar o mundo com o evangelho, e eles não conheciam nenhum missionário até eu contactá-los. Nós temos Batistas, Presbiterianos, Assembléias de Deus e igrejas da Igreja de Deus, que sustentam nosso trabalho. Algumas destas igrejas tem recursos inacreditáveis para semear em missões, mas eles nunca são aproximados aos missionários.
Quando você está viajando para uma nova área, abra uma agenda telefônica e comece a ligar para as igrejas naquela área. Pergunte ao pastor se você pode passar por perto e dividir com ele sobre seu trabalho no campo de missão. Explique para ele muito educadamente que você está levantando sustento e que você está excitado sobre o que Deus está fazendo em sua terra. Pergunte se ele gostaria de ouvir sobre isto. A pior coisa que pode acontecer a você e que ele pode dizer que não está interessado.
Antes que a maioria dos pastores apóie um missionário, eles querem conhecer o missionário e a família do missionário. Isto é vitalmente importante que você entenda que o Reino de Deus é construído nos relacionamentos.

1 Tessalonicenses 5:12
Agora, vos rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós…

Parceiros e apoiadores de seu trabalho seriam mais do que doadores anônimos. Eles são parte de sua família. Em uma crise, eles estarão lá para extrair-lo através de suas orações e finanças. Construa relacionamentos com pastores e igrejas, e quando eles crescerem, assim lhe apoiarão pelo seu trabalho.
Tome tempo para visitar conferências e seminários que ajudarão a pôr você em contato com outros pastores. Estes encontros providenciam uma atmosfera não muito ameaçadora para encontrar pessoas que perguntará a você o que você faz. Isto trará a você muitas oportunidades de dividir sobre seu trabalho.
Alguns dos pastores que você visita não pode fisgar com você imediatamente. Muitos tomarão um “espere e veja” aproximar-se em sua direção e de seu trabalho. A razão para isto é que tantos missionários param depois de um ano, aproximadamente, e as igrejas sentem que falharam também, assim eles começam a procurar por aqueles missionários que estão estabelecidos e que tem raízes. Você notará que quanto mais tempo que você está no campo, é mais fácil aumentar seu sustento mensal.
Um pensamento final neste assunto é começar agora a crer em Deus por aqueles parceiros que você precisa. Aqui está uma boa Escritura para começar a se levantar: “O presente que o homem faz alarga-lhe o caminho e leva-o perante os grandes” (Pv18:16).
Você necessitará do que esta Escritura promete, ambas aqui na América e no campo de missão. Eu acredito que todos os pastores são grandes homens, e grandes homens são sempre generosos, prestativos e patrocinador. Deus trará pastores como Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, cruzando sua trilha para ficar com você e não permitir que você dobre seu joelho para qualquer forma de compromisso. Eles encorajarão você a ficar firme na fé não hesitado.

9D. Boletins. Os pastores têm dividido comigo que uma das formas que eles gostam e não ouvir regularmente do missionário que eles estão apoiando é de boletins. Seu trunfo mais valioso em comunicar seus sucessos, julgamentos e necessidades do ministério é seu boletim.
Seu boletim é o equipamento de um prato de oferta da igreja. Você não o está usando para mendigar por dinheiro mas para dar as pessoas uma oportunidade para abençoar você com uma oferta. Muitas vezes seu boletim lembrará seus parceiros que eles estão apoiando você. “Fora da vista, fora da mente”, é um problema real para missionários, e o boletim age com um prazenteiro lembrete para apoiadores orarem e darem.
A satisfação de seu boletim contará o que você está fazendo no campo. Isto dividiria seus triunfos e bons relatórios tão bem quanto alguns dos grandes esforços, assim seus amigos e apoiadores poderão orar por você. Se de modo algum for possível, tente incluir fotos, porque foto fala muito alto o que você está tentando compartilhar em impressão.
Não transforme seu boletim em um formato de ensino. Eu conheço alguns missionários que fazem isto, e são constantemente combatidos a conseguir sustento. As pessoas querem saber o que você está fazendo, e que é um modo maior de responsabilizar as pessoas que estão apoiando você.

10. Negócios.
10A. Incorporação. Quando nós primeiro partimos, nós estávamos embaixo da incorporação de nossa casa paroquial. Eles eram muito apoiadores no começo, mas como nosso trabalho começou a crescer, eles não foram capazes de manter o mesmo nível todas as nossas necessidades estatais. Os problemas começaram a crescer, e nosso sustento mensal não estava sendo recolhido no correio tão rapidamente quanto teria sido e depositado em nosso banco. Isto criou problemas muito agravantes para nós.
Nosso pastor nunca tinha tido a oportunidade para nos visitar no campo estrangeiro, assim ele não tinha idéia nenhuma do custo de vida lá. Há uma opinião na América que é mais barata viver no terceiro mundo do que na América. Em minhas viagens e conversações com outros missionários, eu tenho descoberto que isto não é verdade. Nosso pastor também tinha esta opinião e constantemente perguntava por certos gastos do missionário. Isto nos impedia na aquisição de equipamento muito necessário e até em nossos gastos de vida.
Se eu tivesse que fazer tudo outra vez, eu teria fisgado uma agência de serviços de missões. Há algumas excelentes. Assim, faça sua pesquisa e pergunte a outros missionários como eles se sentem a respeito do serviço que eles estão recebendo. Agências de serviços entendem as necessidades de um missionário muito melhor do que a maioria das igrejas. A maioria destas agências cobra cerca de 10% de seu sustento mensal como taxa de serviço, é que não é excessivo comparado a tudo o que eles providenciarão para você.
Por exemplo, se seu rendimento ou orçamento é de U$1500 por mês, as agências de serviços cobrarão U$150 por seu serviço. Isto usualmente inclui pegar sua correspondência e depositar dinheiro em sua conta bancária, receber todos os seus doadores, e enviar um boletim. Você usualmente terá que pagar postagem, e há muitos outros serviços que eles apresentaram por você por um cheque nominal. Este é o melhor modo de ir se você está apenas começando.
Quando você crescer, será imperativo que você monte seu próprio escritório. Quando seu sustento cresce para o ponto que os 10% que você está pagando de agência pode pagar por um tempo integral de uma pessoa no escritório cujo foco completo está em seu ministério, tome esse passo e nunca olhe para trás, porque será uma das melhores decisões que você pode fazer.
Fazendo isso significará que você terá que formar sua própria incorporação. Todo estado tem requisitos diferentes, assim consiga um bom advogado que é especialista neste campo. Eu sei que algumas pessoas tentam fazer o trabalho de um advogado para si mesmo, para salvar os honorários do advogado. Mas sobre os anos que eu tenho ouvido muitas histórias de horror e tenho visto ministérios com sérios problemas legais tentando salvar um dólar. Lembre-se, nós servimos o El Shaddai, não “El Cheapo”. Nosso Deus pode proporcionar um bom advogado!
Quando escolhemos o quadro de membros, nós apenas temos pessoas em nosso quadro que tem nos visitado e trabalhado conosco no campo de missão. Este caminho, eles tem um conhecimento íntimo sobre nosso trabalho, as coisas que nós negociamos e as condições. Eles entendem nossa economia a nossas necessidades pessoais, e isto é importante. Mais trabalhando conosco, eles tem visto de primeira mão como a vida tem sido e está sendo realizada.
Tome meu conselho: Um membro do quadro será capaz de servi-lo para um degrau mais alto se ele tem visitado e trabalhado com você no campo de missão.

11. Visitando o lar e itinerando.
11A. Descanso e relaxamento. É muito importante que você vá para casa para os Estado Unidos ou seu país nativo para descansar e relaxar. Missionários em demasia têm se consumido porque não tiram um tempo para descansar. Até Deus descansou, e nós vemos nos Evangelhos que Jesus tomou seus discípulos e mandou-os embora para um descanso (Mc 6:31,32).
Ir embora de um trabalho diário de ministério de tempo em tempo recarregará você e refocalizará. Houve vezes que eu estava deitado na praia molhado demais com algum brilho do sol e Deus começou a me mostrar nova direção para nosso trabalho! Ele até me mostrou alguma coisa que eu precisava para negociar com o que eu não tinha notado enquanto eu estava no meio dele. O descanso não é apenas importante para você, mas sua família provavelmente precisará tanto ou até mais do que você.

11B. Itinerando. É importante durante o seu tempo nos Estados Unidos que você volte para as igrejas que apóia você para compartilhar com eles seu progresso e visitar novas igrejas.
Quando nós vamos para casa nos Estados Unidos, nós temos muitas metas diferentes para realizar, dois dos quais são aumentar nosso sustento mensal e criar fundos adicionais para cobrir projetos especiais tais como compra de veículos, terra, ou construindo um prédio. Todos estas está fora do alcance de nosso sustento mensal.
Freqüentemente um missionário vem de casa e depende de muitas coisas. O custo do retorno é a consideração maior, e a propósito da visita é uma outra. Um missionário independente virá para casa mais freqüente porque ele é responsável unicamente para criar seu sustento, não tendo uma denominação atrás dele para financiar seus programas.
Nós temos estado longe tão longamente quanto dois anos antes que nós visitássemos o lar nos Estados Unidos, e alguns anos nós estivemos nos Estados Unidos duas vezes, assim varia com a necessidade e os tipos de trabalho na missão.
Nos primeiros anos de nosso trabalho, quando nós fomos para casa para uma visita, nós ficamos algumas vezes por três meses itinerando. Nós não temos crescido, e nosso catálogo está cheio demais na África. Com o crescimento vêm os empregados e muitas outras responsabilidades, então agora nos vamos para casa por um período mais curto, algumas vezes, duas vezes por ano.
Como uma regra, quando nós voltamos para uma visita, nós tentamos para o tempo dele com o maior evento do RHEMA, tais como Winter Bible Seminer ou Campmeeting. Estes são todos os tempos de grande refrescamento para nós e um modo importante para nós ficar fisgando com nossas raízes espirituais. Seu tempo em casa seria usado sabiamente e seria produtivo ambos para você e seu ministério.

12. Conserve-se montado.
A. Fique ligado. Uma das maiores razões para os missionários fracassarem em seu trabalho é que eles não fazem um esforço consciente para conservar a si mesmos no topo da condição espiritual. No começo deste capítulo, eu disse que era importante para você saber que é como um filho de Deus, e que conhecimento vem de dois modos: Pelo estudo e pela sua intimidade com Deus.
Com toda a disciplina que você estará fazendo, não perca a visão que você também é um discípulo e que você precisa crescer na sabedoria e conhecimento.
Eu tenho um número de amigos que me enviam bons livros e fitas. Eu tenho um círculo de amigos no campo de missão de quem eu posso fazer amizade, aviso e conselho. Eu tenho relacionamentos com pastores nos Estados Unidos de quem eu posso chamar dia ou noite (a cobrar!), para conversar e orar comigo. Muitas vezes, eles me chamam apenas para me deixar saber que eles estão orando por nós.
Quando eu volto na América, eu sempre assisto algum encontro para estar farto da Palavra de Deus.

Daniel 11:32
…mas o povo que conhece a seu Deus se tornará forte e ativo.

Siga este conselho e você peneirará em poder!

CAPÍTULO 3
“RESPONDENDO AO CHAMADO PARA AS NAÇÕES”
Por: Jim e Brenda Puhr

Jim e Brenda Puhr são formados no RHEMA Bible Training Center. Eles têm sido missionários por mais de 13 anos. Em 1982 eles se mudaram para Costa Rica na América Central, onde eles serviram por seis anos. Juntamente com vários outros, os Puhrs também ajudaram a estabelecer o Calvary International, uma agência de missões baseada em Jackson Ville, Flórida, que agora tem mais que 200 missionários em 16 nações.
Com o passar de três anos, eles foram servir em Moscou, Rússia, onde eles tem ajudado a começar uma escola bíblica. Eles também viajam toda a Rússia ajudando igrejas locais.
Os Puhrs tem três filhos: Nathan, com 11 anos, Ryan com 8 e Alexandra com 1.

* * *

Nós nunca esqueceremos o dia em que fomos à Costa Rica, América Central. Era 3 de janeiro de 1982, era um dia em que nós havíamos sonhado e orado e um dia em que muitas vezes nos perguntamos se já não tínhamos visto aquilo ali. Era nosso primeiro dia como missionários estrangeiros.
Tem sido mais do que 13 anos desde aquele dia. Desde esse tempo nós temos viajado para mais que uma dúzia de países, ajudando a começar várias escolas bíblicas. Temos vivido em quatro daqueles países e temos visto dezenas de milhares de pessoas vindo para Cristo.
Ainda nos lembramos claramente as minhas perguntas quando fizemos a decisão de nos tornamos missionários (era apenas um ano e meio atrás antes que partíssemos para o campo missionário). Eram perguntas que a maioria dos missionários faz quando decidem ir para o campo: “Como”, “Quem”, “O que”, “Quando” e “Onde” – perguntas tais como, “Como levantaremos o dinheiro necessário para ir?”, “Quem nos apoiará?”, “Onde exatamente estamos supondo ir?”, “Qual a barreira lingüística?”, “O que faremos quando chegarmos lá?”. As questões continuam.
Embora nós estejamos dividindo aqui nossos pensamentos e idéias sobre missões, nem tudo pode ser dito sobre o T-R-A-B-A-L-H-O que está envolvido nesse ministério. Do simples começo de nosso planejamento até o exato dia que em que viajamos o trabalho nunca parou! E é a prática de todas essas coisas que são algumas vezes a maioria dos desafios.
Gostaríamos de compartilhar “dois estágios” para tornar-se um missionário bem sucedido. Temos experimentado estes estágios de primeira mão. Os assuntos abordados aqui são as áreas que mais somos questionados por aqueles que estão orando sobre uma chamada missionária. Cada um desses estágios tem seus próprios desafios e vitórias.

Primeiro Estágio: Decisão & Preparação
O primeiro estágio para tornar-se um missionário bem sucedido é freqüentemente o estágio que a maioria das pessoas que são chamadas encontram uma certa dificuldade. Esse estágio consiste no processo de permanecer no campo de missões.
Brenda e eu tivemos formações bem diferentes. Ela é de Lakeland, Flórida e cresceu em uma igreja Batista do Sul. O avô dela tem sido um ministro na Batista do Sul por mais de 50 anos! Ela assistiu às aulas no RHEMA com seus pais em 1978 quando estava com 18 anos de idade.
Eu sou de Boulder, Colorado e cresci em uma forte família católica. Eu não tinha nenhum desejo de entrar no ministério. Eu recebi Cristo como meu Salvador a primeira vez que ouvi sobre o evangelho. Foi em uma cruzada em Loveland, Colorado. Em 1979 eu assisti o RHEMA com alguns amigos da minha igreja Calvary Temple em Denver, Colorado.
Foi enquanto estava estudando no RHEMA que eu senti pela primeira vez que eu seria um missionário. Depois que Brenda e eu nos encontramos no RHEMA, uma das primeiras coisas que conversamos quando começamos a namorar foi sobre o chamado de Deus em nossas vidas.Sentimos que seríamos missionários no estrangeiro.
Depois de me graduar no RHEMA em 1980, nós nos mudamos para Gainesville, Flórida, e nos casamos. Começamos a servir como ministros na igreja de crianças em uma igreja nova e pequena lá. Nós não recebíamos salário da igreja mas estávamos felizes em apenas estar ministrando.

Descubra a Vontade de Deus Pra Sua Vida.
Imediatamente depois de graduado do RHEMA, tínhamos contado às pessoas que estávamos indo para o campo missionário. Freqüentemente, as pessoas não nos levavam a sério, ou tentavam nos desencorajar. Eles diziam que havia abundância de trabalho para fazer nos Estados Unidos, assim nós não podíamos ir ao estrangeiro para ministrar.
Temos sempre buscado a vontade de Deus para nossas vidas, e acreditamos que Deus põe o desejo no coração das pessoas para tornar-se missionário. Quando você conhece a vontade do Senhor para sua vida, você pode por sua fé no que ele tem colocado em seu coração. Então quando os testes e desafios vierem, você terá a fé suficiente para ir através dos obstáculos.

Concordância no Casamento.
Naturalmente, é essencial que o marido e a esposa estejam em completa concordância sobre o chamado missionário em suas vidas. A concordância é essencial antes que você embarque num avião e vá para um país estrangeiro. Sabe porque? Porque quando você sair para fazer a vontade de Deus, você pode estar certo que o inimigo contará repetidas vezes que você não está na vontade de Deus.
Depois que fomos desencorajados várias vezes por várias organizações de missões que diziam que nós não tínhamos qualificações por vários motivos. Convidamos um missionário que tinha ministrado uma das matérias em nossa classe no RHEMA que estava vivendo na cidade de Victoria naquele tempo.
Depois que fizemos contato com ele, ele nos sugeriu que fossemos ao México e ficasse lá por uma semana. Ele disse que passando uma semana em um país estrangeiro onde eles comem alimentos diferentes, falam uma língua diferente e tem uma cultura diferente, pode algumas vezes ajudar a confirmar o chamado na vida de uma pessoa.
Assim nós empacotamos nossas coisas no nosso pequeno Chevy e dirigimos para a cidade de Victoria. Eu nunca esquecerei o dia 8 de novembro de 1981 – nós cruzamos de Brownsville, Texas, para Matamoros, México. Aquele dia Deus pôs um amor sobrenatural em nossos corações pelo povo latino. Era também nosso primeiro aniversário de casamento.
Passando aquela semana lá, realizamos três coisas distintas em nossas vidas:
Primeiro: confirmou-se em nossos corações que Deus nos chamou para sermos missionários!
Segundo: o Senhor nos deu direção de qual seria nosso próximo passo. Se nós iríamos ser missionários na América Latina, precisávamos aprender espanhol. Por isso, nós decidimos que iríamos para uma escola de língua espanhola projetada especificamente por missionários. A única disponível estava localizada em São José, Costa Rica.
Terceiro: aquela semana no México nos encheu de informações a respeito de fazer um orçamento tão bem quanto vários outros passos simples em como crescer em sustento financeiro. Nós recebemos respostas para muitas questões que nós tínhamos sobre os aspectos práticos da vida missionária, tais como: boletins, listas de postais, aspectos legais e o senso de oportunidade como quando partir para o campo.
Nós encorajamos as pessoas que estão pensando em tornar-se missionário estrangeiro e que nunca saíram de seu país a fazerem uma viagem para um país ou para o país que ele(a) tem no coração para trabalhar. Os dólares gastos nesta viagem são usualmente bem válidos. Para nós, a viagem para o México foi uma mudança de vida.
Nós encorajamos aqueles que querem nos ajudar na Rússia onde nós estamos servindo agora para fazer-nos uma visita antes de se mudarem para cá. Se são casados, nós trazemos marido e mulher para nos visitar.
Se os que esperam ser missionário já tem viajado muito para o estrangeiro, pode não ser necessário fazer uma outra viagem, quando eles provavelmente tem a maioria das suas questões já respondidas.
Depois Que Você Conhece a Vontade de Deus, Seja Determinado a Cumprí-la!
Eu bem me lembro no final de 1981, semanas antes de nossa viagem para Costa Rica, Brenda começou a ter dúvidas se realmente nós estávamos fazendo a coisa certa. A razão por ela ter começado a duvidar foi porque as coisas não estavam saindo do jeito que pensávamos que sairia. Nós tínhamos a concepção errada que se estávamos fazendo a vontade de Deus tudo viria junto.
Em vez disso, tudo começou a desmoronar! Brenda sofreu um acidente de carro (ela não se feriu), a casa que possuíamos naquela época não foi vendida, nosso sustento financeiro não estava vindo como pensávamos que viria, e nossos amigos e família foram desencorajando-nos a ir ao estrangeiro.
Imediatamente quando ela começou a duvidar, nós sentamos para conversar sobre as coisas que Deus tinha posto em nossos corações, e ela foi capaz de voltar à fé. Desde aquela hora, nós nunca mais duvidamos qual a vontade de Deus para nossas vidas. Como eu disse, é absolutamente essencial que essa questão sobre a vontade de Deus pra sua vida em ser um missionário seja respondida antes que você vá para o campo missionário, porque o inimigo desafiará você nisso continuamente.
Quando algo saia errado ou não saia como nós pensávamos, nós descansávamos em nossa fé porque sabíamos que estávamos na vontade de Deus.

Seja Aplicado Em Seus Assuntos De Negócios.
Ao preparar-se para o campo missionário,não deixe que o diabo ache alguma brecha, uma vez que você já está no estrangeiro. Por causa de nosso zelo em ficar no campo, nós tomamos alguns cuidados práticos tanto no lado pessoal como no ministério. Coisas do tipo: alugar e vender casas, seguros, débitos e assim por diante.
Nós aprendemos a um longo tempo atrás que mais difícil do que ir para o campo de missões é permanecer lá! Nós podemos nomear aqui pelo menos uma dúzia de missionários que tiveram que deixar o campo missionário ou que ficaram grandemente prejudicados em seu trabalho porque não tomaram cuidado em algumas coisas antes de deixarem seu país.
Por exemplo, temos testemunhado alguns missionários que alugaram suas casas enquanto estavam no estrangeiro, mas eles perderam todo o dinheiro porque os inquilinos tornaram-se verdadeiros delinqüentes e não pagavam o aluguel. E poucos meses mais tarde os inquilinos abandonaram a casa! Então os missionários tiveram que usar grande parte de seu sustento missionário para fazer pagamentos de sua casa. E freqüentemente dentro de um ano esses missionários estavam fora do campo de missões.

Recebendo Ajuda
Naturalmente, um dos mais importantes aspectos de decisão antes de ir para o campo é decidir que cuidará de suas finanças. Lidar com casos de declaração ou procuração é uma atividade importante na vida de um missionário.
Sobre finanças há pelo menos três modos de se fazê-lo: através de organizações missionárias, através da igreja local ou através do próprio ministério sem fins lucrativos do missionário.
Há alguns prós e contras para cada um desses três meios. Cada missionário tem que buscar em Deus o melhor meio para sua situação. Temos visto os três modos funcionarem bem e também funcionarem desastrosamente!
A maioria dos missionários ao redor do mundo vão para o campo através das organizações de missões, tais como Campus Crusade, Wycliffe, Youth Witn 2 Mission, ou denominações tais como Assembléias de Deus.
A vantagem de ir através de organizações de missões é que estas organizações usualmente tem registros e são fortes na administração. As desvantagens são que as organizações podem algumas vezes ser limitadas e muitas vezes tem gastos administrativos pesados. Muitos gastos são justificáveis, tais como seguro, saúde, etc.
As organizações de missões da qual fizemos parte não tinham seus próprios desafios. É importante entender mais adiante que não há organização ou ministério perfeito.
Nossa organização de missões, Calvary International, tem cerca de 200 missionários servindo em cerca de 16 países. A organização cobra um serviço de 10% da taxa das ofertas que vem através do ministério. A organização providencia supervisão no campo e ajuda o povo a ficar no campo por 10 dias de treinamento em nossos escritórios internacionais na Flórida.
O treinamento inclui tudo sobre sustento e boletins, como obter segurança no exterior e conseguir vistos a longo-prazo. Essencialmente todos os aspectos práticos do dia-a-dia no campo e como ter sucesso são abordados nestas sessões.
Como a maioria das agências de missões carismáticas, nós temos tido nossos desafios em qual papel realizar na vida de um missionário uma vez que ele chega ao campo. Alguns missionários querem muita supervisão e direção, enquanto outros apenas querem a organização como um meio de chegar no campo. Uma vez que eles chegam, eles querem estar por conta própria sem a necessidade de entrarem em nossos escritórios.
Um outro modo de muitos missionários cuidarem de suas finanças e necessidades administrativas é através da sua igreja. Nós temos visto este trabalho ser feito excelentemente, mas também temos visto tornarem-se frustrantes para os missionários. Naturalmente, a vantagem de trabalhar através de sua igreja depende do que a igreja representa para sua vida. Eles tem em mão quanto dinheiro você precisa. Mas problemas podem ocorrer quando a igreja muda os pastores ou o secretário.
Também precisa ser entendido que o pastor e o secretário estão supervisionando ou estão envolvidos em pelo menos a metade de outras áreas da igreja e não apenas em um trabalho de missões. Trabalhando através de sua igreja quando a igreja trabalha bem quando tem um departamento de missões.
Um outro modo que os missionários usam para lidar com os aspectos financeiros e administrativos é colocar em seu próprio ministério. Desse modo eles tem um certo controle do que quer que aconteça. Esse meio pode depender muito entre uma ou duas pessoas. Nós nunca optamos por esse meio, assim não podemos falar muito sobre isso.

Levantando Sustento Financeiro
Um dos mais desafiantes e algumas vezes assustadoras para aqueles que pensam sobre ser um missionário é a idéia de levantar sustento. Talvez seja porque temos visto tantos maus exemplos de ministros “suplicando” por dinheiro, e nós não queremos estar vivendo nessa mesma direção.
Uma outra razão para esgotar a vida dos missionários é a pergunta do povo sobre dinheiro. Simplesmente é contra nossos costumes perguntar às pessoas sobre dinheiro.
Qualquer que seja a razão, este é um dos maiores obstáculos das pessoas que querem ir para o estrangeiro. Geralmente nós aconselhamos a não deixar as finanças ser o fator decisivo para o seu avanço ou não. Como já dissemos, sua motivação seria, “Qual é a vontade de Deus para minha vida?” Se a vontade de Deus é que você seja um missionário, então você precisa estar de acordo com aquela visão e fazer o que for para realizar essa vontade em sua vida!
Uma das chaves para o sucesso no desenvolvimento financeiro é sua atitude. Muitos missionários dizem: “Quando eu levantar meu sustento e conseguir ir para o campo missionário, então começarei meu ministério.” Eles vêem o desenvolvimento do sustento em missões como um mal necessário – algo que eles tem que fazer. Esta atitude vem a atrapalhar as outras coisas.
Nós encorajamos aqueles que sentem o chamado pra missões em olhar o seu desenvolvimento no sustento como um ministério no corpo de Cristo! Isso pode abranger a visão dos crentes para missões e aumentar o relacionamento com pastores e sua equipe de sustento – aqueles que orarão por você. Estes relacionamentos ajudarão a você quando estiver no campo.
Quando alguns missionários são perguntados de quanto dinheiro eles precisam para viver em um certo país, nós os ouvimos responder: “é tanto…”, que é usualmente muito menos do que eles realmente precisam para fazer o que Deus os chamou para fazer.
Como já falamos o fator decisivo em realizar a chamada de Deus pra sua vida e no sucesso em levantar sustento está em você saber qual a vontade de Deus pra sua vida. Se ele quer que você seja um missionário estrangeiro, Ele providenciará os meios para realizá-lo.
Cremos fortemente que a fé começa onde a vontade de Deus é conhecida. Mas ao mesmo tempo, fé sempre envolve ação ou T-R-A-B-A-L-H-O. Em outras palavras, coisas não acontecerão apenas porque você está na vontade de Deus. Você faz sua parte e Deus fará a Dele no que diz respeito a levantar sustento.
Por exemplo, mais de 98% de todos os missionários no campo hoje são sustentados pelas igrejas ou mantenedores. Os outros 2% são sustentados através de suas próprias economias ou outra fonte de renda.
Se você torna-se parte de uma organização de missões, aquela organização ensinará você a respeito do modo ético em levantar sustento.
Uma outra opção para aprender sobre sustento é contatar uma organização de missões que ensina seminários de desenvolvimento financeiro para missionários. Pergunte-lhes se você pode assistir um de seus seminários (se você é casado sua esposa deve assistir também).

Segundo Estágio: O Primeiro ano no campo
Alguns novos missionários no campo são muito idealistas. Eles tem sonhado a respeito de ser um missionário, e quando eles finalmente chegam no campo, pensam que alcançarão a cidade inteira no primeiro ano.
Isso me faz lembrar de um missionário que chegou no México (a maior cidade do mundo) e perguntou a um missionário veterano que já estava lá por mais de 30 anos porque ele ainda não havia ganhado aquela cidade para Cristo. O sábio missionário não quis reprimir o entusiasmo do novo missionário e decidiu ajudar o canal daquela energia a alcançar a cidade. O novo missionário descobriu em pouco tempo que alcançar uma cidade é muito mais difícil do que dizer!

Não Negligencie o Tempo de Preparação, Uma Vez Que Você Já Esteja No Campo.
Um missionário no estrangeiro precisa planejar de acordo com a duração do tempo em que planeja ficar. Quando Brenda e eu fomos à primeira vez em Costa Rica, planejamos estudar a língua para os primeiros oito meses que estivéssemos lá. Nós encaramos esse tempo gasto tão importante quanto o fato de pregar. Depois de seis meses de escola, eu já comecei a ministrar em espanhol. Depois de dois anos eu já interpretava para outras pessoas que vinham nos visitar.
Quando fomos pra Rússia, gastamos os três primeiros meses aprendendo a língua mesmo quando estávamos planejando ficar um ano. Aprender russo era um bocado difícil do que aprender espanhol. Mas com três meses de aulas nós já éramos capazes de nos comunicar com os pastores. E agora estávamos muito felizes por termos aprendido o básico da língua russa. Assim nosso tempo aqui aumentou para três anos!
Nós aprendemos que durante o primeiro ano no campo, o novo missionário deve se concentrar em aprender a língua e a cultura local e habituar sua família em seu novo meio-ambiente. Muitas vezes os missionários são pressionados em apresentar resultados rapidamente para suas igrejas, para as pessoas que o apóiam, etc. Muitos colocam pressão neles mesmos para provar que são preparados para estar lá.
Em todos os anos que temos nos envolvido em missões, temos visto poucos missionários preguiçosos mas também muitos que tem trabalhado e pregado em excesso, estão sempre ocupados. Eu me lembro de um certo ano quando estávamos em Costa Rica, eu preguei cerca de 175 vezes. Isto parece grande mas o problema era que minha família sofria e minhas mensagens estavam ficando ruins e meus motivos para fazer aquilo não estavam sempre certo. Também o meu tempo gasto com o Senhor não estava tão bom assim.

Ficar No Plano de Deus Para Seu Campo de Colheita.
Enquanto vivemos em Costa Rica, estávamos no meio de um ressurgimento. O número de igrejas na nação tinha crescido de 700 para mais de 2.000 em um período de poucos anos.
Nossa estratégia era ajudar a começar um centro de treinamento bíblico (Cristo no Mundo) para ajudar a treinar pastores e muitos líderes que tinham vindo para Cristo recentemente. Durante aquele tempo mais do que 1.000 estudantes graduaram-se em um ano na escola.
Na Rússia nossa estratégia é apenas um pouco diferente. Em 1989 quando a cortina de ferro tinha acabado de ser descida e as portas para a União Soviética estavam começando a se abrir, nós decidimos ir para esse campo. Tínhamos ouvido falar dos ministérios de Jim Kaseman, Terry Law e muitos outros ministérios que estavam durante os muitos anos na União Soviética quando ainda era muito difícil se ministrar.
Dois membros do Calvary International visitaram a União Soviética no final de 1989 e encorajaram os líderes do Calvary International para explorar a possibilidade de trabalhar lá.
Nós fizemos uma viagem à União Soviética em abril de 1990 e decidimos abrir a escola bíblica lá. Nós enviamos várias famílias e solteiros para lá e em janeiro de 1991 abriram a escola com 121 alunos. Eles têm vindo da Verânia, Estonia, Geórgia Soviética, Uzbequistão, Sibéria e de toda a parte da União Soviética.
Desde aquele tempo, mais do que 450 estudantes tem se formado, e nós continuamos a ter a escola aqui em Moscou. Mais que 100 igrejas tem sido iniciadas pelos formandos da escola bíblica.
Nossa estratégia na Rússia tem sido ajudar a alcançar o grande número de novos convertidos e estabelecê-los em igrejas. Nós temos uma rede ligada com muitas outras organizações que também trabalham aqui incluindo: CBN, Teen Mania Ministries e Campus Crusade for Christ.
Muitos campos ao redor do mundo são como Costa Rica e Rússia onde há grandes colheitas. Ainda em muitos países, tais como aqueles na Europa Ocidental o povo ainda não está tão íntimo do evangelho. Em cada país em que trabalhamos, nós desenvolvemos uma única estratégia por aquela nação. Cada chão do país ceifa uma colheita diferente. Por exemplo, o que trabalha na Europa Oriental pode não trabalhar na Europa Ocidental.
A chave é ter uma estratégia. Se você tem uma visão e um plano, você pode realizar seu ministério. Se você perde aquela visão, você se tornará frustrado e perderá a meta da sua visão.

Sugestões Para Prováveis Missionários
1. Não seja rápido em julgar outros missionários ou ministérios no país que você está trabalhando. Freqüentemente suas atitudes em direção deles mudarão depois de alguns meses.
2. Não critique jamais ou escute as pessoas criticarem igrejas, pastores, missionários ou ministérios. Fazer isso freqüentemente voltará para ferir você. Também, com freqüência as coisas que você escuta nem sempre é verdade, o diabo tentará semear discórdia em todo lugar.
3. Não seja rápido em deixar o ministério ou as pessoas que você está trabalhando por causa de problemas. Freqüentes vezes novas missionárias têm uma visão idealista de trabalho em conjunto. Tente olhar as coisas por fora para ver se o problema possivelmente não é com você e suas atitudes.
4. Conserve suas prioridades em linha: Deus, Família, Ministério. A maioria destas três áreas de sua vida sai de ordem e não e se ficarem fora de ordem, um grande dano poderá acontecer.
5. Tente continuamente se educar. Leia e estude tudo o que você pode sobre seu campo e suas áreas de ministério. A maioria das informações que você tiver, mais eficazmente você agirá.
6. Desenvolva pessoas hábeis. Esta é uma área importante. Leia livros para ajudá-lo a entender os traços e personalidades das pessoas. Há vários ministérios que tratam especificamente com esta área. Eles providenciam fitas e livros que podem ser de grande ajuda.
7. Não desenvolva uma atitude de superioridade. É fácil para missionários pensarem que eles têm feito um sacrifício maior do que os outros cristãos porque eles têm “deixado tudo” para servir ao Senhor, e querem deixar pastores e amigos de um modo bem sutil cientes de como eles tem feito sacrifícios por causa da obra. Muitos pensam que são especiais. Esta atitude desvia pessoas.
8. Não se compare com outros missionários. Não compare seus resultados com os resultados dos outros. Seja interessado sobre o que Deus tem chamado você pra fazer. O apóstolo Paulo disse em 2 Coríntios 10:12 que quem se compara com outro não é sábio.
9. Tenha tempo para orar.
10. Desenvolva metas à longo prazo. Não planeje apenas para a próxima semana ou próximo ano. Faça metas a respeito de fazer uma retirada da conta ou levantar finanças para a faculdade de seus filhos.

Conclusão
Com um pensamento final para aqueles que pensam sobre tornarem-se missionários ou até para aqueles que estão agora servindo ao redor do mundo: apenas a eternidade contará de todas as vidas que estão e serão mudadas por causa da sua decisão a respeito de ser um missionário.
O diabo faz tudo que pode para nos impedir de realizar a vontade de Deus para nossas vidas. Assim, arme-se com aquele conhecimento, nunca desista!, Não desista jamais!

CAPÍTULO 4

“RECONHECENDO E DEDICANDO-SE À CHAMADA MISSIONÁRIA”
Por: Joe Purcell
Joe e Mary Purcell são missionários no interior da Sibéria, uma região da Rússia conhecida como Chukotka, que está situada diretamente do outro lado do mar de Bering do Alasca. Eles vivem na cidade de Provideniya com seus quatro filhos, Joe com 11 anos, Peter com 9, John com 7 e Katie com 4.
Joe formou-se no RHEMA em 1988. Antes de entrar no ministério em tempo integral em 1989, ele advogou por 11 anos. Antes de se mudar para a Rússia, Joe estava envolvido em um ministério evangelístico no sertão do Alasca. Ele começou viajando para Provideniya em Março de 1991. Desde setembro de 1992, os Purcells tem vivido em Provideniya, onde eles têm estabelecido uma igreja e estão desenvolvendo uma equipe de missionários para levar o Evangelho pleno para a parte do mundo sem Evangelho.

* * *

Se você nunca foi um missionário em terra estrangeira mas você sente que Deus o está chamando para esse ministério, você sem dúvida tem muitas questões como, “Será que eu realmente sou chamado para ser um missionário?”, “Como eu me prepararei?”, “Como eu levantarei meu sustento?”, “E os nossos filhos?”
Resumindo: se você quer saber como iniciar, esse é o caminho!

“A CHAMADA MISSIONÁRIA”
O caminho básico para você saber se é chamado para missões é particularmente o mesmo caminho da qual você sabe que é chamado para o ministério: através de testemunho interior do Espírito Santo!
Sua chamada pode ser espetacular, pode ser sutil. Em qualquer evento, você saberá pelo testemunho interior em seu espírito. Muito já se tem escrito sobre esse assunto e não é minha intenção repetir aqui o que os outros tem expressado melhor em qualquer outro lugar. Ao invés disso, eu quero mencionar umas poucas coisas que me ajudaram a reconhecer e a seguir o plano principal de Deus para minha vida.
A direção para sua vida é a graça de Deus. Um modo de como descobrir é começar ajudando em sua igreja local em qualquer área que o pastor deseje. Seus dons e habilidades começarão a vir à tona. O dom de Deus em você começará a manifestar-se. Esse dom em você é a direção.
O desejo que Deus coloca em seu coração é também a direção. levei um bom tempo para aprender sobre isso. Eu cresci em uma denominação que ensinava que o que quer que você deseje na sua vida, isso é o que verdadeiramente Deus quer que você se prive. Que absurdo! Se você tem consagrado sua vida e seu ministério ao Senhor, espere que Ele dará a você o desejo no seu coração.
Você tem um desejo sincero de estar no campo estrangeiro, viver em uma outra cultura, ver Cristo formado em um povo ou nação, aprender sua língua e amá-los com o Evangelho? Se você tem amigo, isso é uma chamada! Para o missionário, talvez a seguinte frase tenha mais valor do que em qualquer outro ministério, “O lar é onde meu coração está!” E se o seu coração está no estrangeiro você nunca estará satisfeito em lugar algum.
Estou particularmente convencido que orar no espírito é um dos melhores modos de receber direção e confirmação do Senhor. Quando você toma tempo de qualidade para orar no espírito, direção divina começará a crescer em seu espírito dando iluminação para sua mente. Aquelas coisas que Deus tem colocado dentro de seu coração irão crescer mais forte.
Você pode receber orientação ou apenas uma impressão em seu espírito. Você não conseguirá um quadro completo,mas conseguirá o suficiente para agir.

“Preparando-se Para Ir”
01. Preparação Espiritual: A melhor preparação espiritual para o campo missionário é a escola bíblica. No RHEMA nós estivemos ensinando a Palavra de Deus e a operação do Espírito de Deus. Fomos instruídos em ambos os aspectos práticos e espirituais do ministério. Depois da formatura tivemos a oportunidade de receber as credenciais ministeriais e tornar-se uma parte de uma organização ministerial internacional.
No RHEMA desenvolvemos relacionamentos com estudantes e equipes que tem provado ser um sustentáculo em nosso ministério hoje. Sem dúvida, recebendo instrução formal na Palavra de Deus é o primeiro passo mais importante que você pode tomar na preparação para ir ao campo.
Ser digno de confiança em qualquer área da sua igreja local é um dever de todo missionário! Pois os que desempenharem bem o diaconato alcançam para si mesmo justa preeminência e muita intrepidez na fé em Cristo Jesus (I TM 3:13).
Você se prova a si mesmo servindo na igreja local. Você também desenvolve um caminho para a fidelidade que seguirá você em vários caminhos.
Finalmente vá sabendo que o tempo gasto em preparação não foi tempo perdido!
Mary e eu tomamos algum tempo esperando em Deus e orando no Espírito no que diz respeito a nosso futuro ministerial. Muitas pessoas não passam um tempo orando e buscando o plano de Deus pra suas vidas e acabam sem um compromisso divino. Quando você chega em um novo campo onde as pessoas nunca têm ouvido o Evangelho, onde não há outros crentes, nenhuma igreja, e você não falam a língua deles, você necessitará desse compromisso divino.

02. Preparação Natural: De um ponto de vista natural, há várias coisas que você pode e deve fazer para tornar-se pronto para o campo, o mínimo é desenvolver um orçamento e levantar sustento. Esses dois assuntos merecem atenção especial e serão discutidos mais adiante. Nesse capítulo teremos outros assuntos a considerar.
Você precisará encontrar alguém digno de confiança para lidar com assuntos do seu ministério e pessoalmente na sua ausência. No começo você pode usar um voluntário. Em última análise, você pode pagar alguém. Isto envolve uma grande quantidade de trabalho e pagando alguém tende a ser mais receptivo para suas necessidades do que voluntariamente. Uma procuração seria executada dando a essa pessoa a autoridade de lidar com seus negócios.
Faça o seu melhor para determinar os tipos de roupas e suprimentos que você precisará no campo por todo o ano. Nas lojas onde moramos na Rússia nós temos uma seleção escassa de mercadorias de qualidade inferior. Coisas simples como clipes para papel, fita adesiva, esponja, produtos de limpeza, lâmpadas, baterias, são raramente ou nunca disponíveis em nossas lojas.
Se você compra roupas no seu país para seus filhos, não esqueça de planejar que eles crescerão! A senha é: “Planeje para frente!”Uma viajem em curto prazo pode custar consideráveis dividendos a esse respeito.
Antes de você partir faça exames físico e dental para toda a família. Você também deve obter uma apólice de seguro de vida e saúde. Você também deve nomear um guardião para seus filhos menores.
Apólices em termo de seguro de vida podem ser compradas relativamente barato. Alguns seguros de saúde incluem um pequeno seguro de vida como parte do plano. Há companhias que providenciam seguro de saúde com cobertura especial para missionários. Orçamento para seguro de saúde não é falta de fé! Nada pode levar você para fora do campo mais rápido do que um fracasso financeiro.
Se você aumenta o deduzível você diminui o prêmio mensal. Escolha um plano e diminua aquele termo de suas necessidades individuais. Esteja certo que o plano cobrirá você no seu estado e no estrangeiro.
Finalmente faça passos largos em direção ao controle total da língua onde você estará servindo. Isso é sempre um tempo bem gasto! Aprenda a língua antes de você assumir seus deveres ministeriais no campo. Estudando uma língua estrangeira no seu país raramente resulta em fluência, mas pode dar a você um significativo começo naquela direção, uma vez que você fica no campo e começa a ouvir a língua falada, já é uma base consistente.

03. Considerações da Família: Se Deus tem chamado você para o campo de missões, Ele também tem chamado sua família. Foi um grande conforto para eu realizar aquele chamado de Deus em minha vida que foi entranhadamente atado com o chamado Dele sobre as vidas de nossos filhos. Nenhum de nós vive para nós mesmos! Quando você responde ao chamado de Deus pra sua vida, você não está privando seus filhos; você está ajudando-os a realizarem seus futuros em Deus!
O melhor e a maior herança que você pode deixar para seus filhos em vida é sua obediência a Deus. No final suas crianças serão reembolsadas! Conte a seus filhos isto.
Obviamente, um marido e uma esposa devem estar em concordância para irem ao campo missionário. Discordância conjugal abalará sua eficácia em qualquer tipo de ministério. Há muitas pressões sutis e não sutis que surgem quando você está vivendo embaixo das condições impostas no estrangeiro. Trabalhe a fim de desenvolver um bom casamento. Orem juntos. Comuniquem-se.
Torne sua mulher (ou case-se com uma) especial, a ponto de ela querer privar-se da satisfação de ter seu próprio lar para ter a satisfação de alcançar o inalcançável do mundo.
Quando fizemos uma decisão para viver e ministrar no estrangeiro, minha esposa disse que seguiria a direção do Espírito na minha vida e que acima de tudo seu coração estava disposto a servir ao Senhor. Conseqüentemente ela estava disposta a vir comigo e com nossos quatro filhos pequenos para o fim da terra que é exatamente onde nós estamos! Seria impossível estar aqui com algo menos do que aquele tipo de dedicação total e consagrada da sua parte.
Se possível adiante sua viajem a fim de providenciar para sua família habitação limpa e proporcional, garantir mercadorias e mobília a fim de colocar no orçamento doméstico aos membros da casa. Esposas, se seu marido fizer essa viajem sem você, dê a ele uma lista das coisas que você gostaria que ele fizesse.
A respeito da educação, crianças em idade escolar tem a habilidade de aprender outras línguas rapidamente e juntando-se com outras crianças na escola, não apenas acelera sua aprendizagem mas também proporciona a oportunidade de fazer amigos e serem uma boa testemunha cristã na escola.
Nós optamos pela aprendizagem no lar porque nós não queríamos que nossos filhos aprendessem solidamente os rudimentos da gramática Inglesa, literatura e História Americana mas sim terem um currículo baseado na Bíblia. Se você escolher que seus filhos vão à escola você pode suplementar a educação deles com materiais cristãos de escola doméstica enquanto eles estão dominando a barreira da língua.
Há excelentes materiais cristãos para a escola doméstica disponível nos Estados Unidos. Esses materiais freqüentemente podem ser adquiridos em um desconto substancial através de seu estado na Associação Cristã para escola doméstica ou através de uma escola Cristã que é sensível às necessidades dos missionários.
O segredo para o sucesso na aprendizagem no lar é obter um currículo que vem pré-empacotado junto com manuais do professor e planos de aula. As pessoas que freqüentemente fracassam em aprendizagem no lar são aqueles que tentam pegar materiais daqui e dali e colocar junto do seu próprio plano de aula.
Você ficará espantado com o tipo de rotina em outro país. Sua família será um grande testemunho de Cristo lá. Um certo juiz me relatou, “Eu recebi Jesus depois que vi que você tinha trazido seu maior tesouro – sua família – debaixo dessas condições, eu vi que você era sincero!”

04. Negócios e Considerações Legais
Ser ou não ser incorporado, eis a questão! Ao menos que você vá como um “construtor de barraca” e trabalhe secularmente. Há essencialmente dois caminhos para chegar ao campo missionário: 1)- seja isento de imposto e corporação sem fins lucrativos; 2)- receba ofertas de uma outra organização isenta de impostos. Vamos olhar para cada organização considerando os prós e os contras:
A. Incorporação: Incorporar seu ministério depende muito da parte em que Deus tem chamado você para fazer. Também depende das considerações legais e taxa que estão além do âmbito deste artigo. É suficiente dizer que você deveria consultar um advogado ou perito em impostos no que diz respeito a sua situação particular.
Ao buscar o conselho de um advogado ou contador, ache um bom conhecedor da lei sobre religião, organizações, isenção de impostos, etc. A maioria dos advogados e contadores, até aqueles que trabalham regularmente com corporações de negócios, não tem muita familiaridade com estes assuntos. Essas consultas freqüentemente podem ser obtidas por um mínimo de honorários possíveis ou quase nenhum.
Se você quer garantir doações de taxas reduzidas para o seu ministério você deve aplicar ao Serviço Interno de Rendas para isenção das taxas como manda a seção 501(c)(3) do Código Interno de Rendas.
Eu sei que muitas pessoas têm feito isso pessoalmente, entretanto, apesar de conhecermos a lei por 11 anos, nós contratamos um advogado e um contador para lidar com estes assuntos para nós. Há várias armadilhas escondidas nessas taxas sem fins lucrativos!
Uma vez que você se associa você deve manter a corporação. Você deve formar um quadro composto de membros com sabedoria e com certa impressão de julgamento de negócios. Algumas ações podem ser feitas pelo correio.
Você deve seguir as leis de seu estado e os estatutos da corporação, e você deve ter cuidado em distinguir entre sua propriedade e a propriedade da corporação, seus fundos e aqueles que pertencem à corporação. Você não pode misturar seus fundos com aqueles da corporação, nem utilize suas propriedades para seu uso pessoal.
Há milhares de formas de arquivamentos, relatórios e impedimentos que devem ser feitos em um modo oportuno para a corporação e seus empregados (você também). Implemente um sistema de calendários para essas datas e seja sábio para lidar com as datas deles.
Seu advogado ajudará você com esses detalhes. Ele pode lhe sugerir um sistema fácil para manter seus cadastros financeiros associados.
Obviamente você não pode fazer todas essas coisas do campo.Você deve implementar um sistema para ver o andamento dessas coisas na sua ausência e você deve ter alguém responsável e com muito conhecimento para fazer isto por você. Nós preparamos um manual do ministério cujo detalhe se aproxima de cada aspecto dos negócios de nosso ministério. È um manual de referência prática para nosso administrador estadual.
Há muitas boas razões para associar-se. A incorporação pode ajudar as pessoas a identificar-se com o seu ministério. Ela pode adquirir seguro de saúde se você não tiver adquirido com o imposto de renda pessoal. Uma outra vantagem é que você mantém um certo controle e supervisão sobre as operações do ministério.
Nós decidimos nos associar por várias razões. Sabíamos que associar ajudaria o povo a identificar-se com nossa missão. Nosso escritório estadual é no Alasca e estamos servindo no nordeste da Sibéria – não é exatamente um local conveniente para fazer comércio bancário, loja ou outros aspectos práticos do ministério.
Sabíamos que necessitaríamos de nosso administrador por perto. Nossa corporação foi um veículo muito útil para realizar nossas metas de longo alcance. Todas as coisas a serem consideradas, a incorporação pareciam ser a melhor rota para nós.

B. Agências Missionárias: o segundo modo de ir para o campo missionário é através de uma outra organização missionária isenta de imposto. Há basicamente dois tipos de agências missionárias. Agências de serviços e agências de remessa.
Geralmente, agências de serviço recebem ofertas de impostos deduzível em seu favor e enviam sua oferta em cartas de reconhecimento. Algumas vezes eles também enviarão seu boletim e até preparará para você, baseado sobre as informações que você fornecerá para eles.
A maioria das agências de serviços cobram uma taxa, outras não. As taxas variam em quantidade, mas 10% das ofertas recebidas é usual. Essa quantidade não é injusta, particularmente se a agência prepara o boletim, envia pelo correio e paga a franquia postal. Outras agências de serviços, tais como igrejas, receberão suas ofertas, enviarão as ofertas e transmitirão seus fundos a você sem nenhuma cobrança.
Agências de serviços não impõe controle sobre as atividades dos missionários, exceto que eles sejam obrigados a determinar aqueles fundos desembolsados para o propósito que promovem e mais adiante, da organização do serviço.
Agências de remessa geralmente são formados com um ministério de missão específica em mente. Eles também receberão ofertas, enviarão cartas e boletins em seu favor. Além disso, dão assistência aos missionários na ida e no estabelecimento para o campo.
Geralmente eles mais ou menos retêm o controle sobre o missionário, que é enviado para o campo para realizar a visão da organização que envia. Freqüentemente o missionário oferta seu rendimento ou contribui de outro modo para o fundo geral da organização.
Se você associar-se ou ir através de uma agência de serviço ou remessa, dependerá sobre o que Deus tem chamado você para fazer, até você sentir que Deus tem chamado você para o seu próprio ministério, você pode começar com uma agência até que você ganhe experiência e veja qual o novo rumo que seu ministério deve tomar.
Um dos pontos negativos para trabalhar através de agências é a falta de contato pessoal entre o missionário e seus parceiros e a percepção de anonimato. Se a agência tem um ministério com nome, as pessoas tendem a identificar com a organização ao invés de com você e seu ministério.
Esse problema pode ser resolvido em parte pela tomada de tempo para escrever um cartão postal ou uma nota pessoal para seus parceiros periodicamente. Quando você começa no ministério, isso pode ser feito facilmente pela escrita para umas poucas pessoas em sua lista de correspondência toda semana. Desse modo, seus parceiros escutarão de você pessoalmente sua visão várias vezes por ano.

05. Ministério das Finanças
Para o candidato a missões, a perspectiva de levantar o sustento exigido para estar no campo pode parecer tão formidável quanto o Monte Everest! Você precisará usar sua fé e para sua fé, adicione conhecimento! Os passos a seguir são alguns passos simples e práticos que você pode pegar que ajudará você a obter seus objetivos.

A. Desenvolva um Orçamento: O orçamento é uma meta de esquema, também ajudará você a manter controle sobre seus gastos colocando certos limites. Para preparar seu orçamento simplesmente avalie tão precisamente e especificamente quanto você pode e faça despesas antecipadas para o ano que vem, levando em conta seus gastos no estado e no estrangeiro.
Inclua categorias como habitação, alimentação, vestuário, utilitários, telefone, igreja, seguros, passagem aérea, outros transportes, postagem, fornecimento e despesas de escritório, despesas pessoais, economias pessoais e uma categoria mista para despesas desconhecidas e não antecipadas. Adicione todas as suas despesas, dividida por doze e você terá uma boa idéia de quanto sustento você precisará mensalmente e anualmente!
Seja conservador em avaliar se você tem finanças suficientemente. Geralmente as pessoas estão tão ansiosas que não avaliam quanto tem em dinheiro. Mas a fim de permanecer no campo você precisará ter o bastante em sustento! Pessoas fracassam muitas vezes em seus compromissos em apoiar você. As igrejas podem fechar, você terá despesas não previstas. Sua visão e seu ministério expandirão. Você precisa de sustento o bastante para continuar andando adiante com sua visão.
Quando você mantém o ímpeto adiante de seu ministério, torna-se cada vez mais fácil para manter o nível de sustento que você deseja. Considere levantando pelo menos 15 a 25% mais sustento do que você pensa que precisará, ao menos até que você tenha tido tempo para verificar a exatidão de seu orçamento.

B. Levantando Sustento: Hudson Taylor, o grande missionário da China, dizia, “Fazendo o trabalho de Deus seu suprimento nunca fracassará”. A responsabilidade para levantar seu sustento permanecerá com Deus que o deixará livre de um dos maiores obstáculos para os missionários. Faça seu trabalho e sua atitude levantará o seu próprio sustento.
Nós começamos a levantar sustento enviando boletins para nossa família, amigos e alguns conhecidos no RHEMA que queriam ficar em contato conosco. Eu contatei alguns pastores que tinham estudado no RHEMA comigo para ver se eles estariam interessados em me manter e dividir nossa visão. Eu sempre ofereci livre arbítrio para as ofertas e nunca tenho fracassado em cobrir minhas despesas e recebo o bastante para abençoar nosso ministério.
Nós fazíamos vários intercâmbios do nosso RMAI regional e outros encontros do RHEMA sempre que podíamos. Embora fosse caro viajar para aqueles encontros, em último caso era muito vantajoso em termos de aumento de parceiros e sustento mensal, sem falar no refrigério espiritual que recebíamos.
Nosso RMAI regional me deu boa chance de conhecer os pastores em nossa região. Eles alegremente tinham vindo até mim e dividi minha visão com eles. Alguns deles até ajudaram a arranjar outros encontros para mim! Tínhamos cartões de negócios e brochuras simples impressas do modo quando solicitado, e dávamos a pessoas interessadas em nosso ministério.
Também pedíamos às pessoas em nossa lista de correspondência para deixar que os outros nos conhecêssemos. Imprimíamos alguns cartões de “Compromissos com Parceiros e solicitação de boletim”, de modo que quando viajamos é fácil para as pessoas assinarem para tornar-se um parceiro ou solicitar boletim.
Quando as portas começarem a se abrir, você terá oportunidades de dividir sua visão em outras igrejas locais. Muitos missionários têm medo de itinerar. Seja honesto com você! É uma oportunidade refrescante para ministrar em inglês sem intérprete, e eu aproveito meu companheirismo com os pastores. Eu os escuto e aprendo deles como a maioria deles têm estado no ministério mais tempo que eu.
Estes pastores têm sido extremamente sensíveis aos desafios de missões. E eles não só nos apóiam financeiramente como têm abraçado as necessidades da nossa família inteira!Que diferença isso faz para os missionários no campo.
Nós nunca colocamos as pessoas sobre pressão para dar. Não pedimos dinheiro. Nós simplesmente dividimos o que o Senhor tem feito através de nossas vidas e damos ao povo a oportunidade de tornar-se parte dele. Alguns querem outros não, mas eu vou com a confiança de que há pessoas chamadas para nos apoiar e eu simplesmente confio no Senhor para falar aos seus corações.
Se você pode demonstrar para seus parceiros que você está fazendo progresso visível em direção à sua meta enquanto você está levantando sustento, será um grande benefício pois seus parceiros são encorajados, você é encorajado e a visão se moverá para frente.
Um bom caminho para quem vai iniciar no campo é fazer uma pequena viajem ao campo. Isso dará a você riquezas de informações. Também ajudará a expandir a visão em seu coração e conservar vivo dentro dela até você adquirir um maior estágio no seu ministério. Você pode inspirar seus parceiros mais uma vez com o que Deus tem chamado você para fazer.
Viagens de missão à curto prazo dará a você registro de trajetória e credibilidade. Ajuda você a abrir portas e compartilhar sua visão. E seus parceiros serão animados a ver que você está fazendo progresso na sua visão.
É importante saber o que o seu ministério desenvolverá pouco a pouco. É decisivo que você veja a importância de tomar passos em fé enquanto você se guia na direção do Espírito. Isto faz com que as finanças que você precisa entre e seja visível em seu ministério para seus parceiros.

C. Seu Boletim: A sociedade é baseada de relacionamentos e esses relacionamentos começam a formar-se quando você compartilha sua visão e pessoas podem conhecer você. É essencial que você se comunique com eles diligentemente e freqüentemente. Uma das principais razões das pessoas pararem de apoiar os missionários é que eles raramente se comunicam!
Um boletim é um dos mais eficazes modos de compartilhar sua visão e permanecer em comunicação com seus parceiros e manter a contabilidade para eles.
Comece enviando para as pessoas que conhecem você e que estariam interessadas em ouvir sobre o que você está fazendo.
Boletins não solicitados e aqueles feitos onde não se sabe quem geralmente você é são ineficazes. Entretanto não hesite em encorajar de uma maneira graciosa aqueles que conhecem você para contar aos outros sobre o seu ministério. Pouco a pouco seus contatos e suas bases de sustento começarão a crescer.
Seja consistente com o senso de oportunidade de seu boletim. Se você enviá-lo mensalmente, bimestralmente, trimestralmente, durante o tempo anote rapidamente embaixo às idéias para a próxima distribuição. Quando for escrever seu boletim, veja os tipos de estilos diferentes, formatos e métodos. Dê uma olhada nos boletins dos outros missionários e pegue algumas idéias para si mesmo.
Certamente você quer fazer um boletim atrativo com o mínimo de consumo. E com um pouco de esforço você pode utilizar uma larga variedade de técnicas publicitárias. Entretanto eu sugiro a você que o mais importante no aspecto do seu boletim não seja os gráficos impressos ou o formato mas que você transmita o que você realmente é mesmo.
Um certo ministro me perguntou,”O que você aconselharia a alguém sobre como escrever boletins?”, e eu respondi, “Apenas escreva com seu coração!”. Faça isso e você será bem sucedido. Simplesmente “fale” com seus parceiros através de seus boletins. Seus parceiros são uma extensão do seu ministério.
Embora você deva dividir a visão com seus parceiros em geral, quando vem algo para especificar, você é bem melhor relatando do que pensando no que escrever. Há várias variáveis no campo missionário e há coisas que mudam seu modo de trabalhar como você tinha planejado!
Para realizar o chamado de Deus pra sua vida, você deve escrever a visão e fazer planos não apenas por si mesmo, mas também por seus parceiros, porque Deus não chamará você somente. Ele levantará pessoas para apoiar você, orar por você e encorajar você.
Seus parceiros precisam ser encorajados e envolvidos na visão. Eles devem ouvir o que você ouve, ver o que você vê e sentir o que você sente. Vocês são responsáveis por eles ao Senhor. É absolutamente essencial que você mantenha uma comunicação vital com vínculos entre seus parceiros.

“Desenvolvendo Um Ministério No Campo Estrangeiro”
Há três modos de se desenvolver um ministério em solo estrangeiro. O primeiro é assistir um trabalho já existente de algum ministro nacional, o segundo é assistir um trabalho de algum missionário estrangeiro que já está estabelecido no campo, e o terceiro é ir estabelecer seu próprio trabalho.
Os dois primeiros têm várias vantagens óbvias sobre o terceiro, pois é uma oportunidade de trabalhar embaixo e aprender de um missionário amadurecido ou um ministro nacional. Eu preferia ter feito essa rota mas nós somos o único ministério do Evangelho Pleno em nossa área da Rússia.
Estabelecendo seu próprio trabalho, freqüentemente você começa com apenas uma direção de Deus guiando você, e quando você começa a tomar alguns passos de fé novas direções específicas vem. Veja em Atos 16:6-15 quando o Espírito guiou Paulo para a Macedônia.
Como Paulo, algumas vezes você descobre onde você não está supondo ir! Mesmo assim esta é a direção! Eu particularmente gosto de Provérbios 4:12 que diz:

“Quando andares, não se embaraçarão seus passos, quando correres, não tropeçaras!”

Depois da formatura do RHEMA eu queria ir diretamente para o campo de missão, mas havia dois obstáculos. Primeiro eu não sabia aonde ir, e segundo as pessoas não formavam fila em nossa porta para tornar-se parceiros em nosso ministério!
O único comando que eu tinha era aceitar uma proposta para uma posição de meio expediente como pastor auxiliar de nossa igreja em Wasilla, Alasca. Isso parecia para mim uma direção oposta do que eu queria, mas era um testemunho interior então obedecemos.
Nós vendemos nosso carro para pagar nossas passagens aéreas de volta para o Alasca, e aterrissamos lá com dinheiro bastante para alimentar nossa família por um mês.
Depois daquele passo de obediência a provisão financeira de Deus começou a derramar-se. Nós ainda não tínhamos parceiros, mas éramos abundantemente prevenidos e sem saber estávamos sendo posicionados na nossa capacidade de ir ao campo missionário.
Uns meses depois de retornarmos do Alasca, eu comecei a viajar para a remota Índia e Vilas Esquimós nas regiões do ártico do estado para ministrar. Com cada viagem para o sertão eu ganhei experiência e confiança em seguir o testemunho interior quando sair em novos territórios sem contatos. Foi também durante este período que nós começamos enviando boletins e nossa base de sustento começou a se desenvolver.
Finalmente, em junho de 1990, o Senhor pôs em meu coração que eu poderia ir para a Rússia, do Alasca. Naquele tempo eu ainda não sabia se era possível! Pouco tempo depois com a ajuda de uma rena de um esquimó a esposa de um pastor nos trouxe uma carta de convite de uma família em Provideniya.
Eu fiz minha primeira viajem lá sozinho. Eu não conhecia ninguém e quase nenhum russo. Havia poucos crentes de verdade. Entretanto eu fui com uma confiança dentro do meu coração porque eu tinha um testemunho em meu espírito para ir. Tudo o que eu tinha aprendido viajando pelas vilas nos sertões do Alasca seguindo passo a passo à direção do espírito eu pude colocar em prática. Apenas seguindo cada passo em quanto Deus vai mostrando o resto.
Nós não fomos pioneiros no trabalho em Chukotka. Eu fiz três viagens para Provideniya em Setembro de 1992 para pioneirar uma igreja.
Durante cada viajem que eu fazia para a Rússia mais e mais pessoas receberam Jesus. Começamos a ter crescimento no que diz respeito a aqueles que tinham ouvido o Evangelho como um resultado de nosso ministério, mas que não tinham nenhum pastor para cuidar deles ou ensiná-los.
Realmente não tínhamos nenhuma orientação em qualquer época para mudarmos para a Rússia. Naquele tempo nós nos mudamos de volta para o Alasca depois da formatura do RHEMA e então comecei a viajar para o sertão, simplesmente continuamos a seguir o testemunho interior do Espírito Santo em nossas vidas.
Gradualmente, fomos nos mudamos até que alcançamos a Provideniya. Embora não tivéssemos nenhuma direção espetacular, tínhamos o testemunho sobrenatural do Espírito Santo em nossos espíritos e a confirmação ao longo do caminho que o Senhor nos foi guiando. Naturalmente eu devo adicionar que tivemos um monte de obstáculos e dificuldades ao longo do caminho.
Determinando um local para a nossa missão dentro de Chukotka, vários fatores influenciaram para que fosse em Provideniya. Primeiro, uma porta grande e eficaz de pronúncia nos foi aberta em Chukotka. Segundo, enquanto nós ministrávamos para o povo do Nordeste da Sibéria, nós o amávamos cada vez mais em nossos corações.
Esse povo estava em nosso coração e nenhum outro mais! Provideniya é a cidade principal de nossa região em particular, facilmente acessível ao Alasca. Tínhamos paz em nossos corações de permanecer morando lá por enquanto.
Desde que havia igrejas evangélica nas outras vilas e cidades, nós iniciamos uma igreja lá para os crentes começarem a ser alimentados da Palavra de Deus e serem ensinados do Evangelho pleno.
Nós temos usado muitas avenidas para pregar o Evangelho, incluindo rádio e tv, mais o ministério no jardim de infância primário e secundário e escolas secundárias, orfanato, escola técnica, hospital, e até base militar. Nós também já alcançamos várias vilas. Uma coisa que tem trazido eficácia no alcance de pessoas foi à distribuição de aproximadamente 4.500 livros do Rev. Kenneth Hagin traduzidos para a língua Russa. Nós também temos distribuído suprimentos médicos, vitaminas e uma modesta quantidade de ajuda financeira.
Por uns poucos anos antes de vir à Rússia, sentimos que o Senhor queria desenvolver um grupo de missionários. Tentamos fazer algo enquanto estávamos no Alasca, mas, só começamos a fazer isso no segundo ano em Provideniya. Foi então que nós começamos a apoiar outros missionários, particularmente russos a fim de ajudar e alcançar as vilas e cidades em Chukotka.
Este conceito está ainda se desenvolvendo, mas nossa igreja em Provideniya agora sustenta inteiramente uma equipe de quatro missionários americanos (incluindo minha esposa e eu) e dois missionários russos.
Nossa meta é apoiar missionários até eles se tornarem “auto-sustentadores”, assim que ele puder fazer isso, desviamos esse dinheiro para outro missionário e assim por diante.
Naturalmente sabemos que isso é uma direção que o Senhor tem nos dado e que enquanto pudermos e tivermos direção continuaremos a andar na direção do Senhor.

“Alimente sua fé para conquistar desafios e obstáculos”
Foi dito de Hudson Taylor que ele considerava o maior desafio missionário manter uma meditação constante na Palavra de Deus. Haverá muitas coisas que ao longo do caminho será um desafio e até impedirá você de levar o Evangelho para o povo que Deus escolheu. Pode ser perseguições, condição de vida precária, barreira lingüística, água suja ou apenas falta de encorajamento.
Entretanto se você tomar tempo para alimentar sua fé através da Palavra de Deus, orando no espírito, lendo livros de fé, ouvindo boas fitas, nenhuma dessas coisas moverão você! O ministério de Kenneth Hagin oferece mensalmente aos ministros o “Maná do Ministro” é um grande caminho para alimentar seu espírito regularmente.
Considerações Finais: Eu nunca esquecerei de algo que aconteceu na primeira noite da minha primeira viagem a Provideniya. As pessoas de lá disseram pra mim que depois de 70 anos de ateísmo eles queriam acreditar em Deus, mas foi muito difícil para eles porque eles tinham sido treinados como materialistas desde a juventude.
Então, pelos próximos dias, eu ensinei-lhes sobre a Palavra de Deus, mostrando-lhes nas escrituras quem é Jesus, porque Ele veio, e que sem Deus os homens estão sem esperança neste mundo. Finalmente, na última noite comecei a mostrar a eles suas condições de pecadores e que eles deveriam nascer de novo.
Nesse ponto, uma mulher olhou para mim com lágrimas e disse, “Que maravilha a sua vinda aqui! É como se tivéssemos enchido de cargas e agora nossos olhos têm sido abertos. Você estava em seu país diferente e tinha sua própria vida mas Deus o enviou para cá!”
Para mim isso é a essência da chamada missionária. Nós somos embaixadores de Cristo, pelo qual Deus está reconciliando o mundo para Ele! Se você é chamado para as missões não seja desencorajado pelos obstáculos. Não permita a si mesmo ser lançado fora da sua chamada. Se você é chamado para missões você nunca será feliz fazendo qualquer outra coisa. E qualquer sacrifício que você faça a fim de levar o Evangelho ao mundo, estará longe de ser superado pelas recompensas que você ganhará por ter ido.

CAPÍTULO 5
“MUDANDO PARA O CAMPO MISSIONÁRIO – NOSSA MAIOR AVENTURA!”
Por: Larry e Angela Keeton
Larry e Angela Keeton são os fundadores e pastores do Krestanske Centrum Viry (Faith Christian Center) em Praga, República Tcheca e são também diretores do Domata Centrum Biblickeho Studia (Domata Center for Biblical Studies), uma escola de treinamento de ministros nacionais. Eles se mudaram para a República Tcheca em 1992.
Anteriormente, eles trabalhavam na Igreja Bíblica RHEMA do ministério de Kenneth Hagin e no Centro de Treinamento Bíblico RHEMA por vários anos. Larry se formou no RHEMA em 1988 e Ângela se graduou no seminário em 1977 e em 1992 recebeu um diploma honorário do RBTC, onde ensinou a várias classes.
Juntos eles ensinaram em uma classe da Escola Dominical no RHEMA para solteiros. Larry viajou como evangelista depois de trabalhar no RBC por quatro anos. Ângela trabalhou no RBC por 10 anos como assistente administrativa do Rev. E Sra. Kenneth Hagin Jr. e como instrutora no Centro de Treinamento.

* * *

Nossa jornada para o campo missionário começou muito antes de nós chegarmos lá. Era um passo no qual tínhamos estado em preparação por muitos anos.
Durante os dias de aula em 1975 de Ângela, ela já tinha missões em seu coração juntamente com o ensino das aulas na escola bíblica, mas ainda não era o tempo certo para ir. Então, durante 1983 e 1984 enquanto trabalhava no RHEMA, ela regularmente assistia os encontros de oração semanal pela Rússia e Europa Oriental conduzido pelo RHEMA, então o coração dela tornou-se atraído para a Europa Oriental.
Quando Larry nasceu de novo em 1983 ele disse ao Senhor, “Eu irei para qualquer lugar e farei tudo pelo Senhor, mas se você quiser que eu me escolha vou preferir não ir para o campo missionário!”
Entretanto, esta atitude mudou completamente em 1988 quando estudava no RHEMA. Larry foi a uma viagem de missões para uma reserva indígena Navajo. Enquanto ele estava lá Deus tratou em seu coração sobre missões. Pouco tempo depois ele voltou dessa viagem, nós dois nos encontramos e estávamos casados mais tarde naquele mesmo ano. Sabíamos desde o começo que serviríamos a Deus no estrangeiro.
Em 1990, nós fomos numa viagem missionária para a Áustria, Hungria e Romênia. Nós nunca mais fomos os mesmos! Nossos corações foram movidos de compaixão pela necessidade de testemunharmos o Evangelho nas nações do Oriente Europeu.
No próximo ano e meio Larry fez duas viagens para a Europa Ocidental para a antiga Tchecoeslováquia, ficando um mês em cada viagem. Por todo esse período a visão da escola bíblica na Europa Ocidental se formou em nossos corações. Depois de sua segunda viagem começamos a orar seriamente sobre a mudança para a Europa Oriental.
Um amigo nos sugeriu que conversássemos com Mark e Janet Brazee que também tinham um projeto de escola bíblica européia em seus corações. Depois do encontro com Mark e Janet e orando muito o plano de Deus tornou-se muito claro em nossos corações. Ficamos sabendo que nos mudaríamos para Praga, Tchecoeslováquia para começar e dirigir uma Escola Bíblica trabalhando em conjunto com os Brazees. Larry também tinha em seu coração pioneirar uma igreja em Praga.
Não conhecíamos ninguém em Praga e não tinha nenhum outro missionário lá para ajudar-nos quando chegássemos. Em resumo, nós estávamos entrando na maior aventura de nossas vidas!

“Preparação é essencial – Especialmente mudando-se para o estrangeiro!”
Com apenas seis meses para preparar nossa mudança, Larry era um ministro itinerante e tinha vários encontros agendados até dois meses antes que viajássemos, Ângela deixaria seu trabalho no Kenneth Hagin Ministries um mês antes de irmos. Diferentes do trabalho em tempo integrais, foram encarados a fazer uma tarefa maior e da qual nunca tínhamos feito antes e não tínhamos quase informações para a judar-nos a como proceder.
Através de muita oração, já estávamos nos preparando espiritualmente para esta mudança, mas agora nossas orações já estavam mais focalizadas. Agora nos empenhamos para orar a vontade de Deus para nossas vidas. Orávamos, falávamos a Palavra e críamos por coisas específicas que sabíamos que íamos precisar tais como finanças, moradia, intérpretes, transportes, estudos, favor perante os homens, etc.
Nós cremos e estamos mais convencidos agora desde que chegamos ao campo missionário que a Palavra de Deus é nosso triunfo. A fé é mais importante do que o cartão American Express – não saia de casa sem ele!
Mesmo preparados espiritualmente, nós ainda tínhamos várias perguntas e decisões naturais para encarar. Parecia que cada dia tinha algo novo para decidir!
Por exemplo, sabíamos que tínhamos que embarcar nossas mercadorias para Praga, mas como? O que estava na lei Tcheca uma vez que chegássemos lá? O que pegaríamos e o que deixaríamos para trás? E o seguro de saúde? O que precisaríamos para planejar nosso orçamento? Como iríamos levantar finanças? E a nossa família que estamos deixando pra trás?
Tendo encarado estes assuntos, nós confiamos que as nossas experiências e observações podem beneficiar outros que estarão fazendo a transição para o campo missionário.

“Aspectos práticos não devem ser negligenciados”
Depois de entrar em contato com cerca de 15 companhias de navegação diferentes, vimos que tínhamos muitas variedades e preços diferentes. Podíamos empacotar nossas mercadorias e levar por terra a uma cidade costeira onde eles seriam levados dos E.U.A. para Praga, ou para um país vizinho. De lá teríamos que levá-los para Praga.
Nós escolhemos a companhia fazer o empacotamento e desempacotamento de nossa casa para Praga, mesmo sendo um pouco mais caro. Não tínhamos nenhum contato na República Tcheca, não sabíamos como transportar nossas coisas de nossa cidade para outro país!
A opção mais barata também nos foi disponível que era o cofre de carga de navegação que consiste em você dividir um cofre com uma companhia ou outra família que vai para o mesmo destino. Aconselhamos a possíveis missionários que contatem vários expedidores diferentes, faça várias perguntas e obtenha todas as opções possíveis antes de fazer uma decisão. Pode haver uma diferença muito grande em preços!
Que tal deixar os costumes de seu país de origem? Nós achávamos que os expedidores dos E.U.A. podiam nos ajudar sobre os regulamentos e costumes Tchecos, regulamentos e possíveis custos. A embaixada da Tchecoeslováquia em Washington e a embaixada americana em Praga foram ligeiramente prestativos. Mais tarde percebi que algumas das informações que eles nos deram estavam incorretas.
Sua melhor fonte pode ser um outro missionário dentro do seu país de destino. Para nós americanos pode ser que o regulamento seja um pouco diferente do que em outros países.
Aprendemos que a melhor rota teria sido embarcar nossas mercadorias por alguma igreja ou organização estabelecida dentro do país para evitar cobranças alfandegárias. Infelizmente não conhecíamos ninguém para embarcar nossas coisas! Pagamos 2.000 libras de mercadorias, 3.000 de taxas alfandegárias para a chegada de nosso carregamento em Praga!
Agradeço a Deus pela fé! Nós oramos e encontramos favor perante o povo holandês movendo a companhia que lidou com a porção européia de nosso pagamento. Eles falaram que a cobrança Tcheca equivalia a menos de $500 e nós tivemos nosso dinheiro restituído de volta já que registramos nossa organização com o governo Tcheco!
Obter um seguro de saúde foi um outro obstáculo que tivemos que enfrentar. Nós não achávamos justo que a nossa família ou mantenedores tivesse que providenciar algum tipo de cobertura de saúde. Nosso conselho é que você cheque várias companhias. Nós achávamos que no início as companhias poderiam nos ajudar em viagens em curto prazo, mas muitas poucas companhias nos garantiriam viver em outro país.
No início, estávamos sendo muito honestos sobre a intenção de se estabelecer no estrangeiro. Não queríamos cobertura para mais tarde ser negados pelo fato da companhia pensar que estávamos vivendo no Estado.
Uma outra opção para obter seguro de saúde é dentro do país de destino. Isso dependeria de vários fatores tais como a qualidade do cuidado médico dentro do país, o custo, os requisitos para estrangeiros, etc. Outra vez sua melhor fonte de informação pode ser outros missionários vivendo dentro do país.
Que tipos de coisas você embarcaria para o estrangeiro? Nosso conselho é: Não pague para embarcar algo que você pode obter por um preço razoável dentro do país de destino. Se você puder fazer contato com alguém dentro do país para lhe informar sobre mobília, aparelhos, veículos, alimentos, etc, para que você veja quais os custos adicionais.
Poupe apenas as coisas que não podem ser obtidas no país tais como livros e fitas de estudo, itens necessários para o seu ministério e de natureza pessoal.
Nós levamos alguns transformadores de redução 100/220 volts e alguns plugues de conversão para adaptar aparelhos para diferentes tipos de tomadas no receptáculo.

“FAÇA de seu lar no estrangeiro um refúgio”
Uma consideração importante é a aparência do seu lar. Os missionários veteranos uma vez nos deram um conselho que tem provado ser inestimável. Eles disseram, “Faça do campo estrangeiro seu lar tanto quanto a América!” (ou sua terra natal) como você puder dentro da razão.

“Todo dia você estará imerso em uma linguagem diferente, cultura e modo de pensar. Seu lar precisa ser um santuário onde você, sua família e seus familiares se sintam confortáveis ao redor!”
Nós pegamos o conselho deles. Fizemos os retoques finais em nosso apartamento com quadros de familiares, fizemos a decoração estilo americano, muro difundido com algumas coisas da cultura Tcheca. É um lugar no qual verdadeiramente sentimos paz e conforto. Podemos estudar, orar e se refugiar em nosso lar.

“Levantando Fundos, orçamentando, fé e outras coisas essenciais”
Quando chegou a hora de planejar nosso orçamento, nós incluímos os seguintes itens de despesas: o custo de navegação de nossas mercadorias, passagens aéreas, aluguel de um apartamento, mobília, aparelhos eletrodomésticos, equipamentos básico para nossa igreja e um veículo novo ou usado.
Nosso orçamento mensal começou primeiro de tudo com o dízimo e ofertas. Alguns missionários sentem que eles não precisam dar já que todos os seus rendimentos estão direcionados para o ministério. Mas isso não é verdade! Suas fontes secarão se você não der! Nós damos o dízimo em nossa igreja local em Praga. Também apoiamos outros missionários mensalmente e damos para vários outros quando necessitam. Nós ajudamos com despesas para alguns estudantes que são também membros do Word Partner Club do ministério de Kenneth Hagin.
Nós determinamos que seremos canais de benção financeira para o bem do evangelho. Acreditamos naquela frase que diz, “Se Deus pode conseguir através, Ele conseguirá para você!”
Outros itens de orçamento mensal incluíram aluguel, utilitários, alimento, postal, seguro de saúde, transporte (combustível ou passagem de ônibus), telefone, despesas quaisquer nos estados em nossa ausência, itens pessoais, vestuário, despesas do ministério, etc.
Você pode não saber ao certo até chegar no campo o quanto você precisará de dinheiro para as despesas, você pode estimar um valor para essas coisas tais como literatura, aluguel ou compra de prédio, equipamento, salário para ajudantes nacionais, etc.
Levantar sustento foi uma decisão delicada já que tínhamos seis meses para a viagem. Desde o início de nosso casamento já sabíamos que iríamos para o campo estrangeiro, então trabalhamos para ficarmos livre de dívidas, só faltando um pagamento da casa.
Embora Larry já tivesse encontros programados em várias igrejas que ele havia programado antes mesmo de saber que íamos para o campo, nós não achamos certo irmos lá e levantarmos fundos pra missões.
Então apenas fizemos o que sabíamos fazer no natural e confiar em Deus para o resto. Nós contamos ao povo o que planejávamos fazer. Desse modo eles poderiam se envolver financeiramente se quisessem. Informamos às pessoas ao nosso redor boca-a boca e enviamos cartas para cada.
Nós dividíamos os nossos planos com as pessoas sem colocar pressão em ninguém para dar. Nos decidimos quando casamos que Deus seria sempre nossa fonte e não o homem. Nós estamos muito felizes em ter feito essa escolha bem cedo!
Nós tivemos uma resposta rápida de nossas cartas: os pais de Ângela, os melhores amigos de Larry e um homem que já estava mantendo o ministério de Larry! É desnecessário dizer que aquelas finanças não forneciam tudo o que precisávamos. O tempo passou e houve pouca mudança em nossa situação. Do dinheiro que nós tínhamos compramos as passagens aéreas e fomos em frente.
Um mês antes de partimos não havia mais rendas de nossos empregos e nossas economias estavam esgotadas. Tínhamos cerca de $200 o mês em sustento. Nem mesmo o suficiente para deixar o país! Mas tínhamos acreditado e falado a Palavra chamando a existência de dinheiro. Assim continuamos a tomar passos na direção que sabíamos que Deus estava nos guiando e continuamos com nossos planos de partida.
Não insinuamos a ninguém que precisávamos de dinheiro. Ao invés disso confiamos em Deus. Então cerca de duas a três semanas antes de nossa partida, repentinamente o dinheiro começou a chegar de todos os lados e já tínhamos o suficiente para irmos!
Alguém pode perguntar, “O que você teria feito se o dinheiro não tivesse vindo antes da sua partida?” Essa é uma boa pergunta. Nós teríamos continuado a confiar em Deus pois se Ele estava dizendo para a gente ir, então teríamos ido de qualquer jeito. Mas se houvesse qualquer inquietação em nossos corações, então teríamos permanecido no estado e continuado a levantar sustento suficiente para partir.
Freqüentemente há uma fina divisão entre a fé e a presunção – a diferença está em ser guiado pelo Espírito de Deus.
Nós temos visto missionários se esforçando muito financeiramente no campo e temos visto outros voltarem para sua terra devida à falta de finanças. Isso é extremamente difícil para ambos os missionários e para as pessoas com quem eles estão trabalhando.
Quando você está tentando começar no campo missionário, você não precisa estar debaixo de pressão financeira. Você pode ajustar-se à cultura, linguagem e estilo de vida tão bem quantos as condições e situações diferentes no ministério sem ter que estar debaixo de um fardo financeiro. Nós aconselhamos fortemente aos missionários para levantar sustento adequado antes de partir ao menos que eles tenham um mandato de Deus para fazerem de outro modo.
Em nossa experiência, a maioria do nosso sustento financeiro chega de fontes inesperadas. Temos conversado com outros missionários que tem dito a mesma coisa. Deus ainda requer que você viva pela fé.
Todo mês, oramos e concordando por uma quantia específica de sustento e então agradecemos a Deus porque está vindo! Quando recebemos aquela quantia nós crescemos Nele! Deus é Fiel! Nós sempre dizemos: ”Nunca faltará finanças ou qualquer outro recurso que precisaremos para realizar a vontade de Deus!”

“Mantendo linhas de sustento através da comunicação”
Uma vez que o sustento está levantado, entretanto deve ser mantido. Uma coisa que acreditamos ser muito importante nessa área é manter um contato constante com nossos contribuintes para deixá-los saber o que nós estamos fazendo no campo.
Temos falado com pastores que tem dito que raramente ouve de alguns de seus missionários o que eles estão fazendo. Isso não é bom. Nós precisamos ser responsáveis por aqueles que dão suas ofertas e orações para ajudar-nos em nosso trabalho.
Uma ou duas vezes por mês nossos parceiros ouvem de nós qualquer coisa na forma de relatório ou agradecimento pela ajuda deles. Sabemos que o campo pode tomar muito nosso tempo. Mas nós temos reservado um tempo especialmente para conservar contato com nossos mantenedores. Eles são nossos cooperadores na colheita e nós os queremos envolvidos no que nós estamos fazendo. Eles podem se envolver de uma forma mais intensa se forem informados.
Nossos negócios são conduzidos diretamente de Praga. Os escritórios dos Brazees em Tulsa lida com a receptação e recebimento de finanças dos nossos contribuintes e envia-nos uma cópia mensalmente. Nós enviamos reconhecimentos, boletins e outras correspondências de Praga. Lidamos com nossos negócios todos daqui do estado. Antes de deixamos Oklahoma nós fizemos contas em bancos automáticos para fazer os saques mais fáceis pra nós.
Não tivemos nenhuma necessidade de incorporar nosso ministério até agora. Mas somos registrados na República Tcheca, assim temos um quadro do ministério composto de Tchecos, Mark Brazee e nós mesmos. Conservamos em nossa igreja os registros financeiros da escola e um programa no computador sobre a contabilidade de nossos encontros regularmente. No caso de sermos questionados pelas autoridades, tudo está em ordem.

“Dizendo adeus para as pessoas amadas”
Uma área que foi muito difícil para nós antes de irmos para o campo foi o fato de deixarmos nossa família para trás. Sabemos o que é chorar nos aeroportos depois de deixar nossa família para trás. Mas eu te digo que você será uma maior ajuda e benção para sua família fazendo a vontade de Deus do que fora da vontade de Deus!
Você pode estar deixando para trás pais idosos, membros da família sem salvação, etc, mas coloque-os nas mãos de Deus. Quando nos mudamos definitivamente para a República Tcheca sabíamos de uma coisa, “Nós estamos indo cuidar dos negócios de Deus e Ele cuidará da nossa família!” E Ele está! Nós e outros missionários que conhecemos temos visto a intervenção divina de Deus para curar, prosperar e trazer membros da família para a salvação enquanto estávamos do outro lado do mundo! Ele é fiel para cumprir sua Palavra!

“Estabelecendo seu ministério através da fé e paciência”
Sabíamos que uma vez que chegássemos em Praga, nós estávamos para estabelecer um centro de treinamento de ministros e uma igreja. Agora que estamos aqui há algum tempo, outras áreas tem sido acrescentadas a nossa visão tais como traduzindo e imprimindo livros, distribuição de fitas cassetes, cruzadas e implantando igrejas.
A visão é maravilhosa e muito importante, mas é ampliada a cada dia e cada tempo passo a passo. Temos que exercitar muita paciência para ampliar nossa visão no tempo certo de Deus e termos pessoas para ajudar-nos.
O primeiro passo foi conseguir estabelecer o ministério em um fundamento sólido. Queríamos algo que durasse e não algo que voasse do dia pra noite. Não queríamos ter que começar no ministério e depois ter que parar pelas autoridades ou ter barricadas para vencer devido às legalidades. Isso significou o registro de nosso ministério com o governo Tcheco.
Abaixo do sistema pós-comunista, o processo de registro exigiu muito trabalho, meses de tempo empregado e paciência inacreditável! De primeiro ninguém sabia o que precisávamos para registrar nosso ministério com o governo. Gastamos dias indo de um escritório a outro de Praga para obter informações. Mas Deus nos guiou para um homem Tcheco que conhecia o procedimento e nosso ministério foi registrados dez meses depois que iniciamos!
Também obtemos visto de residência a longo-prazo. Também tivemos que crer por causa dos requerimentos para o visto. Chegamos a preencher uma página inteira e os requerimentos eram praticamente impossíveis. Nós oramos e dizemos ao Senhor que se fosse necessário ele era capaz de mudar a lei para nos dar os vista!
Três meses mais tarde a Tchecoeslováquia se dividiu em dois países – a República Tcheca e a Slováquia e a exigência para os vistos mudaram totalmente! Em seis meses obtivemos os nossos vistos.
Um grande desafio para nós foi estarmos sozinhos sem intérpretes para os primeiros sete meses que estávamos no país. Deus moveu-se sobre uma mulher nos E.U.A. em uma igreja onde Larry tinha ministrado. Ela foi criada em Praga e ainda tinha amigos lá. Dentro de dois dias da nossa chegada ela nos encontrou no apartamento da cidade onde várias pessoas estavam na lista de espera por apartamentos à vários anos! O que é testemunho da provisão de Deus! Depois que ela voltou para os Estados Unidos ficamos sem ninguém para nos ajudar a se comunicar.
Nós usávamos o melhor que podíamos na linguagem. Finalmente encontramos outro intérprete e achamos um prédio para alugar. Estávamos prontos para iniciar a nossa igreja Centro Cristão da Fé. Passamos a distribuir impressos no metrô, aeroportos, mostrando o filme Jesus em Tcheco três vezes no período de duas semanas. Fizemos nosso primeiro culto no domingo, ninguém apareceu. O que fizemos? Pregamos como se o prédio estivesse cheio! No próximo domingo havia duas pessoas!

“Seja fiel em cumprir sua parte e Deus fará a parte Dele!”
Algumas vezes ouvimos histórias de sucessos de missionários da noite para o dia e graças a Deus por cada um deles! Mas muitas vezes o trabalho missionário é apenas planejar e se fortalecer em fé e paciência. Um ano mais tarde nossa igreja tinha 48 pessoas como membros e os líderes estavam começando a se fortalecer no centro do nosso grupo.
Domata Center for Biblical Studies seguiram o mesmo modelo de desenvolvimento como fizeram a igreja. Estes nove meses de escola de treinamento para ministros está funcionando de segunda à sexta por três horas e meia. Começamos a escola uma semana depois da igreja. Embora fizéssemos tudo o que sabíamos fazer para conseguir estudantes, no primeiro ano tivemos apenas seis alunos. E três deles fizeram a matrícula de última hora!
Mas no segundo ano nossa matrícula tinha quase triplicado. Agora os formandos do último ano estavam começando a dar frutos. Uma igreja de graduados está explodindo com novos convertidos e ele está para começar novas igrejas nas vilas.
Tivemos que crer em Deus por cada estudante e por cada membro da igreja. Todo o tempo que estávamos crendo parecia no natural que não tínhamos pessoas para ministrar. Mas Deus é verdadeiro e sua Palavra nunca falha! Dentro dos últimos seis meses foram capazes de começar a imprimir os livros de Kenneth Hagin para a língua Tcheca. Nosso progresso não tem abalado a Terra. Ao invés disso, tem devagar e constante mas podemos ver que está aumentando no tempo certo.
Todos os países a até cidades dentro do mesmo país são diferentes. Há diferentes graus de oposição das igrejas ou religiões estabelecidas, situações diferentes, estações de colheita diferentes. Alguns missionários chegam no país onde outros têm lavrado a terra e preparado o caminho, é tempo de colheita!
Outros têm que ir primeiro e fazer a aração e plantação a fim de haver uma colheita. Não permita a si mesmo se tornar desencorajado e comparando-se a outros em outros lugares. Você apenas precisa responder essa questão, “Estou fazendo o que Deus me mandou fazer?”
Se a resposta é positiva, continue sendo fiel. Deixe Deus fazer sua parte. Se você tenta fazer a parte de Deus você se frustrará e continuará depressivo. Você nunca crescerá e se crescer, será um crescimento sem valor. Permaneça firme, mesmo que pareça algo insignificante e sem valor, mesmo que as circunstâncias digam que você nunca conseguirá. Deus está com você e Ele recompensará seu trabalho com crescimento.
A maioria dos casos desafiadores que temos tido é os ataques de desencorajamento, a língua e as diferenças culturais, sentimentos de isolamento e o fato de que o progresso visível não tem vindo tão rapidamente quanto desejássemos.
Isto é onde nós temos tido que aprender a nos encorajar no Senhor. Oração, adoração e ações de graça. É fácil gritar depois que os muros caíram, mas temos que aprender a gritar quando os muros surgem diante de nós como montanhas.
Conservando nossos olhos na Palavra tem nos ajudado a ficar firmes em fazer o necessário, vendo sempre o resultado do que se manter focalizado nas circunstâncias. Nós temos escrituras específicas colocadas em nosso lar que regularmente concordamos juntos para nossas vidas pessoais e ministeriais. Nós conservamos a Palavra lendo ou como música alegre tocando em nossa casa junto com fitas de ensino que ministrarão para nós pessoalmente em áreas de fé, cura, vitória, etc e podemos ficar bem ocupados!

“A IMPORTÂNCIA DO COMPANHEIRISMO DENTRO E FORA DO CAMPO”
Temos solicitado a outros missionários para serem nossos companheiros e temos particularmente dois amigos que necessariamente não crêem como nós mas reconhecem a importância do companheirismo.
Nós paramos para falar com eles não para entrar em conflitos doutrinários, em vez disso focalizamos os assuntos que concordamos e aproveitamos a companhia um do outro. Sendo americanos e amigos de sulistas nos deram muita coisa em comum. Tínhamos refeições mexicanas, negócios úteis, informações ministeriais, noticiam do estado e oramos uns pelos outros. Nós até os ajudamos a começar uma igreja antes mesmo da nossa.
Se você estiver na linha da “Palavra da Fé” como missionário em uma área que não têm muitos como nós, sentimentos de isolamento podem vir, mas não se isole pelo fato de não querer ser companheiro de outros missionários de outros grupos. O corpo de Cristo é grande e diversificado e cada parte é útil e precisamos uns dos outros.
Ao menos uma ou duas vezes por ano, nós voamos de volta para os Estados Unidos. Nós incluímos esta despesa em nosso orçamento, e por voar na mesma linha constantemente, já ganhamos passagens de graça com nossas milhas. Sentimos que é muito importante para o nosso próprio bem-estar voltar aos Estados Unidos periodicamente. Se nós não nos desenvolvermos o ministério sofrerá conseqüência. Assim voltamos por três motivos: visitar a família, refrigério espiritual e visitar as igrejas que nos apóiam ou que gostariam de ter nossa visita.
Em nossa agenda planejamos assistir encontros onde sabemos que podemos ser ministrados e nós passamos tempo com outros ministros a fim de sermos companhia pra eles e sermos ajudados. Também gostaríamos de encontrar pessoalmente o tanto quanto for possível de mantenedores. Durante cada viagem temos que planejar tudo cuidadosamente e cada passo dado lá dentro. Por outro lado, voltamos para o campo exaustos e com a agenda cheia e muitas vezes pensamos em não voltarmos aos Estados Unidos.

“se tivéssemos que fazer tudo outra vez…”
Os mais velhos sempre dizem, “Percepção tardia é melhor do que previsão”; e se nós tivéssemos que fazer tudo novamente, definitivamente faríamos algumas coisas diferentes. Mas primeiramente nós teríamos nos concentrado em duas áreas: sendo mais específicos em oração para certas ajudas pessoais que precisaríamos e aprender a língua mais cedo.
Se você sabe que estará indo para um lugar que você não fala a língua, comece a aprender a língua deles. Faça cursos ou consiga fitas e comece aprendendo tanto quanto você puder antes de partir. Você não pode contar com um intérprete para sempre!
Também ore até o fim pelo o plano de Deus pra sua vida antes de deixar o seu país. Orando em outras línguas e também em seu entendimento. Ore e creia por ajuda específica que você vai precisar tais como intérpretes, músicos, secretárias, ministros de crianças. Você precisará mais cedo do que você pensa e é melhor ter por eles esperando por você antes do que você esperando por eles.
Além disso, permita que o Espírito Santo ajude você a orar por pessoas e coisas que você ainda não sabe que vai precisar. Não fique preocupado, para que não naufrague na fé, você terá muito que orar quando chegar em seu país de destino!

Outras Considerações:
Concluindo, se pudermos compartilhar alguma coisa com um futuro missionário seria isso: o campo missionário como qualquer outra área do ministério requer duro trabalho e obstinada persistência diante dos obstáculos. O contrário do que algumas pessoas pensam, o campo missionário não é glamoroso. Ele não é um lugar para se criar fama internacional para si mesmo ou um modo de escapar de uma vida problemática ou insatisfeita em seu país. Qualquer que seja os problemas de uma pessoa em seu país, será ampliado no campo missionário.
O campo não é um bom lugar para aqueles que tem um casamento com problemas ou uma vida em casa problemática, quando as pressões de uma diferente cultura e novo modo de viver colocará tensão adicional nos relacionamentos.
Uma pessoa deve ter certeza que Deus o chamou para o campo antes de fazer as malas e se mudar para um outro país. Se estabelecer no estrangeiro não é algo que é facilmente desfeito uma vez que tenha sido feito e haverá muitas oportunidades para questionamento porque você retornou do campo. Todo o tempo os questionamentos chegam, mas nós fomos capazes de enfrentar o diabo de frente porque sabíamos que Deus tinha nos enviado. Entretanto, nós não partimos até Deus dizer: Vai! Ouvindo de Deus faz toda a diferença.
Também recomendamos ficarem livres de débitos o máximo possível. Além disso seria bom fazer uma viagem prolongada ao país onde você vai servir antes que se mude completamente para lá. Tudo pode parecer bom por uns poucos dias ou uma semana, assim, esteja certo de dar a si mesmo um tempo para se passar por turista. Você precisa realmente conhecer o país, suas condições de vida, trabalho que precisa ser realizado lá. É tolice se mudar para o campo simplesmente na base da emoção ou inspiração.
Educando-se a si mesmo sobre o país e a necessidade de lá e visitando pessoas dará ao Espírito Santo algo para trabalhar enquanto você ora. Então ore até você esteja certo em seu coração.
Quando você for para o campo missionário, vá com o coração para servir, querendo fazer algo para ser um abençoador. Trabalho missionário é muito mais que pregar e ensinar. Há também um grande trabalho físico que precisa ser feito, principalmente se você está iniciando seu próprio ministério ou então indo trabalhar com alguém mais. Determine antes do tempo que nenhum emprego será indigno de sua “dignidade” para trabalhar em qualquer área necessária. Tendo esta atitude você será uma grande benção no campo e as portas do ministério se abrirão prontamente pra você.
Deus está enviando você para o campo missionário, isso será uma grande aventura para você! Os campos do mundo estão prontos para colheita e a necessidade de trabalhadores nunca foi tão necessária! Nações inteiras esperam para serem alcançadas com o Evangelho da vida. Deus está preparando os corações daqueles que você ministrará e eles estarão prontos para você quando você chegar lá.
Vá com confiança e audácia, determinação em fazer o plano de Deus se cumprir através de você. Nós podemos afirmar a você que nem sempre será fácil, mas a alegria em levar a Palavra àqueles que jamais ouviram é muito compensador.
Estamos nos últimos dias do grande ressurgimento da história do mundo! A glória de Deus vai cobrir toda a Terra e Ele manifestará sua glória através dos seus vasos humanos. Então permaneça no lugar que Ele o colocou e seja fiel. Deus usará você no lugar que você está para mudar o curso dos povos e nações!

CAPÍTULO 6
“RECONHECENDO, DESENVOLVENDO E UTILIZANDO SUA CHAMADA PARA MISSÕES”
Por: John Romick
Em 1980, John Romick se formou em Bacharel em Ciências de Computação na National College de Rapid City, South Dakota. Ele se formou no RHEMA em 1984 e após três meses da sua formatura, partiu para o campo missionário em Quetzaltenango, Guatemala, onde ele encontrou e casou-se com sua esposa, Alba.
No final de 1988 o Senhor enviou os Romicks para Bogotá, Colômbia. Eles são os diretores do Mission Colômbia, que consiste de uma igreja local, escola bíblicas e uma associação ministerial.
Jonh e Alba têm dois filhos: Jonh David com cinco anos e Daniel com dois.

* * *

“Missões – Ensinando fidelidade aos homens”
II Timóteo 2:2
E o que de mim entre muitas testemunhas ouvistes, confia-o a homens fiéis que sejam idôneos para também ensinarem a outros.

Isso tem sido dito que a missão das missões é a Igreja, e a missão da Igreja é missões. Para mim que estou no coração de missões, ensino fidelidade aos homens que voltarão a ensinar outros. Isto é, porque concentramos nosso trabalho de missões nas Escolas Bíblicas, Centros de Treinamento, igrejas locais, etc. Agora estamos em uma posição no ministério que a maioria das aulas em nossa Escola são ensinadas pelos ministros nacionais.

Atos 19:8-10
E entrando na sinagoga e falou ousadamente por três meses, discutindo e persuadindo acerca do Reino de Deus;
Mas, como alguns deles se endurecessem e não obedecessem, falando mal do Caminho perante a multidão, retirou-se deles. Levou consigo os discípulos, e discutia todos os dias na escola de Tirano;
Durou isso dois anos, de modo que todos os que habitavam na Ásia ouviram a Palavra do Senhor Jesus, tanto judeus como gregos.

Lendo o versículo 9, podemos ver que Paulo estava na escola de Tirano pregando a Palavra de Deus diariamente. O resultado foi que dentro de dois anos, toda a Ásia Menor tinha ouvido a Palavra de Deus.
Não acredito que toda a Ásia Menor ouviu a Palavra de Deus por intermédio somente de Paulo. No verso 9 diz que ele ministrava diariamente na escola. Eu creio que os estudantes da escola bíblica de Tirano conseguiram se incendiar e voltaram para seus próprios países, cidades, família e amigos e começaram a pregar o Evangelho. O que aconteceu como resultado? Dentro de dois anos, toda a Ásia Menor ouviu o Evangelho!
Esse é o modo como conduzimos nosso trabalho em missões. Treinamos os trabalhos de missões nacionais para seu próprio governo, sustento e propagação. Os missionários estrangeiros precisam aprender a confiar mais nos nacionais e delegar responsabilidades.
Um missionário pode fazer cruzadas evangelísticas, mas se não tiver nenhum acompanhamento, não haverá nenhum impacto duradouro. Nós queremos fazer algo de valor eterno para o Reino de Deus na Colômbia para o fruto permanecer, e nós cremos que treinar ministros nacionais é o modo de se fazer isso.

“Escolas Bíblicas”
Começamos nossa Escola Bíblica interdenominacional em Bogotá, mantendo aulas aos sábados, assim seria fácil para a maioria das pessoas assistir. Muitas pessoas têm que trabalhar durante a semana e as aulas à noite são muito difíceis para muitos devido à distância.
Depois que iniciamos a escola bíblica, começamos a expandir escolas. Uma expansão da escola é uma escola móvel que vai para diferentes cidades para ajudar pastores de pequenas igrejas e preparar o povo deles para liderar. Através das escolas em expansão, aulas são ensinadas como na escola bíblica, só que menos extensas.
As escolas em expansão são um grande benefício para os pastores locais que participam. Os formandos destas escolas em expansão tornam-se nossos ajudadores no ministério.
Tentamos fazer a escola tão barata quanto possível. Nossos estudantes pagam cerca de sete dólares por mês, incluindo livros. Nós trabalhamos com aqueles que não podem proporcionar dando-lhes um desconto de acordo com seus rendimentos e circunstâncias.
Todos aqueles que recebem o desconto são esperados para ajudar a limpar o prédio depois dos encontros. Há um intervalo de meia hora para os alunos lancharem na cafeteira, que colocamos exatamente pra ocasião. Os lucros da cafeteira ajudam a manter a escola bíblica, incluindo o ensino dos estudantes.
Os ministros nacionais que ensinam recebem uma oferta de amor no final das aulas se eles não já foram pagos pelos membros da equipe. Os missionários recebem o sustento deles dos Estados Unidos. Temos tido isso com eficácia e agora estamos no sétimo ano das Escolas Bíblicas.
Nossa meta é cobrir a Colômbia com a Palavra de Deus! Com isso em mente nossos alunos dão um resumo de suas aulas no fim do ano escolar, para que eles mesmos possam ensinar para outros. Queremos até o fim do ano distribuir os resumos para que eles mesmos tomem suas notas durante o ano para estudar seus testes. Também temos planos de expandir nossa escola em tempo integral brevemente.

“A Visão”
Nossa visão é manter e aumentar nossos alcances em quatro áreas: (1)nossa igreja local; (2)nossas Escolas Bíblicas; (3)a missão na Colômbia com patrocinadores em seminários e cruzadas evangelísticas e (4)viagens missionárias.
Em nossa igreja local na Colômbia, atualmente temos cerca de 250 membros ativos que estão crescendo na graça e no conhecimento de Deus. A Igreja tem uma associação ministerial e patrocinadores de um programa de rádio diário que pode ser ouvido por toda cidade.
Temos várias extensões da escola bíblica por toda a Colômbia. Através dessas escolas nós estamos levantando líderes qualificados no Corpo de Cristo. Esses líderes são bem equipados para ensinar e pregar o Evangelho de Jesus nas várias cidades deles, centros e vilas e até outras nações. Temos formado mais de 1.200 estudantes nessas escolas.
Nosso ministério, a Missão Colômbia tem patrocinadores em seminários e cruzadas evangelísticas. Esses seminários têm sido uma ferramenta eficaz usada por Deus para promover as escolas bíblicas em diferentes partes da Colômbia e para focalizar os ensinos da Bíblia que são confirmadas pelos sinais.
Através dos seminários e cruzadas, temos visto centenas de pessoas saírem do poder da escuridão para o Reino de Deus. Aqueles crentes juntamente com outros querem conhecer mais sobre o poder de Deus e transformar a vida pela Palavra de Deus.
As viagens missionárias são também uma parte fundamental no trabalho que estamos realizando aqui na Colômbia. Essas viagens ajudam os crentes a olharem os campos que já estão brancos para a colheita (João 4:35). Aqueles que participam experimentam diferentes aspectos do ministério, incluindo testemunho na rua, ajudando na igreja e orando por pessoas em campanhas. Eles obtêm uma perspectiva mais ampla sobre missões no estrangeiro e é uma experiência de mudança de vida para todos os envolvidos.

“Minha própria chamada”
Antes de assistir as aulas no RHEMA, o Senhor já tinha me falado durante um período de oração que eu ia para o sul. Durante o meu tempo no RHEMA, o Senhor colocou a América do Sul em meu coração e eu comecei a orar por isto continuamente. Depois de ir a Guatemala para treinamento, o Senhor falou comigo para ir a Bogotá na Colômbia. Minha esposa da qual eu encontrei em Guatemala, deixamos Guatemala na direção do Senhor.

“Aprendendo a Língua”
A importância de aprender uma língua faz disso uma prioridade. Você pode dobrar sua eficácia e eliminar muita frustração concentrando-se na aprendizagem de uma língua tão rápido quanto possível. Isso levará tempo e dedicação e quanto mais você conhecer, melhor será para as pessoas que você estará ministrando!
Tornando-se fluente na língua não é uma sugestão, é um dever para toda missão em longo prazo se você quer trabalhar eficazmente no campo. Recomendamos que nos primeiros seis meses do primeiro ano, você gaste 50% do seu dia estudando a língua.
Muitas pessoas têm o conceito errado nessa área. Alguns pensam que Deus lhes dará a linguagem sobrenaturalmente. Isso está errado! Deus ajudará você, o Espírito Santo trará à sua memória aquilo que você tem aprendido – mas você deve estudar e preparar-se.
II Timóteo 2:15 diz, “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.” Se nós devemos estudar para nós mesmos sermos aprovados por Deus no que diz respeito à sua Palavra, o que nos faz pensar que Ele nos “daria” a língua sem estudarmos?
Certamente eu entendo que em várias vezes o Espírito Santo nos dará uma mensagem em outras línguas. Havia 120 pessoas naquele lugar no pentecostes que falaram sobrenaturalmente, cada um que os ouvia falar, escutava na sua própria língua nativa. Mas estas coisas não acontecem diariamente, e quando acontece, não é como desejamos, mas sim como o Espírito quer (I Co 12:11).
Quanto mais jovem você começar a estudar outra língua, mais fácil será para você! Por exemplo, as crianças aprendem a falar mais rapidamente quando são rodeadas por outros que falam a mesma língua. E uma pessoa mais jovem entre 15 e 20 anos pode aprender uma língua e ser fluente em apenas seis meses. Alguém que tem entre 20 e 25 anos pode aprender em um período de um ano.
Aqueles que tem entre 25 e 30 anos, podem aprender em média em dois anos para se tornar fluente. Aqueles que tem entre 30 e 35 usualmente tiram cerca de três anos. Para cada cinco anos em idade, o tempo geralmente que tomam para aprender e serem fluentes em uma nova língua aumenta um ano.
A meta do missionário é tornar-se fluente o bastante na nova língua para pregar o evangelho e ensinar sem um intérprete. Assim, minha recomendação é que comece a aprender a língua tão cedo quanto for possível, conservando na mente que quanto mais jovem você começar, mais fácil será para você.

“Choque cultural”
O choque cultural é bastante natural e é esperado quando nos mudamos para outro país. Algumas pessoas parecem reagir mais do que outras, mas todos nós podemos ficar prontos para experimentar isso em algum tipo de grau de reação. Isso é normal e saiba que você não está sozinho.
Eu li um livro chamado Great Commission Handbook (How To Build na Anti-Shock Kit) que define quatro fases para um missionário ajustar-se em um outro país ou cultura. Durante a primeira fase você ainda é um turista. Você chega no país com ares romântico, tudo parece estranho. Seu novo país parece tão interessante! A euforia de sua experiência turva-se nas diferenças culturais.
Na segunda fase sua nova cultura já não parece tão fascinante. Você torna-se muito frustrado com as diferenças culturais, na verdade elas podem parecer tão grande que parecem intoleráveis. Sentimentos de raiva, irritação e desamparo junto com a fadiga produzem os sintomas clássicos de choque cultural.
A terceira fase é um período de recomeço. A idéia de fazer eventos não parece mais tão estranho. A confiança retorna e os sentimentos negativos vão dando lugar aos positivos.
A quarta fase é a aceitação. Entendimento e senso de humor retornarão e você começa a relaxar. Você agora é um “expert” pronto para compartilhar conselhos com recém chegados que estarão prontos a ouvir você porque eles ainda estarão na primeira fase.
Quando você se muda para um país estrangeiro, você tem que contar com outros para tudo o que você for fazer. Você terá que aprender muitas informações e quanto mais informações você tiver, melhor. Perguntas como “quem”, “o que”, “quando”, “onde” e “porque” é necessário, mas não seja tímido a fazer perguntas nem exagere, isto ajudará você em sua nova cultura.
Aprenda a fluir com a cultura onde você está. Ponha a idéia de que a cultura da sua terra é superior fora da sua cabeça! Olhe para a sua nova cultura como uma mera cultura diferente.
Um exemplo simples de uma cultura diferente aqui na Colômbia é que os colombianos misturam diferentes tipos de ingredientes doces em suas comidas e bebidas. Por exemplo, eles não colocam marshmallows no seu chocolate quente como os americanos fazem, ao invés disso ele colocam queijo no chocolate quente deles! É perfeitamente “normal” para um americano por marsmallows no seu chocolate quente, mas para um Colombiano isso seria considerado muito anormal. É um modo melhor que o outro? Não, simplesmente uma diferença de cultura.
Se você tem uma atitude superior, poucos vão querer ouvir você. Aprenda a ser “um judeu para os judeus e um grego para os gregos” (I Co 9:20-22). Você verá que as pessoas serão mais receptivas a você.
Um outro potencial de diferença na cultura que você encontrará é a questão da pontualidade. Muitos países não consideram a pontualidade uma virtude. Na verdade eles não consideram em nada a pontualidade. É um conceito estrangeiro para eles! Para muitos, conseguir que uma tarefa seja realizada no dia planejado é a maior realização!
Aqui na Colômbia, chegar tarde é culturalmente aceitável. Por outro lado não é aceitável ou educado entrar na presença de alguém ou em uma sala sem falar com cada um individualmente. E quando se despedir tem que apertar a mão de cada um e dar um beijo no rosto. Por essa razão, muitas vezes os americanos são vistos como rudes ou mal educados, quando o que acontece são as diferenças culturais!
É importante aprender a se adaptar à cultura onde quer que você vá sem criticar.

“Boletins”
Achamos que enviar um boletim trimestralmente com fotos para nossos cooperadores seria muito bom. Então uma vez por mês, nós enviamos uma carta de agradecimento para cada apoiador com atualização dos eventos do mês.
Também achamos que com um pouco de experiência já podíamos produzir boletins de boa-qualidade em um computador usando um scanner para as fotos e um programa de gráficos no computador. Uma impressora a lazer é necessária para obter melhores resultados.
Produzindo cópias de qualidade como no original, pudemos reduzir nos desgastes de nosso computador e de tinta, porque ambos gráficos e fotos gastam muitas tintas. Desse modo nós podemos ser bons administradores e conservar nossos mantenedores bem informados de um modo mais econômico.

“Itinerando”
Temos visto muitos missionários que gastam mais tempo itinerando do que no campo. Nós não sentimos que isso seria necessário. Gastamos um mês por ano itinerando e nós confiamos em Deus para o resto. Ministrando nas igrejas que nos apóiam têm sido um modo de manter um relacionamento sólido com eles e nos tem adicionado bençãos financeiras extras.
Tentamos ministrar em novas igrejas enquanto o Senhor abria as portas. Nós temos descoberto que meses itinerando não é necessário ao menos que se esteja começando um novo trabalho. Nosso conselho para os missionários é confiar no Senhor. E para os novos missionários encorajamos vocês a não desprezarem o dia dos pequenos começos. Dificuldades e obstáculos financeiros não são incomuns no começo do ministério no estrangeiro. Temos visto que as bençãos de Deus são acumulativas e a prosperidade é um processo.

“Economia”
A fim de assegurar seu auto-sustento nós acreditamos que é um pensamento errado que o trabalho deve ter fundos para o estado (ou fundos de outras nações) a fim de ser mantido. Se esse fosse o caso, então o que aconteceria se o missionário que começou a trabalhar foi chamado por Deus para um outro país ou começar um outro trabalho no mesmo país? Se o trabalho do missionário já tem começado não é auto- sustento, isso desabará e não haverá nenhum fruto sobrando.
Um outro inconveniente de permitir um trabalho para depender das finanças do lado de fora é que as pessoas tornam-se dependentes da ajuda de fora e começam a olhar para o missionário e a ajuda de fora como a fonte deles ao invés de olhar para Deus.
O orçamento para nosso trabalho na Colômbia, incluía aluguel, utilitários, finanças para operar a extensão das escolas, salários, etc, vem inteiramente da Colômbia. O trabalho é completamente auto-sustento, que foi nossa meta desde o início.
Noventa por cento de nosso programa de construção têm sido fundado por nossos membros da igreja por vontade deles mesmos. O projeto custará $320,000 dólares. Talvez não muito para os dólares americanos, mas para um país de terceiro mundo onde o salário mínimo é 77 centavos por hora, é uma quantia enorme. Mas Deus fornecerá, não somente através de fontes exteriores!
Alguns missionários têm a idéia de que algumas pessoas são pobres demais para dar alguma coisa. Nós temos visto pessoas serem abençoadas e prósperas por Deus enquanto eles davam do que tinham. Nós acreditamos que a igreja será construída por seus membros.
Projetos e criação de fundos são bons métodos de trazer unidade à igreja enquanto eles trabalham juntos para realizar a meta. Cremos que ensinar nosso povo a dar e dar-lhes a oportunidade de fazerem assim, sem colocar pressão, então Deus os prosperará por sua fé e obediência, eles devem aprender por si mesmos a benção de semear e colher. Para parafrasear um velho ditado,”Se você der ao homem um peixe ele terá uma refeição, mas se você ensinar um homem a pescar ele pode comer todos os dias de sua vida!”

“Estilo de vida missionária”
A pessoa que deseja tornar-se um missionário deve ser essencialmente fiel em sua igreja local e submeterem-se a um pastor. Fidelidade é uma chave muito importante para ser um sucesso no campo. Por exemplo, se você não tem sido uma benção em seu próprio país, você não será uma benção no país dos outros.
Seu pastor ficaria triste ao ver você partir por causa da ajuda que você têm dado a ele e à igreja local. Mas se você não tem sido um servo em sua própria igreja e em seu próprio país, simplesmente cruzando a fronteira não mudará você. Aqueles que são fiéis e que são uma benção em casa, será o mesmo no campo missionário. Em outras palavras, aqueles que são fiéis no pouco também serão no muito (Lc 19:17).
Umas vidas de oração bem equilibradas e boas hábitos de estudo são essenciais se você espera ter algo para dar ao povo espiritualmente. Estes hábitos devem ser desenvolvidos antes que você vá para o campo. Águas vivas não podem fluir de uma pessoa que não está cheia. Elas podem pingar mas você precisa mais de um pingo para impacta os corações das pessoas.
É também importante fazer amigos e ter bons relacionamentos com as pessoas uma vez que você chega no campo. É necessário ter contato íntimo com as pessoas para que você as possa conhecer melhor e ministrar nas necessidades delas.
Jesus ficou conhecido como amigo dos pecadores e publicanos. E da mesma forma precisamos escutar os corações das pessoas de quem nós vamos ministrar e aprender sobre elas. Não devemos ser conhecidos como pessoas que sobem ao púlpito para ministrar uma palavra, alguém que vêm dar alguns folhetos e mostrar filmes ou pedir dinheiro.
Um estilo de vida missionária não deve ser de muita luxúria. Por exemplo, se ministros nacionais vêem você comer em um restaurante onde a comida é o preço do que eles ganham em uma semana, isso provavelmente trará um grande conflito entre você e eles. Eles podem começar a ver você como aquele “gringo rico” e pode não ser bom para o relacionamento de vocês.

“aspectos legais”
Recomendamos a você que investigue as leis correntes do país onde Deus tem chamado você. Também encorajamos você a ficar lado a lado das mudanças, especialmente quando há uma mudança de governo ou mudança de administração.
Tente fazer tudo de acordo com a lei tanto quanto for possível (a única exceção para isso é quando é contra a lei pregar o Evangelho). Seja paciente com as legalidades. A maioria dos países fora dos Estados Unidos é extremamente devagar com o trabalho no papel, e algumas vezes leva anos para as coisas ficarem realizadas.
Se possível tenha seu contador fazendo sua contabilidade dentro do país onde você está ministrando. Não somos registrados nos Estados Unidos mas na Colômbia. Temos sido muito abençoados em ter o RHEMA Bible Church lidando com as nossas finanças no estado, assim não tivemos necessidade de se registrar no estado.

“você é verdadeiramente chamado?”
Como você sabe se é realmente chamado para missões? Aqui na Missão Colômbia, não aceitamos ninguém que venha trabalhar conosco a menos que ele venha a uma viagem de missões à curto prazo.
Observar a terra esta nas escrituras. Por exemplo, Moisés enviou os filhos de Israel para a terra de Canaã a fim de observar o que fosse possível (Nm 13:17). Muitas vezes, Deus confirma a chamada durante a viagem à curta prazo da pessoa.
Depois de pegar uma viagem à curto prazo, a pessoa que é verdadeiramente chamada para aquela missão particular vai querer voltar apesar das dificuldades que possam experimentar tais como falta de água quente (ou falta de água), problemas com poluição, etc. Essas são algumas coisas que você pode experimentar aqui em Bogotá.
A pessoa com uma chamada têm a graça de tolerar as dificuldades quando é confrontado com elas. Seu foco está na colheita, não nas dificuldades.
Muitas pessoas têm o desejo de ir para o campo estrangeiro, mas muito freqüentemente seus motivos são errados. A aventura de viajar para uma terra distante, dormir em uma cabana de lama ou experimentar uma cultura exótica é para muitos sedutores.
Mas eles querem resistir às dificuldades de todos os dias que quase sempre vêm no campo de missão? É a compaixão a força motivadora que os compele? Uma pessoa precisa ser honesta consigo mesma e com Deus. Se sua motivação está errada, ele não fará isto e ele não resistirá quando sua fé for provada pelo fogo!
O excitamento e aventura de uma viagem missionária podem algumas vezes fazer com que as pessoas pensem que Deus os está chamando para o campo. Nós recomendamos que o candidato a missões que viajou em curto prazo para o campo retorne para seu lar e comece a orar consistentemente sobre a vontade de Deus pra sua vida. Se depois de vários meses de oração o desejo ainda continua e ele tem um testemunho interior em seu espírito, é seguro dizer que ele não está fazendo uma decisão baseada em uma experiência emocional.

“Mais viagens de missões a curto-prazo”
Temos visto que aquelas viagens à curto prazo são uma visão ampliada de experiência para todos os que participam. Essas viagens dão às pessoas a oportunidade de serem trabalhadores na colheita tão bem quanto à experiência de primeira mão no campo. Os participantes são envolvidos em vários aspectos do ministério de ajuda e pregação nas ruas para orar pelas necessidades das pessoas durante as campanhas.
Como eu disse, Deus freqüentemente confirma uma chamada missionária sobre as vidas das pessoas durante esses tipos de viagens. E muitas vezes depois de visitar o campo, até aqueles que descobrem que não são chamados para missões tornam-se mais ativos nas missões através de suas habilidades.

“considerações finais”
Em missões, tanto quanto qualquer outro ministério, nós concentramos nossas atenções à promoção do Reino de Deus e não em nosso próprio reino. Nós não estamos interessados com a nossa “imagem” ou com a tentativa de nos promover ou o nosso ministério.
Quando missionários tentam promover sua própria imagem, seus boletins tornam-se mais ficção do que fato. Então eles começam a ministrar às pessoas não para o benefício das pessoas, mas para seu próprio benefício, assim eles terão algo para relatar de volta para seu país.
Nós precisamos manter nosso amor pelo Senhor e nosso amor pelas pessoas sempre. O sucesso está em fazer o que Deus lhe chamou para fazer, não o que as pessoas querem que você faça. Não seja movido pelo o que as pessoas pensam de você ou seu ministério ou pelo o que eles esperam de você. Sempre conserve seu coração puro e você será uma benção para muitos!

CAPÍTULO 7
“CHAMADA PARA A PREPARAÇÃO”
Por: Jim Andrews
Depois da formatura do RHEMA, Jim (‘79’80) e Faye Andrews, passaram três anos na Guatemala trabalhando com ministério estabelecido. Em 1984, eles se mudaram para realizar um novo trabalho em Lima, Peru. Além da escola bíblica em Lima os Andrews tem pioneirado uma igreja naquela cidade e tem começado igrejas satélites e escolas bíblicas por toda a nação do Peru. Os Andrews também ministram por todo o Peru com campanhas evangelísticas e têm sido anfitriões em várias missões em viagens a curto-prazo feitos no Peru pelo Rhema Bible Training Center por estudantes e membros de várias igrejas nos Estados Unidos.

* * *

Depois que Faye e eu recebemos o Senhor Jesus em 1975, começamos a ouvir os ensinamentos do Rev. Kenneth Hagin. Então ficamos sabendo do Acampamento do Ministério Kenneth Hagin e assistimos nosso primeiro encontro em 1976. Foi no encontro do acampamento que fomos movidos pelo Espírito Santo a fazer o RHEMA Bible Training Center. Para nós, como muitos, assistir as aulas do RHEMA foi a maior decisão para nós. Mas agradeço a Deus porque fizemos a decisão certa!
Agradecemos a Deus pelo RHEMA e pelo espírito de fé que nos foi concedido lá. Quando nos mudamos mais tarde para Guatemala como missionários, nossa filha ficou muito doente com uma febre muito estranha, e se não fosse a Palavra que foi ministrada a nós no RHEMA, nossa filha poderia ter morrido.

“Seguindo a liderança do Senhor”
O chamado para as missões foi algo que eu não pensei com seriedade até o primeiro ano no RHEMA. Mas agora eu posso ver que a chamada para missões já ardia em mim desde o dia que recebi o Senhor Jesus. Por exemplo, muitas vezes quando os missionários vinham para a nossa igreja ministrar, meu coração se movia para aquela direção. Uma vez eu perguntei a um dos meus líderes o que ele achava sobre eu ir para o campo. Ele me desencorajou contando que o tempo que eu levaria para receber treinamento necessário para ir ao campo eu ficaria velho demais para ir!
Eu estava com 30 anos naquela época e com quatro filhos. Hoje estamos em nosso 14º ano no campo como missionários!
Durante nosso primeiro ano no RHEMA, meu coração começou a se mover outra vez em direção a missões. Eu pensei que nós iríamos para a África. Eu achava que missão era ir pra África e viver em uma cabana de lama!
Agradecemos a Deus que não nos deixou ir para o campo precipitadamente enquanto estávamos no segundo ano do centro de treinamento. Temos aprendido que dias de preparação não é tempo perdido! A verdade é que o que aprendemos no segundo ano no RHEMA ajudou a salvar a vida de nossa filha.

“como tudo começou para nós”
Eu sei que há diversas maneiras do Espírito Santo guiar pessoas, mas eu estou compartilhando sobre como o Senhor nos guiou.
Olhando para trás em minha vida eu percebo a profundidade do plano de Deus pra minha vida. Sempre havia pensado em ir para outro país para viver, como muitos, entretanto, eu nunca tinha estado em um país estrangeiro.
Depois da nossa formatura do RHEMA, uma oportunidade surgiu para eu ir à Guatemala. Decidimos que iríamos. Não orei exatamente sobre isso, mas senti que era a coisa certa a se fazer no momento. O Senhor ministrou para mim de uma forma especial naquela viagem, mesmo eu estando doente havia três dias.
Uma vez que retornei aos Estados Unidos, eu vi que era necessário mas não senti uma chamada de Deus para retornar à Guatemala. Então em janeiro de 1981, depois de buscar ao Senhor em oração continuamente e depois de trabalhar fielmente em uma igreja local, o Senhor falou para mim em uma oração no café da manhã em uma voz audível e autoritária para irmos à Guatemala.
Quando eu recebi aquela direção do Senhor, tentei por uma indireta ver qual a direção que minha esposa havia recebido. Eventualmente fiquei sabendo que ambos tinham recebido do Senhor que devíamos nos mudar para Guatemala.
Tivemos uma reunião familiar e anunciamos a nossa família e filhos a nossa decisão de mudarmos para Guatemala. Para nossa surpresa, o Senhor já tinha tratado com eles! Nunca tivemos problemas com nossos filhos por causa de nossa chamada missionária!
Tudo isso ocorreu em janeiro de 1981. Levou um mês para cumprirmos nossos compromissos com nossos empregados. Levou dois meses para chegarmos ao campo. Eu senti uma urgência em ficar no campo naquela época. Depois que recebemos a aprovação da missão com a qual trabalhávamos na época em Guatemala, nos mudamos rapidamente para lá.

“Permanecendo no Campo”
Muitos missionários novatos têm que abandonar aquela impressão de que estão mendigando dinheiro. Os missionários devem fazer a parte deles e dividir a visão e levantar sustento. Mas eles precisam de apoio da igreja local. No início, todo o sustento do missionário vem de um outro país do que aquele no qual ele está vivendo e ministrando.
Na maioria dos países um missionário não é permitido trabalhar naquele país porque ele não está ali para trabalhar. Em muitos casos o missionário pode até trabalhar mas o salário é tão baixo que não faz nenhuma diferença.
Provavelmente o maior desafio para os novos missionários é levantar sustento. Eu li recentemente em um livro que a vidas dos missionários ocidentais estavam acabando e que as igrejas apenas apoiariam ministros nacionais! Mas Deus ainda têm chamado missionários “ocidentais” e Ele tem suprimento e provisão o suficiente para enviar aqueles que Ele chama!
Ainda que um missionário seja chamado por Deus, o desafio financeiro ainda se encontrará presente. O problema que ele deve encarar no início é a credibilidade enquanto ele não tem feito nada no ministério. Prudência para realizar as coisas por si mesmo significa mérito de confiança para os outros.
Uma das coisas que sugiro às pessoas é que sejam fiéis em sua igreja local e que por suas mãos você abrirá seu caminho. Novos missionários precisam de uma base de sustento em sua igreja local.
Quando chegamos em Guatemala, havia muito poucas igrejas com a Palavra e levou algum tempo até termos uma base financeira. A missão que nós trabalhávamos em Guatemala nos queria por lá e se ofereceu para nos ajudar financeiramente. Tínhamos muitas poucas coisas e levou três meses para conseguirmos a mobília da casa. Durante esse período nossos filhos dormiam em camas desmontáveis (e nunca se queixaram disso).

“A Voz da Experiência”
Todo aquele que é chamado para missões deve ir ao campo pelo menos uma vez em uma viagem a curto-prazo.
Há dois motivos principais para isso: primeiro, ele iria confirmar sua chamada e se o missionário for casado sua esposa deve ir também. Esposas precisam conhecer o campo onde eles são chamados antes que eles cheguem ao campo para morar lá. As mulheres são simplesmente mais práticas do que os homens e vendo o campo eliminarão muito dos interesses que possam ter como fazedoras de lar e especialmente de serem mães.
Segundo, ele precisa de experiência. Essa experiência aliada com a sua confiança na chamada o capacitará a falar com convicção sobre sua chamada ao campo. A maioria das pessoas não é movida para dar ou ajudar você financeiramente apenas porque você quer ir tentar fazer algo lá fora!

“Maneiras de manter contato com seus mantenedores”
O novo missionário deve fazer contato com as igrejas locais. Eu creio que isso é um plano de Deus para abençoar as igrejas locais. Quando uma igreja se dá para missões eles realmente estão se dando em fé porque eles não podem ver para onde o dinheiro vai, ao menos que eles visitem o campo. O contato do missionário com a igreja será o elo entre eles e o campo e inspirará eles em seu desejo de apoiar os trabalhos de missões.
Certamente que temos um boletim. Entretanto, contatos visuais falam mais alto do que cartas, assim, tentem fazer contatos pessoais com seus mantenedores antes que você vá para o campo e quando você voltar para o seu país depois de já ter se mudado para o campo.
Quando fazemos contato pessoal, se lembre de algumas coisas. Os pastores são pessoas ocupadas, assim se você contatar um pastor, seja consciente de seu tempo. O que você não respeita, você eventualmente perde. Não seja ignorante a ponto de não saber que o pastor também tem uma visão e uma chamada para realizar. Você deve estar querendo ajuda-lo em sua visão e chamada. Sua meta é preparar as pessoas para o ministério, tanto leigas quantos ministros de tempo integral, pois muitos deles irão para o campo um dia!
Quando você se encontrar com um pastor, sempre deixe algo na sua mão sobre seu ministério para que ele medite e reveja. Seu boletim deve ser simples, fácil de ler e informativo. Ele deve informar aos leitores sobre o país no qual você irá, o que você fará, sua data de partida programada, se você é um novo missionário, onde e como seu dinheiro será manuseado.
Há vários caminhos para manusear suas finanças. Você pode ter suas finanças manuseadas através da sua igreja local se esse serviço estiver disponível. A igreja local pode ser uma grande benção para você em sua arriscada missão.
Para os graduados do RHEMA que são membros da Associação Ministerial Internacional RHEMA, o RHEMA oferece esses serviços. Graduados do RHEMA entram em contato com o RMAI para uma lista de requerimentos e outras informações necessárias.

“Comprando, Embalando e Embarcando”
Tão claro quanto parece, o missionário precisa conseguir suas coisas para o campo, e há modos certos e errados de se fazer isto! Por exemplo, não compre bagagens caras; viagens internacionais são cara em questão de bagagem. Algo leve, como 70 libras por pessoa é normalmente o limite que você pode levar em um avião. Fechaduras são uma obrigação, e objetos de valor devem ser colocados em sua mala de viagem não em sua bagagem.
A embarcação poderia ser o caminho para transportar seus pertences. Entretanto, informações sobre costumes, taxas e assim por diante deve ser adquirido antes de embarcar. Sempre ponha no seguro o que você embarca.
Quando você compra roupas para levar ao estrangeiro, compre roupas de qualidade, pois em muitos países a água e o detergente são muito resistentes em roupas. Quando empacotar as novas roupas, tire as etiquetas de preço e lave as roupas se possível. Alguns países cobrarão impostos de você em uma certa quantia de novos tecidos que você leva para o país, especialmente se você tem visto de residência.

“Primeiro as Primeiras Coisas”
Há várias coisas que devem ser feitas primeiro quando você chegar no país onde estará ministrando.
Primeiro: Estabeleça seu lar. Solteiros têm isso mais fácil do que famílias porque eles podem viver na casa de um ministro por enquanto, o qual também facilitará a aprendizagem da língua nativa (apesar de você ser solteiro ou casado, a língua deve ser aprendida com antecedência!).
Segundo: Uma vez que você já está localizado em seu novo país, contas no banco devem ser abertas. Certidão de nascimento, casamento e outros documentos legais devem ser levados com você para o país – originais e não cópias.

“Dinheiro é Muito Importante”
É necessário levar com você dinheiro suficiente para levantar moradia e facilidades para o ministério. A quantia dependerá de como você planeja receber finanças no país. Lembre-se que isto pode levar um longo tempo para receber dinheiro do seu país de origem. Moradia em um outro país deve custar a você pelo menos um ano de pagamento adiantado.
O melhor modo que encontramos para lidar com as nossas finanças é ter nosso dinheiro depositado em nossas contas no Estado. Então podemos depositar ou transferir o dinheiro para o país onde estamos vivendo. Mas eu tenho uma palavra de advertência: seja cuidadoso com quanto dinheiro você conserva nos bancos nos países estrangeiros. Nos últimos dez anos no Peru, temos tido três mudanças na moeda corrente, e várias vezes todas as contas no banco foram congeladas.

“Linguagem, não Línguas”
Eu tenho ouvido histórias sobre o dom da capacidade de comunicar-se em outra língua pela manifestação do Espírito Santo. Mas não acontece a maioria do tempo. Para o missionário ser eficaz à longo prazo, ele simplesmente deve aprender a linguagem do país no qual estará ministrando.
Eu certamente faço jus da oração em línguas, enquanto oro no Espírito em outras línguas, um dos melhores modos de se fortalecer espiritualmente. Mas eu estou falando sobre linguagem – a linguagem do país – não línguas.
A aprendizagem de uma outra linguagem e a habilidade para pregar de coração naquela linguagem ao invés de ler o seu sermão é a disciplina para praticar o que você estuda. Quando chegamos no Peru, esquecemos o inglês e mergulhamos no espanhol, a linguagem do povo. Lia muito pouco em inglês e quase nunca lia minha Bíblia em inglês.

“Conserve a Visão Viva e Não Lance Fora Sua Confiança”
A Bíblia diz que sem visão o povo perece! (Prov. 23:18) Isso se aplica a você também!
Uma visão, uma meta para sua vida e ministério conservará sua alma ancorada. Eu creio que no começo de qualquer novo trabalho o maior perigo está no começo do trabalho. É durante esse estágio que é mais fácil se desencorajar. Você deve conservar a visão mesmo que não seja algo tão específico.
Para nós, apenas chegar ao campo em Guatemala e fixar nosso ministério nos levou a passar certas dificuldades em levantar sustento. Então no caminho para o Peru onde nós agora ministramos, uma visão mais específica começou a desenvolver-se. O Senhor não falou comigo em uma voz audível, apenas surgiu dentro do meu coração fazer essas três coisas: 1) Erguer uma igreja forte na capital da cidade de Lima; 2) Conduzir seminários da bíblia para pastores e líderes ensinando-lhes a Palavra; 3) Erguer um Centro de Treinamento Bíblico.

“O Nascimento de Uma Igreja”
Para realizar nossa visão, começamos vagarosamente. Através de uma série de eventos, começamos mantendo encontros em nossa casa, onde ministramos cura a muitos.
Nós ensinávamos vários estudos da bíblia e as pessoas começaram a nos chamar “pastor”. Nós nunca contamos a eles que estávamos ali para levantar uma igreja.
Começamos mantendo encontros em nossa casa, ensinando às quintas-feiras à noite. Depois de um mês, decidimos começar a ensinar nos domingos de manhã. O Senhor falou para nós que estes seriam cultos de milagres.
Não estávamos localizados no lado pobre da cidade, mas no lado da cidade onde a classe alta vive. Nós temos aprendido que as pessoas se formarão para cima melhor do que para baixo. As classes sociais são predominantes no Peru.
No primeiro culto de milagres no domingo de manhã em nossa casa, pernas cresceram, um homem cego recebeu sua visão e um surdo foi instantaneamente curado. Naquele tempo, o que aconteceu no Peru foi difícil de se explicar. As pessoas começaram a vir de todos os lugares! Nós não estávamos preparados para isso! Nossa casa se encheu, o pátio se encheu, as pessoas vinham e ficavam em pé por várias horas!
Então nos mudamos para um teatro abandonado. Na primeira manhã em que estávamos lá, a igreja dobrou de número! Literalmente centenas de pessoas estavam vindo para o Senhor. Eu agora acredito depois de dez anos que hoje estamos preparados para tal coisa, naquela época não.
Um bom caminho para lidar com o crescimento de uma igreja, é o pastor treinar e desenvolver bons líderes. Muito de nosso crescimento veio de pessoas de outras igrejas, embora não fosse a nossa intenção ter pessoas de outras igrejas vindo para a nossa. Pessoas sedentas por Deus, que queriam mais da Palavra.
Olhando para os primeiros cinco anos de existência da nossa igreja, eu vejo que nós funcionamos principalmente como um centro de renascimento. Mas temos aprendido que a evolução é um dever da igreja se ela quer sobreviver. Em outras palavras, o trabalho deve evoluir para tornar-se uma boa igreja local.
Uma igreja local é uma família, e é um lugar onde o ministério é iniciado para todo o homem e para a toda família. De 1986 até 1990, 8.000 pessoas novas vieram para aceitar Jesus na igreja em Lima. Nós mantemos apenas uma porcentagem destas pessoas em nossa igreja porque como eu disse, simplesmente não estávamos preparados para tal ressurgimento.

“Mantendo Boas Relações Com os Ministros Nacionais”
Há um ditado que diz, “As pessoas não se preocupam com o que você sabe até que eles conheçam o quanto você se preocupa.” Se você vai ministrar no campo, você deve aprender a relatar para eles no local como eles vivem. Fora de Lima não tínhamos esse problema mas em Lima foi outra história.
Não tínhamos nenhum problema com outros pastores, até que nossa igreja começou a crescer rapidamente. Então começamos a ter alguns problemas. Por exemplo, centenas de pessoas de diferentes denominações foram batizadas com o Espírito Santo e isto causou-nos problemas com alguns pastores. O medo de perder pessoas na igreja deles é um dos maiores obstáculos com pastores nacionais. Entretanto, se você desenvolver um relacionamento com eles, será mais fácil.
Como missionário, você deve aprender a lidar com a rejeição, porque nem todos serão bem-vindos em sua chegada a outro país.
Ministrando para ministros ou pastores é diferente do que ministrar para pessoas leigas. Minha chamada particularmente é pregar, ensinar e ajudar a igreja local a desenvolver-se espiritualmente. Eu entendo melhor minha chamada hoje e os aspectos práticos de realiza-la do que no começo.
Eu digo isto porque os missionários podem destruir o relacionamento deles com os pastores locais se eles agem excessivamente zelosos em ensinar ou desenvolver os pastores ou rápidos demais em dar folhetos de propaganda.
Por exemplo, é fácil apresentar a imagem do grande “Pai” ao invés de simplesmente dar às pessoas a Palavra. Mas dê a Palavra primeiro e então ajude aqueles que realmente absorverem a Palavra. Então você não estará trabalhando no Reino em vão.
As finanças também são um dos maiores problemas entre missionários e pastores locais e muitas vezes há vários abusos na área de finanças de ambos os lados.
Lidando com pastores locais, o que você se comprometer a fazer, faça! Lembre-se que o que você faz com consistência produzirá melhores resultados. Assim, mantenha sua palavra. Se você não tem palavra, sua credibilidade será perdida. Uma vez que você perdeu o respeito como ministro, você perderá sua eficácia em ensinar a Palavra de Deus.
Mantenha escritas todas as suas concordâncias. Isto evitará muita confusão e ofensas com os ministros locais. Uma palavra aos pastores do estado: Não faça promessas aos ministros nacionais. Sempre trate através do missionário porque se você tem tratado diretamente com o ministro nacional, então quando você deixar a área ou o país, o missionário terá que fazer bem a sua promessa a fim de manter sua integridade no país.

“Treinamento de Ministros Locais é Um Dever”
Ser capaz de causar uma mudança em um país, o Evangelho deve atingir as pessoas. Ministros devem ser bem treinados não apenas na Palavra mas também nas coisas do Espírito. Você deve responder o “quando”, “onde”, “como” e “quem” realizando esta tarefa. Áreas diferentes do país requer métodos diferentes de ministérios.
Decidimos desde o começo gravar em vídeo todas as nossas aulas. Câmeras de vídeo, quer sejam super-8mm ou câmeras VHS, não são caras, e a qualidade tem melhorado grandemente. Porque do tamanho do país e a economia, é virtualmente impossível para muitos viajar para Lima para estudar. Isso é porque o vídeo das escolas da Bíblia tem sido uma benção. Nós agora temos quatro escolas e planejamos abrir cinco no futuro. Com os vídeos, é fácil montar as escolas quase em todo lugar, e é um custo muito eficaz.
Entretanto, o tipo de ensino que deve ser ensinado às pessoas “ao vivo” é com demonstrações do Espírito Santo. Eu posso enfatizar que é importante uma demonstração missionária da operação do Espírito.
Materiais de estudo são prêmios de valor. Nós colocamos os livros dos Revs. Kenneth Hagin e Kenneth Hagin Jr. nas mãos dos pastores locais. Lembre-se, você treina de diferentes modos mas de um mesmo sentido. Tudo o que você faz é treinar seja bom ou ruim.

“Estava me Consumindo ao Invés de Enfraquecendo?”
Você já deve ter escutado esse ditado, mas eu disse que você não tem que fazer nada! Você não tem que se consumir ou se enfraquecer! Você pode terminar seu curso e conservar sua saúde e sanidade enquanto faz isso!
Há uma tendência em ter no ministério a “Síndrome do Salvador” e uma atitude de “devo fazer tudo”. Enquanto a diligência é necessária no campo de missões, você não pode fazer tudo.
O missionário encara alguns desafios únicos no campo. Ele é seu próprio patrão, separado por terra ou mar de seus apoiadores. Apenas ficar no campo tem exigido um grande grau de motivação pessoal e normalmente o missionário é uma pessoa motivada. Ele ou ela vive em uma terra estrangeira, fala uma língua diferente, e as diferenças culturais são várias.
Por causa do desejo de alcançar o mundo, os missionários freqüentemente operam no “ide” todo tempo. Ele está apresentado às necessidades todo tempo. Por exemplo, quando ele vai à uma loja, pode haver 10 ou 15 crianças ou adultos pedindo esmolas. Isso podia ser uma ocorrência normal de todos os dias. Então, não importa aonde ele vai, as necessidades dos pobres e inutilizados estarão com ele constantemente.
O missionário deve tirar um tempo para descansar. Ele também deve tomar tempo com sua família. E é um dever que o missionário mantenha sua vida na Palavra e oração. Muitos têm me perguntado como eu consigo. Eu sempre confiei na Palavra e na oração.
O missionário deve ter um tempo para descansar, comer direito, conservar seu corpo em forma, e ter algumas horas de recreação. Eu também acredito que um missionário deve ter um lar bom e bem confortável.
Os missionários assim não retornariam aos Estados Unidos consumidos. Lembre-se, quando sua despesa aumenta mais do que sua renda, sua manutenção será sua ruína. Então quando você retornar aos Estados Unidos programe algum tempo apenas para amizades com aqueles que crêem na Palavra, seus companheiros. Depois que nos formamos no RHEMA, nós ficamos em contato com o RHEMA e seus eventos e atividades. Sabemos de onde nós viemos, o que nós temos sido ensinados no RHEMA e o testemunho que nós temos tido como resultado. Portanto, nós escolhemos permanecer unidos com nossas raízes espirituais no RHEMA.

“Ampliando Seus Horizontes”
Enquanto seu trabalho cresce, você continuamente será encarado com mudanças. Nem tudo será bom. Temos experimentado isso muitas vezes no campo. Já fomos processados várias vezes, nosso carro já foi apreendido e afiançado várias vezes porque nossa prisão foi publicada em três ocasiões diferentes.
Também temos encarado perseguições de irmãos em Cristo. E o sistema legal em outros países não é como o sistema legal nos Estados Unidos. Em muitos países estrangeiros,a aceitação de suborno é uma ocorrência comum, e muitas vezes, é melhor para você ter uma discordância do que um bom caso na corte.
Satanás é um mestre em tentar conservar você fora do alvo. Evite casos judiciais pois consome seu tempo, seu dinheiro e sua paz!
A fim de ampliar seus horizontes, você deve ampliar suas funções – seus recursos financeiros tanto quanto seus recursos físicos. Este controle é um dever. E como diz o ditado, o único modo de usar mais tempo é usar alguém a mais. A delegação é um grande fator no controle do tempo.
Como missionário, não fique com pressa, e não vá além de suas habilidades financeiras. Pressões no excesso financeiro tem sido a causa de destruição de muitos bons trabalhos. Mas não importa o quão grande e bem sucedido o seu ministério se torne, se você não tirar tempo para se ampliar espiritualmente no Senhor e na sua Palavra, qualquer crescimento na sua vida ou ministério serão difíceis de ser mantidos. Em outras palavras, o crescimento começa com você. Seu ministério será bem sucedido tanto quanto sua vida e seu relacionamento com o Senhor. Então você pode confiar Nele para ampliar seus horizontes ministeriais e prosperar o trabalho de suas mãos.

CAPÍTULO 8
“EQUIPE MINISTERIAL ESTRANGEIRA: COMPARTILHANDO A PALAVRA VIVA ATRAVÉS DO CENTRO DE TREINAMENTO PALAVRA VIVA”
Por: Carol Leaphart (‘89’90)
Em novembro de 1990, Carol mudou-se para as Filipinas a fim de trabalhar no Centro de Treinamento Palavra Viva. Antes de se tornar missionária, ela assistiu as aulas no RHEMA bible training center em Broken Arrow, Oklahoma, formando-se em maio de 1990. Ela trabalhava na Igreja Bíblica RHEMA enquanto estudava no RHEMA. Também servia como voluntária na Igreja das crianças, no Prayer and Healing Center, como conselheira por telefone.
Carol é diretora do Centro de Treinamento Palavra Viva. Ela ensina no Centro e conduz seminários de pastores e encontros de ministros por toda as Filipinas.
Carol têm três filhos: Bernard Leaphart e sua esposa Jeanine; April Thrusten e seu esposo Charles; e Terri, sua filha mais nova. Carol também têm dois netos: Joya, três anos e Samuel que têm dez meses.

* * *

Eu queria ser uma missionária desde que eu tinha 12 anos, mas as circunstâncias da vida, incluindo a criação de três filhos como uma viúva, adiou a chamada para 30 anos.
Então o que você faz se você sabe que está sendo chamado para o campo missionário, mas você é uma mulher passada dos 40 anos e solteira? Primeiro, esteja confiante de sua chamada. Desde o início do mundo do evangelismo, mulheres têm sido chamadas, ungidas e grandemente usadas por Deus.
Missionárias casadas têm servido fielmente ao lado de seus maridos em incontáveis campos estrangeiros. Essas mulheres vitoriosamente criaram seus filhos diante de tremendos desafios e muitas vezes circunstâncias adversas. Ser uma missionária no estrangeiro é um desafio. E sou privilegiada para contar a você minha história.

“Como Eu Soube Que Fui Chamada Para Missões”
Enquanto eu estava cursando o segundo ano no Centro de Treinamento Bíblico RHEMA, estavam dando uma oportunidade para participamos de uma viagem de missões por 10 dias às Filipinas. Um grupo especial de oração orou durante alguns meses antes pela viagem e pelo dinheiro necessário.
Durante uma dessas sessões de orações, eu tive uma visão. Eu vi um grupo de pessoas estranhas rodeadas pela escuridão. Eles não eram pretos nem brancos. Enquanto eles andavam na escuridão, não se queixavam, era como se eles não soubessem ou não percebessem que a escuridão os estavam engolindo. Eles estavam apenas “existindo”. O desânimo e a falta de propósito nos olhos dele penetraram meu coração. Eu estava grandemente movida pelo o que estava vendo.
Então eu ouvi o Espírito Santo dizer para mim, “Eu estou enviando você para levá-los para fora.”
Durante um outro período de oração com o grupo, eu vi uma outra visão. Um fazendeiro de arroz asiático em pé no meio de um campo de arroz que estava pronto para ser colhido. Ele gritou do centro daquele campo, “Venha cá e ajude-nos!”
Quando chegamos nas Filipinas em nossa viagem de missões, as pessoas se pareciam com aquelas que eu havia visto na visão – aquelas que estavam no meu coração. O que eu vi e experimentei naquele ministério que visitei mudou minha vida. Eu nunca mais fui à mesma.

“Há Graça Em Ir”
Uma vez que eu fiz a decisão de ser missionária nas Filipinas que era à vontade de Deus para minha vida, eu precisei escolher um local naquele país. Aqueles dias eu gastei em oração e em ouvir o Espírito Santo em meu espírito.
Eu senti que estava no caminho certo no que diz respeito às Filipinas. Eu não tinha perguntas sobre a nação para a qual estava a ir. Entretanto, eu precisei articular o método que Deus tinha escolhido a fim de levar a mensagem para aquela nação.
Em outras palavras, eu iria sozinha e começaria um trabalho pioneiro ou me uniria à uma equipe de missões já estabelecida no local?
Eu tinha ouvido muito das vantagens de começar seu próprio trabalho de missões. Você seria o diretor, não haveria conflitos de visão ou propósitos, seria mais fácil levantar sustento. Entretanto, eu também aprendi que você se torna mais eficaz no campo se você se une a uma equipe de missões já existente no campo.
Depois de considerar esses fatores, eu decidi me tornar parte de uma equipe do ministério em uma área remota das Filipinas.

“Equipe Ministerial No Campo”
Uma vez que eu decidi me unir a uma equipe, eu sabia que seria com a equipe que havíamos visitado à curto prazo em nossa viagem de missões. Parte do ministério deles, Keys to Freedom Ministries, estava em uma área remota das Filipinas chamada Catbalogan Samar.
Paul Chase e sua esposa Shoddy, são fundadores daquele ministério. Eles são formados no Centro de Treinamento Bíblico RHEMA. Meu primeiro passo foi contatar o escritório do estado deles para perguntar se eles considerar-me-iam como membro da equipe deles.
É sempre melhor contatar um escritório do estado do missionário para perguntar tais coisas. Escritório pessoal pode responder suas questões mais rapidamente. Depois de fazer contato com o escritório dos Chase, um requerimento foi enviado para minha casa. Eram cerca de cinco longas páginas. Eu estava intimidada por tantas perguntas sobre minha vida pessoal e perguntas sobre o que Deus estava falando ao meu coração e quais áreas do ministério eu sentia que Ele estava me guiando.
No requerimento do Keys to Freedon estava uma lista de cada um de seus objetivos. Apenas lendo a lista me deixou bastante emocionada e me inspirou: Ministério Evangelístico de barco; Centro de Treinamento Bíblico; Cordeirinhos de Deus (um centro de alimentação para crianças mal nutridas); Farol (Um projeto voltado à juventude); Cruzadas Ministeriais; Hospital e Igreja local.
Eu era uma “missionária no céu” apenas lendo o requerimento! Então eu tinha que escolher as áreas que eu pensei que Deus me usaria. Preencher aquele requerimento ajudou-me a ter um quadro mais forte dentro de mim daquilo que Deus tinha me chamado pra fazer.
Nos meses que se seguiram, enquanto eu estava esperando para ouvir a resposta do Keys to Freedom Ministries, as pessoas me perguntavam, “O que você está indo fazer lá?” Eu apenas dizia o que estava no requerimento, “Estou indo ensinar na escola e nas igrejas locais.”
Eu continuei dizendo isso e tornou-se real dentro de mim. Eu cria nisso. Eu me via ensinando aqueles homens e mulheres filipinos que estariam vindo de toda a parte das Filipinas para serem treinados a fim de alcançar a nação com o Evangelho.

“O dia em que recebi a notícia”
Um dia depois da minha formatura no RHEMA, dia 20 de maio de 1990, o Rev. Paul Chase estava em um encontro de missões em Tulsa, Oklahoma. Um dos administradores do irmão Paul tinha me chamado um dia antes e me pediu para assistir aquele encontro. Foi lá que o irmão Paul me anunciou, “Nós queremos que você se junte à nossa equipe nas Filipinas!”
Então ele completou – “Você ensinará na Escola Bíblica em Catbalogan Samar!” Esse dia mudou minha vida inteira para sempre!

“preparações naturais”
Depois de ouvir as notícias, eu estava tão entusiasmada! Meu espírito estava voando, mas havia coisas que eu precisava fazer no natural para andar mais adiante. Eu sabia que tinha um chamado. Eu sabia o local e como ministraria. Mas agora eu precisava de finanças.
Como você consegue pessoas atrás de você para apoiá-lo quando você ainda não tem um caminho percorrido? Como você conta para alguém, “Eu estou indo para um lugar que apenas visitei em 10 dias. São dez mil milhas de distância, eu estarei fazendo algo que nunca fiz antes, por falar nisso, eu estou indo sozinho, e um detalhe, eu sou uma mulher!”
Naqueles maravilhosos dias de preparação – dias de dura realidade, meu precioso pastor me deu pra ler Provérbios 3:5 e 6:

Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento;
Reconhece-o em todos os teus caminho e Ele endireitará as tuas veredas.

Na essência o Senhor me falou, “Confia em mim de todo o seu coração e não se incline em seu próprio entendimento para levá-la ao campo de missões.”
A pior coisa que você pode fazer em seus dias de preparação em reunir finanças é depender do que você conhece para te promover! Ao invés disso, confie em Deus; Ele não ungirá você para ir sem ungir as pessoas que irão enviar você.
Em novembro de 1990, eu estava vivendo na nação das Filipinas. Do tempo da minha formatura de maio para novembro eu tinha seis meses para conseguir coisas de ordem financeira, natural e espiritual.

“Preparação Financeira”
Eu trabalhava no RHEMA Bible Church na época que eu soube que estaria indo trabalhar com Paul e Shoddy Chase. Mas eu não tinha dinheiro no banco, ninguém me conhecia, eu nunca tinha pregado em um púlpito exceto na aula de laboratório no Centro de Treinamento.
Eu era contratada do RHEMA como recepcionista no Ninowski Recreation Center. Mas na luz de meus mais novos planos, eu pedi para ser transferida para trabalhar no Complexo Student Housing. Eu não podia ficar sentada atrás de uma mesa! Algo grande estava dentro de mim e eu senti que precisava ficar em uma situação onde pudesse orar, escutar as fitas e alimentar minha fé. Assim, naquele verão inteiro, eu limpei os banheiros e orei, lavei os carpetes e orei, lavei paredes e orei, limpei fornos e orei mais ainda!
Todo dia eu acreditava em Deus por apoiadores. Eu não tinha apoiadores no natural! Então começou a acontecer! O favor de Deus começou a vir sobre mim.
Um dia quando eu estava saindo de uma das salas com minha colega, um carro para em nossa frente, onde estávamos sujas e suadas com nossos uniformes de trabalho, com esfregões e balde na mão. No carro estava um pastor que era formado no RHEMA. Ele estava visitando o campus no RHEMA e precisava de ajuda.
Depois de dar-lhe as direções que ele precisava, minha colega começou a contar a esse pastor que Deus estava me enviando para as Filipinas. O pastor olhou pra mim e disse: -“Minha esposa e eu estávamos orando em Deus para uma nova missionária para apoiar!” Aquele pastor e sua igreja têm me apoiado desde 1990.

“Outras vitórias financeiras”
Como uma empregada do RHEMA, eu estava convocada para trabalhar na rádio durante o encontro no campo em 1990. Enquanto trabalhava, uma mulher veio para a cabine e começamos a conversar. Ela e seu marido pastoreavam uma igreja em Connecticut. Antes que eu soubesse, ela e seu esposo me convidaram para vir pregar na igreja deles. Eles me pediram para fazer um seminário de um ministério de ajuda. Como eu disse, eu nunca tinha pregado ou ensinado a não ser na minha aula de laboratório, mas eu tinha um certo trabalho de entendimento do ministério de ajuda.
Se você sabe que tem uma chamada missionária e especialmente em um país de terceiro mundo, se envolva em todas as áreas que precisarem de ajuda que você puder! Você precisará de experiência. Você poderá ser o único no campo de missão com um ponto de referência para organizar escolas, igrejas, encontros de jovens, seminários de pastores e etc! Então se prepare ficando envolvido em sua igreja local!
Como missionário você será o único a ensinar e treinar os líderes naquele país. Eles olharão para você como alguém com sabedoria prática. Antes que eu assistisse o RHEMA, eu tinha ajudado em várias áreas na igreja de Arizona. Eu também fiquei envolvida em várias áreas no RHEMA Bible Church enquanto eu estava no Centro de Treinamento.
Quando eu fui para Connecticut para ajudar no seminário, eu ensinei às pessoas por cinco horas seguidas em um sábado com apenas 10 minutos de intervalo entre cada hora. Eu estava exausta e podia andar duramente quando acabei. Mas aquela noite, a esposa do pastor levantou um dos meus boletins e disse para a congregação: – “Esse final de semana eu creio que nós podemos conseguir a passagem aérea para Carol ir às Filipinas!” Você deve imaginar a alegria que eu estava experimentando dentro de mim!
Minha passagem para as Filipinas foi $900. Na manhã seguinte depois que eu entreguei a mensagem no domingo de manhã, o pastor e sua esposa me deram em mãos um envelope com $1,200! Mas aqui está o verdadeiro milagre: Havia apenas 30 pessoas naquela igreja!
Havia uma igreja em particular que eu esperava que me apoiasse. O pastor me deixou pregar e me deu uma oferta de amor, mas sem apoio mensal. Entretanto, ele me encaminhou para uma igreja que se tornou um de meus maiores apoiadores e que têm me apoiado desde 1990.
Também um evangelista e sua esposa ouviram que eu estava indo para as Filipinas e me encaminharam para duas igrejas que também têm me apoiado desde 1990.
A razão pela qual estou dividindo tudo isso com você é para que você não somente busque ao Senhor para saber qual sua chamada, mas também o busque durante sua chamada. Ele tem um plano financeiro para você. Como eu já disse, Deus não ungiu somente você pra ir, mas também ungirá pessoas para se engancharem a você financeiramente.

“o papel do boletim em seus dias de preparação”
Dê a Deus algo para trabalhar. Você precisa escrever uma carta que claramente afirme sua visão ou metas e seus planos para realiza-los. Conserve sempre em mente que muitas pessoas sempre lêem esses tipos de cartas muitas vezes. Pergunte a si mesmo as seguintes questões: o que é especial ou diferente em meus boletins? É interessante e atual? Fácil de ler?
Se você não é talentoso para formular uma carta oportuna, clara, informativa, consiga alguma ajuda para fazer então. Imprima seu boletim, há muitas lojas de impressão na América para lhe dá assistência.
Depois que você elaborou seu boletim, então se posicione na direção do Espírito Santo. Vá onde ele conta com você para ir. Antes de você ir ao campo, as finanças são os mais duros requisitos para se obter, mas se você possui verdadeiramente a chamada em seu coração e a determinação em honrar a Deus cumprindo esse chamado, com certeza isso será realizado.

“a motivação durante a preparação”
Um missionário tem que ser a pessoa mais motivada do mundo! Esta verdade ecoou em meus ouvidos durante aqueles meses de planejamento. Todo dia realizava algo, mesmo se fosse uma coisa aparentemente pequena, mas se isso significasse um passo a mais para a minha meta, eu fazia.
Uma vez eu ouvi um ministro dizer, “O destino está dia a dia se recusando a desistir, deitar-se ou ficar quieto.”
Sabendo da chamada de Deus em sua vida, seus amigos poderão lhe dizer, “Fique em casa conosco. Você precisa guardar seus sonhos e agir normalmente!” Mas se você é um missionário, não há um “osso” normal em seu corpo!
Um missionário é um dos mais incomuns de todos os seres criados por Deus. Eles são audaciosos, determinados, inflexíveis, corajosos, instigadores, iniciadores. Eles têm a audácia de pregarem a Palavra à uma nação e esperarem para que sejam transformados pelo poder do Evangelho da fé viva em Cristo Jesus.

“Sustento mensal e o primeiro ano no campo”
Depois que eu cheguei nas Filipinas, uma outra realidade me bateu: Sustento Mensal – eu realmente precisava disso.
Os apoiadores mensais são um diferente tipo de doadores daqueles que abençoam com uma única dádiva. Como eu já afirmei, eu estou convencida de que alguns são chamados para ir e outros para enviar. E existe graça para ambos.
Em meu primeiro ano no campo, havia dias que eu apenas vivia pela fé. Eu realmente não tenho nenhuma história triste pra contar, apenas aventuras excitantes de como Deus respondeu minhas orações inspirando pessoas a me sustentarem.
Uma vez durante meu primeiro ano, houve o caso dos trigêmeos. Eles nasceram em uma ilha próxima. Eu já estava lá cerca de sete meses e as pessoas me conheciam como a americana que comprava leite para os bebês moribundos. Eles vieram até mim e a mãe já tinha cinco filhos e por razões médicas estava incapaz de cuidar dos trigêmeos.
Os bebês estavam muito mal. Eu tinha $50 dólares, o único dinheiro que eu tinha, mas meu Senhor tocou em alguém para me enviar dinheiro diretamente para as Filipinas! Assim, eu fui capaz de ajudar aqueles bebês. Esses tipos de incidentes aumentaram minha fé!
Durante os primeiros dois anos no campo missionário, você terá uma oportunidade maravilhosa de desenvolver uma fé sólida – o tipo de fé que você precisa para alicerçar seu ministério.
Meu orçamento total no meu primeiro ano foi $ 6.000 dólares. Mas eu permaneci fiel sem me importar com as coisas assustadoras que podem aparecer no campo, especialmente durante seu primeiro ano no campo. Se você cair, volte a subir. Faça uma decisão determinada para durar mais que as dificuldades. A glória de Deus naquela nação está em jogo. Não permita que as circunstâncias enviem você de volta para casa mais cedo do que você imagina.

“obrigações financeiras de sua equipe ministerial”
Tanto quanto eu puder, eu quero ajudar você a permanecer no campo cumprindo sua visão. Há muitas coisas que você pode fazer para se preparar espiritualmente e naturalmente, e fazer com que sua caminhada seja mais fácil.
Se você está junto à uma equipe no ministério, uma das coisas que você deve saber antes de ir é que sua obrigação financeira será para com o ministério que você está se juntando. Cada ministério é diferente, então só porque conhece um ministério estrangeiro, não quer dizer que você saiba tudo sobre ele.
Eu tenho amigos missionários que têm se juntado à outras equipes de missões e suas únicas obrigações são as despesas pessoais de economia doméstica, aluguel, carro, etc. Nesse caso, o fundador daquele ministério particular é levantar todas as finanças para aquela operação no ministério.
Nos outros ministérios são diferentes. Em alguns casos, você concorda em dividir as responsabilidades daquele ministério com uma base mensal. Nosso ministério está organizado deste modo e eu pessoalmente gosto de investir no que acredito. Eu vejo o fruto bom e forte que nós estamos produzindo e eu quero dividi-lo através da minha doação.
O Senhor tem me abençoado durante estes anos com grandes parceiros que têm uma grande visão para a Ásia. Eu realmente creio no trabalho que estamos fazendo aqui nas Filipinas.

“a importância do sustento mensal: Ensinando seus mantenedores”
Como missionário, parte de seu trabalho será ensinar seus mantenedores sobre missões e comunicar-lhes sua visão tão bem quanto seu avanço no trabalho.
Um avanço no trabalho precisa de um avanço no sustento. O que muitos mantenedores de igrejas e indivíduos não sabem é que mesmo que eles falhem em mandar seu sustento mensal ou parem de lhe apoiar completamente sem aviso, você ainda tem que cumprir suas obrigações financeiras. E há vidas em jogo.
Depois de alguns anos no campo, a maioria dos missionários contrata uma equipe para trabalhar com eles. Eles desenvolvem seu próprio ministério. Assim, se há uma carência de fundos em um certo mês, o missionário certamente compensará a falta com seus próprios fundos pessoais mesmo sendo um grande sacrifício. O ministério não é apenas uma palavra; o ministério é povo. Um missionário faria tudo para levar o evangelho a um povo, mesmo faminto, ferido ou impedido de pregar o Evangelho.

“Lealdade à equipe ministerial: sendo fiel a Deus, à chamada e à equipe”
Como missionário, se você escolheu trabalhar em uma equipe local, por favor, não escolha fazer um trampolim para seu ministério. Tome tempo para desenvolver-se como missionário. A nova cultura de um país e a equipe que você trabalha são ferramentas esculpidas por Deus para modelar você, seu caráter e sua visão. No natural, leva dois anos para ganhar um grau na universidade e quatro anos para ganhar um grau de bacharel. Porque então ficar com pressa em deixar o ministério enquanto você ainda está sendo modelado? Como você vai atravessar cada obstáculo ou crise, se dimensões vitais estão sendo somadas a seu caráter e seu andar com Deus?
Quando Deus me chamou primeiro para o Centro de Treinamento Palavra Viva, Ele claramente disse que eu estaria ali por dois anos. Eu ouvi e obedeci. A obediência encima do conhecimento que você têm de Deus ancorará você através dos bons e dos maus tempos.
Perto do fim dos meus primeiros dois anos eu ouvi Deus dizer, “Invista em outros cinco anos”. Eu estava sendo guiada e eu tinha uma outra âncora.
Eu quero enfatizar a importância da lealdade para com a equipe que você ministra, para a chamada e para o senso de oportunidade de Deus. Ministério não vem sobre nós, ela vêm fora de nós em uma época apropriada.
Isso tudo significa ficar no mesmo lugar, até quando as coisas parecem difíceis com os amigos da equipe na igreja local. Quando alguém ofende você, tudo o que você tem a fazer é sentar do outro lado da igreja? No campo de missões você não pode viver com isto, mas sim lidar com os problemas.
Eu também sei que quase tudo o que diz respeito a nós como ofensas é resultado direto de como nós vemos e pensamos sobre uma situação ou pessoa. Eu recomendaria que cada missionário levasse para o campo o livro “fale a verdade consigo mesmo” de William Backus e Marie Chapian. Se você é solteiro esse livro ajudará você a fazer um balanço dos seus pensamentos e mudar o que você está pensando sobre si mesmo e seus colegas de equipe.

“Identificando um ministério”
Nossa escola, o Centro de Treinamento Palavra Viva, é o batimento cardíaco do ministério. A escola é a principal razão porque a equipe do Ministério Keys of Freedom existe.
Em 1990, nossa escola tinha apenas um alvo que era levantar líderes para as Filipinas. Mas isso têm mudado e Deus nos usou como uma equipe para trazer essa mudança.
Uma das grandes vantagens da equipe no ministério é que Deus começará a falar e dará novas direções para a equipe inteira ao mesmo tempo. Por exemplo, em 1992, um de nossos membros da equipe filipina, foi o primeiro a ouvir de Deus sobre a mudança na direção para a escola. Ele disse que Deus usaria nossa escola para treinar filipinos para saírem por toda a Ásia e não somente dentro de nossa nação.
Nós começamos a orar sobre isso como uma equipe e o Senhor começaram a soltar dentro de cada um de nós essa nova visão e começamos a trabalhar na direção desse novo objetivo.
A visão é um processo. Temos ensinado dois anos para conseguir que os filipinos acreditem que eles também podem “ir” em toda a Ásia.
Enviamos recentemente um de nossos filipinos para ensinar aos membros da equipe no Vietnã. Ele é graduado em nossa escola. Deus usou este jovem rapaz poderosamente enquanto ele estava lá. Durante o final de 1992, Deus me mostrou que não apenas estaríamos treinando filipinos para ‘ir’, mas que Deus estaria enviando líderes de toda a Ásia para serem ensinados na nossa escola para uma grande colheita neste continente.
Este ano em nossa escola, nós admitimos nossa primeira aluna interasiática da Korea. Ela tem uma chamada para o ensino. Deus é verdadeiramente um mestre em estratégias!
A próxima fase no desenvolvimento da visão em nosso ministério era somar um segundo ano em nossos estudos. Vamos fazer isso em breve; por enquanto estamos planejando e preparando estágios por agora. Estamos felizes a respeito da adição de cursos de especialização. Por exemplo, no futuro o maior estudo poderia ser o Ministério Pastoral e o menor o Ministério de Ensino ou Ministério para Jovens ou Crianças.
Embora nos movemos apenas dentro de nossa escola local, ainda nos falta espaço para sete novos cursos que estamos instituindo. Assim nós fazemos ensino fora do meio ambiente. Compramos novas cadeiras, quadros de fórmicas e cavaletes (tínhamos quadros de fórmicas e cavaletes de alumínio feitos aqui nas Filipinas e economizamos muito dinheiro!).
Eventualmente, nós teremos mais construções, mas agora nós despejamos um chão de concreto, adicionamos quatro varas de madeira de coco e colocamos um telhado coberto de colmo no topo das varas. O tempo aqui é quente todo o ano, assim isso será muito útil para nós.
Se você é chamado para iniciar uma escola em uma nação do terceiro mundo, alimentar esses estudantes é fundamental. Nossa escola é uma escola-residência onde abrigamos e alimentamos 40 estudantes. No próximo ano abrigaremos 70 estudantes. Deus nos deu vários caminhos para compensar este custo. Temos nossa própria horta de vegetais, criamos nossas próprias galinhas e temos várias árvores frutíferas.
Além disso, para os estudos acadêmicos, os estudantes do Centro de Treinamento Bíblicos Palavra Viva também recebem diariamente treinamento prático ministerial. Isto lhes capacita a desenvolverem habilidades e aprender lições importantes de autodisciplina, trabalho em equipe e relacionamento interpessoal.
Nosso treinamento prático no ministério inclui vários alcances estabelecidos pelo Centro de Treinamento, tais como: testemunhando na rua, ministério na prisão, evangelismo casa-a-casa, ministério no hospital, acompanhamento e o programa de estudo bíblico.
Colocamos uma meta muito ousada em conseguir 40 famílias cristãs estabelecidas no mundo através de nosso novo programa de estudo bíblico. Este programa têm tido um grande impacto em nossa área nas Filipinas e nós já alcançamos nossa meta!
Todas as 40 famílias foram salvas através de nosso alcance evangelístico. Depois de estarem em nosso programa de acompanhamento eficaz por quatro semanas, eles começaram regularmente a assistirem um de nossos grupos de estudo bíblico.
Nosso programa de estudo bíblico duro sete meses. No final dos sete meses nossa meta é deixar os novos discípulos atuando em cada área que nós evangelizamos. Somos muitos sérios nesse trabalho de famílias.
Deus colocou o programa de estudo bíblico em meu coração como uma visão onde Ele me chamou para desenvolvê-la. No programa, nós estamos usando o livro Getting a Grip on the Basics de Beth Jones que também é graduada no RHEMA. Você pode adquiri-lo no RHEMA mesmo ou em outros lugares. Eu recomendo altamente este livro.
Uma das coisas para se lembrar quando trabalhar com equipe é que cada nova idéia leva tempo para aceitação. Assim, se você apresentar uma nova visão, venda-a! A maioria das pessoas tem boas idéias; eles apenas não sabem como comunica-las para conseguir que outros aceitem e abracem essa idéia!
Uma visão ineficazmente expressada é como um pássaro que não pode voar: Têm todo o equipamento necessário, mas ele nunca voa utilizando seu equipamento.
Toda semana eu ensino no encontro de líderes do estudo bíblico. Em cada me encontro examino a visão do programa. Eu fiz isso desde o começo do estágio do programa e faço isso até hoje. Eu falo alto a visão e os líderes repetimos. Até fizemos cartazes na sala para ajudar a conservar a visão diante deles.
Quando estava em meu coração desenvolver o programa de estudo bíblico, eu continuamente discuti a visão com a equipe ministerial. Eu também discuti isso com os outros missionários. Em um ponto, todos no campus estavam falando sobre o programa! Todos ficamos envolvidos. Nós apenas andamos no que víamos por dentro em nossos corações. O programa está com apenas cinco meses e nós já temos 40 famílias cristãs fortes no programa.

“Treinando Pastores”
Quando você chega ao campo de missão, você provavelmente gastará muito tempo desenvolvendo relacionamentos com os pastores locais. Relacionamentos são a chave para sermos eficazes na nação para a qual você é chamado.
Na nação onde eu sirvo as pessoas são bastante orientadas. Eles dizem, “As pessoas são nossos recursos nacionais!”
Conheça os homens e mulheres de seu País. Aprenda o que eles necessitam em suas igrejas. Um encontro de ministros ou um encontro de pastores é um excelente investimento. Você pode alcançar de 50 a 100 igrejas de uma só vez. Se você está voltado especificamente para uma área, você verá a mudança e o crescimento nas igrejas e nos homens de Deus que guia aquelas igrejas.
Com uma equipe ministerial tal como a nossa, nós estamos individualmente livres para desenvolver o que quer que esteja ao alcance do ministério que Deus coloca em nossos corações. Isto nos dá um senso de independência, ainda que saibamos que temos uma rede de segurança! Nós somos completamente responsáveis pelas finanças para aplicar no que quer que seja o alcance que nós desenvolvemos. Isto nos faz cuidadosos administradores dos investimentos de nossos parceiros.

“Conduzindo os encontros de ministros”
O primeiro e mais destacado roteiro que eu poderia sugerir para você sobre seu ministério no estrangeiro é não fazer coisas somente para justificar sua existência naquele país. Busque a Deus, fique em seus planos. Por exemplo, onde está o grupo de pastores ele deseja que você ensine? Gaste tempo em oração por aquele grupo. É importante que você saiba não apenas se vai ensinar mas quando e como.
Outros roteiros sugeridos para ser anfitrião em encontros de ministros:

1)- Quando for anfitrião em um encontro de ministros tais como seminários de pastores, tenha um pastor local e sua igreja para ser sua igreja-hospedaria para aquela cidade. Encontre o “influenciador” daquela cidade, o pastor que todos escutam e respeitam.

2)- Tempo de preparação: Pré-seminário deve durar pelo menos 3 meses.
Pode não haver telefone onde você ministrar e se você quiser um grupo muito pequeno de pastores em seu encontro, é melhor ir você mesmo ou enviar um de seus membros da equipe para preparar o encontro.

3)- Visite o local e dê assistência em qualquer que seja a recepção ministerial que eles tem naquela cidade.
Divida seu coração com estes pastores; conserve-os estimulados o bastante para ajudar você a colocar a Palavra fora daquele encontro. Volte um mês depois do encontro e conserve-os animados sobre isso outra vez.

4)- Ressalte que o seminário será não denominacional.
Este é um grande modo para assegurar que todos os pastores locais e seus trabalhadores assistirão.

5)- Você deve procurar o lugar do encontro ou pelo menos vê-lo antes do seminário.

6)- Tenha o roteiro do encontro em sua cabeça; preste atenção em cada detalhe que precisam ser assistidos. Por exemplo, retrate você mesmo entrando na sala onde o encontro será feito. Precisará de uma mesa de registros? Canetas? Tinteiros e etc? Quem trabalhará na mesa? Quais são as facilidades? Você precisará pedir cadeiras emprestadas?
A maioria das igrejas em nossa parte do mundo não tem ainda cem pessoas em suas congregações, assim provavelmente não haverá cem cadeiras disponíveis em uma igreja. Essa é uma outra razão para encontrar o “influenciador”. Ele saberá como ajuda-lo a achar as coisas que você precisa.
Eu me lembro do meu primeiro seminário de pastores em Naval. Eu pensei que tinha todos os detalhes em mente, mas um escorregou por mim. Um dia antes do seminário, depois de viajar sozinha por seis horas, eu cheguei no lugar do encontro para olhar o prédio. Íamos usar o prédio por toda noite alojando 100 pastores.
Foi horrível! O lugar estava muito sujo. Havia um cão solto e os banheiros – Oh, meu Deus! Eu tive que limpar aquele lugar inteiro sozinha porque tinha me esquecido de um detalhe.

7)- Você estará usando algum equipamento multimídia? Lembre-se que você mesma terá que carregar tudo isso até lá. Também não espere para ter qualquer suprimento disponível quando você chegar em seu lugar no encontro, nem mesmo uma extensão.

8)- Que tal o alojamento? Muitos destes pastores estarão vindo de longe. Você pode consultar os pastores locais para perguntar se os pastores visitantes podem dormir em suas igrejas. Isto é uma prática normal e comum.

9)- Que tal o alimento? Os pastores podem estar em seu seminário por vários dias. Nós pessoalmente alimentamos todos os pastores que assistem nossos seminários. Você pode considerar a contratação de uma cozinheira de uma das igrejas locais.

10)- Seu ensino será mais eficaz para a maioria das pessoas através dos anos se você tira xerox de suas lições e distribuí-as. Nos seminários eu coloco junto um pacote da lição inteira que eu ensino.

11)- Sempre planeje uma atividade divertida somando ao ensino.

Estas são apenas algumas das sugestões para planejar seus seminários. Adapte-os para seu próprio uso, de acordo com cada país e lugar onde você irá ministrar.

“Itinerando no estrangeiro”
Pode uma missionária solteira ser eficaz itinerando, viajando sozinha por toda a nação para a qual é chamada? Sim! Como eu disse, há graça no que quer que o Senhor tenha chamado você para você.
Qualquer mulher que Deus tenha chamado para o campo missionário, solteiro ou casado, têm uma graça especial de Deus para realizar a tarefa. Minha escritura favorita é Lucas 1:45 na tradução amplificada: “…abençoada-feliz quem creu, porque serão cumpridas as palavras que lhe foram ditas da parte do Senhor.”
Durante meu primeiro ano nas Filipinas, eu preguei e ensinei a Palavra de Deus mais que 280 vezes. Isso inclui ensinar em nossa escola, viajando todo final de semana de ônibus, barco ou Jipe.
Eu tenho tido tantas aventuras maravilhosas viajando e levando a Palavra do Senhor para as pessoas. Uma vez que as pessoas descobrem que você está querendo vir e ensinar a eles a Palavra, eles manterão você ocupado! Minha agenda está registrada de 8 a 10 meses de adiantamento.
Eu sinto amor pelos filipinos para visitá-los onde quer que eles estejam. Eu tenho dormido várias vezes no chão e nos topos das mesas porque o chão estava sujo. Eu tenho escalado montanhas, andado em botes de bombas (pequenos barcos tipo canoa) em 12 pés e andado através de lixo. Eu penso nessas experiências e começo a sorrir. Valeu a pena!
Quando você finalmente chega em seu ministério de destino e as pessoas estão juntas em multidão na igreja, ansiosamente esperando para ouvir a mensagem de Deus, você percebe que tudo valeu para conseguir chegar até lá!
Vivendo aqui e aprendendo sobre as pessoas, tenho aprendido como ministrar as suas necessidades. Nossa parte nas igrejas locais é ensinar as pessoas e ajudar a criar uma expectativa e um desejo para as coisas de Deus. Deus se move onde o povo deseja que Ele se mova. O desejo para Deus vem do conhecimento que temos sobre Ele.

“como começamos a ministrar às crianças carentes”
Um outro ministério que o Senhor colocou em meu coração foi chamado “Jesus ama as crianças de rua”. Um ministério que alcança as crianças maltratadas e sem lar.
Em 1992, eu gastei um tempo orando e pedindo a Deus para me mostrar às necessidades espirituais do povo filipino. Eu queria ver a feiúra que satanás tem trazido sobre a vida deles a fim de oprimi-los e rouba-los.
Num domingo de manhã enquanto eu estava me preparando para ir à cidade pregar a Palavra eu estava sentada no ônibus no centro de Catbalogan. Enquanto eu olhava para fora da janela eu pude ver uma visão horrível para meus olhos americanos.
Haviam duas crianças deitadas na calçada, dormindo na sujeira. Eu rapidamente desviei minha cabeça para longe. Foi quando ouvi Deus me dizer, “Não, você orou para ver, agora olhe!” Eu olhei e pensei em Mateus 9:36 que diz que Jesus sentiu compaixão daquela multidão, porque estavam cansados e desgarrados como ovelhas que não tem pastor.
Haviam crianças dispersas e confusas. Elas estavam sem lar e não tinham ninguém. Deus tinha realmente que tratar comigo. Eu não era professora de crianças, eu ensino adultos. Mas Deus me deu a habilidade de organizar um programa para as crianças a fim de realizar o trabalho para Deus.
A primeira coisa que eu tinha que fazer era ir até os trabalhadores de assistência social do governo para descobrir quantas crianças de rua havia naquela cidade. Eles não sabiam. Eles se animaram com o que Deus me falou e começaram a me ajudar a encontra-las.
Nós fomos capazes de juntar 30 crianças. Começamos ajudando-as com as coisas básicas. Eu contratei uma cozinheira e um professor e outro missionário filipino concordou em ajudar a ensinar as crianças, alimenta-las e ensina-las a Palavra de Deus.
Deus não me falou nada sobre começar a ter uma casa naquele tempo. Ele apenas me contou para limpa-las e alimenta-las ensinando a Palavra e especialmente que Jesus os ama.
Temos visto um progresso incrível com estas crianças nos últimos dois anos. Eu também sei que algumas destas crianças assistirão um dia nossa escola bíblica, como também algumas delas serão líderes com uma chamada de Deus sobre suas vidas.
Começamos em uma sala do prédio do governo o ministério “Jesus ama as crianças de rua”. O número de crianças começou a crescer de 30, 40, 52 – e isso no primeiro ano! Mas o Senhor, meus parceiros no ministério e meus mantenedores eram todos fiéis!
Recentemente eu recebi um sinal verde de Deus para começar um lar para as crianças. Isto levou tempo para achar um lugar que acomodasse nossas necessidades. Mas finalmente encontrei o lugar perfeito. Talvez leve uns cinco anos para fazer tudo o que queremos fazer nesse prédio, uma sala de aula, uma horta, um criadouro, etc. Talvez chamaremos o lugar de “A cidade de Deus”.

“Última palavra para aqueles que sabem que têm que ir – especialmente os solteiros”
Se você é solteiro ou casado, eu encorajo você a fazer algum estudo e conseguir saber o seu papel. Aqueles que têm ido para o campo antes de você podem lhe ajudar.
Para aquelas que são solteiras e que são mulheres como eu, conheça sobre suas irmãs missionárias do passado. Uma missionária Johanna Veenstra, que serviu a Deus na África por volta do século passado, disse o seguinte, “Não tenho tido nenhum sacrifício da minha parte porque o Senhor Jesus tem sido minha companhia constante.”
Você também pode ler sobre Mary Slessor de Calabar. Eu tenho lido a história de sua vida três vezes desde que cheguei nas Filipinas. Sustentada por sua fé em Deus, ela plantou igrejas, escolas e até um hospital.
Eu tenho dito ao Senhor, “Se você quer me usar em qualquer área, aqui estou eu!” E se Deus pode usar essas grandes mulheres, Ele pode usar você também e Ele quer!
A única coisa que temos para oferecer à Deus são nossas vidas. Assim, vamos oferecer a Ele todos os nossos dias em obediência à sua vontade, sendo fiéis no “Ide”!

CAPÍTULO 9
“MULHER E SOLTEIRA NO CAMPO MISSIONÁRIO”
Por Melinda (Osburn) Koehler (’84 ’85)

Melinda Koehler, formada na Universidade do Estado de Portland, em 1992 em Educação em Saúde. Ela formou-se no RHEMA Bible Training Center em Maio de 1985. Ela se mudou para o Zaire, África Central como missionária em Janeiro de 1986.
O esposo de Melinda, Dan, formado em física, matemática e ciências de computação na Universidade Central de Michigan em 1985. Ele trabalhou na corporação química antes de assistir o RHEMA em 1986 e se formar em 1987.
Dan foi ao Zaire onde ele encontrou Melinda em Dezembro de 1988 (Melinda interpretou Dan durante seu primeiro ano no campo). Dan e Melinda se casaram em Janeiro de 1991. Eles tiveram dois filhos: Hannah, que nasceu em setembro de 1992 no Estado e Caleb que nasceu em Nairobi no Kenya, em junho de 1994.
Os Koehlers têm trabalhado no Zaire por um tempo de nove anos, pregando em seminários e ensinando em escolas bíblicas, traduzindo os livros dos Hagins para as línguas Swahili e Kinyarwanda. Eles recentemente têm começado novos trabalhos em Rwanda, um país onde nenhuma igreja tem ensinado sobre a fé. Eles também têm começado uma igreja, uma escola bíblica e escolas elementares.

* * *

Desde a época que eu tinha sete anos, eu sabia que era chamada para ser missionária! Aos sete anos eu fui envolvida em um sério acidente e fui hospitalizada por uma semana. Uma noite durante minha estada no hospital, minha mãe sonhou que eu tinha morrido. Ela acordou apavorada e imediatamente ligou para o hospital.
A equipe do hospital assegurou minha mãe que eu estava bem e falou para ela que voltasse a dormir. Quando ela dormiu novamente, foi acordada pelo mesmo sonho. Ela ligou para o hospital uma segunda vez e eles continuaram a afirmar à minha mãe que eu estava bem.
Quando minha mãe voltou a dormir ela teve o mesmo sonho. Ela não ligou para o hospital. Ao invés disso, ela se ajoelhou e orou a Deus para poupar minha vida. Ela orou ao Senhor que se Ele me livrasse, ela dedicaria todos os dias da minha vida a ele.
Repentinamente, minha mãe teve uma visão. Ela me viu com cerca de 40 anos com meu marido. Tínhamos um olhar muito determinado em nossas faces para servir a Deus. Minha mãe sentiu que eu viveria muitos quilômetros longe dela, mas ela sabia que Deus estava confirmando a ela que eu viveria e não morreria.
Minha mãe não me contou sobre essa visão até muitos anos mais tarde. Mas imediatamente depois que eu saí do hospital eu comecei a contar às pessoas que iria ser missionária na África! Eu não sabia o que era um missionário ou mesmo onde a África ficava, mas Deus tomou a oração da minha mãe e colocou a chamada de missões em meu coração!

“Seguindo o plano de deus passo à passo”
Depois da escola secundária, Deus me guiou a ir para a faculdade antes de assistir o RHEMA. Em retrospecto, agora posso ver porque ele me guiou para me formar na faculdade. Tendo me formado ganhei o respeito dos governos estrangeiros. Os governos estrangeiros estão mais interessados em projetos que você possa realizar para eles do que um evangelismo ou ensino da Bíblia.
Eu assisti o RHEMA de 1983 a 1985. Deus usou as pessoas que eu ajudei durante aquele tempo a me dar “ligações divinas” para o campo no qual ele me queria – a África.
Durante os dois anos que eu estava no RHEMA eu meditei nas escrituras sobre o ser guiado pelo Espírito Santo e eu orei sobre onde Deus me guiaria. Não espere até você terminar a escola bíblica para começar a orar sobre onde ir. Eu sempre conservei meu coração sensível e aberto a Deus, assim eu estaria escutando e ouvindo claramente quando Ele se dirigisse a mim.
Durante o meu segundo ano no RHEMA, enquanto um de nossos professores missionários Ralph Hagemeier ensinava durante uma aula de missões, eu ouvi uma voz atrás de eu dizer, “Você trabalhará com ele”. Eu pensei que um dos outros estudantes estava pregando uma peça comigo! Eu olhei atrás de mim para ver quem era mas todos estavam escutando atentamente o Rev. Ralph.
Então ouvi a voz outra vez, “Um dia você trabalhará com esse homem!” Então eu disse dentro de mim, bem Senhor, se isso é o Senhor falando para mim, você terá que abrir a porta. Meses depois eu estava com os Hagemeiers em Kalemie, Zaire.

“Espere que deus abra as portas das oportunidades”
Uma vez que você ouviu de Deus sobre a sua vontade na sua vida, você pode apenas recostar-se e deixar que Deus abra a porta pra você. Você não tem que forçar a porta de entrada de seu ministério. Deus abrirá a porta antes que você chegue no lugar aonde ele quer.Como eu tenho orado e tirado tempo para esperar no Senhor, eu nunca tive dúvida sobre qualquer decisão que eu tenha tomado. Eu me levanto eu fé em tais escrituras como João 10:3-5; I Coríntios 2:16; Provérbios 3:5-6; Romanos 8:14-16. Por exemplo, eu confessei João 10:4-5 e dizia, “Eu conheço a voz do meu Pastor e a voz de um estranho não seguirei!” Deus é fiel para nos guiar.

“A importância de ser guiado pelo espírito em cada área da vida”
Eu não posso ressaltar quão importante é orar, levantar-se na Palavra e ser guiado pelo Espírito. Apenas recentemente, meu marido Dan e eu tivemos uma advertência interna sobre uma viagem que nós estávamos indo fazer, mas nós não tomamos tempo para orar e descobrir em quê Deus estava nos advertindo. (Dan e eu nos casamos em 1991 e desde então temos servido ao Senhor na África).
Nós estávamos indo para Kigali, Rwanda, para ministrar sobre o feriado da Páscoa. Eu estava grávida naquele tempo. De Kigali nós fomos pegar um avião para Nairobi, Kenya, assim eu podia conseguir um exame completo de pré-natal.
Queríamos voar de nossa cidade natal para Kigali e então para Nairobi, mas decidi dirigir para Kigali e voar para Nairobi de lá, economizando $100. Um dia depois nós voamos de Kigali para Nairobi, foi o dia em que o presidente de Rwanda foi assassinado. Nosso veículo que deixamos estacionado em Kigali foi roubado.
Se tivéssemos tirado tempo para descobrir o que Deus estava tentando nos avisar, nós tínhamos voado para Kigali ao invés de dirigindo. Se tivéssemos tomado tempo para orar, não teríamos ficado tão preocupados em economizar $100 dólares enquanto perdíamos $27,000 mil!
Esteja atento a tirar sempre tempo para Deus e estar sensível à sua direção. Isto pode ser um assunto de vida ou morte.

“O valor da experiência e da preparação”
Quando eu me formei no RHEMA em 1985, fui cheia com a Palavra de Deus mas nunca havia tido qualquer experiência no campo estrangeiro. O único estrangeiro que eu conhecia era de Oregon para Oklahoma! Eu senti como se eu precisasse de alguma experiência em mão, então eu fiz duas viagens à curto-prazo.
Minha primeira viagem foi à cidade do México no México, pouco tempo depois da devastação do terremoto de outubro em 1985. Nós tivemos lá 500 pessoas nascidas de novo em uma semana. Minha segunda viagem foi ao Quetzaltenango na Guatemala, onde nós tivemos 700 pessoas nascidas de novo em quatro dias! Aquelas viagens ajudaram a me dar experiência no trabalho em um campo estrangeiro e usando intérprete!
Eu creio que fazer viagens à curto prazo é uma das mais valiosas experiências que alguém que tenha chamado pode ter. Isso levará embora muito do medo do desconhecido e dará a você confiança em como Deus poderá te usar.

“Tenha fé durante sua caminhada na vida”
As finanças são sempre o maior obstáculo no trabalho de missões. Deus dirige algumas pessoas a itinerar para levantar sustento, o que é especialmente importante se você têm uma família. Mas quando eu era solteira eu não tinha as mesmas necessidades no campo que uma família tem como alimentação e vestuário de crianças, escola, etc. Deus me guiou a fazer planos para ir à África me assegurando que lá Ele supriria todas as minhas necessidades.
Não levantar sustento vai contra o que geralmente é ensinado em missões, mas a chave para o sucesso em qualquer ministério é aprender a seguir o testemunho interior do Espírito Santo e ser obediente ao que Deus dirige você à fazer! Ele me disse “apenas vá” e eu fui!
Minha mente me dizia que eu estava louca! Pessoas bem intencionadas que eram próximas à mim se sentaram para me explicar que eu não poderia ir porque não iria sobreviver no campo de missões, pois quem cuidaria de mim?
Eu já estava bem familiarizada com o meu Pai celestial durante a escola, e eu sabia que como ele me supriu durante a escola, Ele continuaria a ser fiel a mim durante meu tempo no campo!
Viajando para o outro lado do mundo sozinha me fez até mais ciente da Presença de Deus. Há algo especial entre aquelas situações que é só você e Deus! Isso proporciona uma oportunidade maravilhosa para Deus lhe mostrar o seu grande favor por você.
Uma vez que tive que viajar para o Zaire a fim de obter um carro fora do porto, eu gastei um mês viajando sozinha cruzando metade do continente. Quando veio o tempo de cruzar o lago Tanganyika, eu embarquei em um navio de passageiro e o carro iria mais tarde em uma barcaça.
No navio alguns homens jovens me viram sozinha por completo – a única moça jovem branca viajando no navio. Eles começaram a me importunar falando coisas imorais.
Eu poderia ter tido uma autopiedade dizendo,”Pobre de mim, viajando completamente sozinha!” Então eu decidi que se aqueles homens estavam sendo ousados para o diabo eu estava sendo mais ousada para Deus!
Eu comecei testemunhando para aqueles homens jovens e lhes disse que se eles eram salvos não falariam aquilo. Eu lhes expliquei como nascer de novo e como se tornar uma nova criatura.
Antes que eu começasse a falar, uma multidão de cerca de 40 pessoas reunidas queriam ouvir o que esta “moça branca” tinha para dizer! Então eu agarrei minha Bíblia Swahili e preguei para uma multidão cativa por cerca de duas horas. Então eu fiz o apelo e cerca de 18 pessoas aceitaram o Senhor e 14 foram imediatamente enchidas com o Espírito Santo e falaram em novas línguas – exatamente lá no topo do convés do navio!
Nós podemos mudar cada situação para a Glória de Deus – até viajando sozinho para a África!

“O justo viverá da fé no campo missionário mesmo sendo na área de finanças!”
Assim que terminei a escola bíblica, eu comecei a me preparar para o campo missionário mesmo que eu tivesse apenas $10 dólares por mês. Dois dias antes que viajasse eu tinha $1.000 dólares. Um mês mais tarde Deus começou a usar pessoas diferentes e o dinheiro veio mais do que o suficiente (entre $500 e $1000 por mês). Havia o suficiente para a minha passagem. A maioria dos meus recursos eu nunca imaginei de onde viria. Deus gosta de usar a avenida menos suspeita!
O testemunho de Dan como homem solteiro no campo é quase o mesmo que o meu. Ele partiu sem jamais itinerar e com apenas $45 dólares por mês para sustento. Quando chegou lá, ele recebeu cerca de $500 por mês.
Deus tem sido fiel para nós tanto hoje depois que casamos quanto antes de nos casarmos. Teve um ano que tivemos muitas despesas extras por causa de nosso primeiro bebê e parecia que íamos cair financeiramente. Quando fomos ao encontro ministerial no RHEMA em Tulsa aquele ano, Dan sentiu-se guiado a semear $1,000 para o RHEMA Bible Training Center. Minha mente estava me dizendo, “Onde vamos conseguir esse dinheiro? Mas eu me coloquei em concordância com Dan e nós decidimos enviar a oferta parcelada em cinco meses, $200 cada mês”.
No mês que pagamos a última parcela, alguém que não conhecíamos achou nosso endereço e nos deu $10,000!

“Tenha Deus como sua fonte no ministério”
Enquanto eu estava no RHEMA, Deus me revelou a minha parte no ministério Dele. Ele me deu uma tripla visão:

1)- Ser uma extensão do Rev. Kenneth Hagin no ensino da fé para a África via seminários bíblicos. Este plano incluiria gastar várias semanas em uma área do sertão se necessário;

2)- Levantar centros de treinamento onde pessoas em sua nação poderiam ser ensinadas a alcançar seu próprio povo com o Evangelho;
Este plano cria um efeito de multiplicação. Por exemplo, no Zaire há mais de 200 dialetos diferentes e é impossível aprender todas as línguas deles. Mas nós podemos ensinar os nacionais a alcançar seu próprio povo com a Palavra da fé.

3)- Traduzir os livros dos Hagin’s e outros livros de fé na linguagem do povo.
Não pode haver sempre uma porta aberta à sua disposição no ministério nesses países, mas a Palavra escrita pode ir dentro e permanecer em lugares que nós não podemos. Mesmo distantes, nós temos traduzido muitos livros nas línguas Swahili e Kinyarwanda.

“Não comprometa a sua chamada”
Deus tem me dado uma visão muito específica para realizar e eu sabia que se fosse me casar, teria que ser com alguém exatamente com a mesma chamada que eu. Houve muitos homens bonitos que estavam interessados em mim, mas eu não podia comprometer a chamada de Deus em minha vida. É melhor ser uma solteira com êxito e realizar o plano de Deus do quê se casar com a pessoa errada e frustrar os planos de Deus em sua vida. Mas se você é obediente no ir, Deus levará seu companheiro onde você estiver no campo missionário como fez comigo!
Eu sabia que Dan era o homem certo para mim porque ele tinha exatamente a mesma visão de Deus que eu tinha. Antes que eu encontrasse Dan, eu ainda não tinha dividido completamente a visão com alguém na terra. Em uma noite quando estávamos apenas compartilhando sobre o trabalho de Deus em nossas vidas, Dan começou a contar sua visão para a África e era palavra por palavra o plano que Deus tinha colocado secretamente em meu coração para a África! Então eu sabia que ele era a pessoa certa para mim e desde que nos casamos nos últimos quatro anos temos trabalhado juntos a fim de realizarmos aquela visão.
Recentemente nos mudamos do Zaire para Kigali, Rwanda e nós estamos iniciando um trabalho pioneiro lá. Começamos uma igreja e já conseguimos um grupo de louvor para louvarmos à Deus em um país que tem um espírito de assassinato e melancolia lá.
Enquanto nós cantamos, as pessoas vêm escutar e depois eles nos ouvem pregar as Boas Novas. Breves começarão uma escola bíblica tão boa quanto escolas elementares. (A maioria dos professores era massacrados no genocídio e agora o sistema de educação deve começar outra vez).

“Vantagens na vida de um missionário solteiro”
Eu estou grata por ter vindo para o campo solteira, porque de algum modo me tornou uma missionária mais eficaz. Paulo disse em I Coríntios 7:34 e 35 que a mulher solteira é devota a Deus em ambos corpo e espírito. E como isso é verdade! Como solteira eu era capaz de dar-me por completo ao Senhor e ao Seu trabalho. Eu fui capaz de aprender a linguagem muito mais rápida do que muitas de minhas colegas de trabalho casadas porque eu tinha mais tempo para mim mesma – mais tempo para usar em oração e estudo.
Aprender uma língua é essencial se você planeja trabalhar em uma área por muito tempo. As mulheres solteiras em nossa missão particularmente têm sempre estado bem mais bem sucedida na aprendizagem da língua por serem capaz de dar atenção completa ao estudo.

“as armadilhas”
A habitação pode ser o aspecto mais difícil ao se chegar no campo estrangeiro principalmente mulheres solteiras. A menos que você vá com uma amiga e dividam um quarto, você deve ter que se alojar com quem quer que esteja por lá. As mulheres freqüentemente têm problemas em achar uma colega de quarto compatível. As pressões já são grandes demais para se viver em um país de terceiro mundo como uma pessoa de raça diferente e ainda ter conflitos no local do seu lar.
Assim, faça uma seleção de uma colega de quarto e coloque como prioridade em oração. Mulheres em geral tendem a ser mais exigentes sobre como elas gostam de conservar suas casas. É melhor viver sozinha ou tentar ir para o campo com alguém que você já conhece e que é compatível com você. Isso pode lhe evitar muitos problemas!
Alguém uma vez me disse, “Eu amaria o campo de missões se não fosse os outros missionários!” Infelizmente isso pode ser verdade algumas vezes. Se você ficar em uma situação difícil, lembre-se, a chave para a vitória é amor e perdão. Quando você vive nessas regras, você será um vencedor em todo tempo.
Estive em uma situação quando cheguei no campo no qual minhas colegas de quarto escolheram não gostar de mim antes mesmo de me conhecerem! As palavras delas no início, cheias de dor, me devastaram no início. Mas eu estava determinada a andar em amor e bondade apesar de como elas me tratavam. Não foi fácil e levou um ano para realmente vencê-las. Mas eu estou contente em dizer que porque eu continuei a andar em amor, as pessoas que mais me feriram, hoje se tornaram minhas amigas mais íntimas.
Uma coisa também relativamente difícil para mulheres solteiras no ministério é trabalhar com homens. Nos países subdesenvolvidos, a maioria das mulheres não é educada. Na verdade, no Zaire, muitas poucas mulheres sabem ler e escrever. Quando eu fui de início ao Zaire eu pensei que as mulheres lá não me aceitariam porque eu não era casada e não tinha filhos. Nós não tínhamos nada em comum. Algumas me olhavam de um jeito de baixo pra cima na cultura africana. Mas desde que me casei e tive filhos, tenho tido alguns encontros tremendos com mulheres.
Quando eu era solteira, a maioria do meu ministério foi dirigida ao ensino na escola e nas igrejas. Os estudantes especialmente eram muito entusiasmados em aprender a Palavra. Vários deles até diziam que a razão de Deus ter-los enviado para a escola era para ficarem em fé como em Marcos 11:23-24 que eu lhes dei. Isso era revolucionário para a vida deles.
A vida de solteiro é especialmente difícil na cultura Africana porque o adultério é um problema desenfreado mesmo na Igreja. Quando as pessoas estão vivendo em pecado, eles esperam que alguém mais esteja como eles. A coisa importante a fazer é evitar mesmo a “aparência do mal”.
É difícil saber de inicio apenas o que as pessoas estão pensando em uma outra cultura, mas tente ser sensível. Como em qualquer ministério, evite estar sozinho com alguém do sexo oposto ou passar qualquer tempo extenso com ele ou ela. Então você não providenciará oportunidade para as pessoas falarem. Deus sempre defenderá você enquanto você esforçar-se para conservar seu caminho puro.

“Lidando com a solidão”
Aquelas longas noites africanas! A escuridão vem para África às 6:00 da tarde e fica até 6:00 da manhã. Assim, a doze horas de escuridão e doze horas d claridade. Como um solteiro no campo, há potencial para solidão. Não há nada a fazer no Sertão da África depois da escurecer. Eu percebo que outras culturas não são tão atrasadas, mas houve muitas noites largas quando eu estava sozinha. É duro quando outros estão em casa com as famílias deles e você está sozinho. Trazendo bons materiais de leitura ou ter uma televisão e VCR podem ser uma benção tremenda (isto é, se você tem eletricidade).

“Deus te dará graça para a tarefa e recompensa por sua obediência!”
Um benefício de ser solteiro é ter mais oportunidade para se unir as nacionais. Antes que eu estivesse cansada, eu gastei mais de meu tempo com os nacionais ou ministrando. Eu estava com a lotação esgotada para o ministério toda semana por três meses adiantado e podia ter aceitado mais convites se eu tivesse querido. Eu era capas de fluir por mim mesmo 100% em estudo e ministério da Palavra de Deus. Embora vivendo sozinho é um grande desafio, o que faz valer o sacrifício é ver pessoas sendo liberto pela Palavra de Deus.
Quando eu fosse atravessar um tempo difícil e começasse a penas que o sacrifício era grande demais, Deus me daria uma medida extra de unção Dele e graça, e o ministério seria até mais doce.
Depois de um tempo particularmente difícil, eu me lembro de uma senhora que tinha sido uma espiritualista que foi salva em um de meus encontros. Eu estava ensinando sobre o Deus Pai e compartilhando meu testemunho de que Deus cuida de mim. O marido desta senhora tem deixado a ela com cinco filhos, e ela fazia sua vida conversando com os espíritos dos mortos. Quando ela ouviu que deus tinha cuidado de mim, milhares de milhas longe de casa, ela soube que Ele podia cuidar dela também. Ela arrependeu-se por servir o diabo e foi gloriosamente salva. Enquanto eu permaneci em fé durante aqueles duros tempos, Deus recompensaria com bençãos extraordinárias.
Há um prejuízo contra solteiros no campo de missões que nunca experimentei nos Estados Unidos. Aparentemente, tudo é suspeito. Uma amiga minha trabalhou com uma organização particular que tinha um tempo de desencorajamento e eventualmente voltou para casa. Ela queria trabalhar em parceria com uma outra família entre os pigmeus, mas sua liderança teve medo de uma situação de adultério desenvolvida apenas porque ela era solteira sem um parceiro. Ela disse, “eu me sinto como culpada até que prove a inocência”. Sua superior disse, “você é!”.
Há muito trabalho contra a mulher solteira, mas você pode vencer a provar que você pode viver para a gloria de Deus acima do pecado e reprovação.

“Pague o preço de conservar-se espiritualmente forte”
É um grande desafio conservar-se erguido espiritualmente. Usualmente não há ninguém mais para alimentar você. Em cada lugar que nós temos trabalhado, nunca havia mais ninguém que acreditasse no caminho que nós fazemos. Raramente há uma outra pessoa cheia do Espírito ao redor, uma quase nunca há uma pessoa com a palavra de fé.
Eu achei importante trazer livros e fitas para a construção da fé. Eu gosto de ler livros de Smith Wiggleswort, John Lake, e Lílian B. Yeomans. Depois de minha primeira fase na África, e achei que trazendo meus livros de escola de Bíblia era de longe mais importante do que apenas sobre alguma coisa mais – até mais importante de que meu sopro mais seco e aspiral de ferro!
Construindo minha fé diária nas áreas de cura e proteção é essencial. Nós estamos em uma área onde não há doutores, telefones, ou qualquer tipo de ajuda do outro lado. Esta é uma grande oportunidade de por em pratica o que nós aprendemos no RHEMA!

“Seja um exemplo para outros missionários”
Associar-se com outros de igual fé preciosa é importante. Eu valorizo então aquela sociedade. Infelizmente não há pessoas de fé em nossa parte do país. Em Bukavu, Zaire, nós tínhamos uma sociedade Inglesa aos domingos à noite, mais me incomodava ouvir tanta descrença às vezes. Quando eu estava através sendo um julgamento, eu tive que evitar associar-me, então eu não encararia oposição do qual eu estava crendo em Deus. Mas nós podemos associar-nos com outras missões ao redor do salvador. Algumas de minhas melhores amigas tem sido de outras missões tais como a Anglicana e a Batista Conservadora.
É importante ser um bom testemunho para outros missionários também. Minha amiga Batista disse que ela era capaz de aprender muito de mim, que ela teve que realizar sua própria doutrina. Uma outra missionária Pentecostal com o qual eu vinha em contato no Kinshosa (cidade da capital do Zaire) me contou algo negativo sobre cada pessoa de fé em que ela jamais conheceu e falou que elas eram todas “faíscas!”
Por exemplo, vários deles tem sido tolos e tem ido à bancarrota enquanto confessava que suas taxas tinham sido pagas. Naquele tempo, eu estava procurando uma exoneração do governo para a Land Cruiser que tinha sido doada por mim. As exonerações foram não freqüentemente dadas, mas em sabia que Deus tinha uma para mim!
Esta missionária Pentecostal continuou me contando como era impossível e que eu nunca conseguiria a exoneração. Ela disse que até missões bem estabelecidas tinham folhado em receber uma, assim nossa missão que não tinha recebido ainda tudo de seu governo em papéis nunca seria capaz de conseguir uma exoneração.
Todo o tempo esta missionária me deu um mau relatório, eu voltei para o meu gabinete de oração e contei a Deus o que ela disse. Então eu lembrei a Deus que eu acreditava Nele. Ele é maior do que qualquer escritório do governo! Ele é maior que toda a corrupção do governo do Zaire! Ele é maior do que meus relatórios.
Um par de dias mais tarde quando esta missionária veio para visitar, sem dizer uma palavra para ela, eu apenas mostrei a ela meus papéis de exoneração. Ele começou a chorar e disse, “Melinda, você é a primeira pessoa que eu jamais trabalhar com fé!” Louvo a Deus que nós podemos ser um exemplo não apenas para os nacionais, mas também para outros missionários!

“Boletins são um dever”
Algo que eu sei que é muito importante é o boletim mensal. Boletins conservam seus mantenedores informados em qual área do ministério você está envolvido atualmente e ajuda seus mantenedores a ficarem perto de você. É importante que nos seus boletins você divida a sua história dia-a-dia sobre o que é a vida no campo de missões.
Não é importante pregar para eles em suas cartas, mas deixá-los sentirem-se como uma parte de sua vida. Deixe que sua vida seja um testemunho vivo do que você prega! Qual tipo de comida você come? Quais são suas acomodações? Divida os seus acontecimentos diários, tipo, “Outro dia uma coisa estranha me aconteceu…”
A vida em uma terra estrangeira é tão diferente da vida que nós estamos acostumados. Assim divida as diferenças da cultura com seus parceiros. Meus parceiros dizem que eles esperam ansiosamente por nossas cartas todo mês porque eles intitularam: As aventuras de Dan e Melinda!
Por exemplo, recentemente eu experimentei o desafio de minha vida missionária – comer o pavoroso dagaa! Um alimento favorito no Zaire que é um pequeno peixe miúdo de água doce (usado para isca nos Estados Unidos). Por quase dois anos eu tinha evitado vitoriosamente comê-los. Mas um dia eu andei pela cafeteira da escola bíblica quando os estudantes estavam comendo o dagaa, e eles me convidaram a comer com eles.
Eu pude ver o desapontamento deles quando eu dei uma dúzia de desculpas porque eu não podia. Assim eu aceitei o convite e sentei perto de um prato desses peixes feios com seus pequenos olhos arregalados para mim! Eu respirei profundamente e empurrei o primeiro. A areia no peixe fez um som entre meus dentes. Eu quase me engasguei! Eu planejei comer dois deles antes de me desculpar. Os estudantes estavam tão assustados porque eu estava comendo com eles que em breve eu me tornei sua professora favorita.
Estes tipos de incidentes diários(e acreditem, eles são diários!) são divertido para compartilhar com seus parceiros.
Também se lembre, não olhe para as igrejas ou seus boletins como sua fonte de sustento. Deus é sempre nossa fonte, mas nós temos a responsabilidade para continuar informando aqueles que estão orando e nos apoiando.

“Não caia na armadilha do rancor”
Há uma armadilha que freqüentemente eu vejo os missionários caírem e é o rancor. É duro estar longe da sua nação, família e amigos. O diabo tentará desencorajar você e fazer você pensar que ninguém pensa ou cuida de você. Eu tenho ficado muitas vezes por longos períodos de tempo sem receber nenhuma carta. Eu me sentia ferida e esquecida por todos. Eu pensava, eu estou aqui batalhando no outro lado do deserto tentando levar a Palavra de Deus para um grupo de pessoas com torcicolo e ninguém liga!
É fácil ficar com ciúmes, rancor ou autopiedade. Mas é durante esse tempo que você tem a oportunidade de louvar à Deus e não perder sua alegria. Se nós somos fiéis para realizar o ministério que Deus tem nos dado, haverá uma recompensa.
Algum dia quando estivermos na Ceias das Bodas do Cordeiro (você pode olhar para mim sentado na seção Zairian comendo o ugali e dagaa celestial!) haverá aqueles que dirão, “obrigado, Melinda, por vir para nós com a Palavra. Nós estamos aqui apenas porque você veio!” os sacrifícios temporais que nós fizemos não são nada comparado às recompensas eternas que estão sendo armazenadas para nós.
Ninguém nos deve nada. Alguns missionários têm tentado fazer o povo voltar para casa sentindo culpa por não fazer mais. Nós não tentamos extrair dinheiro de ninguém ou acumular culpa sobre eles. Mesmo nos Estados Unidos, nossa meta é ministrar para o pastor e as pessoas das igrejas que nós visitamos. Assim nós ministramos para as necessidades da igreja, Deus sempre vê isso que nossas necessidades estão encontradas também. Se você realmente crê que Deus sozinho é nossa fonte, então todos estão se esforçando muito para levantar sustento apenas cairá pela beira da estrada.
Levantar sustento é uma grande oportunidade para usar sua fé e começar confessando que Deus está levantando pessoas para fisgar com sua visão. Reclame em favor das escrituras em oração sobre igrejas e pastores. Se nós fazemos nosso trabalho de casa em oração, então Deus pode abrir as portas que Ele tem para nós.

“o que você prega deve ser real para você”
Durante o meu primeiro período, eu realmente precisei de um veiculo. Era uma tentação querer olhar para varias igrejas ou indivíduos para encontrar o que precisam. Mas Deus me lembrou que lê sozinho foi muito forte. Muitas vezes eu tive que andar ou usar transporte publica, ou eu tinha que pedir emprestado um veiculo de outros missionários.
Eu lembro que um domingo andei para três serviços diferentes e tinha bolhas sobre os meus pés. Eu vi isto como um desafio da fé, assim enquanto ou andava, eu agradeci a Deus. Eu queria ser um exemplo para o povo do Zaire na palavra e em ação. Eu queria mostrar a eles como confiar em Deus para suas necessidades enquanto eu estava confiando Nele para a minha.
Deus era fiel, e algumas vezes mais tarde os missionários Kenneth Copeland doou uma Toyota Land Cruiser novo em folha para mim. Em todo lugar que eu tinha orado em fé, eu contava as pessoas que Deus estava para me dar um carro. Eles foram selvagens com excitação e regozijaram – se quando viram aquele bonito caminhão que eu chamei “Nsango Malamu” (significam as Boas Novas na linguagem Lingala). Nosso ministério é sem valor se não podemos viver o que nós pregamos.

“O amor nunca falha”
Meu lema no ministério é uma citação d Lloyd Jonh Ogilvie. Ele disse, “Quando as pessoas sabem quanto você tem cuidado, então elas cuidarão do quanto você sabe!” Eu tenho visto missionários tornarem – se militantes e duras sobre as pessoas, como um major do exercito seria. Isto isolou estes missionários das nacionais, e faz os missionários rancorosos sobre a rejeição deles. Eles se espantaram porque as pessoas não as aceitaram! Mas o que atrai a atenção das pessoas é a compaixão e o amor. Seu ministério nunca se importará com alguém se você não mostrar o amor de Deus. O amor nunca falha!

CAPÍTULO 10
“PERMANECENDO FIEL À SUA VISÃO”
Por Bill e Shelli Pafford (’89 ’90)

Cinco meses depois que Bill e Shelli Pafford se formaram no RHEMA Bible Training Center, eles foram para o campo missionário nas Filipinas. Desde esse tempo, os Paffords tem estado trabalhando com os missionários Paul e Shoddy Chase, ensinando e treinando nacionais para o ministério no Centro de Treinamento Bíblico Palavra Viva. Bill e Shelli também conduzem encontros em igrejas por toda as Filipinas.
Os Paffords sabem que um dia estará se mudando para a China como missionários, fazendo o mesmo tipo de trabalho que eles fazem atualmente. Eles têm três filhos: Scott com 11 anos, Brad com 10 e Brittany com seis anos.

* * *

Alguns anos antes de assistirmos as aulas no RHEMA, nós sabíamos que seríamos missionários na China um dia. Embora nesse momento não estamos na China, mas tudo o que estamos fazendo agora no campo missionário nas Filipinas é uma preparação para as coisas que estaremos fazendo na China.
Uma coisa que eu tenho aprendido é que tempo de preparação não é tempo perdido. É conseguir que você esteja preparado pelo o que vem em frente. A beleza disto é que até agora nós estamos mudando as vidas e os destinos eternos das pessoas na Ásia.
O Senhor falou comigo sobre a China uma tarde enquanto estava o adorando em minha sala. Ele disse, “Eu estou levantando pessoas na China que se tornaram para Mim evangelistas, pastores e mestres. E você será uma parte daqueles que eu enviarei para lá a fim de ensiná-los e treiná-los”.
Bem, como eu disse, nós não temos alcançado a China ainda, mas até agora Deus esta nos preparando. A China está sempre em nosso coração. Nós não podemos ir à África porque não está em nossos corações. Nós podemos orar pela África, visitar a África mas não poderíamos viver lá.
O Senhor disse algo interessante à Paulo quando Ele lhe apareceu na estrada de Damasco em Atos 26:16 e 18:

Mas levanta-te e firma teus pés porque Te apareci por isso, para te pôr por ministro e testemunha tanto das coisas que tens visto como daquelas pelas quais te aparecerei ainda;
Para lhes abrires os olhos e das trevas os converteres à luz e do poder de satanás a Deus: a fim de que recebam a remissão dos pecados e herança entre os que estão santificados pela fé em Mim.

Eu sempre me atraído por essas escrituras; elas significam algo muito forte para mim pessoalmente.
Há também dois versículos que parecem estar impressos em meu coração:

II Timóteo 2:2
E o que de minha parte ouviste através de muitas testemunhas, transmite-os à homens fiéis e também idôneos para instruir a outros.

Filipenses 2:13
Porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.

Estas escrituras falam para mim no mais íntimo do meu espírito e me dá direção para a minha vida. Elas me mostram o que fazer me mostrando o propósito de Deus e o plano para a minha vida na Terra.
Nas Filipinas desde Outubro de 1990, temos pregado e ensinado coisas que temos aprendido e visto no Reino de Deus. Temos pregado e treinado Filipinos que são chamados no ministério, assim eles podem levar as Boas Novas de Jesus por toda a nação deles e até mesmo para as outras nações do mundo!
Temos trazido ressurgimento para a igreja nas congregações enquanto temos ido ensiná-los. Também temos enriquecido os ministérios de pastores e professores da bíblia ensinando-lhes um conhecimento mais complexo e mais profundo das Escrituras.
Estamos desenvolvendo bons professores da Bíblia que podem ministrar para as pessoas aqui e seguirem a liderança do Espírito Santo. Temos visto grande crescimento no Corpo de Cristo nas Filipinas.
Isto é o que Deus tem chamado Shelli e eu para fazer e estamos muito contentes em fazê-lo. É um prazer servir ao Senhor na Ásia!
Muitos, não poucos, das pessoas que nós temos ensinado a conhecer Deus e chamando-os para as nações da Ásia. Enquanto Deus tem estado nos preparando para China, nós temos estado preparando outros para ir também – para a China tão bem quanto os outros países asiáticos. Que alegria e privilegio é fazer isso!
Então, outra vez, o tempo de preparação não é um tempo perdido desperdiçado. O tempo de preparação prepara você apenas para aquelas coisas que estão adiante. Quando Shelli e eu ficamos na China, nós já teremos muitos anos de experiência que nos ajudará enquanto nós começamos a ensinar e treinar as pessoas da China.

“Ficando no campo de missão”
Como eu mencionei antes, o tempo de preparação não é tempo desperdiçado. Ao contrario, ele pavimenta o caminho pelo qual à vontade de Deus será realizada em sua vida.
Assistindo ao RHEMA Bible Training Center como parte de nossa preparação não apenas nos ensinou o que a escritura diz, mas deu-nos certa sabedoria sobre a igreja e a vida cristã. Também nos coloca na posição de começar nosso trabalho missionário na Ásia.
Depois da noite de cerimônia de formatura do RHEMA, nós assistimos a festa de formatura no Ninowski Recreation Center. Eu ouvir por acaso dois de meus amigos falando sobre o ministério futuro, e eu disse para eles, “não se apressem sobre o que você estarão fazendo no futuro, apenas aproveite esta noite de formatura. O Senhor mostrará a vocês mais tarde o que Ele quer você para fazer”.
Shelli e eu não fomos ansiosos sobre o futuro, porque nós já sabíamos que de algum modo, e em algum tempo, nós estaríamos indo para o campo de missão e para a China.
Por anos antes assistindo o RHEMA e enquanto assistia o RHEMA, nós sabíamos que nós estaríamos indo a China um dia. Durante os últimos poucos meses nós fomos ao RHEMA, eu sabia que dentro de um ano nós estaríamos no campo de missão. Eu não sabia como acharia a resposta para tudo, mas eu assumi que nós estaríamos na China dentro de um ano.
Em cinco meses, bem, dentro de um ano, nós estávamos no campo de missão – não na China – mas nas Filipinas. Deus tem estado nos usando nas Filipinas e preparando-nos para o que está adiante ao mesmo tempo.
O dia depois da formatura do RHEMA, um companheiro colega de classe e bom amigo veio a nós e nos convidou para ouvir um missionário da Ásia que estaria na cidade aquele dia. Shelli e eu rapidamente decidimos ir. Nós fomos apenas alegres em ir e ouvir uma temporada, um missionário falar. Nós não tínhamos nenhuma expectativa de atualmente nos juntar a ele ou ao seu ministério.
Bem, para encurtar a historia, durante o tempo de compartilhar aquele dia do missionário Paul Chase, veio em ambos os nossos corações para começar nosso trabalho missionário nas Filipinas, trabalhando com Paul Chase e sua esposa, Shoddy!
A próxima semana nós retornamos do RHEMA para nossa casa paroquial em Lakeland, Florida, Family Worship Center, no qual é pastoreado por Reggie Scarborough. Nós dividimos com ele como nós viemos para nossa decisão de ir para as Filipinas, e ele concordou conosco. Cinco meses depois, ele e a igreja nos enviaram para as Filipinas – para a Ásia – para o outro lado da terra!
Durante os cinco meses entre nossa formatura do RHEMA e nossa primeira viagem para o campo de missão, nós ficamos envolvidos em nossa igreja. Eu comecei a ministrar outra vez cada quarta – feira na prisão do condado. Era um estabelecimento fora do alcance de nossa igreja.
O Pastor Reggie me pediu para vir na equipe e ficar mais experiente no ministério e ver mais sobre como a igreja funcionava. Eu sempre serei grato a ele por sua confiança em mim e por me permitir à oportunidade de aprender de seu maravilhoso ministério. Ele é verdadeiramente um homem bom que tem fé em um grande Deus, e acredita e confia na liderança do Espírito Santo.
O Pastor tem feito ricos depósitos em nossas vidas, apenas como o RHEMA tem, e apenas como os hagins e outros grandes ministros de Deus tem. Aqueles ricos depósitos são para nós, nossa família, e para o povo que Deus envia para nós.
Nós encontramos com Paul Chase um par de vezes durante aqueles cinco meses depois da formatura do RHEMA. Eu tinha escrito embaixo, mais do que cem questões para ele responder para nós e algumas daquelas questões tem duas ou três partes! Eu tinha bastantes questões porque nós nunca tínhamos feito o que nós estávamos para fazer. As perguntas eram não para determinar se ou não, nós poderíamos ir, mas como fazer nossa primeira experiência no campo de missão mais confortável e bem sucedida. Nós realmente não sabíamos o que esperar no campo de missão.
Eu suponho que aquelas questões me ajudaram um pouco, mas eu tenho conseguido contar a vocês, a primeira viagem para o campo de missão pode ser um choque real. Como eu disse, eu realmente não sabíamos o que esperar. Vivendo em uma América moderna não prepara você para o campo de missão. A pobreza, a falta de esperança, os hábitos, os modos de pensar, a falta de algo conveniente, e os cheiros em nosso campo de missão tudo toma algo que ficamos acostumados.
Mas nós ficamos acostumados, e assim você pode, por causa da graça que é disponível para aqueles que Deus chama. Nós sabíamos que Deus nos queria aqui, e nós propomos em nossos corações que nós seguiríamos Sua vontade.

“Preparação Espiritual”
Sabendo o “que”, “onde”, “quando”, “quem” e “como” da vontade de Deus para qualquer iniciativa missionária é exatamente importante. Recobrindo dos custos dos erros do tempo e dinheiro são valiosos. É verdade que algumas pessoas até serão abençoadas através de seu ministério para eles, mas se você não esta aonde Deus quer que você esteja, fazendo o que Ele quer que você faca, então você esta no lugar errado, fazendo coisa errada. Em outras palavras, você não esta fazendo a vontade de Dele no que refere a Sua chamada.
O missionário precisa conseguir e seguir a visão de Deus para seu trabalho missionário. Ele será responsável para Deus por isso. Deus dá planos, propósitos, e vista ou visão para Seus missionários. 0 missionário apenas precisa conseguir, receber e fazer.
Conseguir aqueles planos, propósitos, e vista ou visão de Deus não é duro se você está fazendo o que pega para conseguir-los. E o que leva para conseguir-los é a mesma coisa que leva para saber “o que, onde, quem, quando e como” da realização da vontade de Deus. Em outras palavras, mantendo uma amizade íntima com Deus coloca você em uma posição de ouvir as instruções de Deus.
A oração é tão necessária a fim de encontrar tudo o que você precisa saber o que diz respeito da vontade de Deus. Sem comunicação entre você e deus, você não pode saber a vontade de Deus. Se você não sabe a vontade de deus no que diz respeito a seu trabalho de missão, então você não pode fazer a vontade de Deus nas missões. É tão simples quanto isso. A oração é a comunicação entre você e Deus, é o veículo que coloca você e seu Pai em contato um com o outro.
A oração coloca você em uma posição de ser verdadeiramente um com Deus em seus planos e propósitos para sua vida. Permite a você a oportunidade de estar em acordo com Deus em alguma coisa e tudo sobre seu trabalho missionário. É através da oração que o missionário encontrará o “que, onde, quando, quem e como” da realização de sua chamada missionária!
Sem oração – sem comunicação entre você e Deus – você pode ter uma unção íntima para missões, mas você não saberá qualquer dos específicos acima – mencionado, que você deve conhecer. Assim, comunique-se com Deus, e Ele deixará você saber alguma coisa que você precisa saber.
Se você que é chamado para ser um missionário, vá a um bom centro de treinamento da Bíblia, como o RHEMA, para aprender a palavra de Deus, para obter sabedoria, e para aprender como aplicar praticamente a Palavra de Deus, conhecendo os caminhos do Espírito Santo, conhecendo como ser prático, e aplicando o que você conhece para a sua vida e ministério fará de você um sucesso. Não é o que Josué 1:8 nos conta?

Josué 1:8
Não cesses de falar deste livro da lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, fará prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido.

“Ache alguma coisa para colocar a sua mão”
Até se você não conhece ainda todas as coisas necessárias que você precisaria conhecer para seguir a vontade de deus para seu trabalho missionário, você pode ainda ficar envolvida na área de sua chamada e ganhar algumas experiência valiosa.
Sempre esteja movido na direção que Deus tem chamado você para fazer, mesmo se você não possa especificamente faze-lo ainda. Por exemplo, transmita com um outro missionário e trabalhe lá por um ano ou mais. Você aprenderá muito. Tempo no campo de missão dá a você uma oportunidade de lidar com seus sentimentos e mudar em áreas que você precisa mudar.
Ficando envolvido causará a você saber mais do que você já sabe. Use aquele tempo como um meio de “aprendizagem” até que seja a hora de você mudar-se para a vontade especifica de Deus para você. Ficar envolvido também dará a você direção para a oração – há coisas, situações, circunstancias, e diariamente no que se refere ao campo de missão que você poderia orar no tempo adiante.
Mais – como um bônus adicional para você – mesmo enquanto você está ajudando alguém mais no campo de missão, Deus pode usar você lá. Com todas aquelas experiências e conhecimentos valiosos, você estará em uma posição melhor de fazer o que Deus quer que você faça.
Quem então trabalharia com você? Seria alguém que é provado no campo de missão. Se você é um formado do RHEMA, você poderia contatar o RHEMA. Eles podem contar a você de algum grande missionário que trabalha para uma transmissão de radio com o que ajudará você a desenvolver-se como um missionário. Enquanto você começa a falar sobre certos trabalhos missionários, seu espírito terá a paz de Deus no que diz respeito a um deles. Aquele ministério ajudará a retornar para sua lembrança. Segue-se depois a paz. Tome um passo de fé (você não morrerá!)
Três coisas que eu sempre confio são as seguintes:

1. A Paz de Deus Por Dentro:
A paz de Deus deve reinar em nossos corações (Cl 3:15). A paz de Deus ultrapassa nosso entendimento (Fl 4:7). Nós devemos perseguir as coisas que trazem a paz.

2. A Sabedoria Que Deus Está Trabalhando em Mim:
Filipenses 2:13 diz, “Porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.” Eu sei que Deus esta energizando e criando em mim tudo o que é preciso e não apenas conhecer sua vontade. Dele vem o querer ou o desejo para fazer a vontade Dele. Então Ele trabalha em mim a habilidade de que vai me ajudar a fazê-lo.
Salmos 37:4 e 5 dizem, “Agrada-te do Senhor e Ele satisfará os desejos do teu coração.” Entrega o teu caminho ao Senhor, confia Nele e o mais Ele fará!

3. O Fato é Que o Espírito Santo Me Lembrará da Vontade de Deus Para Minha Vida!
Jesus disse em João 14:26 que o Consolador, o Espírito Santo, “…vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito.” Em outras palavras, o Espírito Santo lembrará a você à vontade de Deus em sua vida.
Como eu já mencionei, oração é essencial para o conhecimento da vontade especifica de Deus para você. E uma vez que você está onde Deus quer que você esteja, e você está fazendo as coisas que Deus quer que você faça, a oração conservará você no caminho certo.
As coisas que você recebe em oração do Senhor revelam mais do plano de Deus para sua vida e ministério, alertará você de perigos, alertará você dos homens maus, mostrará a você como se corrigir, evitar e dominar problemas, e conservará você no amor de Deus.
A oração eficaz fará você bem sucedido. Assim mantenha o seu relacionamento íntimo com o Senhor.
Vivendo uma vida de oração – sempre levando para Deus Pai – tem provado ser eficaz para mim. Mas algumas vezes minha esposa e eu precisamos de horas especificas de oração para nossa vida e ministério. Há também horas especificas para orar quando a equipe de missão vem juntas, cada semana, para orar e falar com Deus a respeito de nosso trabalho missionário.

“A preparação espiritual do“como – Para””
1. Orando no Espírito é um modo maravilhoso de falar com Deus sobre as coisas que você não sabe como falar com seu entendimento. Quando você ora no Espírito, você esta falando sobre mistérios, mas eles não são mistérios para Deus! Ele sabe o que esta adiante, o que precisa ser feito, como fazê-lo, e o que Ele quer fazer.
No campo de missão, há muito “desconhecidas” – coisas que variarão vastamente de seu caminho de vida – especialmente se você esta em um lugar novo que é estranho para você. Ore no Espírito. Ore fora de sua boca à vontade de Deus no que se refere às pessoas, seu tempo lá, e seu ministério para eles. Transmita com o Senhor. Ore no Espírito, orando a vontade de Deus. ore no espírito em fé. Uma unção virá sobre você, produzindo o ministério sobrenatural para as pessoas.
2. Alimentando-se da Palavra de Deus é uma outra parte importante da preparação espiritual. Alimentando-se da Palavra não é apenas para a preparação, entretanto, é para a manutenção espiritual. É uma coisa para ser capaz de pregar a mensagem para aqueles que querem escutar, é uma outra coisa para viver a mensagem antes das pessoas – todo tempo.
No campo de missão, os cristãos podem perdoar suas falhas, mas perder pessoas não! Alimentando-se da Palavra de Deus permite que a Palavra caia profundamente em seu coração. Colocando a Palavra em seu coração em base regular desenvolve caráter bem cristão e traz adiante boas coisas de seu espírito.
Se você não é cuidadoso, o que quer que você seja, mas especialmente no campo de missão, você pode ficar ocupado demais. No campo de missão, as pessoas em todo lugar precisam de você para ir e pregar ou ensinar. E aqui, tão bem quanto na maioria dos países estrangeiros – missionários não são “uma dúzia de moedas de dez centavos”. A ultima estatística que eu li dizia que na Ásia, há apenas um missionário por 170.000 pessoas! Assim, a necessidade para você ir “em todo lugar” e ministrar definitivamente existe!
Agora se o Senhor quer que você vá “a todo lugar”, Ele mostrará a você “o que, onde, quando, quem e como”, assim você pode realizar o que Ele esta guiando você para fazer. Mas Ele quer que você vá para aqueles lugares espiritualmente construído e forte, não fraco. Oração e alimento na Palavra ajudará você a fazer-se espiritualmente forte. Se você omite aquelas duas coisas, então você sempre será o único necessitado de alguém que vem e ministra para você! Mas se você realmente ajuda e abençoa alguém mais.
Desenhe o seu dia, mesmo se você esta viajando ou ministrando por muitas horas, ter algum tempo para alimentar-se na Palavra. O que aconteceria para você se você trabalhasse duro todo o dia e você deixa de comer alimento físico para o seu corpo? Você não duraria tanto.
Em nossos trabalhos de missões, nós trabalhamos duro todo dia. Alguns dias nós pregamos ou ensinamos por cinco horas, algumas vezes mais do que isso. Alguns dias nós apenas ensinamos por uma hora, mas com preparo para nossos seminários e encontros, mas a preparação das pistas, folhetos de propaganda, ensinos, e outros materiais tão bem quanto acompanhamento nos convertidos, nosso próprio papel de trabalho, e tempo pessoal e familiar, tempo pode ir embora rápido. E irá embora.
Mais, há a inconveniência da falta de equipamento moderno e transporte pobre para lidar. Em algumas nações, tudo tem que ser feito escondido (em segredo), que significa que podia levar muito mais longo para faze-lo.
Então se você não tirar um tempo para alimentar-se regularmente e freqüentemente na palavra, você ficará fraco espiritualmente e torna-se menos eficaz para outros, incluindo a sua família, e para si mesmo. O campo de missão não é nenhum lugar para ministros espiritualmente fracos.
3. Aproveite a si mesmo de boa referência e livros de estudos, fitas cassetes, e vídeos. Estas coisas ajudarão você grandemente no campo de missão. Trago livros para sua biblioteca que cobre uma larga variedade de assuntos. Você pode adicionar aqueles livros enquanto o tempo passa. Como um missionário, você estará disciplinando aqueles que você vence para o Senhor, assim você precisará saber como ajuda-los em cada área da Palavra.
Bons discípulos produzirão outros novos cristãos através de testemunho de suas vidas e seus depoimentos. Em muitos lugares de mundo, o testemunho cristão e depoimentos são facilmente visto por causa do estilo de vida cristão que contrasta grandemente com religião, corrupção, tradição, e todos os tipos de estilos de vida injusta.
Traga muitas fitas de ensino para o campo de missão com você. Também, tenta alguém enviado fitas em uma base regular para você. Não apenas escute a si mesmo pregando, escute outros provando ministros do Evangelho também.
Escute as fitas de pastores que realmente falam a seu coração. Missionários precisam de bom ensino pastoral também. Se você não ouvir bom ensino pastoral por si mesmo, você pode ficar espiritualmente um “floco”. Eu tenho realmente apreciado escutar as fitas de ministros provados pelo Evangelho. Os ministros que nós escutamos realmente alimentam nossos espíritos, corrige-nos, e conserva-nos na pista certa. Eles mesmos alimentam a visão que nós temos dentro de nós.
Ensino pastoral ajudará você em disciplinar outros. Por exemplo, se você é o único missionário que as pessoas tem para escutar, e tudo o que você prega é salvação e cura, ou você pode apenas ensinar em dois ou três assuntos, ambos você e seu povo serão desequilibrados. Assim aprenda e esteja sempre aprendendo da palavra – por seu próprio beneficio e para o beneficio das pessoas de quem Deus tem enviado você.
4. Música de louvor e adoração é um dever para o missionário. Você terá que trazer com você a boa musica de louvor e adoração que você pode ter usado em sua casa paroquial, porque mais do que provável, não será disponível em seu país de destino! Agora, ao invés de seu ministro de musica de igreja, você será o único que liderarão outros de musicas, vídeos, e livros de canções. Você precisará deles primeiro para si mesmo, e então você precisará deles para ensinar as canções para as pessoas.
Se um missionário já tem estado em sua área de missões, alguns dos nacionais cristãos podem conhecer canção que você aprendeu 25 anos atrás na igreja! Algumas daquelas são ótimas, mas você quererá apresentar-lhes a um nível mais alto e mais intimo de louvor e adoração. Bom louvor e adoração também ajudarão a abrir os corações das pessoas para receber o que quer que seja que o Senhor queira dar a elas. Deus pode fazer grandes coisas no meio de uma atmosfera que está sendo carregada pelo louvor e adoração. As pessoas virão escuta-lo, e eles podem dividir as Boas Novas.
Considere os fatos que você estará indo para as pessoas que não conhecem o Senhor de todo ou que são bebês cristãos. Eles usualmente não sabem nada sobe a verdade do louvor e adoração. Por exemplo, eles podem acabar cada canção que eles cantam como uma estrela de rock acaba sua canção, porque eles não sabem algo melhor! Isso pode ter sido tudo o que eles tem visto. Ou eles podem tocar o que nós chamamos “musica de circo” com as canções deles. Ou, as canções deles podem ser apenas canções felizes que ministra para cada carne e mentes de outros e não para o Senhor. Assim eles terão que ser ensinados, e você terão que ensina-los. Mas eles podem aprender, e eles querem aprender.
Eu procuro musicas e canções que anunciam a Presença de Deus, o Espírito Santo, e a unção, e então “mantenho” a presença deles. Por exemplo, em muitas das viagens do ministério, eu toco certas fitas com musicas ungidas para criar a atmosfera certa para as pessoas responderem a chamada para o altar e para liderança e prontidão do Espírito Santo.
Desde que nenhum grupo musical viaja comigo, eu criei a minha própria musica de chamada-do-altar para levar comigo. Trabalha bem. Eu também costumo usar musica ungida antes do serviço começar para criar a atmosfera certa e para ajudar a preparar os corações das pessoas para receber o que está à frente. Se eu estou tendo um encontro o dia todo em uma vila, entre os serviços eu tocarei musica que “fala para os corações”, não apenas como um testemunho para o perdido, mas para alimentar os corações dos cristãos com o amor e o poder de Deus.
As pessoas em outros países não estão acostumadas a ouvir tal musica ungida. Mas eles realmente gostam, e eles querem tocar nas igrejas e lares deles. É uma grande oportunidade de expor as “maravilhas” do pai e seu Filho, Jesus. E as pessoas estão carregadas e prontas para receber antes que o próximo serviço comece!
Lendo livros e assistindo vídeos de ensino alarga nem conhecimento da Palavra e me mostra modos de comunicar melhor as verdades que tenho aprendido então que os outros podem aprender deles. Ilustrações, como um de meus professores coloca, “são como janelas olhando para o céu”. Bem, eu quero o povo asiático que eu ministro olhando para o céu todo o tempo!
Eu às vezes gosto de dramatizar a Palavra enquanto eu estou ministrando. Eu uso ilustrações, exemplos, e objetos que as pessoas podem relatar. Isto abre os corações das pessoas e até causa aos pecadores e religiosos vir e ouvir as maravilhas verdades que eu estou compartilhando.
Nós temos diversão, o Espírito Santo é permitido trabalhar em seus corações, e as vidas das pessoas são mudadas, enriquecidas, e fortalecidas. As igrejas tornam-se um lugar onde as pessoas são realmente ministradas! Eles vão para casa com um testemunho e um depoimento. Nós estamos constantemente expondo as pessoas deste país à mensagem do Evangelho Pleno, e nós estamos treinando-os para fazer o mesmo pelos outros. Livros, fitas, e vídeos ajudam-nos a realizar esta tarefa.

“Coisas naturais para trazer no campo de missões”
Boa habitação em itens é cara e são geralmente duras de encontrar no campo de missão. Eletrônicas (refrigeradores, fogões, rádios, estéreos, computadores) custam duas ou três vezes, ou mais, o preço de algo de qualidade que é importado em uma nação. Mercadoria importada é ainda muito caro e a seleção é limitada. Tudo isto faz obter certas coisas que você precisa caro e consumível. Nosso conselho é este: Traga o que você pode proporcionar trazer e que você tem que ter no quarto para sua bagagem.
Nós temos três filhos, e as passagens aéreas no qual nós viajamos permite-nos trazer duas malas de 70 libras ou caixas por pessoa. Naquelas malas ou caixas, nós trazemos dos Estados unidos as coisas que nós precisaremos por um tempo de um ou dois anos.
Tais itens incluem: desodorante, pasta de dente, xampu, vitaminas, itens de cuidado do cabelo, lençóis e toalhas, vestuários, temperos, misturador de molhos, essências, talhares, potes e panelas, decorações de casa, blocos de nota Post-It, blocos legais, cola adesiva, corretivo, marcadores, papel especial para uso de escritório, o equipamento A-Beka Home Vídeo e suprimentos para nossos três filhos (que toma muito espaço!), presentes de natal e Aniversario, material do ministério de crianças (livros, fitas de ensino, fitas de musica, vídeos, Bíblias, livros de referencia, equipamento de computador, software e etc.).
Nós temos que comprar estas coisas nos Estados Unidos para trazer conosco para o campo de missão porque nós não podemos consegui-los onde nós vivemos nas Filipinas. Então quando nós estamos viajando no Estado e encontrando pastores e pregando nas igrejas, nós também estamos gastando muito tempo e dinheiro em itens necessários para o futuro de nossa família e nosso ministério. Nós temos que comprar estes suprimentos bem adiantado de seu uso, mas é divertido ir para as lojas com a família para comprá-los. É como o Natal para nós, mas é uma parte muito necessária de ser um missionário.
Este é um aspecto da vida missionária que pode parecer inconveniente às vezes. Você terá que comprar coisas bem adiantadas de seu uso. Você terá que planejar. Mas tendo as coisas que você precisa, fará você mais eficaz e contente. Isso é tão importante. Faz a vida no campo de missão muito mais fácil. Aquelas coisas – mesmo as “pequenas coisas” – ministrará grandemente para você no campo.

“Encontro de pastores e levantando sustento financeiro”
Em nossa primeira viagem para o campo de missão, nós fomos lá por dois anos. Dois anos são um longo tempo, especialmente quando você vai atravessar todos os tipos de choque de cultura! O choque de cultura não pega enquanto passa por cima, e algumas coisas você terá que aceitar. Em outras palavras, aquelas coisas são apenas o modo que eles sempre tem estado, o modo que eles estão agora, e o modo que eles estarão até que as pessoas por si mesmas comecem a mudar.
Algumas coisas você apenas tem que “engolir” ou aceitar e ir em frente. Se você não aprende a lidar com coisas, eles se apresentarão incompetente. O choque de cultura é real. E o choque de cultura associou-se com finanças esparsas que farão você querer ir para casa nos Estados Unidos!
Nós fomos para as Filipinas com apenas uma idéia de quantas finanças nós precisaríamos por mês. Nós teríamos estado mais confortáveis e produtivos se nós tivéssemos mais dinheiro naqueles primeiros dois anos. Mas nós não tínhamos querido largar, depois de tudo, nós fomos apenas ficando. Se nós largássemos, o que nós faríamos para contar ao Senhor? O que mais nós podíamos fazer? O que podíamos usar como desculpa para justificar a partida do campo de missão no qual o Deus nos chamou?
Tendo ganhado missões valiosas em experiência, nós fomos olhados adiante para itinerar nos Estados Unidos. Durante nossa primeira viagem de volta para os Estados Unidos, eu pessoalmente encontrei com 38 pastores. Eu dividi com eles sobre nosso trabalho nas Filipinas e sobre nossa visão. A maioria estava impressionada, alguns não expressaram nada, mas apenas uns poucos deles decidiram nos ajudar.
Para dizer a verdade, nós fomos desapontados. Eu pensei que nós realmente aumentaríamos nossas finanças durante aquele tempo. Mas nossas finanças aumentaram apenas $U 600 por mês. Entretanto, nós temos tido um aumento constante desde o começo, e nós temos jamais tido fome. Nós temos tido realmente meses escassos, e nós temos tido alguns meses bem fartos! Deus tem sido fiel para nós, tem sido um prazer servi-lo na Ásia.
Estou contente em ter encontrado todos os pastores que eu tenho conservado. Eu aprendi muitas coisas do encontro com cada um. Depois de tanto tempo no campo de missão, eu aprecio o encontro com os pastores que podem colocar algo dentro de mim, mesmo se não seja finanças. Eu preciso sua amizade e ouvir algo das historias deles sobre o trabalho de missões e suas próprias experiências no ministério.
Eu aprecio estar ao redor de ministros bem sucedidos. Gosto de ouvir o que o Senhor tem dito a eles. Isso aumenta e me refresca. Ministra à minha vida. No campo estrangeiro nós sempre estamos anunciando às pessoas, mas de volta aos Estados Unidos, algumas vezes os pastores anunciam para mim. Eu gosto disso.
Atualmente, eu volto aos Estados Unidos todo ano. Shelli e nossos três filhos vão a cada dois anos. Dois anos é tempo demais para eu ficar longe daqueles que me apóiam no campo missionário. Eu realmente gosto de estar com aqueles pastores, igrejas e as pessoas que nos sustentam. Temos um propósito divino e uma meta que nós estamos realizando juntos! Enquanto nos Estados Unidos, eu visito outros pastores dividindo a visão e o trabalho. Eu quero dar-lhes uma oportunidade em trazer asiáticos para Cristo. Eu também vou para qualquer encontro do RHEMA ou Ministérios Kenneth Hagin que está acontecendo no momento. Eu quero ficar na pista com a Palavra e com o que Deus está fazendo.
Quando eu volto para os Estados Unidos, eu gasto quase todo o meu tempo fazendo contatos com pastores. Eu visito e/ou faço todos os meus contatos previamente. Eu quero conservar nossas linhas de comunicação aberta, e eu desejo a amizade deles.
Outra coisa,nós dependemos de nosso Deus para suprir as nossas necessidades. Quando nos encontramos com pastores, é apenas para encontrá-los e nos entrosarmos com eles, não para tentar extrair dinheiro deles. Nós esperamos que Deus traga certos pastores para nós como um resultado do encontro com Ele e de acordo com o propósito e plano Dele. Nós cremos que Deus dirige as igrejas para contribuir com missões como Ele quer. Encontrar estes pastores é muito importante como parte do trabalho de missões por muitas razões.

“As famílias no campo de missão”
Nas Filipinas, nós vivemos em uma cidade rural com cerca de 60.000-80.000 pessoas. A cidade é fechada por montanhas e pelo mar. Pátios para crianças brincarem são quase inexistentes.
Nós não temos tido um pátio por quatro anos e meio. A habitação é antiga. Nos mudamos para nossa segunda casa seis meses antes. As casas precisam ser remodeladas para que você possa viver. Eles não alugam casas. Você tem que crer por uma casa disponível aqui.
Tão rápido quanto você possa, compre uma casa. Faça sua casa tão confortável possível. Então você terá um belo lugar no qual você possa recolher-se todos os dias. Se você esta desconfortável em sua casa, isso afetará o seu ministério. Quase sempre você encontrará algo que possa se desconfortável no campo de missão. Então sua casa precisa ser um lugar que ministra à você.
Brinquedos para seus filhos e coisas modernas que você usa em seu país podem não ser achados onde você vive ou viverá no campo de missão. Há muito poucos brinquedos em nossa cidade e quando nós os achamos eles são usualmente de qualidade pobres e muitos simples. Nós viajamos para Manila uma ou duas vezes por ano, mas brinquedos ainda são muito limitados lá. Eles também custam duas ou três vezes mais caros. Por isso que trazemos brinquedos e presentes de aniversário e natal dos Estados Unidos tanto quanto possível.
Também poucos itens modernos de eletrodomésticos e utensílios de casa em nossa cidade são encontrados. Você pode encontrar em qualquer outro lugar, mas você vai pagar duas ou três vezes mais do que nos Estados Unidos. Traga o que você puder com você. Use sua fé!
Traga jogos, livros e vídeos com você porque apenas nas grandes cidades você encontrará atividades recreativas. “Sobrevivência” é a palavra para as pessoas na maioria do mundo, então você tem que trazer seu próprio entretenimento.Vivendo na América, seria duro imaginar uma cidade sem muitas formas de atividades recreativas, mas é a realidade no campo de missão.
Como pais, você precisará gastar mais tempo com seus filhos no campo. Seus filhos olharão para você mais do que nunca para fornecer as necessidades deles, especialmente recreativo, social e emocional. Atualmente, isso pode ser uma boa coisa, mas você deve estar preparado para isso.
Providencie uma boa educação para seus filhos. Enviar nossos filhos para um bom colégio interno em Manila não está em nossos planos. Nós queremos nossos filhos conosco e nossos filhos querem estar conosco. Somos uma família.
Usamos o programa de educação no lar A-Beka para nossos filhos. Eles estão conseguindo uma educação de primeira classe em casa. Os primeiros dois anos, usamos os livros de texto apenas. Mas agora eles vão para a escola pelo vídeo. Eles conseguem ver outras crianças na classe, mas não podem se comunicar com eles! Os professores são excelentes e explicam realmente as coisas.
Queremos que nossos filhos prosperem na educação até no campo missionário! Isso custa menos que um colégio interno e por causa desses vídeos, as crianças não perdem contato com as crianças americanas e com os modos americanos. O A-Beka é um programa educacional com base cristã, e temos achado que é bom para nossos filhos. Ensinar três crianças em casa pode ser desafiante e algumas vezes estressante. É importante estabelecer seu coração nesta área.
Nós sempre enfatizamos aos nossos filhos a importância de nosso trabalho no campo missionário. Queremos que Eles saibam que estamos fazendo o que Deus nos chamou para fazer. Conversamos com eles sobre nossos encontros e sobre o que Deus fez pelas pessoas. Nossos filhos oram sobre aqueles encontros e pelas pessoas que estão assistindo. Eles sabem que o que estamos fazendo está fazendo diferença na vida das pessoas. Algumas vezes nossos filhos vão conosco nestas viagens e encontros ministeriais. Quando fomos para Manila no último natal, tivemos que andar de barco por uma hora e Scott Michael, nosso filho de 11 anos, já tinha levado cinco homens para Jesus!
A última vez que ele tomou uma viagem de ônibus comigo, voltando de um encontro de dois dias, ele levou um homem próximo a ele para Jesus. Seus testemunhos sempre abençoam os pastores que ele conversa. Brad, nosso filho de 10 anos, ora pelas pessoas na mesa do jantar, mas ainda não tem levado pessoas para Jesus. Ele me conta sempre que quer ser um pregador como eu. Seu coração é macio diante de Jesus. E o mesmo com Brittany, nossa filha de seis anos. Ela ama cantar canções cristãs. O campo missionário tem sido bom para nossas crianças, mesmo com toda a dificuldade que algumas vezes temos enfrentado.

“Preenchendo a visão”
O Centro de Treinamento Bíblico em Catbalogan, Samar, Filipinas, é onde nós ensinamos e treinamos ministros para o Evangelho. Os estudantes da escola vêm de toda nação. Este ano, nós temos estudantes de outras nações. O Centro de Treinamento ´´e em tempo integral. Os ensinos são de manhã como no RHEMA Bible Training Center nos Estados Unidos. Nas tardes, estudantes vão às ruas, hospitais e cadeias. Eles também testemunham de porta-a-porta e conduzem semanalmente estudos da Bíblia para ensinar as pessoas que eles guiam para Jesus.
Estes estudantes estão sendo ensinados e treinados em como fazer a vontade de Deus em suas vidas. Eles aprendem como ouvir e ser guiado pelo Espírito Santo. Eles oram duas horas e meia diariamente. Através do Centro de Treinamento, nós somos capazes de nos duplicar através deles, fazendo discípulos. Então depois de todo ensino e treino, nós os enviamos de volta para onde eles vieram, assim eles podem ministrar em sua cidade e ser uma benção.
Fora do Centro de Treinamento, nós conduzimos todo tipo de encontro por toda as Filipinas. Temos encontros de igreja, encontros de multi-igrejas, seminários de pastores e líderes, encontros evangelísticos, encontros para nossos alunos, encontros de jovens e encontros de ministério de crianças.
Constantemente viajamos para conduzir estes diferentes encontros em uma proposta quádrupla: ajudar na colheita, ajudar pessoas a crescer espiritualmente, trazer renovação para a Igreja e fortalecer a liderança na Igreja.
Nós preparamos ensinos, lições bíblicas e outros materiais para pastores e líderes. Nós ensinamos o primeiro material, então, deixamos os líderes para estudar folhetos detalhados. Está fazendo uma grande diferença nesta nação!
Eu gasto muito tempo em meu computador digitando meus sermões, lições bíblicas e materiais para diferentes tipos de encontros. Tantas pessoas na igreja nas Filipinas não têm uma Bíblia, então quando eu digito sermões e lições bíblicas eu sempre digito as escrituras fora. Isso é um modo das pessoas poderem ler continuamente a Palavra junto com o comentário que segue. Se eu deixo a Palavra nas mãos deles, então a Palavra pode falar continuamente para eles depois que eu partir.
Também, eles usam estas lições para ensinar outros. E agora que eu tenho que por esta lições e ensinos no computador, tudo o que eu tenho que fazer é imprimir e entregar a Palavra de Deus impressa!
Trabalhar com missões é absolutamente maravilhoso. Suas recompensas estão longe de exceder este mundo presente. A graça de Deus brilha naqueles chamados para missões.

“O povo que jazia em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região da sombra da morte resplandeceu-lhes a luz!” Mt 4:16