A Heresia das Sandálias da Humildade e do Dízimo em Dobro

Sandalhaço e Dobradinha 

Estive orando três dias e três noites no monte. Pedi a Deus que me mostrasse o caminho para o avivamento de sua igreja. De repente, fui levado em espírito para o céu.

Lá estavam reunidos o Pai, o Filho e o Espírito. Não via rosto nenhum.

Eram três luzes que me ofuscavam e se fundiam numa só.

Não ouvia três vozes, mas uma só.

Compreendia perfeitamente qual dos três estava falando comigo. A comunicação era apenas mental. A Luz, representando o Filho, aproximou-se mais de mim e me disse – “Meu irmão, você está encarregado de uma grande missão. Ouvi a sua súplica.

Vou usá-lo como vaso de honra para reavivar o meu povo que padece por falta de sacrifício. O sacrifício que ordeno agora é o do dízimo duplo, isto é, não mais dez por cento, mas vinte por cento.

Lance uma grande campanha com o título “A dobradinha santa do dízimo”. Todos os anos, nos meses de fevereiro, junho e novembro, meus irmãos deverão participar da dobradinha santa. Lembre-lhes que colhe mais quem mais semeia”. A Luz também me disse que nos meses da dobradinha os que aderirem à campanha, homens, mulheres e crianças deverão calçar sandálias. A vitória é certa para quem usá-las. Abrir-se-ão as portas; os caminhos ficarão mais largos, as dificuldades menores. As sandálias transmitem energia positiva e afastam a negativa. O pai do filho pródigo, quando este retornou, deu-lhe de presente sandálias novas (Lc 15.22). “João Batista disse que não era digno de desatar a correia das minhas sandálias”, disse a Luz.

Agora, meus amados, vamos às instruções. O próximo mês de fevereiro é o primeiro da dobradinha e do sandalhaço.

Vamos mostrar que somos o povo escolhido de Deus.

Não haverá salvação para quem ficar de fora. A partir de janeiro, colocaremos à disposição dos fiéis 500.000 pares de sandálias de várias cores e tamanho. Os preços variam de R$15,00 a R$70,00.

Foram feitas com couro de camelos do Egito, por onde o povo de Deus peregrinou por quarenta anos. É couro ungido.

Estas custam mais caro. Para os menos exigentes, temos sandálias em couro de bode ungido do riquíssimo e abençoado sertão nordestino. As sandálias deverão ser calçadas no primeiro dia do primeiro mês da campanha, e somente deverão ser retiradas no último dia. Somente o usuário poderá atar e desatar as correias das sandálias.

Assim como Jesus se colocou em nosso lugar na cruz, vocês devem fazer esse sacrifício, isto é, usar um calçado que foi usado por Ele. É um ato de gratidão. Leiam: “Sede imitadores de Deus, como filhos amados” (Ef 5.1). Jesus pede que todos façam esses dois sacrifícios: a dobradinha do dízimo e uso das sandálias. Muito mais Ele fez por nós. Nossos adversários irão dizer que isto é uma heresia. Não dêem ouvidos a tais comentários.

Sempre haverá os inimigos da fé, os falsos mestres a ensinar heresias destruidoras. Vocês viram que tudo que falamos aqui é bíblico. No período da campanha, nossos pastores também estarão participando do sandalhaço. Só do sandalhaço.

Por Airton Evangelista da Costa.

Anúncios

A Heresia do Mel Ungido

O melungido

Espero que os exemplos apresentados nesta série de artigos sirvam para alertar o povo de Deus contra a introdução de elementos estranhos ao Evangelho. Tais elementos surgem ou pelo lançamento amuletos, os quais, dizem, possuem o poder de gerar prosperidade e neutralizar forças malignas, ou por palavras proféticas, como por exemplo: “Jesus voltará no ano de 2007, num sábado”. Além disso, a “confissão positiva”, importada dos Estados Unidos via Kenneth Hagin e outros, tem encontrado guarida em alguns grupos.

No momento, me ocupo em imaginar como surgem as heresias via lançamento de produtos na praça. São tantos que já perdi a conta. A maioria caiu de moda, virou ferro velho, perdeu o poder ou a unção. Como ocorre na economia de mercado, a demanda exige novos lançamentos para que a chama da fé continue acesa. Fico a imaginar a pequenez dessa fé.

Sobre a “barbunção”, meu último lançamento, conforme “Como nasce uma Heresia – II”, um irmão me escreveu: “Li a sua matéria e achei interessante…as pessoas facilmente se deixam levar.

Sobre a unção da barba, conheço irmão de determinado ministério que diz não ter unção um presbítero sem bigode”. Diz também que nesse mesmo ministério ensinam haver certa relação de causa e efeito entre pessoas sem barba e a queda de Adão e Eva.

Vejam que a ficção e a realidade estão muito próximas. É possível que a heresia do jumentinho – cuja figura continua aparecendo nesta série como símbolo de heresia – também já tenha sido lançada. É possível que a de hoje, o “melungido”, esteja no mercado, em algum lugar. Tudo é possível ao homem sem conhecimento da Palavra. Respondi ao dito irmão que chá de capim queimado poderá se transformar numa heresia de sucesso, desde que haja um bom trabalho de convencimento.

Alguém poderia perguntar: “Mas que fazer quando houver um grande número de objetos? Já temos o jumentinho e o broche com a barbicha estilizada. Onde colocar tanta coisa?” Não se preocupem. Logo mais lançarei a “Arca da Prosperidade”, onde serão entesourados todos os objetos ungidos. Todavia, hoje pretendo falar sobre as propriedades espirituais do mel. Leiam: “Entre os que de mulher têm nascido, não apareceu ninguém maior do que João o Batista”, disse Jesus (Mt 11.11). E sabe qual era o principal alimento dele? Mel silvestre. Está na Bíblia (Mt 3.4). A Canaã prometida foi a terra da prosperidade porque lá manava leite e mel (Êx 3.8). Mel proporciona saúde, saúde é sinônimo de vida próspera.

Ouça o que Deus diz: “Come mel, meu filho, porque é bom; o favo de mel é doce ao teu paladar” (Pv 24.13).

Para o cumprimento dessa palavra, importamos uma tonelada de mel do deserto por onde passou o povo de Deus, sob a liderança de Moisés. Mel puro, mel ungido. Quer ser próspero? Participe da campanha “melungido”. Durante sete sextas-feiras, faremos distribuição de pequena porção de mel aos fiéis. Ao toque da trombeta, todos, de uma só vez, sorverão o mel da prosperidade. A distribuição será gratuita, porém sem sacrifício não há bênçãos. A cada semana, antes de tomar o “melungido”, cada fiel, aquele que realmente crê na providência divina, deverá dar uma oferta de amor à Igreja. Mel sem sacrifício é como o ramo que não dá fruto: só serve para ser lançado fora e ser queimado.

Venha participar dessa grande demonstração de fé. As qualidades terapêuticas do mel são indiscutíveis. E, como vimos, irrefutável seu valor espiritual. O nosso mel é de origem floral, processado pelas abelhas a partir do néctar das flores. O seu valor espiritual é garantido porque todo o estoque foi ungido. Mel sem unção é mel comum. Venha tomar o “melungido” e seja um vencedor. A bênção começará a surgir somente ao fim das sete sextas-feiras. É necessário cumprir as sete
semanas para não quebrar a corrente espiritual.

Por Airton Evangelista da Costa.

A Heresia da Barba Ungida

Barbunção

O jumentinho voou nas asas da internet e aterrissou em lugares distantes. Tão próxima da realidade ficou a ficção, que dos Estados Unidos um pastor, perplexo, me perguntou se realmente eu acreditava no amuleto do jumentinho, como meio de adquirir prosperidade. Outro pastor, aqui do Brasil, pediu-me perdão por haver entendido que eu virara heresiarca. E teve um que me pediu permissão para usar o exemplo em aulas de hermenêutica. Como não fizera nenhum preâmbulo, pois iniciei o artigo com a pregação do suposto pregador, e levando em conta que somente nas duas últimas linhas disse que se tratava de uma ilustração, compreende-se a perplexidade de alguns. Mais de uma vez tive de dizer: Eu, heresiarca? Jamais. Como vimos no exemplo do jumentinho, as heresias não raro vêm associadas a algum relato bíblico. No caso em tela, recorri à figura do “bode emissário”. Tenho plena convicção de que essa heresia seria bem recebida se apresentada por um líder carismático. Não se pode descartar a possibilidade de existir algum interessado, a matutar com seus botões: “Sabe que é uma boa idéia!? Como não pensei nisso antes!?”. Um bem-humorado irmão me alertou sobre um possível plágio; a idéia poderia ser roubada. Ora, patentear uma heresia para evitar cópia seria um caso único na história das religiões, além de muito curioso. Eu não faria tal coisa. Os heresiólogos ficariam atônitos sem saber como explicar tal fenômeno.

Apenas imaginei como as heresias surgem.

Determinados grupos usam pirâmides, cristais, símbolos, pulseiras, figas e penduricalhos diversos. Com engenho e arte é possível conseguir uma razoável diversificação na produção de novos amuletos. O interesse de um professor em usar o exemplo do jumentinho em aulas de hermenêutica, animou-me a continuar dando outros exemplos, utilizando somente emblemas bíblicos. O objetivo é alertar crentes e não crentes contra a palavra enganosa. Vejamos mais um exemplo de “como nasce uma heresia”. Está escrito na Bíblia: “Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. É como o óleo precioso sobre a cabeça,que desce sobre a barba, a barba de Arão, e que desce à orla das suas vestes” (Salmo 133.1-2).

Além disso, Deus ordena que os homens não danifiquem “as extremidades da barba” (Lv 19.26). Fazendo a vontade do Criador, os anciães de antigamente conservavam barbas bem compridas. A queda de Adão e Eva levou os homens a serem desobedientes. Por isso, se apresentam hoje de cara lisa, imberbes, sem nenhum temor a Deus. Voltar à austeridade dos velhos tempos é um imperativo divino.

Num sonho que tive, um velhinho de barbas brancas como a neve se aproximou de mim e disse: “Deixai crescer a barba, nem que seja apenas simbólica. Você é o meu mensageiro. Entrego-lhe a responsabilidade de avivar a minha Igreja. Não temas, eu estarei sempre com você”. Fiquei trêmulo e quase desmaio. Daí porque, meus fiéis seguidores, vocês deverão doravante usar uma barba simbólica. Uma barbicha ficará muito bem. O prazo para a formação da barbicha será de trinta dias, ao fim dos quais vocês se apresentarão no templo para receberem a unção da barba, a barbunção. Sete gotas de óleo ungido serão derramadas sobre cada barbicha. A partir daí, a unção será renovada a cada trinta dias. Como está dito no Salmo 133, a barbicha será símbolo de união entre os irmãos. As mulheres estão dispensadas dessa obrigação por óbvias razões.

Todavia, deverão ostentar um broche com uma barbicha estilizada, símbolo de união conjugal estável. Vocês sabem que a união faz a força e a força produz prosperidade. Todos devem atender ao chamado de Deus, sob pena de serem atacados por gafanhotos devoradores que devorarão seus bens, suas rendas, sua paz. Colocaremos cem mil broches à disposição das mulheres que nunca negaram sua fé. Não será desta vez que negarão a Cristo.

Esses símbolos podem ser adquiridos pelo preço simbólico de cinqüenta reais. Os broches folheados a ouro custarão de quinhentos a mil reais. Qualquer sacrifício é válido para ganharmos a vida eterna.

Por Ailton Evangelista da Costa

A Heresia do Jumentinho

Meus irmãos. Depois de sete dias em jejum e oração, tive uma visão. Jesus, montado no jumentinho, entrava em Jerusalém e, ao passar por mim, disse: – Filhinho, assim como este jumentinho está me carregando, ele carregará seus problemas para bem longe. Diga a meu povo que uma vez por ano, durante uma campanha de sete sábados, todos orem com uma réplica deste jumento nas mãos.

Os que fizerem esse sacrifício com fé, serão prósperos. Por isso, iniciaremos na próxima semana a campanha do jumento. Nossos pastores estarão no templo, montados em seus asnos, para recebê-los. Vocês terão oportunidade de tocar e montar no jumentinho de Jesus. Mandamos fazer dez mil réplicas desse santo animalzinho. Todo o estoque está ungido. Por uma bagatela de cinqüenta a quinhentos reais, dependendo da opção, vocês poderão adquirir um exemplar. Temos modelos pequenos para serem pendurados no pescoço, e maiores, para serem montados na Igreja, na hora da bênção. Adquiram já o seu. No momento da montaria poderão até tocar a “trombeta para derrubar muralhas”.

Conforme descrição dos jumentólogos, esse animal possui uma cruz no seu dorso, indicativa de que carregará sua pobreza para bem longe. O jumento será o seu “bode emissário”. Leiam: “E Arão porá ambas as suas mãos sobre a cabeça do bode vivo, e sobre ele confessará todas as iniqüidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões, e todos os seus pecados; e os porá sobre a cabeça do bode, e enviá-lo-á ao deserto, pela mão de um homem designado. E assim aquele bode levará sobre si todas as iniqüidades deles à terra solitária; e deixará o bode no deserto” (Lv 16.8,21,22). Portanto, a minha visão tem apoio bíblico. Mas é preciso uma palavra de poder. Montem seus jumentos e, ao terminar a oração dos pastores, determinem: Jumentinho de Jesus, eu te ordeno: leve a minha pobreza para longe. Ao fim dos sete sábados, todos os que adquiriram a imagem do eqüídeo receberão uma oração especial.

Assim nascem as heresias. As ovelhas apenas ouvem e obedecem.

Tomara que essa visão ilustrativa não seja levada a sério e passe da ficção à realidade. Por Airton Evangelista da Costa.

Pastores, “Apóstolos”, Presbíteros, Diáconos, Missionários, Obreiros, Dirigentes de Círculo de Oração, etc. precisam de mais DISCERNIMENTO !

Como nascem as HERESIAS Cristãs !?

Heresias Pentecostais

Pastores e demais líderes evangélicos começam a demonstrar preocupação diante das extravagâncias que estão surgindo nos púlpitos brasileiros. A cada dia que passa surgem novas práticas anti e extrabíblicas. Não uso, como alguns, o eufemismo de classificar esses descaminhos de “modismos”. Coloco-os no rol das heresias.

As críticas que antes corriam apenas à boca pequena, agora tomam corpo e são divulgadas em sites de expressão. A Igreja Evangélica já não pode calar diante de tamanha irracionalidade. Não desejamos ser julgados pelo pecado de omissão. O povo brasileiro precisa saber que tais tolices, como a seguir exemplificamos, estão à margem do evangelho que nos foi ensinado por Jesus. Na verdade, se trata de um outro evangelho.

Em detrimento da Palavra, multiplicam-se os púlpitos festivos. Encenações inusitadas, objetos ungidos e mágicos, entrevistas com demônios, amuletos, “mercadorias” diversas, tudo é válido no desvario em que se envolvem pregadores e ouvintes.

A impressão que se tem é que o evangelho, da forma que foi anunciado pelos apóstolos nos primeiros tempos, já não serve para os dias atuais. Falar de pecado, arrependimento, perdão e santidade se tornou antiquado, obsoleto, repreensível. É preciso entreter os ouvintes, apresentar uma nova atração a cada semana, tudo semelhante ao que vemos na sociedade consumista. Mas o que é preciso mesmo, e com urgência, é botarmos a boca no trombone e denunciar o que estão fazendo com o evangelho.

Ovelhas há que já perderam a noção do que é ser cristão. Não sabem sequer por que Jesus morreu. Têm o dízimo como meio de obter bênçãos espirituais e materiais. Não conhecem o evangelho da renúncia, da resignação, do sofrimento, do carregar a cruz, do contentar-se com o pouco. Certa vez conversando com um jovem neopentecostal, ele disse: “Se sirvo a Jesus, quero ser rico, ter uma boa casa e carro importado”. Os anos se passaram e nada disso aconteceu. Ele e seus pais pararam de ofertar e estão com a fé em declínio. É o que está acontecendo: gazofilácios cheios, pessoas vazias. O pai desse jovem me revelou que entrou nessa porque acreditou nas entrevistas que falam de riqueza fácil.

Agora ele percebe que os que estão mais pobres não são convidados a falar de sua pobreza.

São de arrepiar os relatos que se encontram no site http://webbethel.com/gondim09.htm, de autoria do pastor Ricardo Gondim. É difícil de acreditar que um grupo de cristãos, liderados pelo pastor, alugue um helicóptero e, com dezenas de litros de óleo, passe a ungir a cidade do Rio de Janeiro, derramando uma caneca de óleo aqui, outra ali. Fico a meditar como o líder conseguiu envolver irmãos de boa fé nesse projeto inusitado. O óleo da “unção” deve ter caído em lugares pouco recomendáveis para o mister, tais como animais mortos, fezes e valas fétidas.

Mais incrível é o uso de urina para demarcar território. Essa você não vai acreditar. Está no referido endereço. Em Curitiba, um grupo de irmãos, liderado pelo pastor da igreja, entendeu que deveria demarcar seu território com urina, como fazem os leões e lobos. Após beberem muita água para encher bem a bexiga, seguiram para pontos estratégicos da cidade e passaram a URINAR.

Quando li a notícia, pensei que a palavra estivesse errada. Talvez fosse REUNIR.

Mas era urinar mesmo. Foram horas e horas urinando. O comboio de veículos parava em pontos preestabelecidos, e, ali, a um sinal, um deles aliviava a bexiga.

Ora, esse tipo de lógica poderá levar irmãos a situações mais degradantes ainda.

Degradantes, patéticas e irracionais. Algum irmão desse grupo poderá descobrir que determinada espécie animal demarca seu território com suas próprias fezes.

Certamente não atentaram para o contido no Art. 233 do Código Penal que trata da prática de “ato obsceno em lugar público”, e estipula a pena de detenção de três meses a um ano, ou multa. A jurisprudência indica que a micção em lugar público configura o crime previsto no referido Artigo, ainda que não haja intenção de vulnerar o pudor público.

Pelas perguntas e respostas a seguir é possível comparar o evangelho de ontem com o de hoje. Após ouvirem a pregação de Pedro, muitos, compungidos, perguntaram: “Que faremos?” Pedro respondeu: “Arrependei-vos”, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo” (At 2.37-38). A resposta, hoje, seria: “Participe das campanhas, faça o sacrifício do dar tudo, e seja próspero”.

Atendendo à curiosidade de Nicodemos, Jesus disse: “Quem não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” (Jo 3.3). A resposta no outro evangelho: “Seja dizimista fiel”. Se alguém perguntasse a Tiago o que deveria fazer para livrar-se dos encostos, ele prontamente diria: “Sujeitai-vos a Deus; resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tg 4.7). A resposta do evangelho festivo seria: “Use sal grosso, sabonete de descarrego, vassouras, fitas, colares, cajados, pedras, e seja dizimista fiel”. Se o pecado do rei Davi – adultério e co-autoria num homicídio – fosse nos dias de hoje, a culpa seria do encosto que estaria nele. Uma série de exorcismos, cinqüenta quilos de sal grosso, uma dúzia de sabonetes seriam necessários para pôr o encosto em retirada. Às indagações sobre como ter o necessário à vida, Jesus respondeu: “Não pergunteis que haveis de comer, ou que haveis de beber, e não andeis inquietos. Buscai antes o reino de Deus, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Lc 12.29,31). A resposta no evangelho da prosperidade: “Toque no lençol mágico”.

O Apóstolo Paulo confessa que “orou três vezes ao Senhor” para que o livrasse de um espinho na carne. Mas o Senhor, em vez de atendê-lo, respondeu: “A minha graça te basta, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Reconhecendo a vontade soberana de Deus, Paulo se conforma e continua com seu espinho. E declara: “Portanto, de boa vontade me gloriarei nas minhas fraquezas”, pelo que “sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Pois quando estou fraco, então é que sou forte” (2 Co 12.7-10). A orientação para esses casos, nos púlpitos festivos, é a seguinte: “Exija de Deus seus direitos”. Sofredores como o Apóstolo, o servo Jó e muitos outros desconheciam esse caminho “legal” para exigir direitos assegurados.

Com relação à substituição do “pedir” pelo “exigir”, como fazem alguns neopentecostais, vejam o seguinte. Pedir, do grego aiteõ, sugere a atitude de um suplicante que se encontra em posição inferior àquele a quem pede. É esse o verbo usado em João 14.13 – “E tudo quanto pedirdes em meu nome…” – e 14.14 – “Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei”. “Pedir”, do grego erõtaõ, indica com mais freqüência que o suplicante está em pé de igualdade ou familiaridade com a pessoa a quem ele pede, como, por exemplo, um rei fazendo pedido a outro rei. “Sob este aspecto, é significativo destacar que o Senhor Jesus NUNCA usou o verbo aiteõ na questão de fazer um pedido ao Pai”, por ter dignidade igual Àquele a quem pedia. (Jo 14.16; 17.9,15,20 – Fonte: Dic. VINE).

Por essas e outras, há muita gente confundindo alhos com bugalhos.

Repassa-se a idéia de que crente não deve chorar nem passar por qualquer tipo de sofrimento. Crente deve ser próspero. A verdade, por muitos desconhecida, é que a fidelidade a Deus não nos garante uma vida livre de dores, aflições e sofrimento. Dizer que aos crentes e fiéis dizimistas está garantia uma vida de flores, sem lágrimas, sem luta espiritual, sem aperto financeiro, é conversa para boi dormir. Jesus disse que seus seguidores deveriam carregar sua própria cruz, caminhar por um caminho apertado e passar por uma porta estreita “No mundo tereis aflições; na verdade todos os que desejam viver piamente em Cristo padecerão perseguições” (Jo 16.33; 2 Tm 3.12). Era da vontade de Deus que Paulo pregasse o evangelho em Roma. Apesar de sua fidelidade a Deus, os caminhos lhe foram difíceis. Enfrentou provações várias, naufrágio, tempestade, prisões.

Não podemos fazer ouvidos moucos à zombaria e piadas em torno desse “outro evangelho”. As pessoas tendem a nivelar todas as Igrejas Evangélicas pelo que vê na televisão, ou pelo que vê num ou outro culto. Eu pensaria da mesma forma se não fosse evangélico. É preciso esclarecer a opinião pública sobre o que diz a Bíblia a respeito de cada nova idéia extravagante. Que se façam ouvir as vozes e o protesto dos líderes que defendem a pregação de um evangelho livre de heresias e irracionalidade.

Sem conhecer a verdade bíblica se torna difícil detectar as heresias. Ouça este conselho: não coma pela mão dos outros, mas examine você mesmo se o que o seu pastor prega está de acordo com a Palavra. Se você não estiver devidamente preparado para esse exame, consulte outros irmãos.

Autor: Airton Evangelista da Costa