Sobre Maria ser mãe de Deus


O título de Mãe de Deus foi aceito em Calcedônia. 451 d. C. sendo confirmado em 1964 no Concílio Vaticano 11. A Bíblia responde que Deus não tem mãe. “Ele não tem origem. A palavra origem só se aplica a coisas criadas.” Ele é o Pai da eternidade. Se fosse verdade, analise: “Os irmãos de Jesus também não seriam irmãos de Deus? José era padrasto de Deus? É certo que não! A lógica do Altíssimo não é igual a nossa. Jesus disse que um pai não deve chamar o filho de Senhor (Mt 22.41­46),” Maria, porém o fez, mostrando ser uma serva e não a mãe de Deus (Lc 1.38,46).

Anúncios

6 thoughts on “Sobre Maria ser mãe de Deus

  1. Meu Deus, não ssei pra que serve um curso de teologia protestante, só pra falar heresia com essa do pastor que diz que Maria não é mãe de Deus.
    Vou tentar explicar, sei que o pastor não vai ler.

    Vamos lá!
    Se perguntarmos a alguém se ele e filho de sua mãe, se esta verdadeiramente for a mãe dele, de certo nos lancará um olhar de espanto. E teria razão. O homem como sabemos é composto de corpo, alma e espírito. A minha mãe me deu meu corpo, a parte material deste conjunto trinitário que eu sou; sendo minha alma e espírito dados por Deus. E minha mãe que me deu a luz não é verdadeiramente minha mãe?

    Apliquemos, agora, estas noções de bom senso ao caso da Maternidade divina de Nossa Senhora. Há em Nosso Senhor Jesus Cristo duas naturezas: a humana e a divina, constituindo uma só pessoa, a pessoa de Jesus. Nossa Santa Mãe é mãe desta pessoa, dando a ela somente a parte material, como nosso mãe também o faz. O Espírito e Alma de Cristo também vieram de Deus. Nossa mãe não é mãe do nosso corpo, mas mãe de nossa pessoa. Assim também Maria é Mãe de Cristo. Ela não é a Mae da Divindade ou da Trindade, mas é mãe de Cristo a segunda pessoa da Santíssima Trindade, que também é Deus. Sendo Jesus Deus, Maria é Mãe de Deus.

    Basta um pequeno raciocínio para reconhecer como necessária a maternidade Divina da Santíssima Virgem. Nosso Senhor morreu como homem na Cruz (pois Deus não morre), mas nos redimiu como Deus, pelos seus méritos infinitos. Ora, a natureza humana de Nosso Senhor e a natureza divina não podem ser separadas, pois a Redenção não existiria se Nosso Senhor tivesse morrido apenas como homem. Logo, Nossa Santa Mãe, Mãe de Nosso Senhor, mesmo não sendo mãe da divindade é Mãe de Deus, pois Nosso Senhor é Deus. Se negarmos a maternidade de Nossa Senhora, negaremos a redenção do gênero humano.

    A negação da Maternidade divina de Nossa Senhora é uma negação à Verdade, uma negação ao ensino dos Apóstolos de Cristo.

    Provas da Sagrada Escritura

    A Igreja Católica sendo a única Igreja Fundada por Cristo, confirmada pelos Apóstolos e seus legítimos sucessores; sendo Ela a escritora, legitimadora e guardiã da Bíblia, jamais poderia ensinar algo que estivesse contra o Ensino da Bíblia.

    Vejamos o que a Sagrada Escritura ensina sobre a Maternidade Divina de Nossa Senhora:
    O profeta Isaías escreveu: “Portanto, o mesmo Senhor vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel [Deus conosco].” (Is 7,14). Claramente o profeta declara que o filho da virgem será divino, portanto a maternidade da virgem também é divina, o que a faz ser Mãe de Deus.
    O Arcanjo Gabriel disse: “O Santo que há de nascer de ti será chamado Filho de Deus” (Lc 1,35). Se ele é filho de Deus, ele tb é Deus e Maria é sua Mãe, portanto Mãe de Deus. Isaías também escreveu o mesmo em Is 7,14.
    Cheia do Espírito Santo, Santa Izabel saudou Maria dizendo: “Donde a mim esta dita de que a mãe do meu Senhor venha ter comigo”? (Lc 1,43) E Mãe de meu Senhor quer dizer Mãe do meu Deus, portanto Mãe de Deus..
    São Paulo ainda escreveu: “Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei.” (Gl. 4,4). São Paulo claramente afirma que uma mulher foi a Mãe do filho de Deus, portanto Mãe de Deus.

    Agora uma surpresa para os protestantes. Lutero e Calvino sempre veneraram a Santíssima Virgem. Veja abaixo a testemunho dos pais da Reforma:

    “Quem são todas as mulheres, servos, senhores, príncipes, reis monarcas da Terra, comparados com a Virgem Maria que, nascida de descendência real (descendente do rei Davi) é, além disso, Mãe de Deus, a mulher mais sublime da Terra? Ela é, na cristandade inteira, o mais nobre tesouro depois de Cristo, a quem nunca poderemos exaltar o suficiente, a mais nobre imperatriz e rainha, exaltada e bendita acima de toda a nobreza, com sabedoria e santidade.” (Martinho Lutero no comentário do Magnificat – cf. escritora evangélica M. Basilea Schlink, revista Jesus vive e é o Senhor).
    “Não há honra, nem beatitude, que se aproxime sequer, por sua elevação, da incomparável prerrogativa, superior a todas as outras, de ser a única pessoa humana que teve um Filho em comum com o Pai Celeste” (Martinho Lutero – Deutsche Schriften, 14,250).
    “Não podemos reconhecer as bênçãos que nos trouxe Jesus, sem reconhecer ao mesmo tempo quão imensamente Deus honrou e enriqueceu Maria, ao escolhê-la para Mãe de Deus.” (Calvino – Comm. Sur I’Harm. Evang., 20)

    A negação da Maternidade divina de Nossa Senhora é uma negação à Verdade, é negar a Divindade de Cristo, é negar o ensino dos Apóstolos de Cristo.
    O Concílio Ecumênico de Éfeso

    Quando o heresiarca Ario divulgou o seu erro, negando a divindade da pessoa de Jesus Cristo, a Providência Divina fez aparecer o intrépido Santo Atanásio para confundí-lo, assim como fez surgir Santo Agostinho para suplantar o herege Pelágio, e São Cirilo de Alexandria para refutar os erros de Nestório, que haviam semeado a pertubação e a indignação no Oriente.

    Em 430, o Papa São Celestino I, num concílio de Roma, examinou a doutrina de Nestório que lhe fora apresentada por São Cirilo e condenou-a anti-católica, herética.

    São Cirilo formulou a condenação em doze proposições, chamadas os doze anátemas, em que resumia toda a doutrina católica a este respeito.

    Pode-se resumí-la em três pontos:

    Em Jesus Cristo, o Filho do homem não é pessoalmente distinto do Filho de Deus;
    A Virgem Santíssima é verdadeiramente a Mãe de Deus, por ser a Mãe de Jesus Crito, que é Deus;
    Em virtude da união hipostática, há comunicações de idiomas, isto é; denominações, propriedades e ações das duas naturazas em Jesus Cristo, que podem ser atribuidas à sua pessoa, de modo que se pode dizer: Deus morreu por nós, Deus salvou o mundo, Deus ressuscitou.
    Vejamos mais!

    Em (João 1,1) diz o seguinte,” No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus” e em (João 1,14) diz: ” E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” Estes dois versos dizem que Deus foi feito carne. A substância da carne de Deus na segunda pessoa, que é Jesus Cristo, veio de onde? Veio de Maria!

    Quantas pessoas é Jesus Cristo? Uma ou duas? Para acreditar que Maria só deu à luz a Jesus Cristo humano, os protestantes estão dividindo Jesus Cristo em dois, um Jesus humano e um Jesus Divino. Aí está um erro doloroso. Para provar ao contrário, é só conferir na própria Bíblia, em (Filipenses 2,5-7) onde notamos um Deus que é um homem, é também um homem que é Deus. Jesus Cristo é um, e não dois. Lembremo-nos também quando Tomé chama Jesus de “Meu Senhor e meu Deus”, (João 20,28) .

    3. Os protestantes ao negar Maria como Mãe de Deus, estão refutando (Lucas 1, 43) da qual, Isabel fala com as palavras dada a ela pelo Espírito Santo. “Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?”

    É importante deixar bem claro que Maria gerou o Homem – Deus (Romanos 9,5) “e todos os Anjos o adoram” (Hebreus 1,6). Maria é, realmente, mãe de Jesus Cristo, homem e Deus, conforme o testemunho da Escritura (Gálatas 4,4). Ela torna-se a mãe da pessoa de Jesus, na plenitude de seu ser humano e divino. Por exemplo: Jesus não disse ao filho da viúva: “a parte de mim que é Divina te diz: Levanta-te! ” Jesus fala simplesmente “Eu te digo: Levanta-te”. Na cruz, Jesus não disse: “minha natureza humana tem sede” mas exclama: “tenho sede”.

    Podemos e devemos chamar a Virgem Maria “Mãe de Deus” porque o termo da maternidade não é a natureza, mas a pessoa. E a Pessoa em Cristo é a 2ª da Santíssima Trindade, o Filho. Em Maria se realiza, pois este mistério: ser Ela “Mãe de Deus e de Deus filha. Ela participa do mistério do seu Filho, que é Deus e Homem ao mesmo tempo.

    Assim como (Gênesis 3,2-7) apresenta a mulher (Eva) envolvida com o tentador e o pecado para a ruína do gênero humano, assim (Gênesis 3,15) apresenta a mulher (Eva feita Mãe da Vida por excelência ou Eva plenamente realizada em Maria) intimamente associada ao Messias na obra de Redenção do gênero humano. Assim a mulher (Eva, Mãe da Vida), que introduziu o pecado no mundo, será também a introdutora da Salvação ou do Salvador no mundo. O papel de Eva é recapitulado por Maria.

    Eva é portadora da desobediência e da morte com o seu “não” a Deus; Maria, ao contrário, traz a fé, alegria e a vida com o seu “sim”. O Anjo mau falou à mulher infiel a Deus, o Anjo Gabriel falou à mulher fiel a Deus; no primeiro caso, a mulher colabora para a morte; no segundo caso, a mulher (a nova Eva, a verdadeira Mãe da vida) colabora para a vida.

    “Podemos assim dizer que Maria é o templo do Senhor, o Sacrário do Espírito Santo. O tabernáculo e a Arca da Aliança, são figuras da Virgem Maria. Ela é o sacrário vivo do Espírito Santo, porque se tornou a Mãe do verbo Encarnado. Basta percorrer as páginas das Escrituras para ver que Deus não habita no meio do pecado”.

    Portanto, Maria foi pensada, amada e predestinada para ser o templo do Espírito Santo e Mãe do Deus Encarnado.

    Se Maria fosse somente um instrumento ou uma mulher comum, como se afirma no protestantismo, o próprio demônio poderia se apresentar a Jesus e dizer: “Onde está sua honra e sua glória?”

    Sem sombra de dúvidas, a Bíblia a Tradição e o Magistério da Igreja, deixa bem claro que a Virgem Maria é Mãe de Deus. É claro que não podemos esquecer que, Ela não é Mãe de Deus na Primeira Pessoa, e sim na segunda Pessoa que é Jesus Cristo.

    E dizer que maria precisou de se salvar…o pastor está brincando.kkkkkkkkkkkkk
    Vamos da uma olhada na bíblia.

    Os protestantes negam esta verdade de fé professada desde o início do Cristianismo. Geralmente costumam citar a Lei Geral “Todos pecaram” (cf. Rm 5,12), como argumento contra a Imaculada Conceição.

    Tal Lei é certa, e a ela está subordinada toda a humanidade. Mas, não será Deus capaz de antes que a alma e o corpo se unam, suspender um de seus efeitos, que é a mácula da alma, a transmissão do Pecado Original?

    Um exemplo destas intervenções Divinas às Leis Gerais, foi quando Deus atrasou a descida do Sol por quase um dia, para que os filhos de Israel vencessem a batalha contra os reis amorreus (cf. Jos 10,12-13).

    Outro exemplo foi quando “Moisés extendeu a mão” e o mar deixou livre seu leito, partindo as águas pelo meio. (Ex. 14,21-22)

    Também é uma Lei Geral, que os mortos aguardem à ressurreição geral, entretanto, Nosso Senhor Jesus Cristo, ressuscitou a Lázaro, estando seu cadáver já em putrefação (cf. Jo 11,41-43).

    Outro argumento protestante contra o dogma, são dos seguintes versos do cântico de Nossa Senhora: “A minha alma engrandece ao Senhor e meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador” (Lc 1,46-47). Segundo eles, Maria reconhece que é pecadora, pois, somente um pecador é que precisa de salvador.

    Seria formidável se soubessem o que é pecar em adão e pecar pessoalmente. Nossa Senhora pertence a uma raça pecadora, pois é humana e filha de Adão e Eva, como todos nós, isto é pecar em Adão. No entanto, sua alma foi preservada da mácula do Pecado Original, não tendo então desejo pelo pecado, sendo incapaz de pecar, isto é, não pecou pessoalmente.

    É claro que Deus é o Salvador da Virgem, pois foi Ele que a livrou do poder da morte. Como diz meu amigo e irmão em Cristo, Professor Carlos Ramalhete: “uma coisa é Deus salvar alguém que caiu em um buraco, outra coisa é Ele impedir que alguém caia no buraco. Nas duas proposições o Senhor é o Salvador, sendo que a segunda se aplica ao caso de Nossa Senhora.”

    Nem mesmo o Pai da Reforma, Martinho Lutero, negou a imaculada conceição da Virgem: “Era justo e conveniente, diz ele, fosse a pessoa de Maria preservada do Pecado Original, visto o filho de Deus tomar dela a carne que devia vencer todo o pecado” (Lut in postil. maj.).

    Provas da Sagrada Escritura
    Ave, cheia de Graça” (Lc 1,28) – a saudação angélica mostra muito bem a Graça que Deus concedeu á Maria Santíssima. “Cheia de Graça” significa que a Virgem obtivera a graça que não existia, a graça perdida, a graça original, isto é, a Imaculada Conceição. A expressão “Cheia de Graça” em grego “Kecharitoménê”, é empregada para designar a graça em seu sentido pleno. A tradução em latim “Gratia Plena”, isto é, “Graça Plena” é mais perfeita do que a portuguesa “Cheia de Graça”. O Arcanjo falando à Virgem que ela achara graça diante de Deus diz: Maria, sois imaculada, e por isto serás a mãe do Salvador.

    O Senhor é Convosco” (Luc 1,28) – estas palavras angélicas, foram ditas antes da concepção pelo Espírito Santo, o que mostra que Deus está com a Nossa Senhora antes da encarnação do Verbo. E, onde está Deus não há pecado, ou seja, Maria não tinha o Pecado Original.

    “Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação” (Hb 9,11) – aqui São Paulo se expressa sobre o ventre que concebeu o menino-Deus, e o compara com um tabernáculo perfeito. Lembremos que no Antigo Testamento, no tabernáculo existia o lugar chamado “Santo dos Santos” ou “Santíssimo Lugar”, que tinha a presença de Deus. Este lugar era visitado pelo sacerdote um vez por ano, e se entrasse lá em pecado, morria fulminado pela presença santa do Senhor. Era comum que o sacerdote entrasse amarrado a uma corda, que era usada para que o povo o puxasse se tivesse morrido. Pois onde Deus está, pecado não há.

    Se Deus pode preservar Nossa Senhora do pecado original em um ventre escravo deste pecado, por que que Deus não pode também preservar seu Filho nas mesmas condições? Isto leva a crer que não era necessário que a Virgem fosse Imaculada.

    O Professor Carlos Ramalhete esclarece o caso: “É necessário para isso perceber como funciona a transmissão do Pecado Original.

    O Pecado Original é transmitido do corpo dos pais ao dos filhos (em termos modernos poderíamos dizer que geneticamente, com óvulo e espermatozóide sendo portadores), e infecta a alma no instante de sua infusão no corpo (ou seja, no instante da concepção). Assim, a Imaculada Concepção foi um ato divino em que Ele impediu que houvesse esta contaminação; São Joaquim e Sant’Ana tinham o Pecado Original, e normalmente o teriam transmitido a sua filha. Deus, no entanto, impediu que a alma que Ele criou fosse contaminada pelo pecado original que normalmente a contaminaria. Este ato divino ocorreu no instante da concepção.

    Assim, ela foi preservada das conseqüência do Pecado Original, e sua vontade era submissa a sua razão. Seu corpo e sua alma estavam livres desta inimizade com Deus, logo preparados para ceder seu material genético para a Encarnação do Verbo.

    Já o caso de seu Filho é bastante diferente. Ele foi concebido pelo Espírito Santo, usando apenas material genético de Nossa Senhora. Como o material genético dela foi preservado por Deus do Pecado, esta concepção foi possível. Depois dessa concepção, em que o próprio Deus uniu-se a um corpo e alma humanos criados especialmente (posto que Nosso Senhor tem corpo humano – herdado da Virgem -, e alma humana – criada imediatamente por Deus, como todas as outras), não houve necessidade de fazer com Ele o que foi feito com Nossa Senhora. Isso aliás seria impossível, pois uma alma imaculada poderia viver em um ventre marcado pelo Pecado Original (o de Sant’Ana), mas a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade não.

    Provavelmente a Mãe d’Ele teria morrido em meio a dores horríveis caso fosse marcada pelo Pecado Original e tentasse abrigar em seu ventre – que não seria imaculado – a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade.

    Há assim, duas respostas que se completam à pergunta:

    1 – Deus preservou Nossa Senhora do Pecado Original para que ela pudesse ser aquela que cedeu seu material genético para a Encarnação do Verbo. Seu material genético deveria estar imaculado, ou teríamos o pior caso de incompatibilidade da história da Criação!

    2 – Sua preservação, que teve o fim que acabo de expor, foi feita de maneira sumamente diferente do que ocorreu em seu ventre quando da Encarnação do Verbo. Ela não é Deus; ela é simplesmente alguém que não foi contaminado (por interferência divina direta), como por exemplo o filho não-aidético de uma grávida aidética. Não há uma contraposição, uma inimizade completa, mas apenas um corpo sadio abrigado em um corpo doente.

    Já Nosso Senhor é o contrário do Pecado por definição. O Pecado é Seu inimigo, o Pecado é a ofensa feita a Ele. Assim, seria como misturar matéria e antimatéria, vírus e anticorpo, se Ele tivesse que ser colocado em um ventre marcado pelo Pecado Original. Ele não poderia ser nutrido por este corpo, Ele não poderia ter o Seu código genético originado deste corpo… a gravidez seria na verdade uma ilusão, pois Sua mãe não seria Sua mãe, sim Sua inimiga. Deus teria que ter criado o corpo dele do nada, e o mantido sem contato real com o corpo de Sua Mãe, ou ela morreria imediatamente.”

    Esse é só resumo vou ficar por aqui se não, o pastor vai passar o dia todo lendo as minhas postagem.

    Por tanto, no protestantismo é assim, os dias que Maria é Mãe de Deus ou não.

    è uma divisão sem tamanha…

    Graças a Deus que eu sai dessa divisão e confusão.

  2. RAZÕES PARA NÃO ADORAR A MARIA

    26 RAZÕES PORQUE NÃO DEVEMOS ADORAR A IRMÃ MARIA ?

    Não são poucos os grupos que param hoje em igrejas, em salões, diante de altares para adorarem a maria, se por ventura Maria hoje estivesse viva aceitaria tal ação de grupos religiosos? Baseado nesta indagação é que vamos estudar vinte e seis razões porque não devemos dá adoração à irmã Maria.

    01. Porque adoração é um culto que se presta a uma Divindade, e não há ninguém nesta terra, Céu ou em qualquer outro lugar que possa provar a divindade de Maria. Porem Facilmente provamos a divindade de nosso Senhor JESUS CRISTO: Porque nEle habita corporalmente toda a plenitude da Divindade – (Colossenses 2.9), leia também:(João 10.30), quando ele diz: EU E PAI SOMOS UM.

    02. Porque nenhum outro nome nos é dado pelo qual devamos ser salvos, senão unicamente o nome DE JESUS CRISTO; (Atos 4.12) – E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.

    03. Porque Maria, nunca foi e nem nunca será mediadora entre Deus e os homens – (1 Timóteo. 2.5,6) – Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem, o qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo.

    04. Porque para ser Remidor de pecados, necessário é que se derrame sangue, porque sem derramamento de sangue não há remissão de pecados – (Hebreus. 9.22); que saibamos o sangue de Maria nunca foi derramado para purificar quem quer que seja. Dela e de todos os seres humanos está escrito: todos pecaram (Romanos 3.23); pelo que como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso todos pecaram – (Romanos 5.12).

    05. Porque tenho ordem de Deus para adorar somente a Ele – Ao Senhor teu Deus adorará e só a ele servirás.(Mateus. 4.9); Leia ainda: (Dt.10.12,17; Ap.14.7).

    06. Porque nenhum dos apóstolos ou mesmo o Senhor Jesus Cristo, falou sobre pseudo-adoração, reverencia, ou veneração que devêssemos prestar à Maria ou a qualquer uma outra pessoa, senão unicamente ao Senhor Jesus Cristo, a quem Deus constituiu herdeiro de tudo,por quem fez o mundo. (Hebreus 1.2 a 4) – A quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo. O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da Majestade, nas alturas; feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles. Leia ainda: (Romanos 1.1 a 6).

    07. Porque a própria Maria mandou a os serventes por ocasião das bodas em caná da Galiléia: “FAZEI TUDO QUANTO ELE VOS MANDAR” (João 2.5). As ordens que Maria mandou obedecer foram as de Jesus, e não Jesus mandou que obedecêssemos às ordens de Maria, mesmo que assim fosse, qual a outra ordem de Maria segundo a escritura sagrada? Uma vez que, somos Cristãos e cristãos seguem o que diz a Bíblia a palavra de Deus.

    08. Porque no plano da salvação, nenhum ser humano que viveu, que vive e viverá, tem participação ou interferência, se não como pecador arrependido. Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus. (Efesios. 2.8) – Leia ainda (Romanos 3.23; Atos 3.19; Atos 4.12).

    09. Porque Maria, como toda mulher carnal, foi mãe de família e cumpriu seu dever de esposa, tendo filhos (Mateus. 13.55,56; Marcos 6.3,4; João 7 3-5). Tanto é que Jesus é chamado de PRIMOGÊNITO e não de UNIGÊNITO. E não a conheceu até que deu a luz seu filho PRIMOGÊNITO e pôs o nome de Jesus – (Mateus 1.25). JESUS É UNIGÊNITO DE DEUS (João 3.16), E O PRIMOGÊNITO DE MARIA. Si é o primogênito é porque há outros.

    10. Porque quando ela foi entregue para ser mãe de João (João 19.26,27), foi para ser de João e não mãe da igreja. Tanto é que não lemos em nenhuma das epístolas, nem mesmo nas epistolas de João que Maria é a mãe da igreja. Medite: (Mateus. 5.48)

    11. Porque o próprio Jesus perguntou: MULHER QUE TENHO EU CONTIGO? (João 2.4).

    12. Porque Maria no seu cântico disse necessitar de um salvador. (Lucas 1.46,47). E a Bíblia só reconhece um salvador do mundo: JESUS CRISTO, filho de Deus: Na cidade de Davi nos nasceu hoje o salvador que é Cristo (Gr. Messias; o ungido de Deus) o Senhor; (Lucas 2.11). …E sabemos que este é VERDADEIRAMENTE O CRISTO, o salvador do mundo. (João 4.42b).

    13. Porque o anjo Gabriel diz: Achaste graça diante de Deus. (Lucas 1.30). graça é favor imerecido (Efesio 2.8); Salvação é graça recebida, e não algo alcançado.

    14. Porque a beatitude de Maria resumia-se no fato de ter sido escolhida para ser mãe do salvador; verbo que se fez carne. (João 1.14).

    15. Porque agraciada significa que foi perdoada ou indultada, que recebeu mercê, graça , favor. (pequena enciclopédia de pesquisas fase. Edição 1981 – volume A) E não faz referencia salvação de nenhum ser humano.

    16. Porque Maria estava no templo por ocasião da apresentação de JESUS, e a profetisa Ana disse que a redenção estava em Cristo e não em Maria . (Lucas 2.36 – 38).

    17. Porque ainda na ocasião da apresentação de JESUS no templo, o profeta Simeão, ao tomar o menino Jesus nos braços disse: Agora Senhor despedes em paz o teu servo, segundo tua palavra, pois já os meus olhos viram a tua salvação, a qual tu preparaste perante a face de todos os povos. (Lucas 2.29 – 31). Nenhuma referência foi feita a Maria como sendo co-participante nesta redenção. A Salvação vem de Jesus Cristo.

    18. Porque Maria, assim como Pedro, são seres humanos, indignos portanto de serem adorados; (Atos 10.25, 26).

    19. Porque Pedro disse a Cornélio ser ele testemunha da salvação de Deus, não mencionou Maria como esta salvação. (Atos 10.38 – 40,42).

    20. Porque não existe na Bíblia nenhuma menção da ascensão (assunção) de Maria ; dogma criado pela igreja romana em 803 d.c no concilio de Maguncia.

    21. Porque não há na Bíblia nenhum versículo que prove o dogma de que Maria é Mãe de Deus. Cristo tem principio como homem, mas, como Deus ele não tem principio nem fim de dias, Ele é eterno e também é o pai da eternidade (Isaias 9.6); Leia também (João .1.1 – 3; Salmo 90.2). DEUS NÃO TEM MÃE PORQUE É ETERNO.

    a) A DUPLA NATUREZA DE JESUS
    1. como homem teve mãe e não teve pai
    -como Deus tem pai e nunca teve mãe
    2. como homem sentiu sede e pediu água a mulher samaritana
    -como Deus sacia os sedentos e do deserto faz rios
    3. como homem teve fome e se alimentou
    -como Deus alimenta os famintos
    4. como homem dormiu na poupa de um barco
    -como Deus não dorme pois é o guarda de Israel
    5. como homem foi batizada a margem do rio Jordão por João batista
    -como Deus é quem batiza no espírito santo
    6. como homem chorou em Betânia e em Jerusalém
    como Deus enxuga o prato, e limpa de teus olhos todo a lágrima. Etc.

    22. Porque alguém disse: bem aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste; Ele respondeu: Antes bem aventurado os que ouvem a palavra de Deus e as guardam. (Lucas 11. 27,28).

    23. Porque quando Maria foi visitar Isabel, esta lhe disse: donde me provém isso que venha visitar-me a mãe de meu Senhor. (Lucas 1.43). CRISTO É SENHOR E SALVADOR e não Maria.

    24. Porque Deus nos proíbe fazer ou possuir imagem de escultura ou qualquer outra imagem para propósito de veneração ou adoração, (Êxodo 20.3,5; Levitíco 19.4; Números 33.52).

    Não quero discriminar as imagens, mas sim a forma como são tratados em relação a Deus. Isto é: Deus é esquecido em cultos denominados aos santos, tais como 12 de outubro, que APARECIDA é venerada, adorada; em 20 de janeiro, que S. Sebastião é adorado ,cultuado, nada de ADORAÇÃO A DEUS e a JESUS o salvador do mundo. Aparecida não salva, não protege; Sebastião não salva não protege, não guia, não guarda e porque é ADORADO em 20 de Janeiro? O que dizer de 24 de Junho dia de são João, 29/06 dia de São Pedro, acredito se Pedro ou João estivessem aqui no dia destes teria uma atitude bem radical com relação a essa veneração aos seus nomes.

    25. Porque as imagens são uma maldição e o livro apócrifo de Sabedoria, no capítulo 14. 27 diz: O culto aos ídolos é o principio e fim de todo mal. Se lermos os capítulos 13 e 14, veremos maiores verdades, leia!. Há não deixe de ler carta de Baruque capítulo 6.

    26. Amo a irmã Maria e sei que ela foi uma serva de Deus, mas não posso adorar-la, pois a minha adoração pertence única e exclusivamente a ao Senhor JESUS CRISTO, o primeiro e o ultimo, o que vive e foi morto, mas eis que está vivo para todo o sempre . Amem. E tem (ELE SÓ) as chaves da morte e do inferno. (Apocalipse 1.17b, 18).

    A todos que de forma clara absorveram este esclarecimento, o desejo do meu coração não é proclamar uma religião, defender o nome de EVANGÉLICOS OU CATOLICOS, e sim de esclarecer segundo a Bíblia Sagrada as verdades acercar de Irmã Maria mãe de meu salvador Jesus Cristo. Quero que não me interprete mal meu desejo é que tornemos cada vez mas claro a Palavra de Deus. Que você seja salvo pelo poder da Palavra do Senhor Jesus. Amem.

    Pastor Gerisvaldo Santos
    Bacharel em Teologia Sistemática

    http://prgerisvaldosantos.blogspot.com.br

  3. A “maternidade de Deus” só confirma a divindade de Cristo. Jesus Cristo não foi criado, mas gerado e é consubstancial ao Pai. Ele é Deus verdadeiro de Deus verdadeiro. É assim que os cristãos professam no Credo do símbolo niceno constantinopolitano.Então sabemos que antes de se encarnar o Senhor Jesus é Deus.

    1ª. pergunta: Acaso Jesus teria deixado de ser Deus por que se encarnou? Quem já afirmou isto já foi excomungado faz tempo.

    Jesus, Deus, a se fazer Emanuel: Deus conosco, adquire também a humanidade. A partir de então Ele que sempre é Deus se tornou também homem. E ao ascender aos Céus com o corpo glorioso leva consigo a humanidade sendo Deus.

    Se Jesus Deus- homem tinha uma mãe, lógico que ela é Mãe de Deus!!!

    2ª Se Maria não for Mãe de Deus, Jesus seu filho é Deus ou só homem?

    Isto é tão simples e lógico, pois não há como dizer que haja dois jesuses: um Jesus Deus e um Jesus homem. Ele é um só: Maria gerou no ventre um filho varão que é nosso Senhor, verdadeiramente Deus, verdadeiramente homem!

    Ela é a digníssima Mãe do Senhor Jesus, Deus-Filho, portanto sempre será Mãe de Deus! Fato teológico perfeito!

  4. Pingback: APOLOGÉTICA: Catolicismo x Bíblia Sagrada « Assembléia de Deus – Bezerros (PE)

  5. Deus Pai, Filho e Espírito Santo, três pessoas da Santissíma Trindade. Vai fazer catequese depois você pensa em vim blasfemar na internet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s