Parábola da botija quebrada


(Jr 19:1-13)

 Essa outra parábola encenada não pode ser confundida com a que acabamos de analisar (PARÁBOLA DO OLEIRO E DO BARRO), embora Jeremias possa ter usado uma boti­ja do mesmo oleiro. Essa parábola dramatizada representa o lado ne­gro da parábola anterior, do oleiro. A evidente diferença entre as duas parábolas revela a irremediabilidade da condição e da posição de Israel.

Na Parábola do oleiro há a idéia de construção. O barro, apesar de impuro, ainda estava maleávei, po­dendo ser remodelado no formato desejado. Assim “o oleiro tornou a fazer dele outro vaso”.

Na Parábola da botija, o tema evi­dente é a destruição. Israel estava tão incorrigível no pecado e na rebeldia que parecia já não ter esperança de recuperação. Aqui o barro já está endurecido. Qualquer remodelagem era impossível e, por não servir ao propósito para o qual fora criado, não haveria outra medida senão destruí-lo. Que solene e espantoso símbolo da obstinação de Israel, que resultou no declínio do seu sistema nacional, po­lítico e religioso!

Os anciãos, tanto do povo quanto dos sacerdotes, eram os representan­tes do governo civil e religioso e, por­tanto, foram chamados para teste­munhar a parábola encenada e a profecia sobre tudo o que considera­vam de mais precioso (19:10; Is 8:1,2). “Deus espalhou as nações e os seus representantes”. Mais tarde, os judeus não poderiam alegar des­conhecimento das profecias que seus anciãos tinham recebido.

E algo significativo que o lugar em que o pecado foi praticado tenha sido escolhido como o local da de­núncia divina contra Israel. O pró­prio lugar de onde aguardavam o so­corro dos seus ídolos seria o cenário de seu massacre. No vale de Hinom a mais abominável forma de idola­tria era praticada. Tofete era o cen­tro dos sacrifícios a Moloque (2Rs 23:10) —sacrifícios humanos a que Israel se viciara. Assim, o lugar de degradação testemunharia o casti­go e a destruição, exatamente como mais tarde aconteceu em Jerusa­lém, onde Cristo foi crucificado, fa­zendo da cidade um lugar de terrí­vel destruição.

Quanto à quebra da botija diante dos homens, esse ato parabólico re­alça o direito e o poder divino de que­brar os homens e as nações em pe­daços, como a um vaso de oleiro (SI 2:9). As imagens bem conhecidas expressam a soberania absoluta de Deus (Jr 18:6; Rm 9:20,21). “… não pode mais refazer-se” refere-se de modo trágico à ruína de Israel. Deus, como divino oleiro, quebra o que não pode ser restaurado. Jeremias pro­fetizou o colapso e a dispersão de Ist rael —nação privilegiada— profecia que se cumpriu plenamente na in­vasão dos romanos (70 d.C). Os ter­ríveis infortúnios desse capítulo fo­ram escolha de Israel; e o castigo por rejeitarem a Deus deveria ser pago.

Embora a botija ou o vaso do olei­ro não possa ser restaurado, pode-se fazer outro do mesmo material, de modo que há, para a felicidade de Israel, uma profunda compaixão di­vina que a parábola de Jeremias não deixa de apresentar. Deus recolheu os fragmentos do lixo e fez surgir uma nova semente para os judeus —não igual aos rebeldes destruídos, cuja ruína o profeta anunciou, mas a colocação de outra geração no lu­gar deles. Paulo ensina que os frag­mentos espalhados hão de se unir novamente e Israel se transformará num vaso de grande honra (Rm 11).

Herbert Lockyer.

About these ads

One thought on “Parábola da botija quebrada

  1. A palavra do senhor é complexa, o senhor tem todo o direito de agir na nossa vida como nosso oleiro pois podendo nos fazer um vaso novo a cada dia nos renovando para q possamos passar ao nosso proximo o q o SENHOR tem o melhor para nossas vidas.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s